10 compostos halogenados Prof. Aline
52 pág.

10 compostos halogenados Prof. Aline


DisciplinaQuímica Orgânica I13.801 materiais254.402 seguidores
Pré-visualização2 páginas
onde a olefina mais estável é formada em 
maior concentração
Grupo Abandonador e a Velocidade da E1
Segue a mesma tendência da E2
Estrutura do Haleto e a Velocidade da E1
Segue a mesma tendência da SN1
Reações de \u3b2-Eliminação Bimoleculares (E2) 
Mecanismo da Reação E2: 
V = k [Haleto][Base] \u2192 reação de segunda ordem
Efeitos Estruturais e a Velocidade da E2
Grupo Abandonador
Estrutura do Haleto de Alquila
Contrário da Substituição SN2
Regioquímica da Eliminação E2 
(i) O alceno mais estável, mais substituído (hiperconjugação) é 
formado preferencialmente: estabilização maior da ligação C=C 
parcial no estado de transição: Regra de Saytzev
(ii) Forma-se maior quantidade da olefina com os grupos mais 
volumosos em lados opostos (trans, E). 
Alcenos conjugados são preferidos ao invés de alcenos mais 
substituídos (estabilização por conjugação)
Estereoquímica da Reação E2 
Eliminação ocorre a partir de 
conformação que permite a 
sobreposição dos orbitais das 
ligações quebradas. 
A eliminação anti é favorecida sobre a eliminação sin
Eliminação sin Eliminação anti
Uma melhor sobreposição de orbitais sp3(carbono)-p(haleto) é 
atingida quando a eliminação ocorre de maneira anti-periplanar
(trans-periplanar) para formação da C=C. 
eclipsado estrelado ou 
em opisição
Esteroespecificidade da Eliminação
Cloreto de mentila (Diatereoisômero A)
Conformação mais estável Conformação mais instável
Cloreto de mentila (Diatereoisômero B)
trans-diaxial
(anti-periplanar) 
Conformação mais instável Conformação mais estável
Cloreto de mentila (Diatereoisômero B)
trans-diaxial
(anti-periplanar) 
Bases estericamente impedidas podem também 
alterar a regioquímica da Reação E2
Utilizando-se base estericamente impedidas 
se obtém mais do produto com a dupla 
menos substituída (Produto Hofmann) 
Comparando as reações
E2 e E1 de haletos de alquila
(i) Tanto na E1 quanto na E2 ocorre a formação da olefina mais 
estável (Saytzev): alceno mais substituído, trans ou conjugado; 
(ii) Na E1 ocorre a regioseletividade Saytzev, inclusive por 
rearranjo, apesar da definição da estereoquímica ser 
determinada na segunda etapa (não limitante para a 
velocidade da reação); 
(iii) O uso de bases estericamente impedidas pode mudar a 
relação dos produtos, fornecendo o alceno menos estável 
RESUMO: REGIOQUÍMICA E ESTEREOQUÍMICA DA ELIMINAÇÃO
relação dos produtos, fornecendo o alceno menos estável 
(Hofmann); 
(iv) As reações E1 e E2* são estereoseletivas para formação de 
alcenos trans (mais estáveis); 
*Nas reações E2 isso aplica até mesmo para substratos sem 
definição estereoquímica, pois é um requerimento básico. 
Substituição versus Eliminação
1. Estrutura do substrato; 
2. Natureza do grupo abandonador; 
3. Nucleofilicidade e basicidade do Nu; 
4. Solvente da reação; 
5. Temperatura. 
O direcionamento da reação para um mecanismo SN1, SN2, E1 ou E2, 
depende dos seguintes fatores: 
Reação Solvente Nucleófilo/Base Grupo de saída
Estrutura do 
substrato
SN1
Efeito muito forte; 
reação favorecida por 
solventes polares
Efeito fraco; reação 
favorecida por bom 
nucleófilo/base fraca
Forte efeito; reação 
favorecida por bom 
grupo de saída
Forte efeito; reação 
favorecida por substratos 
3°, alílicos e benzílicos
SN2
Forte efeito; reação 
favorecida por 
solventes polares 
apróticos
Forte efeito; reação 
favorecida por bom 
nucleófilo /fraca base
Forte efeito; reação 
favorecida por bom 
grupo de saída
Forte efeito; reação 
favorecida por substratos 
1°, alílicos e benzílicos
Tabela 3. Resumo das variáveis nas reações SN1, SN2, E1 e E2
apróticos
nucleófilo /fraca base grupo de saída 1°, alílicos e benzílicos
E1
Efeito muito forte; 
reação favorecida por 
solventes polares
Efeito fraco; reação 
favorecida por base 
fraca
Forte efeito; reação 
favorecida por bom 
grupo de saída
Forte efeito; reação 
favorecida por substratos 
3°, alílicos e benzílicos
E2
Forte efeito; reação 
favorecida por 
solventes polares 
apróticos
Forte efeito; reação 
favorecida pelo 
nucleófilo fraco/ base 
forte
Forte efeito; reação 
favorecida por bom 
grupo de saída
Forte efeito; reação 
favorecida por substratos 3°
Observação: 
\u2022 Basicidade é uma medida da facilidade com que uma espécie
compartilha seu par não ligante com um próton.
\u2022 A nucleofilicidade é uma medida da rapidez com que uma
espécie é capaz de atacar um átomo deficiente de elétrons.
Tipo de 
haleto
SN1 SN2 E1 E2
Haleto
primário
Não ocorre
Altamente
favorecida
Não ocorre
Ocorre quando são 
usadas bases 
fortes, impedidas
Haleto
Pode ocorrer sob 
condições de 
Favorecida por 
bons nucleófilos
Pode ocorrer sob 
condições de 
Favorecida quando 
Tabela 2. Resumo reatividade geral dos haletos nas reações SN1, SN2, E1 e E2
Haleto
secundário
condições de 
solvólise com 
solventes polares
bons nucleófilos
em solventes 
polares apróticos
condições de 
solvólise com 
solventes polares
Favorecida quando 
bases fortes são 
usadas
Haleto
terciário
Favorecida por 
nucleófilos não-
básicos em 
solventes polares
Não ocorre
Ocorre em 
condições de 
solvólise
Altamente 
favorecida quando 
bases são usadas
Favorecendo E2 sobre SN2
Em todos os casos, as reações de eliminação são favorecidas por 
temperaturas elevadas (maior que temperatura ambiente) e reações 
de substituição por temperaturas baixas (menor ou igual a 0oC), além 
de baixo efeito estéreo e um nucleófilo bom e fracamente básico.
Condições que favorecem SN1/E1
A etapa determinante da velocidade de ambas reações é a formação 
do carbocátion. Desta forma, nesses condições experimentais, 
formam-se ambos produtos: Eliminação e Substituição