UC12   Apostila Cooperativismo e Associativismo
127 pág.

UC12 Apostila Cooperativismo e Associativismo


DisciplinaAgroindústria e Agronegócio80 materiais1.346 seguidores
Pré-visualização28 páginas
aprovação de projetos de interesses comuns \u2013 a representação deve constar no 
estatuto.
5) Alternativa c. Local onde a população participa na discussão e no acompanhamento das 
políticas públicas.
Tema 2
1) Alternativa b. Reunir pessoas em uma atividade econômica para que, com a ajuda de 
todos, tenham mais lucro e melhoria de vida \u2013 é o objetivo de uma cooperativa.
2) Alternativa b. É uma sociedade de pessoas \u2013 todas as outras alternativas são características 
de uma sociedade da capital.
3) Alternativa c. Aquisição do adubo pelo produtor cooperado no armazém da cooperativa 
\u2013 só é considerada ato cooperado a operação entre o cooperado e a cooperativa. No caso 
do produtor não cooperado, não é ato cooperado.
4) Alternativa d. Com sede em Brasília, a Organização das Cooperativas do Brasil \u2013 OCB é o 
órgão máximo de representação das cooperativas brasileiras.
5) Alternativa e. Todas as repostas estão incorretas \u2013 a cooperativa singular não pode ser 
formada com pessoas jurídicas (empresas), somente pessoas físicas. Empresas só podem 
se associar em caso excepcional.
Tema 3
1) Alternativa b. Para facilitar a reivindicação dos direitos trabalhistas \u2013 a contribuição sindical 
é compulsória, sendo sindicalizado ou não. 
2) Alternativa c. A lei não permite a criação de mais de um sindicato da mesma categoria 
profissional na mesma base territorial (Constituição Federal, art. 8º, II).
3) Alternativa b. O Senar, vinculado à CNA, é uma instituição privada, responsável pela 
capacitação profissional e pela promoção social do produtor, do trabalhador rural e de 
seus familiares.
4) Alternativa d. Aplicar mais de 50% anualmente para custeio da administração do sindicato.
5) Alternativa d. O Ministro do Trabalho \u2013 de acordo com a lei \u2013é quem tem poder de 
reconhecer a associação como sindicato após atendidas as exigências.
Curso Técnico em Agronegócio
124
Atividade extra: Análise Conceitual Comparativa
Associativismo
Podemos definir o associativismo como uma forma de organização social que se caracteriza 
pelo seu caráter normalmente de voluntariado, pela união de dois ou mais indivíduos que 
buscam o atendimento da satisfação das necessidades individuais humanas, ou seja, a 
melhoria da qualidade de vida.
Pode ser constituído de pessoas físicas ou jurídicas, que se unem sem objetivos econômicos, 
sem objetivo de lucro.
Para que possa ter representação, o grupo necessita de uma entidade formalizada, que pode 
ser uma associação, um clube, um conselho etc.
As pessoas se associam livremente.
Cooperativismo
Rios (1998, citado por Cavalcanti, 2006) informa que o \u201ccooperativismo é uma doutrina 
econômica estruturada para a geração de riquezas por meio do livre associativismo entre 
pessoas que, espontaneamente, concordam em criar uma cooperativa, unidas pelos mesmos 
ideais e tendo os mesmos objetivos\u201d. O cooperativismo, então, seria uma alternativa de 
exploração de atividade econômica que objetiva a satisfação das necessidades comuns de 
seus associados ou cooperados de forma conjunta, e não com exclusividade para este ou 
aquele membro.
Sindicalismo
É um movimento ou doutrina política que defende a organização dos profissionais e 
trabalhadores em sindicatos para que trabalhem juntos na defesa de seus interesses. Envolve 
atividade social, política ou reivindicatória dos sindicatos.
Pode ser, ainda, uma doutrina ou um movimento que visa fortalecer o sindicato dentro da 
organização econômica e social.
Fonte: Dicionário online Caldas Aulete. 
Associativismo, Cooperativismo e Sindicalismo
125
Referências Bibliográficas
Básicas
BIALOSKORSKI NETO, Sigismundo. Aspectos econômicos das cooperativas. Belo Horizonte: 
Mandamentos, 2006.
FURQUIM, Maria Célia de Araújo. A cooperativa como alternativa de trabalho. São Paulo: Ltr, 
2001.
OLIVEIRA, D. P. R. Manual de gestão das cooperativas: uma abordagem prática. 3. ed. São Paulo: 
Atlas, 2006.
Complementares
ANCELES, Pedro Einstein dos Santos. Manual de tributos da atividade rural. 2. ed. São 
Paulo: Atlas, 2002.
______. Sociedade cooperativa de produção agropecuária: estudo dos ganhos indiretos 
dos cooperados. São Paulo, 2014. Tese (Doutorado) \u2013 Universidade de São Paulo, 2014. 172 p.
AROUCA, José Carlos. Curso básico de Direito Sindical. 4. ed. São Paulo: Ltr, 2014.
______. Organização sindical no Brasil: passado, presente futuro (?). São Paulo: Ltr, 2014.
BECHO, Renato Lopes. Tributação das cooperativas. São Paulo: Dialética, 1997.
______. In: BECHO, Renato Lopes (Coord.). Problemas atuais do Direito Cooperativo. São Paulo: 
Dialética, 2002. 
BIALOSKORSKI NETO, Sigismundo. Agribusiness cooperativo: economia, doutrina e estratégias 
de gestão. Dissertação de mestrado \u2013 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz \u2013 ESALQ, 
Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1994. 135 p.
______. Agribusiness cooperativo: a questão do capital nas empresas de trabalho. Revista Preços 
Agrícolas, 118: 11-13, 1996.
______. Gestão do agribusiness cooperativo. In: BATALHA, M. O. (Coord.). Gestão Agroindustrial. 
Vol.1. São Paulo: Atlas, 1997.
BIALOSKORSKI NETO, Sigismundo. Cooperativas: economia, crescimento e estrutura de capital. 
Tese de doutorado \u2013 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz \u2013 ESALQ, Universidade de 
São Paulo, Piracicaba, 1998. 
BIALOSKORSKI NETO, S.; NEVES, E. M.; MARQUES, P. V. Agribusiness cooperativo, eficiência e 
princípios doutrinários. Revista de Economia e Sociologia Rural, 33: 85-121, 1995: UFSC, 2005.
______. Economia e gestão de organizações cooperativas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012. 
Curso Técnico em Agronegócio
126
BRITO FILHO, José Claudio Monteiro de. Direito sindical. São Paulo: Ltr, 2015.
BULGARELLI, Waldirio. As Sociedades cooperativas e sua disciplina jurídica. 2. ed. Rio de Janeiro: 
Renovar, 2000.
CECHIN, Andrei. Cooperativas brasileiras nos mercados agroalimentares contemporâneos. 
Limites e perspectivas. In: BUAINAIN, Antônio Marcio et ali. O mundo rural no Brasil do século 
21: a formação de um novo padrão agrário. Brasília/DF: Embrapa, 2014. 
CIURANA, Fernandez. Curso de cooperación. Barcelona, 1968.
COSTA, Luiz Flávio Carvalho. Sindicalismo rural brasileiro em construção. Rio de Janeiro: Forense 
Universitária, UFRJ, 1996.
CUSTODIO, Márcio Ferezin. A participação das organizações sindicais nos colegiados de órgãos 
públicos. São Paulo: Ltr, 2014.
DA COSTA, Fernando Ferreira. Código cooperativo anotado. Anotação ao art. 71, p. 94. Coimbra: 
Livraria Petrony, 1981. 
SGAN 601 MÓDULO K - EDIFÍCIO ANTÔNIO
ERNESTO DE SALVO - 1º ANDAR - BRASÍLIA
DISTRITO FEDERAL - CEP: 70830-021
FONE: + 55 61 2109 1300
WWW.SENAR.ORG.BR/ETEC
WWW.SENAR.ORG.BR