José Afonso da Silva   Curso de Direito Constitucional Positivo   25ª Edição 2005
927 pág.

José Afonso da Silva Curso de Direito Constitucional Positivo 25ª Edição 2005


DisciplinaDireito Constitucional I63.008 materiais1.456.106 seguidores
Pré-visualização50 páginas
medrassem a injustice e a iniquidads
na reparticao da riqueza, e prosp~rasse. a miseria das massas proleta-
rias, enquanto 0 processo acumulativo favorecia, de urn lade, 0 enri-
quecimento de poucos e, de outre, as crises economicas ainda mais
emrobrecedoras e geradoras de desemprego. 0 Manifesto Comunis-
ta,2 que, pela sua influencia, e comparado por Harold Laski com a
Declaracao de Independencia americana e com a Declaracao dos Di-
reitos de 1789,30 foi 0 documento politico mais importante na critica
socialista ao regime liberal-burgues. A partir dele,·essa critica funda-
mentou-se em bases teoricas e numa concepcao da sociedade e do
Estado, e se tornou, por isso, mais coerente, provocando, rnesmo, 0
aparecimento de outras correntes e outros documentos, como as
enciclicas papais, acomecar pela de Leao XI~I, Rerum Nouarum, de
1891.
No plano juridico, a Revolucao de 1848, em Paris.jnscreveu, em
sua constituicao de curta duracao, 0 direito do trabalho." mas foi a
Constituicao mexicana de 1917 que, por primeiro, sistematizara 0
conjunto dos direitos sociais do homem, restrita, no entanto, ao crite-
rio de participacao estatalna ordem econornica e social, sem romper,
assim, em definitivo, com 0 regime capitalista. A Declaracao dos Di-
reitos Sociais (trabalho e previdencia social) consta do extenso art.
123 daquele documento constitucional, ainda em vigor," No mesmo
sentido, seguiu-se a Constituicao alema de Weimar, de 1919, abrindo
seu Livro II com a rubrica dos Direiios e Deoeres Fundamentais dos Ale-
miies, sob a qual inclui as direitos da pessoa indiuidual (ca-p. I), os direi-
-tosdauida social (cap. II), os~da'vida religiose (cap. 111),··0'5 da educaciio e
escola (cap. IV) e os da vida econbmica (cap. V). as direitos sociais e
economicos, dentro do regime capitalista, estao reconhecidos e ga-
rantidos ao lado dos direitos individuais, como na Constituicao me-
xicana, que emais avancada do que aquela. Mas foi a de Weimar que
exercera maior influencia no constitucionalismo de p6s-Primeira
Guerra Mundial, ate na brasileira de 1934.
29. Como esabido, 0 Manifesto Comunista foi elaborado por Marx e Engels e
publicado em janeiro de 1848 como plataforma da Liga Cornunista.
30. Cf. a Manifesto Comunista de Marx e Engels, P: 27.
31. A previsao acha-se no art. 13, .pelo qual a Constituicao garante."aux citoyens
la liberte du travail et de l'industrie. La societe favorise et encourage le developpernent
du travail par l'enseignement primaire gratuit, I'education professionnelle, l'egalite
de rapports entre Ie patron etl'ouvrier, les institutions de prevoyance...",
32. Sobre 0 terna, cf. Jorge Carpizo, La Constitucion mexicanade 1917, pp. 135 e
S5.; Porfirio Marquet Guerrero, La esiructura consiitucional del Estado mexicano, pp.
126 a 141.
FORMA<;Ao HIST6RICA DAS DECLARA<;6.ES·DE DIREITOS 161
Outro sentido, contudo, ha de reconhecer-sc aDeciaraciio dos Di-
reitos do Povo Trabalhador e Explorado, aprovada em janeiro de 1918
pelo Terceiro Congresso Pan&quot;ru.sso dos So~ietes. Fundada :,as tes.~s
sacialistas de Marx-Engels-Lenm e consequente da Revolucao Sovle-
tica .de outubro de 1917, nao se limitara a rec.onhecer direitos econo-
micos e sociais, dentro do regime capitalista, mas a realizar uma nova
concepc;ao da sociedade e do Estado e, tambern, uma no~a ideia de
direito. que buscasse libertar a homern, de uma vez por todas, de
qualquer forma deopressao, Dai comecar par constituir a &quot;Republi-
ca dos Sovieticos Obreiros, Soldados e Campesinos&quot;, fundada sabre
o principia da livre uniao de nacoes livres, propondo suprimir toda
explorac;ao do homem pelo homern, abolir definitivamente a divisao
da sociedade em classes, esmagar sem piedade todos os explorado-
res', realizar a organizacao socialista da sociedade e fazer triunfar 0
socialismo em todos os paises.P Essa declaracao nao reconhece as
garan~ias dos direitos individuais, sendo certo que, em si, nao tivera
a repercussao e influencia universal que se esperava. Isso, talvez, se
explique no :fato de que logo viera a Constituicao Sovietica de
lO.7.1918, ·que exprime nela ter-se inspirado, e especialmente no sur-
gimento do estalinismo que dera rumo desp6tico ao regime estabele-
cido e, ainda, na circunstancia de a Constituicao Sovietica de 1936 te-
la superado com nova forrnulacao dos direitos fundamentais do ho-
mem segundo a concepcao socialista sovietica. Alias, dentro de uma
visao marxista eplenamente justificada a superacao daquela decla-
racao, pais admitir sua eficacia permanente seria por-se em posicao
antimarxista, ja que tal postura significaria uma imutabilidade esta-
tica e 0 dorninio formalista relativamente a uma realidade dinamica
~=quenao pode conter-se.em formas de tal natureza.j
8. Uniuersalizaciio das declaraciies de direitos
o que diferenciou a Declaracao de 1789 das proclamadas na
America do Norte foi sua vocacao universalizante. Sua visao univer-
sal dos direitos do homern constituiu uma de suas caracteristicas
marcantes, que ja assinalamos com 0 significado de seu mundialismo?'
Essa preocupacao repete-se expressamente na Declaracao dos Direi-
tos do Povo Trabalhador e Explorado, da Revolucao Sovietica, que
33. Cf. 'texto da Declaracao dos Direitos do Povo Trabalhador e Explorado in
Segundo V. Linares Quintana, Derecho constiiucional souiitico, pp. 33 e 55., e Duverger,
Constitutions et documents poliiiques, pp. 612 e 55.
34. Cf. Robert, Libertis publiques, p. 46; Castan Tobefias, Losderechos del hombre,
p. 99; Philippe de la Chapelle, La Declaration Ilniuerselle des Droits de I'Homme et Ie
catholique, p. 12.
162 CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL POSITIVO
proclama, como seu objetivo basico: &quot;suprimir toda exploracao do
homem pelo homem, abolir definitivamente a divisao da sociedade
em classes, arrasar, sem piedade, todos os exploradores, realizar a
organizacao socialista da sociedade e fazer triunfar 0 socialismo em
todos as .paises&quot;, Alias, as declaracoes de direitos do seculo XX pro-
curarn consubstanciar duas tendencias fundamentais: unioersalismo,
implicito ja na Declaracao francesa de 1789; e socialismo (tomada essa
expressao em sentido ample. ligado a social, e nao tecnico-cientifi-
co), com a extensao do numero dos direitos reconhecidos, osurgi-
mento dos direitos sociais, uma inclinacao ao condicionamento dos
direitos de propriedade e dos dema-is direitos individuais,&quot; propen-
sao que refletiu no Direito Constitucional contemporaneo.· .
o sentido universalizante das declaracoes de direitos, de cara-
ter estatal, .passou a ser objeto de reconhecimento supra-estatal em
documentos declaratorios de feicao multinacional ou mesmo univer-
sal. As primeiras manifestacoes nesse sentido foram propostas de
organismos cientificos internacionais, visando estender a defesa dos
direitos humanos a todos os paises e a todos os individuos de todas
as nacionalidades, como noticia jose Castan Tobenas,36 de que eexem-
plo 0 projeto de &quot;Declaracao dos Direitos Intemacionais do Hornem&quot;,
redigido pelo Instituto de Direito Intemacional, em 1928-1929.37 Urn
passo concreto foi dado quando os vinte e urn paises da Americase
reuniram em Chapultepec (Mexico) no inicio do ano de 1945, firman-
do a tese de que urn dos primeiros objetivos das Nacoes Unidas de-
veria ser a redacao de uma carta dos direitos do homern.&quot; Dar que a
Carta da~Nacoes Unidas (26.6.45) ficara impregnada da ideia do res-
peito aos direitos [undamentais do homem desde 0 seu segundo consi-
derando, onde afirrna &quot;a fe nos direitos fundamentais do homem, na
dignidade e valor da pessoa humana, na igualdade dos direitos de
hornens e mulheres e das nacoes grandes e pequenas&quot;, ate as referen-
cias contidas nos arts. 1Q, item 2; 13, item 1, .b; 55, c; 62, item 2; e 76, c.
Delineada na Carta das Nacoes Unidas, assim, a preocupacao
com os direitos fundamentais do homem, cumpria dar-lhe consequen-
cia sistematica, mediante a redacao de uma Declaraciio