UC10 Apostila Políticas Públicas Para o Agronegócio
72 pág.

UC10 Apostila Políticas Públicas Para o Agronegócio


DisciplinaAgroindústria e Agronegócio80 materiais1.346 seguidores
Pré-visualização18 páginas
a Confederação da 
Agricultura e Pecuária do Brasil \u2013 CNA, que é a representação da classe de empreendedores 
rurais; a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura \u2013 Contag, que é a 
representação da classe de trabalhadores rurais; a Confederação Nacional dos Agricultores 
Familiares e Empreendedores Familiares Rurais \u2013 Conafer, que é a representação de classe 
da agricultura familiar; a Associação Nacional do Agronegócio \u2013 Abag e o Serviço Nacional de 
Aprendizagem Rural \u2013 SENAR, que é uma instituição de ensino e capacitação para a agropecuária 
e o agronegócio, mantida pela classe patronal rural com o objetivo de realizar a educação 
profissional e a melhoria da qualidade de vida das pessoas do meio rural, contribuindo para o 
desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida do país.
1. Esferas estadual e internacional
Nos governos estaduais, as políticas públicas para o agronegócio são vinculadas às secretarias 
estaduais de agricultura. Na maioria das vezes, essas pastas contam com empresas de 
assistência técnica e extensão rural \u2013 Ematers e outras instituições de apoio ao agronegócio 
(empresas de pesquisa, centrais de abastecimento etc.), além das federações da agricultura e 
dos sindicatos rurais.
Políticas Públicas para o Agronegócio
25
No âmbito internacional, também podemos citar uma organização de extrema importância 
para o desenvolvimento de políticas públicas do agronegócio: a Organização das Nações Unidas 
para Alimentação e Agricultura \u2013 FAO. Criada em 1945, a FAO atua como um fórum neutro, 
no qual todos os países, desenvolvidos e em desenvolvimento, reúnem-se em igualdade para 
negociar acordos, debater políticas e impulsionar iniciativas estratégicas. 
 
A FAO lidera os esforços internacionais de erradicação da fome e 
da insegurança alimentar, ajudando os países a aperfeiçoarem e a 
modernizarem suas atividades agrícolas, florestais e pesqueiras para 
assegurar uma boa nutrição a todos e o desenvolvimento agrícola e 
rural sustentável.
Tópico 4: Políticas Públicas Internacionais
Você já estudou, então, que as políticas públicas são um conjunto de diretrizes, planos, pro-
gramas, ações e atividades desenvolvidos pelo Estado que visam assegurar o desenvolvimen-
to rural e do agronegócio, regular conflitos e promover a modernização da agropecuária, seus 
empreendedores e trabalhadores. 
Nesse contexto, existem, também, as políticas externas \u2013 ou políticas internacionais, ou 
políticas exteriores. Elas compreendem um conjunto de objetivos políticos e programáticos 
que um determinado país almeja alcançar nas suas relações com os demais países. São 
planejadas para proteger os interesses nacionais, em especial nos âmbitos da segurança, da 
economia e da cultura.
`
Atenção
Dentro das ações das políticas externas está o comércio internacional, que 
representa a troca de bens e serviços entre países. Durante muitos anos, a 
maioria das nações mantinha altas tarifas e muitas restrições ao comércio 
internacional. Algumas, de regimes socialista e comunista, acreditavam na 
autossuficiência produtiva para a satisfação das demandas da população, ou 
seja, tinham políticas externas de restrição ao livre comércio internacional. 
A partir do século XIX, surgiu no Reino Unido a forte defesa da ideia de livre comércio entre as 
nações, que vem pautando as discussões até os dias de hoje.
O comércio internacional livre é amplamente defendido pelos 
países mais desenvolvidos economicamente; no entanto, são os 
tratados bilaterais (entre dois países) ou os regionais (Mercosul, 
por exemplo) que regem a maior parte do comércio internacional.
Curso Técnico em Agronegócio
26
1. Papel da OMC no comércio internacional
A Organização Mundial do Comércio \u2013 OMC, criada em 1995, é responsável pela regulamen-
tação do comércio internacional. Suas funções são gerenciar os acordos que compõem o 
sistema multilateral de comércio, servir de fórum para o comércio internacional (firmar acor-
dos internacionais) e supervisionar a adoção dos acordos e a implementação destes pelos 
membros da organização.
 
A existência da OMC é de vital importância para países como o 
Brasil \u2013 no qual o comércio internacional de produtos agrícolas é 
muito importante \u2013, que dependem de um sistema de normas para 
defender seus interesses comerciais.
Em sua história, o sistema de normas da OMC já restringiu significativamente as tarifas e 
outras barreiras no comércio internacional. No entanto, países implementam novas formas de 
protecionismo por meio de regulamentações técnicas (como padrões de qualidade, normas 
sanitárias e ambientais), apesar de terem também o objetivo legítimo de proteção à saúde, à 
segurança e ao meio ambiente.
É importante perceber que, quando países adotam normas mais exigentes em relação à proteção 
ao meio ambiente, à segurança e à qualidade dos produtos, verifica-se um aumento no custo de 
produção. Esse cenário induz à perda de competitividade desses países ou a dificuldades dos 
produtores em cumprir as normas, que se tornam barreiras ao comércio internacional.
É justamente nesse contexto que regulamentos e padrões técnicos podem, muitas vezes, 
ser utilizados sem justificativa legítima para proteger os produtos nacionais contra produtos 
importados mais baratos e/ou de melhor qualidade, causando distorções ao comércio.
Fonte: Shutterstock 
Políticas Públicas para o Agronegócio
27
No cenário da agricultura e do agronegócio, tradicionalmente, os interesses são em favor do 
comércio livre. Porém, muitas barreiras comerciais para produtos agropecuários têm sido 
adotadas com o objetivo protecionista, principalmente pelos Estados Unidos, pela Europa e 
pelo Japão, o que prejudica demais países produtores de alimentos e matérias-primas rurais, 
como é o caso do Brasil. 
Encerramento do Tema
Neste tema, você pôde entender o que são e como são desenvolvidas as políticas públicas e a 
importância da participação da sociedade organizada na sua formulação, e também conhecer 
as principais instituições que as formulam. Por fim, você pôde traçar um paralelo entre as 
políticas públicas para o agronegócio e as políticas públicas externas, que se mesclam com as 
regras e os interesses do comércio internacional.
Atividade de Aprendizagem
1. Defina \u201cpolíticas públicas\u201d.
2. Quais são os objetivos das políticas públicas?
3. Por que existe a etapa de formação de agenda das políticas públicas? 
4. Em qual etapa se analisam os impactos de uma política pública e suas ações?
a) Formação da agenda. 
b) Formulação de políticas. 
c) Implementação. 
d) Monitoramento e avaliação.
5. O que são políticas públicas externas?
03
Políticas Agrícolas
Políticas Públicas para o Agronegócio
29
Tema 3: Políticas Agrícolas
Neste terceiro tema, você conhecerá as políticas públicas relacionadas ao agronegócio 
brasileiro, identificará as instituições competentes para o seu desenvolvimento e reconhecerá 
políticas específicas para a agropecuária, como as linhas de crédito rural.
Ao final do estudo, espera-se que você tenha desenvolvido as seguintes competências:
\u2022 entender o desenvolvimento histórico das políticas agrícolas brasileiras;
\u2022 conhecer a legislação pertinente a políticas agrícolas brasileiras;
\u2022 compreender o funcionamento das políticas agrícolas relacionadas ao agronegócio brasileiro.
Tópico 1: Influência das Políticas Agrícolas no Desenvolvimento 
Rural Brasileiro
Nos dias de hoje, a agricultura brasileira é vista como referência mundial devido ao seu eleva-
do desempenho produtivo e à sua grande participação no volume do comércio internacional. 
Com o aumento da eficiência produtiva, o Brasil passou a ser um dos maiores exportadores 
agropecuários mundiais, com grande destaque para produtos como soja, milho, carnes bo-
vina, suína e de frango, café, açúcar, suco de laranja