resumo de anatomia
266 pág.

resumo de anatomia


DisciplinaAnatomia Humana I28.984 materiais1.161.224 seguidores
Pré-visualização50 páginas
forte espessamento da cápsula articular. Anteriormente a cápsula articular também 
apresenta um espessamento, o ligamento sacroilíaco anterior, que é bem menos 
espesso que o dorsal. Além destes, a articulação sacroilíaca apresenta dois ligamentos a 
distância: o ligamento sacrotuberal e o ligamento sacroespinhal. Este último segue da 
parte lateral do sacro e cóccix até a espinha isquiática, subdividindo esse forame nos 
forames isquiáticos maior e menor. 
CORRELAÇÕES CLÍNICAS 
Hérnia de Disco 
A hérnia de disco é o extravasamento do núcleo pulposo, devido a uma fraqueza do 
anel fibroso: o núcleo pulposo hernia e pode comprimir a medula espinhal ou suas raízes 
nervosas. A protrusão pode ser precipitada por trauma, mas a degeneração \u2013 por 
envelhecimento do disco \u2013 é um fator importante. 
A compressão do disco em uma direção movimenta o núcleo pulposo em direção 
oposta. Assim, a herniação pode acontecer em diversas direções (anterior, posterior, 
ântero-lateral e póstero-lateral). Na curvatura cervical, a hérnia é mais frequente no 
disco entre as vértebras C5 e C6. Na curvatura lombar, a maior freqüência acontece no 
5º disco IV, seguido em ordem decrescente no 4º e 3º discos IV. 
Espinha Bífida 
A espinha bífida é um defeito de fechamento do arco vertebral: falta o processo 
espinhoso e, às vezes, parte das lâminas adjacentes. Na maioria dos casos, aparece em 
L5 ou no sacro. A forma benigna, chamada espinha bífida oculta, às vezes é 
assintomática e o defeito ósseo é um achado radiológico. A pele relacionada ao defeito 
FELIX, Fernando Álison M. D. 
 
 197 
ósseo, às vezes, apresenta uma mancha avermelhada e com uma quantidade maior de 
pêlos. 
Nos casos graves, denominada espinha bífida cística, as meninges e o líquor se 
exteriorizam e formam uma hérnia, denominada meningocele e em casos mais graves 
herniam, além das meninges e do líquor, a medula espinal \u2013 é a mielomeningocele. 
MÚSCULOS DO DORSO 
Os músculos do dorso estão dispostos em grupos anterior e posterior. Os músculos 
do grupo anterior, pré-vertebrais, incluem músculos do pescoço e da parede posterior 
do abdome. Os do grupo posterior, pós-vertebrais, compreendem vários músculos 
dispostos da seguinte maneira: 
o Mais superficialmente estão o trapézio e o latíssimo do dorso; 
o Em posição média estão o levantador da escápula, os rombóides e os 
serráteis posteriores. Os dois primeiros foram descritos com o membro 
superior e os últimos serão referidos logo abaixo. 
o Mais profundamente situam-se os músculos do dorso propriamente dito ou 
pós-vertebrais profundos, inervados pelos ramos dorsais dos nn. espinais. Eles 
atuam, sobretudo, na coluna vertebral e serão objetos de descrição nos itens 
seguintes. 
Os músculos serráteis posteriores são dois músculos delgados, parcialmente 
membranosos e de pouca significação. O serrátil póstero-superior, coberto pelo m. 
rombóide, estende-se do ligamento da nuca e dos processos espinhosos de C7 e de 
várias vértebras torácicas superiores até as costelas (2ª a 5ª). O músculo serrátil póstero-
inferior, coberto pelo grande dorsal, estende-se dos processos espinhosos das vértebras 
torácicas inferiores para as quatro costelas inferiores. 
Músculos Pós-Vertebrais Profundos (Intrínsecos do Dorso) 
Os músculos pós-vertebrais situados mais profundamente constituem duas grandes 
massas em relevo nos lados da coluna vertebral, facilmente palpáveis, e são conhecidos 
também com o nome de músculos da goteira ventral. A massa muscular longitudinal, de 
cada lado, compõe-se de três camadas de músculos pós-vertebrais. 
Camada Profunda 
A camada profunda é constituída por: 
o Músculos interespinais, que são pobremente desenvolvidos na região 
torácica ou mesmo inexistentes nesta região. Unem os processos espinhosos 
das regiões cervical e lombar. 
o Músculos intertransversais, os quais também só existem nas regiões cervical 
e lombar. Unem os processos transversos adjacentes. Os músculos que se 
originam nos processos transversos e se dirigem medial e superiormente 
para se fixarem na lâmina da vértebra suprajacente são rotadores curtos; os 
músculos que, tendo a mesma origem e trajeto, passam pela vértebra 
suprajacente e se inserem na lâmina da segunda vértebra acima, são 
rotadores longos. 
Resumo de Anatomia Humana 
 198 
o Músculos levantadores das costelas só existem na região torácica. Têm 
origem nos processos transversos e prendem-se nas costelas subjacentes. 
Estes músculos são pouco conhecidos e mal estudados. Isto, aliás, é verdade para a 
maioria dos músculos pós-vertebrais, principalmente os profundos, e particularmente 
quanto à coordenação de suas ações. Assim, presume-se que os rotadores sejam 
capazes de rotação e que os levantadores elevem as costelas. De qualquer modo os 
movimentos realizados por estes músculos são de pequena amplitude e talvez eles 
estejam mais envolvidos com a manutenção do alinhamento de vértebras adjacentes. 
Deve-se acrescentar que os músculos suboccipitais, que movem a cabeça, pertencem 
também ao grupo de músculos pós-vertebrais profundos. 
Camada Média 
Os músculos da camada média cobrem os profundos e têm disposição bastante 
complicada, com maior grau de fusão e alguns feixes saltando vários segmentos, o que 
lhes valeu o nome de complexo transversoespinal. Seus componentes são: 
o Músculo multífido, que é mais espesso na região lombar e termina na região 
cervical. Na verdade, está constituído de muitos feixes musculares, sem 
divisão clara e, por esta razão, tem sido descrito como um músculo único. Os 
feixes se originam do sacro e de todos os processos transversos, dirigindo-se 
cranial e medialmente para se inserirem nos lados dos processos espinhosos 
de todas as vértebras, de L5 até o axis. 
o Músculo semi-espinal do tórax situa-se nos dois terços craniais do segmento 
torácico, estendendo-se dos processos transversos das seis vértebras 
torácicas inferiores aos processos espinhosos das vértebras torácicas 
superiores e cervicais inferiores. 
o Músculo semi-espinal do pescoço tem a mesma disposição do semi-espinhal 
do tórax, originando-se nos processos transversos das seis vértebras 
torácicas superiores e se insere nos processos espinhosos da 3ª até a 5ª 
vértebra cervical. 
o Músculo semi-espinal da cabeça é a parte mais alta do complexo transverso-
espinhal, estendendo-se de processos transversos cervicais à parte medial da 
linha nucal superior do occipital. 
As ações destes músculos são bastante discutíveis. Sugere-se que tenham ação 
extensora da coluna e da cabeça. 
Camada Superficial 
Os músculos da camada superficial são, denominados, em conjunto, eretor da 
espinha ou complexo sacro-espinal. A porção mais inferior origina-se no ílio, em 
vértebras lombares e em espessa aponeurose toracolombar estendida neste intervalo, 
de onde ascende lateralmente até a última costela. Neste ponto a massa muscular 
alonga-se em três colunas que sobem na parte posterior do tórax, onde se inserem nas 
costelas e vértebras: 
o A coluna mais lateral, denominada m. iliocostal, é formada pelos músculos 
iliocostal lombar, iliocostal torácico e iliocostal cervical. 
o A coluna intermédia, denominada m. longuíssimo é subdividida nos músculos 
longuíssimo do tórax, longuíssimo do pescoço e longuíssimo da cabeça. 
FELIX, Fernando Álison M. D. 
 
 199 
o As divisões da coluna medial, dita m. espinal são os músculos espinal do 
tórax, espinal do pescoço e espinal da cabeça. 
Entre os músculos da camada superficial deve ser incluído o m. esplênio que cobre 
os outros músculos pós-vertebrais nas regiões torácicas alta e cervical. Suas duas partes 
são o m. esplênio do pescoço, que ascende lateralmente dos processos espinhosos 
torácicos superiores aos processos transversos cervicais inferiores e o m. esplênio da 
cabeça, que se
Madalena
Madalena fez um comentário
Voce poderia me enviar esse documento no email? Gostaria de imprimir
0 aprovações
Carregar mais