A Bíblia Satânica
90 pág.

A Bíblia Satânica


DisciplinaIntrodução à Teologia e História da Teologia91 materiais1.846 seguidores
Pré-visualização31 páginas
por tudo o que acontece, e não 
perde tempo imaginando que alguém se importa. O Satanista não fica parado e aceita o "destino" sem fazer nada a 
respeito porque está escrito em algum lugar que é assim que tem que ser. O Satanista sabe que rezar não faz nenhuma 
diferença - que na verdade rezar até diminui a chance de se obter sucesso, pois o devoto religioso muitas vezes deixam 
de lado o que estão fazendo e rezam para que uma situação se resolva, e se eles ao invés eles deixassem a reza de lado 
para eles mesmo tentarem resolver essa situação o resultado chegaria muito mais rápido. 
Ser Satanista é desprezar termos como "esperança" e "prece" pois eles indicam apreensão. Se nós esperarmos e rezarmos 
para algo acontecer não estaremos agindo de maneira positiva, o que é necessário para que algo aconteça. Sabendo que 
tudo o que conseguir vai ser resultado do seu próprio trabalho, o Satanista toma controle da situação ao invés de rezar 
para que Deus faça algo acontecer por ele. Pois: Pensamento positivo e ações positivas é que geram resultado reais. 
Assim como ele não reza pedindo ajuda a Deus ele também não reza pedindo o Seu perdão pelos erros cometidos. Em 
muitas religiões quando alguém comete um erro, ela ou ela reza pedindo o perdão divino, ou então se confessa para um 
intermediário pedir para Deus o perdão para seus pecados. O Satanista sabe que se rezar não leva a lugar nenhum, 
confessar-se para outro ser-humano exatamente como ele é ainda mais inútil e é muito mais degradante. 
Quando um Satanista faz algo de errado ele primeiramente percebe que é natural cometer erros ,\u201cerrar é humano\u201d- e se 
ele estiver realmente arrependido pelo que fez ele simplesmente se certificará que não acontecerá novamente. Se ele não 
está realmente arrependido do que fez, e sabe que muito provavelmente repetirá o erro, ele não tem razão nenhuma para 
se confessar buscando perdão. Mas é isto exatamente o que as pessoas fazem, elas confessam seus pecados para ficarem 
com a consciência limpa e ai poderem sair pecando novamente, geralmente o mesmo pecado. 
 
 
Existem por ai tantas interpretações de Deus, no sentido comum da palavra, quanto existem pessoas no mundo. As 
imagens variam desde uma forma vaga de "mente cósmica universal" até uma deidade antropomórfica de longas barbas 
que calça sandálias que acompanha tudo o que acontece no mundo, observando cada ato de cada pessoa. 
Até mesmo com os limites estipulados por uma dada religião o conceito de Deus varia bastante de pessoa para pessoa. 
Algumas religiões chegam ao ponto de rotular de herege qualquer um que pertença a outro grupo religioso que não o 
deles, mesmo que a visão de Deus desses grupos seja basicamente a mesma. Os Católicos, por exemplo, acreditam 
que os Protestantes estão condenados ao Inferno só porque eles não fazem parte da Igreja Católica. Da mesma maneira 
que muitos grupos de origem Cristã, como os Evangélicos, acreditam que os Católicos são farsantes que adoram 
imagens (Cristo é sempre mostrado de uma forma fisiológica para os que o adoram, e mesmo assim os Cristãos criticam 
os outros grupos que adoram imagens). E os Judeus sempre foram atacados por todo mundo. 
Apesar de Deus ser basicamente o mesmo em todas essas religiões cada uma diz que a outra está errada e, para 
completar, os religiosos chegam a rezar um pela alma do outro! Eles sentem escárnio pelos seus irmãos do caminho 
da mão direita por cada um possuir um rótulo diferente, e de alguma maneira esta inimizade tem que ser liberada. E que 
melhor maneira de fazer isso do que através da "oração"? Esta é uma maneira educada de dizer: "Eu te odeio!"; 
rezar pela alma do seu inimigo não é outra coisa além de raiva reprimida só que uma raiva de um tipo inferior, uma 
imitação de algo mais forte. 
Se existe uma discrepância tão grande sobre como adorar Deus quantas diferentes interpretações de Deus podem existir, 
e qual seria a correta? 
Todos os seguidores do "caminho da Luz" estão preocupados em satisfazer Deus para poderem atravessar os Portões 
Dourados quando morrerem. Mesmo assim, se uma pessoa não teve uma vida de acordo com as regras de sua fé ela pode 
no último instante chamar um clérigo a seu leito de morte para receber a extrema unção. O padre ou pastor então irá 
correndo de encontro à pessoa para se certificar de que o seu "passaporte espiritual" esteja em ordem (os Yezidis, um 
grupo de adoradores do Demônio, tem um ponto de vista diferente. Eles acreditam que Deus é Todo-Poderoso mas 
também um Deus do Perdão e seguindo essa linha de raciocínio eles acreditam que é o Demônio que deve ser agradado, 
pois é ele que controla suas vidas aqui na Terra. Eles tem uma crença tão poderosa de que Deus vai perdoar seus 
pecados quando chegar a hora que eles não ligam para o que Ele possa vir a achar deles enquanto viverem). 
Com todas as contradições nas escrituras Cristãs, muitas pessoas hoje em dia não conseguem aceitar racionalmente o 
Cristianismo da maneira como era praticado no passado. Um grande número de pessoas estão começando a duvidar da 
existência de Deus no sentido estabelecido pelo Cristianismo, então eles passam a se chamar "Cristão Ateus". É verdade 
que a bíblia Cristã está cheia de contradições, mas pode haver algo mais contraditório do que um Cristão Ateu? 
Se até mesmo influentes líderes religiosos da fé Cristã estão rejeitando as interpretações passadas de Deus, como podem 
esperar que seus seguidores aceitem as tradições religiosas daqueles tempos? 
Com toda esta discussão sobre Deus estar morto ou não, se Ele não estiver é melhor que tenha um Seguro Saúde. 
 
 
 
 
 
O DEUS QUE SALVA VOCÊ 
PODE SER VOCÊ MESMO 
 
 
Todas as religiões de natureza espiritual são invenções dos Homens. Eles criaram um sistema inteiro de 
deuses com nada mais do que seus cérebros carnais. Só pelo fato de alguém ter um ego e não poder 
aceitá-lo ele teve de ser exteriorizado de uma maneira espiritual que a própria pessoa chama de "Deus". 
Deus pode fazer tudo o que as pessoas não podem - coisas como matar outras pessoas, realizar milagres 
para gratificar a si mesmas, ter controle sobre tudo e todos sem nenhuma responsabilidade aparente, etc. 
Se uma pessoa necessita de um deus assim e o reconhece, então ele estará adorando a invenção de uma 
outra pessoa, ou seja, de maneira indireta ele estaria adorando o homem ou a mulher que inventou tal deus. Não faria 
muito mais senso então essa pessoa adorar a um deus criado por ela mesma, um deus que melhor represente a criatura 
real e carnal que teve a idéia/poder para inventar um deus em primeiro lugar? 
Se as pessoas insistem em exteriorizar os seus verdadeiros "eus" na forma de um "Deus", então por que temer a si 
mesmo temendo a "Deus", por que exaltar a si mesmo exaltando a "Deus", por que permanecer externo a "Deus" para 
poder realizar CERIMÔNIAS E RITUAIS EM SEU NOME ? 
 
As pessoas precisam de rituais e dogmas, mas não existe nenhuma lei que diga que é preciso um deus exteriorizado para 
que estes rituais e cerimônias possam ser realizadas. Poderia ser que quando uma pessoa preenche o vazio que existe 
entre ela mesma e seu "Deus" ela vê o demônio do orgulho se aproximando - a própria manifestação de Lúcifer surgindo 
dentro dela? Ela não consegue mais se enxergar dividida em duas metades, uma carnal e uma espiritual, ela vê essas 
duas metades se fundindo em um todo e então para seu grande horror a pessoa descobre que ela é apenas carnal - E 
SEMPRE FOI! E então?A pessoa ou passa a se odiar, ou se deleita por ser como é? 
Se ela passa a se odiar sai em busca de novos e mais complexos caminhos para a sua "iluminação" na esperança de 
poder se dividir novamente em sua busca de deuses externos e mais poderosos para poderem amparar sua pobre e 
miserável existência. Se ela se aceitar como é e reconhecer a importância de rituais e cerimônias para ajudar a manter a 
sua fé ela