CARTAS AOS ESTUDANTES   BIBLIOTECA UPASIKA
96 pág.

CARTAS AOS ESTUDANTES BIBLIOTECA UPASIKA


DisciplinaAstrologia619 materiais2.143 seguidores
Pré-visualização34 páginas
Os galhos laterais são percorridos 
em todo o seu comprimento pelas correntes de desejos que circundam o nosso planeta e que atuam tão 
fortemente na espinha dorsal horizontal dos animais. As correntes de desejos ativam a vida dormente das 
plantas nos falhos laterais para um grau mais elevado de consciência do que o dos ramos verticais, que 
se acham cruzados longitudinalmente pelas correntes vitais que irradiam do centro da terra. Com o 
tempo, as plantas também serão mais sensitivas para poderem servir de alimento, portanto, outras fontes 
deverão ser procuradas. 
Hoje em dia temos grande capacidade para trabalhar com as substâncias químicas e minerais; 
convertemo-las em casas, embarcações e outra série de coisas que evidenciam a nossa civilização. 
Somos donos dos minerais, que estão fora do nosso corpo, mas impotentes para assimila- los e usa- los 
internamente no nosso sistema para a construção de nossos órgãos. Nosso trabalho com os minerais do 
mundo externo está elevando suas vibrações e pavimentando o caminho para seu uso interno direto. Por 
meio da alquimia espiritual construiremos o templo do espírito, conquistaremos o pó do qual viemos e 
seremos qualificados como verdadeiros Mestres Maçons para trabalhar nas esferas superiores. 
 CARTAS AOS ESTUDANTES - Max Heindel 
 
 25 
CARTA Nº 16 
Março de 1912 
NECESSIDADE DE DEVOÇÃO 
 Como o assunto do matrimônio, tratado na nossa lição do mês passado, recebeu um tratamento 
adicional mais completo, creio que a carta deste mês possa ser mais proveitosa se abordar um tema sobre 
o qual tenho desejado discorrer há muito tempo. 
O "Conceito Rosacruz do Cosmos" teve um sucesso tão fenomenal e fez brotar tanta gratidão e 
admiração em todo o mundo, que eu deveria sentir-me lisonjeado pela atenção que lhe foi concedida em 
todos os lugares. Mas, ao contrário, começo a sentir cada vez maior receio que o livro possa perder o 
objetivo ao qual os Irmãos Maiores aspiram. Seu propósito, como é dito no livro, é o de satisfazer a 
mente mediante a explicação intelectual do mistério do mundo, de forma que o lado devocional da 
natureza do estudante possa desenvolver-se por conceitos que seu intelecto aprove. O "Conceito 
Rosacruz do Cosmos", creio, abriu caminho a esta chamada ao intelecto, dando satisfação à mente 
investigadora. Centenas, talvez milhares de cartas testemunham que estudantes encontraram nele o que 
procuravam há anos. Mas, parece que alguns só se interessaram pela concepção intelectual e, a menos 
que o livro dê ao estudante um desejo fervoroso de transcender o caminho do conhecimento e prosseguir 
pelo caminho da devoção, em minha opinião, esse livro será um fracasso. 
Em outra sociedade formada sob estas mesmas normas, conheci grupos que debateram durante anos um 
plano sobre o átomo, examinando profundamente as minúcias das espirais, mas com uma extraordinária 
frieza e indiferença perante as dores do mundo. É com profunda pena e grande receio que noto o 
desenvolvimento desta tendência entre alguns de nossos estudantes, uma tendência que espero possa ser 
reprimida antes que mate o coração. O conhecimento ensoberbece, mas o amor edifica, disse Paulo, é 
isto é bem claramente demonstrado na atitude dos membros daquela sociedade a qual me referi, os 
quais, como freqüência, depreciam a religião cristã pela tribuna e pela imprensa, porque acham que falta 
a ela uma concepção intelectual do Universo. 
Deixem que lhes recorde a advertência feita por nosso Mestre no "Conceito Rosacruz do Cosmos" e que 
se refere aos diagramas: "No melhor dos casos são somente muletas para ajudar as nossas limitadas 
faculdades; quando desenhamos um diagrama para explicar os mistérios espirituais, é como se 
tirássemos todas as peças de um relógio e as espalhássemos para mostrar como elas indicam a hora". 
Ainda que os diagramas possam ser uma valiosa ajuda em certo estágio do nosso desenvolvimento, 
cumpre-nos sempre recordar as suas limitações, e devemos esforçar-nos para obter, através da nossa 
intuição, a verdadeira concepção espiritual. Também creio que é da maior importância que os estudantes 
observem o verdadeiro propósito do "Conceito Rosacruz do Cosmos" onde possa ser visto cada vez que 
o livro for aberto, pois, "ainda que eu conheça todos os mistérios e toda a ciência, se não tiver Amor, 
serei como o metal que soa ou como o sino que tine" e este amor deve ser utilizado no serviço e no 
auxílio aos nossos semelhantes. 
 
 
 
 CARTAS AOS ESTUDANTES - Max Heindel 
 
 26 
CARTA Nº 17 
Abril de 1912 
ATRASADOS NA EVOLUÇÃO 
 Pelos ensinamentos da lição do mês passado, compreendemos que não há absolutamente qualquer 
fundamento em relação ao ponto de vista, comumente aceito, sobre as almas perdidas. Não há uma só 
palavra na Bíblia que leve em si a idéia que costumamos atribuir à palavra "para sempre". A palavra 
grega é aionian e significa "um período de tempo indefinido, uma era", e quando lemos na Bíblia as 
palavras "eternamente e para sempre", deveríamos interpreta- las "por séculos e séculos\u2019. Além disso, 
como é uma verdade da natureza que, "em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser\u2019, uma alma 
perdida significaria que uma parte de Deus se havia perdido e, naturalmente, isto é inconcebível. 
Depois que escrevi a lição anterior, ocorreu-me outro ponto que mostrará como a "perda" de um Período 
está relacionada como o próximo. Devem lembrar-se que falamos dos espíritos de Lúcifer como 
atrasados do Período Lunar, e dissemos que não poderiam achar campo para a sua evolução no presente 
esquema de manifestação. Os Arcanjos habitam o Sol, os Anjos têm a seu cargo todas as luas, mas os 
espíritos de Lúcifer fo ram incapazes de residir em qualquer desses luminares. Não podiam ajudar na 
geração, pura e desinteressadamente, como o fazem os Anjos, uma vez que atuavam sob as forças da 
paixão e dos desejos egoístas, pelo que houve necessidade aloja-los num lugar separado. Assim, foram 
colocados no planeta Marte, fato bem conhecido pelos antigos astrólogos, que atribuíam a Marte a 
regência sobre Áries, que tem domínio sobre a cabeça (lembrem-se que o cérebro é construído por 
forças sexuais subvertidas), e também comprovaram que aquele planeta é o regente de Scorpio, que 
governa os órgãos de reprodução. Áries está na primeira casa de um horóscopo e denota o princípio da 
vida; Scorpio é a oitava, significando a morte; nisto está contida a lição de que tudo o que é gerado pela 
paixão e pelos desejos está condenado à dissolução. Assim, Marte é esotérica e astrologicamente "o 
Diabo"; e Lúcifer, o chefe entre os Anjos caídos, é realmente o adversário de Jeová, que dirige a força 
de fecundação vinda do Sol por meio da atividade lunar. 
No entanto, os Espíritos de Lúcifer estão ajudando o processo da evolução. Deles recebemos o ferro que, 
por si só, torna possível viver numa atmosfera oxigenada. Foram e continuam sendo os agitadores para o 
progresso material, portanto, não temos o direito de antagonizá- los. A Bíblia tacitamente proíbe-nos de 
ultrajar os deuses. Conforme lemos na Epístola de São Judas, nem o Arcanjo Miguel ousou ultrajar 
Lúcifer, e no livro de Jô fala-se como estando entre os filhos de Deus. O seu embaixador na terra, 
Samael, é o Anjo da morte, representado por Scorpio, mas é também o Anjo da vida e da ação 
simbolizada por Áries. Se não fossem pelos ativos impulsos marcianos, talvez não sentíssemos as dores 
tão agudamente como as sentimos, nem tão pouco poderíamos