A Biblia Satanica   Anton LaVey
61 pág.

A Biblia Satanica Anton LaVey


DisciplinaIntrodução à Teologia e História da Teologia91 materiais1.846 seguidores
Pré-visualização28 páginas
no momento, ele francamente compra alguns "itens de escolha"
e os lê atentamente e sem culpa durante o seu lazer.
"Nós temos de aceitar o fato que o homem se torna descontente em ser constantemente reprimido, mas
devemos fazer o que possamos para ao menos temperar os desejos pecaminosos do homem, a fim de que
não tornem excessivos nesta nova era", dizem os religiosos do caminho da mão direita para o satanista
questionador. "Por que continuar a pensar nestes desejos como vergonhosos e algo a ser reprimido, se você
pode agora admitir que eles são naturais?" retorna o satanista. Podia ser que os religiosos da luz branca
sejam um pedaço de uva azeda(história sobre a raposa e as uvas - parênteses meus) sobre o fato que eles
não pensaram de uma religião, antes dos satanistas, que poderia ser agradável seguir; e se a verdade fosse
conhecida, eles não gostariam também de um bocado de mais prazer fora da vida, mas pelo medo de perder
sua face, não podem admiti-lo? Podia também ser que eles temam a vontade das pessoas, depois de ouvir
sobre Satanismo, dizerem a si mesmos "Isto é para mim - por que eu deveria continuar com uma religião que
me condena por cada coisa que eu faço, ainda que não haja nada de errado com ela?" O satanista considera
que esta é a verdade mais apropriada.
Há certamente muita evidência que as religiões do passado estão pondo um fim cada vez mais às suas
ridículas restrições. Contudo, quando uma religião inteira é baseada em abstinência ao invés de indulgência
(como deveria ser) se torna desajeitada quando tenta se revisar para encontrar as necessidades correntes do
homem. Então, porque perder tempo "comprando aveia para um cavalo morto"?
O dogma do Satanismo é indulgência ao invés de abstinência... MAS - não é compulsão.
SOBRE A ESCOLHA DO SACRIFÍCIO HUMANO
O propósito considerado de executar o ritual de sacrifício é arremessar a energia provida pelo sangue da
vítima recentemente abatida dentro da atmosfera do trabalho mágico, desse modo intensificando as chances
de sucesso do mago.
O mago branco admite que, desde que o sangue representa a força da vida, não há melhor maneira para
apaziguar os deuses ou demônios do que presenteá-los com quantidades apropriadas dele. Combine esta
razão com o fato que uma criatura agonizante está expendendo uma superabundância de adrenalina e outras
energias bioquímicas, e você tem o que aparenta ser uma combinação incapaz de ser anulada.
O mago branco, alerta contra as conseqüências envolvidas no assassinato de um ser humano, naturalmente
usa pássaros, ou outra criatura "inferior" em suas cerimônias. Parece que estes falsos devotos desprezíveis
não sentem culpa em tirar uma vida não humana, por ser contrário a tirar uma vida humana.
O fato é que se o mágico é merecedor do seu nome, ele não será inibido o suficiente para liberar a necessária
força do seu próprio corpo, ao invés do de uma vítima sem merecimento ou sem vontade!
Contrário a todas as teorias mágicas estabelecidas, a liberação da força não é efetuada pelo atual
derramamento de sangue, mas no espasmo mortal de uma criatura vivente! Esta descarga de energia
bioelétrica é o mesmo que ocorre durante qualquer intensificação profunda das emoções, como: orgasmo
sexual, ira cega, terror mortal, tristeza intensa etc. Destas emoções, as mais fácil de se associarem à própria
vontade são o orgasmo sexual e a ira, chegando perto a tristeza em terceiro lugar. Lembrando que as duas
mais rapidamente disponíveis destas três (orgasmo sexual e ira) tem sido dissipadas da inconsciência
humana como "pecaminosas" pelos mágicos brancos, que caminha carregando o maior de todas as culpas
esmagadoras!
O absurdo sem impedimento e asinino na necessidade de matar um ser vivo inocente no ponto alto do ritual,
como praticado por este padrão de feiticeiros, é obviamente a sua "qualidade de demônios" quando a
descarga de energia é chamada. A consciência infeliz destes tolos afetados, que têm se autodenominado
bruxas e feiticeiros, poderiam mais rapidamente cortar fora a cabeça de uma cabra ou de uma galinha numa
tentativa de controlar a agonia de morte do animal, do que ter a coragem blasfêmica de se masturbar na
completa visão de Jehovah a quem eles chamam para condenar! O único modo que esses místicos covardes
podem ritualisticamente liberar a si mesmos é através da morte de outro (na verdade a sua própria, por
procuração) melhor do que a força indulgente que produz vida! Os seguidores do caminho da luz branca são
verdadeiramente o frio e a morte! Nenhuma maravilha pode se levantar dessas pústulas risonhas de
"sabedoria mística" dentro de círculos protetores e amarrando as forças do mal na condição de se manterem
a salvo de ataque - UM BOM ORGASMO PODERIA PROVAVELMENTE MATÁ-LOS!
O uso de um sacrifício humano no ritual satânico não implica que o sacrifício é efetuado "para apaziguar os
deuses". Simbolicamente, a vítima é destruída através de um feitiço ou praga, que, em retorno, leva à
destruição física, mental ou emocional do sacrificado e significa não ser atribuída ao mágico.
O único momento em que um satanista poderia realizar o sacrifício humano seria para um propósito duplo;
para ser liberada a ira do mago no incremento de uma maldição, e mais importante, para se desembaraçar de
um indivíduo totalmente nojento e merecedor.
Sob nenhuma circunstância poderia um satanista sacrificar qualquer animal ou bebê! Por séculos,
propagandistas do caminho da mão direita têm sido tagarelas sobre os supostos sacrifícios de crianças
pequenas e virgens voluptuosas nas mãos dos diabólicos. Poderia ser imaginado que qualquer um lendo ou
ouvindo estes relatos de ódio poderia imediatamente questionar sua autenticidade, tomando em consideração
a origem tendenciosa das histórias. Pelo contrário, assim como todas as mentiras "sagradas" são aceitas sem
reservas, o modus operandi assumido dos satanistas persiste até hoje!
Há sonoras e lógicas razões pelas quais o satanista não pode realizar sacrifícios. O homem, o animal, é o
próprio deus para o satanista. A forma mais pura da existência carnal repousa nos corpos de animais e
crianças que não cresceram o suficiente para condenar a si mesmos seus desejos naturais. Eles podem
perceber coisas que o homem de idade adulta nunca poderá perceber. Por essa razão, o satanista mantém
esses seres em consideração sagrada, sabendo que ele pode aprender muito através desses mágicos
naturais do mundo.
O satanista está cônscio do custo universal do seguidor do caminho de Agarthi; o assassinato do deus. Visto
que deuses são sempre criados pela própria imagem do homem - e que o homem adulto odeia o que ele vê
em si mesmo - o inevitável deve ocorrer: o sacrifício do deus representa o próprio. O satanista não odeia a si
mesmo; nem de deuses ele precisa escolher, e não tem desejo de destruir a si mesmo ou qualquer coisa que
ele encontre! É a razão porque ele nunca poderia intencionalmente magoar um animal ou uma criança.
A questão se levanta, "Quem, então, poderia ser considerado como um sacrifício humano encaixado e
apropriado, e como alguém é qualificado para julgar determinada pessoa?" A resposta é brutalmente simples.
Alguém que tenha injustamente prejudicado você - alguém que tenha "saído do seu caminho" para ferir você -
deliberadamente causa problemas e sofrimento para você ou para quem lhe é caro. Em resumo, uma pessoa
pedindo para ser amaldiçoada por suas reais ações.
Quando uma pessoa, por sua conduta repreensível, praticamente grita para ser destruída, é verdadeiramente
sua obrigação moral indulgenciá-lo no seu desejo. A pessoa que aproveita cada oportunidade para
atormentar os outros é freqüentemente confundida com o chamado sádico. Na realidade, esta pessoa é um
masoquista mal direcionado que está trabalhando em direção da sua própria destruição. A razão por que uma
pessoa desfere um golpe contra você é que eles estão com medo de você ou o que você representa, ou
estão