Annie Besant   O Cristianismo Esotérico
128 pág.

Annie Besant O Cristianismo Esotérico


DisciplinaCristianismo219 materiais934 seguidores
Pré-visualização50 páginas
contínuos, auxiliados sem dúvida pelos Instrutores invisíveis.
As palavras do próprio Mestre são claras e definidas, e foram, como veremos, 
citadas por Orígenes como referentes ao ensinamento secreto preservado na 
Igreja. \u201cE quando estava sozinho, aqueles que estavam com Ele, os doze, 
faziam-Lhe perguntas sobre as parábolas. E Ele lhes disse: \u2018A vós é dado 
conhecer o mistério do Reino de Deus, mas a eles que estão de fora, todas 
estas coisas são dadas em parábolas\u2019 \u201c. E mais adiante: \u201cCom muitas 
parábolas semelhantes Ele pregava a palavra à multidão, pois só assim podiam 
ouvir. Mas sem parábolas Ele não lhes falava; e quando eles estavam sozinhos 
Ele explicava todas as coisas aos Seus discípulos\u201d (Marcos, IV, 10, 11, 33, 34. 
Vide também Mateus, XIII, 11, 34, 36, e Lucas, VIII, 10). Percebam as 
significativas palavras \u201cquando estavam sozinhos\u201d, e a frase \u201caqueles que 
estão de fora\u201d. Também na versão de São Mateus: \u201cJesus despediu a multidão, 
e entrou na casa; e Seus discípulos foram com Ele\u201d. Estes ensinamentos 
dados \u201cna casa\u201d, os significados mais recônditos de Suas instruções, 
considera-se que eram transmitidos de instrutor a instrutor. O Evangelho dá, 
note-se, as explicações místicas alegóricas, aquilo que chamamos Os Mistérios 
Menores, mas o significado mais profundo diz-se ter sido dado somente aos 
iniciados.
Novamente, Jesus diz até mesmo aos Seus apóstolos: \u201cEu ainda tenho muitas 
coisas para vos dizer, mas ainda não sois capazes de as receber\u201d (João, XVI, 
12). Algumas delas provavelmente foram ditas depois de Sua morte, quando 
Ele foi visto pelos discípulos \u201cfalando das coisas pertencentes ao Reino de 
Deus\u201d (Atos, 1, 3). Nenhuma delas foi registrada publicamente, mas quem pode 
acreditar que foram deixadas de lado ou esquecidas, e não preservadas como 
algo inestimável? Havia uma tradição na Igreja que Ele visitou Seus apóstolos 
durante um considerável período após Sua morte, para dar-lhes instrução \u2013 um 
fato a que faremos menção mais tarde \u2013 e no famoso tratado Gnóstico Pistis 
Sophia, lemos: \u201cchegou-se a dizer que, depois de ressuscitar dos mortos, 
Jesus passou onze anos falando com Seus discípulos e instruindo-os\u201d (loc. cit., 
trad. G.R.S. Mead, I, I, 1). Então vem a frase, que muitos gostam de amenizar 
e explicar evasivamente: \u201cNão deis o que é santo aos cães, nem lanceis 
vossas pérolas ao porcos\u201d (Mateus, VII, 6) \u2013 um preceito que é de aplicação 
geral, na verdade, mas foi considerado pela Igreja Primitiva referir-se aos 
ensinamentos secretos. Deveria ser lembrado que as palavras não tinham a 
mesma dureza naqueles dias como têm agora, pois a palavra \u201ccães\u201d \u2013 
significando o vulgo, o profano \u2013 era aplicada por aqueles de um determinado 
círculo a todos os que eram de fora de seu grupo, seja por uma sociedade ou 
associação, ou por uma nação \u2013 como pelos Judeus a respeito dos Gentios 
(assim como sobre as mulheres gregas: \u201cNão é lícito tirar o pão das crianças e 
jogá-lo para os cães\u201d \u2013 Marcos, VII, 27). Algumas vezes era usada para 
designar aqueles que estavam fora do círculo dos Iniciados, e a encontramos 
aplicada neste sentido na Igreja Primitiva; aqueles que, não tendo sido 
iniciados nos Mistérios, eram considerados como fora do \u201cReino de Deus\u201d, ou 
da \u201cIsrael espiritual\u201d, e tinham este nome aplicado a eles.
20
Havia diversos nomes, além do termo \u201cO Mistério\u201d, ou \u201cOs Mistérios\u201d, usados 
para designar o círculo sagrado de Iniciados ou ligados à Iniciação: \u201cO Reino\u201d. 
\u201cO Reino de Deus\u201d, O Reino dos Céus\u201d, A Vereda Estreita\u201d, \u201cA Porta Estreita\u201d, 
\u201cO Perfeito\u201d, \u201cO Salvo\u201d, \u201cVida Eterna\u201d, \u201cVida\u201d, \u201cO Segundo Nascimento\u201d, \u201cO 
Pequenino\u201d, \u201cA Criancinha\u201d. O significado é tornado claro pelo uso destas 
palavras nos primeiros escritos Cristãos, e em alguns casos fora do círculo 
Cristão. Assim, o termo \u201cO Perfeito\u201d era usado pelos Essênios, que tinham três 
graus em suas comunidades: os Neófitos, os Irmãos, e os Perfeitos \u2013 sendo 
estes os Iniciados; e é empregado geralmente neste sentido nos antigos 
escritos. \u201cA Criancinha\u201d era o nome comum para um candidato recém iniciado, 
isto é, aquele que recém teve seu \u201csegundo nascimento\u201d.
Quando passamos a conhecer este uso, muitas passagens de outro modo 
obscuras e rudes se tornam inteligíveis. \u201cEntão um disse-lhe: Senhor, serão 
poucos os salvos? E Ele respondeu-lhes: Esforçai-vos para entrar pela porta 
estreita; pois digo-vos, muitos procurarão entrar e não serão capazes\u201d (Lucas, 
XIII, 23, 24). Se isto for aplicado, do modo Protestante usual, à salvação do 
fogo eterno do inferno, a afirmação se torna incrível, chocante. Não se pode 
supor que nenhum Salvador do mundo possa afirmar que muitos procurarão 
evitar o inferno e entrar no céu, mas não serão capazes de fazê-lo. Mas se 
aplicado à estreita porta de entrada na Iniciação e sua conseqüente salvação 
do renascimento, é perfeitamente verdadeiro e natural. E novamente: \u201cEntrai 
pela porta estreita; pois larga é a porta e amplo é o caminho que conduz à 
destruição, e muitos serão os que andarão neles; porque estreita é a porta e 
apertado é o caminho que conduz à vida; e poucos o encontrarão\u201d (Mateus, VII, 
13, 14). A advertência que se segue imediatamente contra os falsos profetas, 
os mestres dos Mistérios tenebrosos, é muito própria em relação a aquilo. 
Nenhum estudante pode esquecer o som familiar destas palavras usadas no 
mesmo sentido em outras passagens. A \u201cantiga vereda estreita\u201d é familiar a 
todos; a senda \u201ctão difícil de trilhar como se fosse o fio de uma navalha\u201d 
(Kathopanishad, II, IV, 10, 11) já mencionado; a perambulação \u201cde morte em 
morte\u201d daqueles que seguem o florido caminho dos desejos, daqueles que não 
conhecem Deus; pois só se tornam imortais e escapam da bocarra da morte, 
da repetida destruição, aqueles homens que eliminaram todos os desejos 
(Brhadâranyakopanishad, IV, IV, 7). A alusão á morte, é claro, é feita aos 
repetidos nascimentos da alma na existência material grosseira, considerada 
sempre como \u201cmorte\u201d quando comparada à \u201cvida\u201d dos mundos mais elevados e 
sutis.
Esta \u201cPorta Estreita\u201d era o portal da Iniciação, através dele o candidato entrava 
no \u201cReino\u201d. E sempre foi e deve ser verdadeiro que somente uns poucos 
podem passar por aquele portal, embora miríades \u2013 uma excepcionalmente 
\u201cgrande multitude, que ninguém poderia contar\u201d (Apocalipse, VII, 9), e não uns 
poucos \u2013 adentrem a felicidade do mundo celeste. Assim também falou um 
outro grande Instrutor, há quase três mil anos atrás: \u201cDentre milhares de 
homens talvez só um se esforce pela perfeição; dentre os milhares que a 
obtém talvez só um Me conheça em essência\u201d (Bhagavad Gita, VII, 3). Pois 
são poucos os Iniciados em cada geração, são a flor da humanidade; mas 
nenhuma frase terrível de condenação eterna é pronunciada nesta declaração 
sobre a vasta maioria da raça humana. Como Proclo ensinou (vide ante, p. 23), 
21
os salvos são os que escapam do ciclo da geração, ao qual está atada a 
humanidade.
Em conexão a isto podemos lembrar da história do jovem que veio a Jesus, e 
chamando-lhe de \u201cBom Mestre\u201d, perguntou como ele poderia obter a vida 
eterna \u2013 a bem reconhecida liberação dos renascimentos através do 
conhecimento de Deus (deve ser lembrado que os Judeus acreditavam que 
todas as almas imperfeitas voltavam para viver novamente na Terra). Sua 
primeira resposta foi o preceito exotérico usual: \u201cObserva os mandamentos\u201d. 
Mas quando o jovem respondeu: \u201cTodas estas coisas eu tenho observado 
desde minha juventude\u201d, então, para aquela consciência livre de toda a 
transgressão, veio a resposta do verdadeiro Mestre: \u201cSe queres ser perfeito, vai 
e vende tudo o