Hemostasia

Hemostasia


DisciplinaPatologia Clínica Veterinária773 materiais15.296 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
HEMOSTASIA E DISTÚRBIOS HEMOSTÁTICOS
*
Hemostasia
Sistema hemostático:
\u201cMecanismos que produzem uma resposta efetiva à injúria vascular, garantindo a fluidez do sangue nos vasos e a perfusão tecidual\u201d.
*
Fases da hemostasia:
Hemostasia primária,
Hemostasia secundária,
Fibrinólise.
*
*
Hemostasia Primária
*
Hemostasia Secundária - Coagulação
*
*
*
*
Fibrinólise
*
*
Patogênese dos Defeitos da Hemostasia
*
Hemostasia Primária
Alterações:
Defeitos vasculares,
Alterações das plaquetas 
Qualitativas
processos imunomediados.
Alterações congênitas
Quantitativas
Sinais:
Petéquias e equimoses
Sangramento imediato.
*
Alterações dos Megacariócitos:
 Síndromes mieloproliferativas,
Tóxica,
Agentes infecciosos
Mecanismos imunitários.
*
Alterações das plaquetas:
Quantitativa
Trombocitose
Fisiológica
Reativa
Processos inflamatórios agudos e crônicos, 
hemorragia aguda, 
anemia por deficiência de ferro, 
anemia hemolítica, 
neoplasias, 
fraturas e traumas severos, 
pós-cirúrgica, 
esplenectomia, 
doença de Cushing, glicocorticóides e 
agentes antineoplásicos. 
Trombocitemia essencial \u2013 rara em animais.
*
Alterações das plaquetas:
Quantitativa
Trombocitopenia
linfoma, 
erliquiose, 
infecção pelo vírus da hepatite canina, 
peritonite, 
endotoxinas, 
CID, 
infecção pelo vírus da leucemia felina, 
diarréia viral bovina, 
anemia infecciosa equina.
*
Possíveis alterações:
Deficiência na síntese dos fatores da coagulação
Síntese defeituosa dos fatores
Consumo excessivo
Sinais:
Equimoses,
Hematomas,
Hemartroses,
Sangramento tardio.
Hemostasia Secundária
*
Coagulopatias hereditárias
Menos comuns do que as adquiridas.
Decorrentes da deficiência de um único fator.
Deficiências de múltiplos fatores são raras.
*
Hemofilia A
Deficiência ou defeito do fator VIII.
Defeito no cromossomo X:
Fêmeas portadoras 
Machos hemofílicos
A hemofilia A é uma das mais comuns desordens da coagulação herdadas em humanos e nos animais, e aparece em cães, gatos e eqüinos.
*
Hemofilia A
Severidade depende da concentração do fator VIII no plasma.
Sangramento severo se atividade for inferior a 5% do normal.
Sangramento moderado de 5 a 20%.
Tratamento:
Crioprecipitado.
*
Hemofilia B
Diminuição ou síntese defeituosa do fator IX.
Desordem recessiva ligada ao cromossoma X.
As hemofilias A e B são indistinguiveis clinicamente e, os testes utilizados são os mesmos. Assim, a diferenciação é feita a partir de ensaios específicos para cada fator.
*
Doença de von Willebrand
Deficiência do fator vW. 
Ocorre em ambos os sexos.
Distúrbio autossômico dominante em humanos, 
Dominância incompleta em animais
Sinais clínicos: 
diarréia hemorrágica, 	
sangramentos no estro e pós-parto, 
hematomas, 
sangramentos excessivos após traumas leves e epistaxes.
Tratamento;
transfusão de crioprecipitado. 
*
Deficiência do fator VII
Doença autossômica recessiva ou incompletamente dominante rara, 
Relatada em cães. 
Não apresenta diátese hemorrágica como nos humanos.
*
Deficiência dos fatores X, XI e XII e pré-calicreína
São raras. 
Sem anormalidades clínicas de hemostasia ou raramente causam sangramentos leves.
*
Afibrinogenemia
Rara nos animais (relatos em cães e cabras).
Gene autossômico recessivo
Sinais:
sangramento pelo cordão umbilical ao nascimento.
Desfibrinogenemia
Gene dominante autossômico
Fibrinogênio apresenta defeito na sua quebra, polimerização e estabilização. 
*
Coagulopatias adquiridas
Mais comuns do que as hereditárias.
*
 Deficiência de vitamina K:
Essencial para a formação de fatores dependentes de vitamina K (II, VII, IX e X). 
Deficiência nutricional é rara nos animais. 
Associada com:
problemas gastrintestinais crônicos, 
mal absorção, 
animais submetidos à terapêutica prolongada com antibióticos de amplo espectro e sulfanilamida, 
Deficiência de sais biliares, 
Doença hepática pode levar a falha na utilização da vitamina,
Antagonistas da vitamina K - rodenticidas (warfarin, indanedionas), bromadialona e brodifacoum.
*
*
Doenças hepáticas:
Causam:
Hemorragias médias a moderadas
Hemorragias severas \u2013 cirrose, hepatite fulminante, fase terminal de doença hepática crônica
*
Coagulopatias de Consumo
Coagulação intravascular disseminada (CID)
Estado patológico secundário
Achado alarmante \u2013 mal prognóstico
Mecanismo:
Ativação intravascular da coagulação sangüínea 
Trombose capilar
Ativação do sistema fibrinolítico
Tendências hemorrágicas
*
Patofisiologia da CID
*
Coagulopatias de consumo
Acidentes ofídicos
Ações coagulante, proteolítica e vasculotóxica
Serpentes Bothrops.
Bothrops jararaca
*
Possíveis alterações:
Estímulos excessivos,
Liberação de substâncias que ativam a coagulação.
Sinais;
Trombose,
Infarto renal,
Infarto cardíaco.
Fibrinólise
*
Trombose
Tipos de Trombos
Brancos: 
locais de elevado fluxo sangüíneo
compostos por plaquetas e pouca quantidade de fibrina
Mistos: 
áreas de lento ou moderado fluxo sangüíneo 
compostos por hemácias, plaquetas e fibrina.
Vermelhos: 
áreas de completa estase sangüínea
composto por hemácias e grande quantidade de fibrina. 
Causas: 
agentes infecciosos que causam inflamação e dano endotelial
*
AVALIAÇÃO CLÍNICO-LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS HEMOSTÁTICOS
Distúrbio hemostático x hemorragia por outras causas
Quantidade e duração da hemorragia x grau da injúria
*
História
Tempo de sangramento:
Logo após o trauma \u2013 hemostasia primária
Após estancamento inicial \u2013 hemostasia secundária
Idade do paciente
Hereditariedade?
Ligada ao sexo?
Exposição a drogas ou agentes tóxicos
*
Exame físico
Sinais:
hepatomegalia;
anemia;
icterícia;
hipertermia;
doenças mieloproliferativas;
doenças imunomediadas;
septicemias;
viroses;
neoplasias;
presença de ectoparasitas
*
Tipos de lesões hemorrágicas
*
Petéquias gengivais
Baker et al, 2006
*
Hemorragia subcutânea
Baker et al, 2006
*
Hemartrose
Baker et al, 2006
*
Exames laboratoriais
Seleção dos testes
Suspeita clínica
*
Exames laboratoriais
Colheita e acondicionamento da amostra:
Anticoagulantes:
Citrato de sódio a 3,8%:
Diluição: 1:9
Uso: avaliação dos fatores da coagulação
EDTA a 10%:
Diluição: 0,1 ml para cada 5 ml de sangue
Uso: contagem de plaquetas
Material:
Recipientes plásticos ou siliconizados
Sangue recém-colhido
Laboratórios climatizados.
*
Testes laboratoriais
*
Hemostasia Primária
Contagem global de plaquetas
Observação de plaquetas no esfregaço sangüíneo imediato
Estimativa do nº de plaquetas: 
< 3 plaquetas/campo \u2013 trombocitopenia
Macroplaquetas \u2013 regeneração
Agregados plaquetários \u2013 erro de técnica
Mielograma
*
*
*
*
Hemostasia Primária
Tempo de sangramento
1 \u2013 5 minutos
Aumentado:
vasculites;
aumento da fragilidade capilar;
trombocitopenias;
trombocitopatias;
doença de Von Willebrand.
Agregação plaquetária
Provas de agregação \u2013 adição de agonistas
*
Hemostasia Secundária
Tempo de Coagulação
Maneira grosseira de avaliar os fatores da coagulação
Testes:
Tubo capilar
Normal:
Equinos e Bovinos: 3 \u2013 15 minutos
Outros animais: 1 \u2013 5 minutos
Lee White
Normal:
3 \u2013 12 minutos
Aumentado:
Deficiência dos fatores da coagulação da via intrínseca ou comum.
*
Hemostasia Secundária
Tempo de Protombina
Avaliação da via extrínseca e comum
Adição de fator tecidual
*
*
Hemostasia Secundária
Tempo de Tromboplastina Parcial Ativada:
Avaliação da via intrínseca e comum
Adição de fator de ativação por contato (caolin ou cefalina)
*
Hemostasia Secundária
Tempo de Trombina
Tempo para a formação da fibrina