resumo de anatomia
266 pág.

resumo de anatomia


DisciplinaAnatomia Humana I29.032 materiais1.162.325 seguidores
Pré-visualização50 páginas
fortes músculos da locomoção e postura; 
Funções secundárias: 
o Conter e proteger as vísceras pélvicas e as vísceras abdominais inferiores; 
o Proporcionar sustentação para as vísceras abdomino-pélvicas e para o útero 
grávido; 
o Proporcionar fixação para uma série de estruturas como corpos eréteis, 
músculos, membranas, etc. 
Ossos e Características do Cíngulo do Membro Inferior 
O cíngulo do membro inferior é formado por 3 ossos: (1) Ossos do quadril direito e 
(2) esquerdo, cada um desenvolvendo-se a partir da fusão de 3 ossos: ílio, ísquio e púbis; 
(3) sacro, constituído pela fusão das 5 vértebras sacrais. 
Após a puberdade o ílio, o 
ísquio e o púbis fundem-se para 
formar o osso do quadril. Os 2 
ossos do quadril são unidos 
anteriormente na sínfise púbica e 
articula-se posteriormente com o 
sacro nas articulações 
sacroilíacas. 
 
Figura 4: Pelve. Forma da abertura superior da pelve; vista superior. 
Resumo de Anatomia Humana 
 18 
o Ílio; 
o Ísquio; 
o Púbis. 
O acetábulo é o local onde as 3 partes do osso do quadril se encontram. 
A pelve é dividida em pelves maior (falsa) e menor (verdadeira) pelo plano oblíquo 
da abertura superior da pelve. 
A margem da pelve circunda e define a abertura superior da pelve: 
o Promontório e asa do sacro; 
o Linhas arqueadas direita e esquerda; 
o Linhas pectíneas esquerda e direita do púbis; 
o Cristas púbicas esquerda e direita. 
O arco púbico é formado pelos ramos isquiopúbicos dos 2 lados. Suas margens 
inferiores definem o ângulo subpúbico. 
A abertura inferior da pelve é limitada por: 
o Arco púbico anteriormente; 
o Túberes isquiáticos lateralmente; 
o Margem inferior do lig. sacrotuberal póstero-lateralmente. 
o Extremidade do cóccix posteriormente. 
Os limites da abertura inferior da pelve também são os limites profundos do períneo. 
A face inferior côncava do diafragma pélvico forma o assoalho da cavidade pélvica 
menor. A face inferior convexa, forma o teto do períneo. 
As pelves masculina e feminina diferem em vários aspectos: 
 
PELVE ÓSSEA MASCULINA FEMININA 
Estrutura geral Espessa e pesada Fina e leve 
Pelve maior Profunda Superficial 
Pelve menor Estreita, profunda, afunilada 
Larga, superficial, 
cilíndrica 
Abertura superior da pelve 
Em forma de coração; 
estreita 
Oval e arredondada; larga 
Abertura inferior da pelve Comparativamente pequena 
Comparativamente 
grande 
Arco púbico (Ângulo 
subpúbico) 
Estreito (Â < 70°) Largo (Â > 80°) 
Forame obturado Grande e arredondado Quase triangular; oval 
Acetábulo Grande Pequeno 
Incisura isquiática maior Estreita ( 7\u3340°); V invertido Quase 90° 
Tabela 1: Diferenças entre a pelve masculina e a feminina. 
 
Tipos de pelve: 
- Andróide: afunilada, comum em homens (e mulheres brancas); quando em 
mulheres, este tipo de pelve pode apresentar riscos para o parto bem sucedido de um 
feto. 
- Ginecóide: abertura superior possui caracteristicamente um formato oval 
arredondado e um diâmetro transversal largo; tipo feminino mais comum. 
- Antropóide: comuns em homens e em mulheres negras. 
- Platipelóide: raro em ambos os sexos. 
FELIX, Fernando Álison M. D. 
 
 19 
 
Figura 5: Os quatro tipos de pelves. 
 
Diâmetros pélvicos: 
- Conjugado verdadeiro (obstétrico): menor distância entre a sínfise púbica e o 
promontório sacral (\u2265 11 cm). 
- Conjugado diagonal: \u33413 cm. 
- Distância interespinal: parte mais estreita do canal pélvico. 
- Transverso: entre as linhas arqueadas ( \u33413 cm). 
- Oblíquo: da articulação sacroilíaca de um lado à espinha isquiática do outro lado (~ 
12,5 cm) 
Articulações e Ligamentos Importantes 
Articulações primárias: articulações sacroilíacas e a sínfise púbica. 
Articulações Sacroilíacas 
Articulação sinovial anterior (entre as faces auriculares do sacro e do ílio) e uma 
sindesmose posterior (entre as tuberosidades dos mesmos ossos). 
Ligamentos: 
o Ligg. sacroilíacos anteriores \u2013 parte da cápsula fibrosa da parte sinovial da 
articulação; 
o Ligg. sacroilíacos interósseos 
o Ligg. sacroilíacos posteriores 
o Ligg. sacrotuberais \u2013 forma o forame isquiático; 
o Ligg. sacroespinais \u2013 divide o forame isquiático em forames isquiáticos maior 
e menor. 
Sínfise Púbica 
Esta articulação consiste em um disco interpúbico fibrocartilaginoso e ligamentos 
adjacentes unindo os corpos dos ossos do púbis no plano mediano. 
Ligamentos: 
o Lig. púbico superior; 
o Lig. púbico inferior (arqueado). 
Principais 
Resumo de Anatomia Humana 
 20 
Articulações Lombossacrais 
As vértebras L5 e S1 articulam-se na sínfise intervertebral, anterior, formado pelo 
disco intervertebral entre seus corpos e nas duas articulações dos processos articulares, 
posteriores, entre os processos articulares dessas vértebras. 
Ligamentos: 
o Ligg. iliolombares. 
Articulações Sacrococcígeas 
É uma articulação cartilaginosa secundária com um disco intervertebral; une o ápice 
do sacro à base do cóccix. 
Ligamentos: 
o Lig. sacrococcígeo anterior; 
o Lig. sacrococcígeo posterior; 
o Ligg. sacrococcígeos laterais. 
CAVIDADE PÉLVICA (PELVE MENOR OU VERDADEIRA) 
Limites: 
o Inferior: diafragma pélvico; 
o Posterior: cóccix + parte inferior do sacro; 
o Teto: parte superior do sacro; 
o Parede ântero-inferior: corpos dos púbis + sinfise púbica. 
Paredes e Assoalhos da Cavidade Pélvica 
Parede ântero-inferior da pelve 
Formada principalmente pelo corpo e pelos ramos do púbis e pela sínfise púbica. 
Paredes laterais da pelve 
Formadas pelos ossos do quadril esquerdo e direito, cada qual incluindo um forame 
obturado fechado por uma membrana obturatória, e pelos músculos obturadores 
internos e pelas fáscies obturatórias que revestem as faces mediais desses músculos. 
Parede posterior (parede póstero-lateral e teto) 
Formada pela parede e pelo teto ósseos na linha mediana (sacro + cóccix) e pelas 
paredes póstero-laterais músculo-ligamentares (ligamentos das articulações sacroilíacas 
e mm. piriformes); nervos do plexo sacral. 
Assoalho pélvico 
Formado pelo diafragma pélvico, composto pelos seguintes músculos: 
o Mm. coccígeos; 
o M. levantador do ânus: 
- m. puborretal 
- m. pubococcígeo¹ 
- m. iliococcígeo 
 
FELIX, Fernando Álison M. D. 
 
 21 
Funções do m. levantador do ânus: 
o Formam uma alça muscular para sustentar as vísceras abdominais; 
o Resiste ao aumento da pressão interna; 
o Ajuda a manter as vísceras pélvicas em posição. 
 
¹ A lesão do m. levantador do ânus, principalmente no m. pubococcígeo, pode causar 
incontinências urinária por esforço. 
PRINCIPAIS ESTRUTURAS NEUROVASCULARES 
Nervos Pélvicos 
Tronco lombossacral: parte descendente do nervo L4 + ramo anterior do nervo L5. 
Plexo Sacral: a maioria dos ramos do plexo sacral sai da pelve através do forame 
isquiático maior: 
o N. isquiático: maior nervo do corpo, formado pelos ramos anteriores dos 
nervos espinais L4 à S3. 
o N. pudendo: principal nervo do períneo e o principal nervo sensorial dos 
órgãos genitais externos; é derivado dos ramos anteriores dos nervos 
espinais S2 à S4. 
o N. glúteo superior: origina-se nos ramos anteriores dos nervos espinais L4 à 
S1; inerva os mm. glúteos médio e mínimo e o m. tensor da fáscia lata. 
o N. glúteo inferior: origina-se nos ramos anteriores dos nervos espinais L5 à 
S2; inerva o m. glúteo máximo. 
Artérias Pélvicas 
Principal: a. ilíaca interna. 
Ramos da a. ilíaca interna: 
 Divisão (ou tronco) anterior: 
- a. umbilical, que se transforma na a. vesical superior; 
- a. obturatória; 
- a. vesical inferior (em homens) / a. vaginal (em mulheres); 
- a. retal média; 
- a. uterina; 
- a. pudenda interna; 
- a. glútea inferior. 
 Divisão posterior: 
- a. glútea superior; 
- a. iliolombar; 
- aa. sacrais laterais; 
- a. ovárica;
Madalena
Madalena fez um comentário
Voce poderia me enviar esse documento no email? Gostaria de imprimir
0 aprovações
Carregar mais