UC5   Introdução ao Agronegócio
128 pág.

UC5 Introdução ao Agronegócio


DisciplinaAgroindústria e Agronegócio80 materiais1.346 seguidores
Pré-visualização26 páginas
produtores dessa variedade são: Espírito Santo (maior produtor 
de conilon), Rondônia, Bahia, Minas Gerais e Mato Grosso. A produção nacional de robusta em 
maio de 2013, por exemplo, representou cerca de 25% da cultura nacional de café. 
Introdução ao Agronegócio
43
Veja os estados nacionais produtores de café e as respectivas espécies cultivadas em cada local.
Regiões produtoras de café
Arabicas
Conillon (Robusta)
Fonte: ABIC (2013)
Agora, ao compararmos os hectares utilizados na produção brasileira de café nos estados 
produtores, podemos observar que as maiores áreas de produção estão concentradas nos 
estados de Minas Gerais e Espírito Santo.
Hectares produzidos na produção brasileira de café
1.200.000
1.000.000
800.000
600.000
400.000
200.000
0
H
ec
ta
re
s
2012
2013
M
in
as
 G
er
ai
s
Es
pí
ri
to
 S
an
to
Sã
o 
Pa
ul
o
Pa
ra
ná
Ba
hi
a
Ro
nd
ôn
ia
M
at
o 
G
ro
ss
o
Pa
rá
G
oi
ás
Ri
o 
de
 Ja
ne
ir
o
O
ut
ro
s
Fonte:ABIC
A cadeia agroindustrial do café, segundo Zilbersztajn (1993), é estruturada pelas operações 
agrícolas, como a industrialização do grão verde, a torrefação e a comercialização. Paralelamente 
Curso Técnico em Agronegócio
44
a esse conceito, surge outro estudo que indica que a cadeia de café brasileira é constituída pelos 
seguintes segmentos (SAES E FARINA, 1999):
Cadeia produtiva do café no Brasil
Insumos
(mudas, defensivos, máquinas etc)
Produção
MG, ES, SP, PR, BA, RO, MT
1º Processamento do Café
Maquinistas e Cooperativas
2º Processamento do Café
Empresas de torrefação e moagem
Vendedores Nacionais
Cooperativas, Exportadores e Atacadistas
Compradores Internacionais
Empresas de solúvel, torrefação e dealars
Varejo Nacional e Internacional
Supermercados, mercado institucional, 
cafeteiras, bares e restaurantes
Consumidor
Fonte: Adaptação de Saes e Farina (199)
A maioria dos produtores de café no Brasil são membros de alguma associação de interesse 
privado, e os insumos, em grande parte, são obtidos por meio das cooperativas, que os 
disponibilizam com menor preço por operarem em grande escala. 
Apenas grandes cafeicultores vendem os grãos para compradores diretos, pois a maioria dos 
produtores se relaciona com a cooperativa para entregar seus produtos. Zilbersztajn (1993) 
acredita que \u201cem geral os produtores trabalham com um nível de incerteza e insegurança 
muito alto em relação às informações disponíveis no mercado\u201d. Mas por que essa incerteza 
acontece para os produtores de café? 
Essa situação ocorre em função de fatores como distância física entre produtor e cooperativa, 
desinteresse em participar das transações e dificuldade de comunicação com as fontes. 
Nesse sentido, o produtor mantém uma relação instável com a cooperativa, já que ele possui 
a possibilidade de vender a sua produção para outros atores da cadeia (ZILBERSZTAJN, 1993). 
Introdução ao Agronegócio
45
Por sua vez, as cooperativas vendem o café para a indústria de torrefação, os exportadores e 
os dealers.
 Dealers
Negociantes que atuam como intermediários em uma transação comercial.
É importante destacar que algumas cooperativas atuam, também, nos processos de torrefação 
e moagem. A comercialização e a distribuição de café no Brasil são realizadas \u201cpor meio 
dos exportadores, maquinistas, corretores, atacadistas e varejistas em geral, como bares, 
restaurantes, padarias, supermercados e as próprias torrefadoras\u201d (ZYLBERSZTAJN, 1993). 
O
Informações extras
Veja alguns dados sobre a cafeicultura brasileira:
\u2022 sustenta de 250 mil a 300 mil produtores;
\u2022 emprega diretamente três milhões de pessoas;
\u2022 responde por 5% das divisas geradas.
O povo brasileiro é um dos maiores consumidores de café do mundo, e a 
preferência nacional é o café torrado e moído: cada consumidor consome 
em média 2,1 quilos de café por ano, o que equivale a cerca de 400 
cafezinhos.
Fonte: ABIC.
Perspectivas futuras
Consumo de café
Segundo a Organização Internacional do Café \u2013 OIC, o consumo de café no Brasil tem crescido 
a uma taxa média anual de 4,8%. Segundo a ABIC (2012), \u201cos brasileiros estão consumindo mais 
xícaras de café por dia e diversificando as formas da bebida durante o dia, adicionando ao café 
filtrado também os cafés espressos, os cappuccinos e outras combinações com leite\u201d. Veja como 
vem ocorrendo a evolução do consumo interno no Brasil durante o período de 1990 a 2012.
Brasil: consumo per capita de café verde e café torrado
7
6
5
4
3
2
1
0
19
90
19
92
19
94
19
96
19
98
20
00
20
02
20
04
20
06
20
08
20
10
Ma
io/
11
 
- A
br
il/1
2
kg
/h
ab
ita
nt
es
Kg café verde
Kg café torrado
Fonte: ABIC (2013)
Curso Técnico em Agronegócio
46
Outro fato curioso é que, desde 2004, observa-se o aumento do consumo de café fora do lar 
em função da popularização das cafeterias em diversas cidades brasileiras. Isso incrementa 
os hábitos de consumo do grão, bem como sua economia. Aliás, já se observa essa tendência 
ocorrendo em países da Europa e também nos Estados Unidos. Nestes, a preferência é por 
cafés especiais, geralmente de melhor qualidade.
As projeções feitas pelo MAPA para o café estimam o aumento da produção até 2023, bem 
como das exportações. A previsão do MAPA é de que o país continue como o maior produtor 
mundial e o principal exportador, e que também mantenha os compradores habituais e os 
parceiros estimados em mais de cem mercados \u2013 cenário bastante promissor!
Observa-se que o crescimento estimado para o consumo da bebida é de 28,6% até 2023. 
A título de observação, e ainda de acordo com a ABIC, esse panorama teve uma pequena 
diminuição em 2013 devido ao café disputar a preferência dos consumidores com os produtos 
prontos, tais como sucos e achocolatados
Brasil: projeção da produção, consumo e exportação de café
60
50
40
30
20
10
0
Produção
Consumo
M
ilh
õe
s 
de
 to
ne
la
da
s
20
12
/1
3
20
13
/1
4
20
14
/1
5
20
15
/1
6
20
16
/1
7
20
17
/1
8
20
18
/1
9
20
19
/2
0
20
20
/2
1
20
21
/2
2
20
22
/2
3
Exportação
Fonte:MAPA (2013)
O evento é importante, pois foi a primeira queda registrada no 
consumo no país desde 2003 e o segundo recuo da série histórica, 
segundo dados da ABIC contabilizados desde 1990. 
De acordo com a associação, as inúmeras novas opções prontas para o consumo no café da 
manhã (que incluem bebidas à base de soja, cuja penetração no mercado ainda é pequena 
comparada ao tradicional cafezinho) têm apresentado crescimento bastante elevado.
Essas categorias com maior valor agregado desafiam a indústria de café para que busque 
a inovação e, também, para que procure voltar a ter altos índices de crescimento, o que se 
espera alcançar com a oferta de cafés de melhor qualidade, diferenciados e certificados. 
E, para finalizar esta análise sobre perspectivas futuras do café, a ABIC estimou em 2014 a 
retomada do crescimento do consumo interno de café entre 3% a 4%, com maior procura 
por cafés de melhor qualidade, desde os tradicionais até os cafés gourmet \u2013 informação 
importante a se considerar não só como tendência futura, mas obviamente de mercado. 
Introdução ao Agronegócio
47
3: Cana-de-Açúcar
No período entre 2000 e 2010, constata-se um grande crescimento da produção de cana-de-
açúcar em função do aumento da demanda de açúcar no mundo. Mas como isso ocorreu? 
Confira abaixo os principais motivos: 
\u2022 crescimento da população e respectivo aumento do poder de compra dos consumidores 
em diversas regiões do mundo; 
\u2022 aumento do consumo de alimentos processados