Leonardo Breno Martins   Contactos imediatos   Investigando
323 pág.

Leonardo Breno Martins Contactos imediatos Investigando


DisciplinaAstronomia797 materiais3.048 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ou adequado incluir este 
trecho no capítulo 5, sobre experiências óvni, ou no capítulo 8, como apoio à apresentação da 
 
48
 Livre tradução a partir do original: \u201cAnomalous light accounts that continually circulate in local or 
regional communities over an extended period of time may be conceived as legends, yet both experiencers 
and storytellers must contextualize these legends to make sense of them. To do so, these experiences are 
incorporated into larger traditions. Such as "global bodies of lore" often contain supernatural or 
"superscientific" elements and, in the case of UFO phenomenon, serve as a primary context for both the 
initial perception and subsequent interpretation of many of these experiences (...). To generalize, beliefs 
informed by personal experiences may be linked into local or regional legends, whereas legends in turn 
are linked into global bodies of lore. Belief informs memorate; memorate informs legend; legend 
informsbelief. This method of categorization enables one to contextualize a UFO experience\u201d. 
108 
 
TAC. Contudo, opto pelo capítulo distinto por considerar isso favorável à organização das 
idéias e para que este atue como um lembrete ao leitor sobre a importância particular do tema. 
As definições de causo e lenda urbana podem ser problematizadas, em função da 
complexidade com que as narrativas interagem dinamicamente com os demais tipos de 
rumores e lendas, com a cultura presente e a história (Lopes, 2008). Dewan (2006b) 
sugere que as narrativas óvni, por sua complexidade, salientam tais dificuldades de 
classificação. Contudo, pretendo demonstrar adiante que os conceitos de causo e lenda 
urbana conservam, ainda assim, algum valor heurístico para a contextualização das 
experiências óvni. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
109 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Parte 2 
Métodos, Resultados e 
Discussões 
 
 
110 
 
Capítulo 10 \u2013 Estrutura da Pesquisa 
 
As coisas mais maravilhosas que 
podemos experimentar são as 
misteriosas. Elas são a origem de toda 
verdadeira arte e ciência. Aquele para 
quem essa sensação é um estranho, 
aquele que não mais consegue parar 
para admirar e extasiar-se em 
veneração, é como se estivesse morto: 
seus olhos estão fechados. 
Albert Einstein 
 
 
Uma vez apresentados conceitos e achados básicos da literatura sobre 
experiências óvni e os referenciais teóricos utilizados na presente pesquisa, este capítulo 
apresenta sua estrutura, perpassando por objetivos gerais e específicos, descrição e 
esclarecimentos sobre as amostras, apresentação dos materiais utilizados, sumarização 
das hipóteses, descrição abreviada do cronograma e narrativa de sua execução, além de 
algumas questões éticas, financeiras e práticas enfrentadas. 
 
10.1. Objetivos Gerais 
O objetivo foi realizar um estudo comparativo entre grupos de pessoas que alegam 
experiências óvni e grupos controle. Pretendi mensurar a associação entre diferentes níveis de 
experiência óvni (da ausência de experiências até aquelas próximas e complexas) e os 
resultados em instrumentos psicológicos relativos à personalidade e à saúde psicológica. 
Assim, a partir de metodologia quantitativa, foram avaliados os cinco grandes fatores da 
personalidade e indicadores de transtornos mentais, além de discutidas, a partir dos resultados, 
111 
 
algumas relações possíveis entre as três variáveis (i.e., experiências, personalidade e 
transtornos mentais). Complementarmente, discuti, de forma qualitativa, implicações 
psicossociais dos achados em termos da elaboração subjetiva das experiências e seu impacto 
científico, clínico e cultural. 
 
10.2. Objetivos Específicos 
Para atingir os objetivos acima, busquei: 
A) Comparar características de personalidade de pessoas que relataram experiências óvni e de 
pessoas que não as relataram; 
B) Comparar indícios de transtornos mentais em pessoas que relataram experiências óvni e de 
pessoas que não as relataram; 
C) Discutir as atribuições de causalidade feitas pelos protagonistas e não-protagonistas 
(grupo controle) diante das experiências; 
D) Discutir relações possíveis entre os relatos em primeira mão e os gêneros narrativos 
causo e lenda urbana. 
 
10.3. Amostras 
A amostra total contém 81 participantes, com idades entre 24 e 60 anos (média de 
idade 42,1 anos), de ambos os sexos (46 mulheres e 35 homens) e ensino médio como 
escolaridade mínima. Os critérios de idade (originalmente entre 18 e 60 anos) e 
escolaridade se impõem devido às normas do NEO PI-R (cf. seção 10.4 adiante). 
Houve quatro grupos de voluntários, sendo dois experimentais e dois grupos 
controle. Estes foram construídos sob equivalência com seu respectivo grupo 
experimental em idade, sexo, escolaridade e região do país de onde provêm. O critério 
de renda econômica, usualmente evocado para equivalência de amostras, foi 
desconsiderado porque, conforme apresentarei ao longo da discussão sobre os 
112 
 
resultados, não raro os protagonistas das amostras ressignificaram a própria vida a ponto 
de implementar mudanças que afetaram suas condições econômicas, tais como 
abandonar uma profissão antiga e coerente com sua formação e aderir a atividades 
novas e relacionadas a estilos de vida alternativos (i.e, no caso, terapias alternativas). 
Pela mesma razão, outra variável usual, i.e., filiação religiosa, foi excluída da 
equiparação, pois constatei a frequente ressignificação ou mesmo abandono, após as 
experiências, de referenciais tradicionais, como o catolicismo. Assim, ao menos quanto 
às amostras deste estudo, renda econômica e filiação religiosa parecem se associar ou 
depender, em algum nível, justamente da variável fundamental que diferencia grupos 
experimentais e controle: experiência óvni (cf. maiores detalhes nos capítulos adiante). 
Por sua vez, dado que este estudo investiga possíveis papéis da personalidade e de 
transtornos mentais no desencadeamento de experiências óvni, meu recorte incide sobre 
pessoas que protagonizaram ao menos uma experiência óvni quando em idade adulta. O 
recorte é coerente com o princípio de que a personalidade e mesmo as psicoses de maior 
interesse neste estudo tendem a ter seus contornos essenciais presentes a partir da idade 
adulta, de modo a não ter sentido investigar sua influência sobre os episódios quando 
ainda não se encontram efetivamente constituídas. 
Por sua vez, dado meu interesse em investigar os episódios mais complexos e que 
apresentem desafios explicativos maiores, tal como os episódios óvni mais conhecidos, 
o recorte privilegiou experiências que, de acordo com os protagonistas, teriam 
conotação física, palpável ou sensorial direta, i.e., referentes a óvnis e alienígenas 
alegadamente vistos no ambiente concreto em que os protagonistas se encontravam. Isso 
significa, em termos práticos, que foram aceitos apenas voluntários que alegassem ao 
menos uma experiência óvni apreendida com os \u201colhos abertos\u201d, ou seja, excluindo-se, 
ao menos enquanto experiência \u201cprincipal\u201d, visualizações mentais ocorridas em 
processos meditativos, sonhos e outras experiências relacionadas a alterações de 
113 
 
consciência, visualizações mentais com os olhos fechados e outras experiências 
subjetivas menos difíceis, a princípio, de serem parcimoniosamente compreendidas 
enquanto confluência entre imagens mentais simples e crenças paranormais. Assim, a 
complexidade adicional ocorre pelo acréscimo de experiências que, caso tenham origem 
subjetiva, se enquadrariam enquanto alucinações, o que ganha particular relevância ao 
investigarmos