Leonardo Breno Martins   Contactos imediatos   Investigando
323 pág.

Leonardo Breno Martins Contactos imediatos Investigando


DisciplinaAstronomia797 materiais3.050 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de ser, pela natureza humana, pelo que o 
mundo oferece, pela quantidade de eras que já sucederam nesse habitat 
184 
 
nosso.... nós temos muito mistérios ainda a serem descobertos, como a 
cada dia aparece um. Então acreditar na possibilidade de que algumas 
pessoas que foram felizes de ter tido essa experiência, eu acredito.... não 
resta a menor dúvida.... que Shakespeare estava certo \u201cexiste mais 
mistérios entre o céu e a terra\u201d, não resta a menor dúvida (participante 
C1.30). 
 
Contudo, ainda que as duas tendências (contrária e favorável à \u201chipótese 
extraterrestre\u201d) possam ser reconhecidas, sua distinção não é propriamente nítida em diversas 
entrevistas, estas marcadas por idas e vindas de opinião, hesitações e contradições, o que 
desencorajou, ao momento, uma quantificação e aflorou o interesse por pesquisas futuras a 
respeito. Exemplificando a ambiguidade, 
 
Ah, eu acredito. Sinceramente, eu acredito que exista. Só que eu acho que 
eu sou... eu acho que quem viu, viu alguma coisa. Não está inventando. 
Agora, pra eu acreditar, eu tenho que ver. Eu sou muito cética. Eu tenho 
que ver realmente. Mas que existe alguma coisa, existe.... Eu acredito que 
seja extraterrestre mesmo. Não é do nosso planeta.... Agora eu tenho que 
ver pra falar se eu acredito.... Se eu procurasse uma região que aparece 
mais, um descampado, um lugar amplo que a gente vê o céu, eu ia ver 
muita coisa. Mas o que é essa coisa que eu estou vendo? Pode ser fraude, 
pode ser brincadeira (participante C1.1). 
 
Eu penso que às vezes pode ser imaginação fértil, às vezes pode ser 
realmente uma percepção alterada. Agora vou te dizer que eu não 
desacredito de todo que exista vida em outros planetas.... eu não descarto 
185 
 
essa possibilidade, mas eu não me preocupo com isso não. [Acredito] que 
ela [vida extraterrestre] está lá e que pode ser que tenha feito alguns 
contatos alguma vez, tem alguns relatos interessantes.... quando você vê 
algumas coisas semelhantes que têm a população Inca e o Egito, tem essas 
histórias de que possa ter um elo perdido que venha de outro planeta, eu 
não descarto essa possibilidade (participante C1.24). 
 
Eu sinceramente acredito na possibilidade real de que exista vida 
inteligente fora do planeta, mas também acredito que muito que se tem 
como relato de contato, de abdução e tal é construção intencional ou não, 
mas é construção social.... esses relatos de abdução, desse tipo de coisa, é 
uma resposta a determinada coisa que elas viveram e, a partir de 
elementos que elas pegam de vários lugares, televisão, internet etc., elas 
acabam construindo inconscientemente essa fantasia.... pra tentar 
sublimar determinada coisa.... A partir do ponto que eu acredito que 
exista, que essa atividade extraterrestre exista.... eu acredito mais ou 
menos, eu acho que é uma possibilidade plausível (participante C1.3). 
 
Eu acho que tem aqueles casos onde acontece uma exarcerbação da 
criatividade mesmo da mente, um efeito que pode acontecer de uma forma 
individual.... pode ser algum efeito de todo aquele grupo esteja sendo 
influenciado sob aquele efeito de espanto... uma ilusão.... artefatos que a 
pessoa desconhece.... Uma terceira [explicação] pra mim mais remota, 
mas nem um pouco improvável é que sim, sejam outros seres.... seria 
muita pretensão eu admitir que só a gente existe, que só a espécie 
186 
 
humana... que ocupe esse espaço tão vasto que é o universo (participante 
C1.23). 
 
Por seu turno, quando perguntados sobre o porquê de não terem tido eles mesmos 
experiências óvni, as respostas oscilaram entre três grandes tendências, incluindo os 
voluntários que evidenciaram atribuições ambíguas: (1) Casualidade e (2) Escolha dos 
alienígenas, para os que acreditam na origem extraterrestre dos óvnis, e (3) Não-
susceptibilidade, para os que acreditam em explicações como farsas e erros de interpretação 
de fenômenos conhecidos. Exemplificando a primeira tendência, 
 
Deve ser um ser de outro lugar.... Tem gente que vê e tem gente que não 
vê, né? Deve ser porque eu não ligo, nunca reparei, porque nunca 
fiquei prestando atenção nisso (participante C1.6). 
 
Existe canguru. Eu nunca vi um canguru. Mas que existe, existe.... eu 
nunca fui no lugar [onde há cangurus].... eu nunca encontrei com um 
bilhão de pessoas na Terra.... Uma vez eu estava na Serra do Cipó [na 
região metropolitana de Belo Horizonte], dormindo.... quando eu 
acordei, o pessoal falou que tinha um objeto no céu.... então alguma 
coisa aconteceu, só que eu estava dormindo (participante C1.17). 
 
Já a segunda tendência surge em respostas como: 
 
Eu não fui escolhido. Acho que isso é muito escolha.... Creio que sejam 
entidades muito mais superiores que a gente.... desenvolvimento social, 
psíquico, orgânico, científico, tudo. São superiores, pela forma de 
187 
 
organização. A possibilidade disso aqui [o planeta Terra] ser um 
laboratório [dos extraterrestres].... tem fundamento.... se eu for escolhido 
um dia, que seja pelo bem, pelo mal não (participante C1.30). 
 
Tem pessoas que tem mais.... afinidade com o assunto ou com eles 
próprios, e tem pessoas que \u201celes\u201d já veem grossamente que não têm 
condições de manter o contato (participante C1.20). 
 
Como uma posição intermediária entre as duas primeiras, 
 
Eu acho que é aleatório.... se fosse assim uma coisa específica, no 
caso de uma abdução, um contato onde haja interação mesmo entre 
as, vamos chamar de espécies, acho que seria uma coisa 
direcionada.... agora ver, eu acho que é probabilidade, é você estar 
no lugar certo e na hora certa (participante C1.23). 
 
Finalmente, a terceira tendência pode ser assim exemplificada: 
 
Eu não tenho esse pensamento aberto pra acreditar nisso.... eu acho muita 
imaginação da cabeça delas.... pra você acreditar nisso, você tem que ter 
uma imaginação muito grande! (participante C1.16) 
 
Eu acredito que as pessoas acabam tendo uma influência grande da 
cultura. Talvez o meio em que eu esteja inserida ou eu frequente não tenha 
uma cultura forte de alegações ou de vivências desse tipo.... Pelas minhas 
crenças ou pelas minhas vivências, se eu tivesse alguma experiência que, a 
188 
 
princípio, eu não pudesse explicar, não acredito que explicação de óvni e 
alienígena fosse a primeira a que eu atribuiria essa experiência. Eu 
provavelmente procuraria outra explicação antes dessa (participante 
C1.2). 
 
Eu não estou procurando isso não (risos). Talvez porque elas estejam.... 
estejam procurando isso, ver isso (participante C1.25). 
 
Portanto, as entrevistas forneceram elementos diversos para a discussão, no capítulo 13, 
de atribuições de causalidade tanto por parte de protagonistas de experiências óvni quanto por 
aqueles que negam ter vivenciado episódios do tipo. 
 
12.4. Alguns acréscimos do diário de campo 
 
Recorrendo novamente ao diário, vale observar que a busca por protagonistas revelou 
tendências análogas nas pessoas que interpelei e que não participaram da pesquisa, emergindo 
risos, piadas, estigmatização dos protagonistas enquanto drogados, mentirosos e doentes 
mentais, além de dúvidas mesmo quanto à seriedade de minha pesquisa ou legitimidade em 
meu intento em abordar o assunto. Um rapaz, em tom sério e evidenciando querer me 
auxiliar, perguntou se eu já havia buscado voluntários no serviço de saúde mental da cidade 
onde estávamos. Outra tendência presente foi a concepção de que seria muito difícil eu 
encontrar voluntários (independentemente das dificuldades impostas pela escolaridade 
elevada e limites de idade). Não raro, eu era arguido sobre quantos participantes eu já