MANUAL DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2015 EDFBA
92 pág.

MANUAL DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2015 EDFBA


DisciplinaNutrição26.073 materiais181.722 seguidores
Pré-visualização17 páginas
st
in
o 
de
lg
ad
o,
 
se
nd
o 
a 
am
os
tra
 o
bt
id
a,
 
pr
ef
er
en
te
m
en
te
, d
a 
ju
nç
ão
 
du
od
en
o-
je
ju
na
l
\u2022	
Is
en
çã
o 
do
s 
al
im
en
to
s 
qu
e 
co
nt
êm
 g
lú
te
n 
(a
ve
ia
, c
en
te
io
, 
ce
va
da
, t
rig
o 
e 
m
al
te
),
 p
or
 to
da
 
a 
vi
da
;
\u2022	
O
rie
nt
ar
 a
 fa
m
íli
a 
pa
ra
 a
 
le
itu
ra
 d
os
 r
ót
ul
os
 d
e 
pr
od
ut
os
 
in
du
st
ria
liz
ad
os
, p
oi
s 
po
de
m
 
so
fre
r 
ad
iç
ão
 d
e 
fo
nt
es
 d
e 
gl
út
en
, 
co
m
o 
al
gu
ns
 a
ch
oc
ol
at
ad
os
;
\u2022	
H
id
ra
ta
çã
o 
ad
eq
ua
da
 n
a 
pr
es
en
ça
 d
e 
di
ar
re
ia
.
Manual.indb 40 3/7/2012 16:14:26
41
8 ESTRATÉGIA GLOBAL SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, 
ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE
Estratégia global da Organização Mundial de Saúde sobre Alimentação Saudável, 
Atividade Física e Saúde foi aprovada pela 57ª Assembleia Mundial de Saúde, em maio de 
2004, pelo reconhecimento da importância das doenças crônico-degenerativas e do seu 
crescimento mundial. A meta dessa estratégia é proteger a saúde, orientando a criação de 
um ambiente favorável à adoção de medidas sustentáveis em nível individual, comunitário, 
nacional e mundial, que, em conjunto, promovam a redução da mortalidade e morbidade, 
através de quatro objetivos principais: 
1. Reduzir os fatores de risco para enfermidades não transmissíveis, associadas à 
alimentação desbalanceada e ao sedentarismo, mediante uma ação de saúde 
pública essencial e medidas de promoção da saúde e prevenção da morbidade;
2. Promover a consciência e o conhecimento gerais acerca da influência do padrão 
alimentar e da atividade física na saúde, assim como do potencial das interven-
ções de prevenção;
3. Fomentar o estabelecimento, o fortalecimento e a aplicação de políticas e planos 
de ação mundiais, regionais, nacionais e comunitários, com o objetivo de me-
lhorar a alimentação e aumentar a atividade física, de forma sustentável, com a 
integração de todos os setores, inclusive a sociedade civil, o setor privado e os 
meios de comunicação;
4. Monitorar dados científicos e fatores que influenciam a dieta e a atividade física; 
apoiar pesquisas nas várias áreas pertinentes, inclusive na avaliação de inter-
venções e no fortalecimento de recursos humanos necessários para promover e 
manter a saúde. (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2004)
As recomendações para uma boa alimentação de indivíduos e populações incluem, 
dentre outras:
\u2022\u2002 Buscar o equilíbrio energético para o controle de peso saudável;
\u2022\u2002 Equilibrar o consumo energético e manter um peso saudável;
\u2022\u2002 Limitar o consumo de gorduras totais, substituir as gorduras saturadas por gorduras 
insaturadas e eliminar as gorduras trans;
\u2022\u2002 Aumentar o consumo de frutas e hortaliças, assim como de legumes, cereais 
integrais, nozes e similares;
\u2022\u2002 Limitar a ingestão de açúcar simples;
\u2022\u2002 Limitar o consumo de sal. (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2004)
Manual.indb 41 3/7/2012 16:14:26
Manual.indb 42 3/7/2012 16:14:26
43
REFERÊNCIAS
ANCONA LOPEZ, Fabio; BRASIL, Anne L.D. Nutrição e dietética em clínica pediátrica. São 
Paulo: Ed. Atheneu, 2004.
ARAÚJO, Ana C. T; CAMPOS, Juliana A.D. B. Subsídios para Avaliação do Estado Nutri-
cional de Crianças e Adolescentes por meio de Indicadores Antropométricos. Alim Nutr., 
Araraquara, v. 19, n. 2, p. 219-25, abr./jun. 2008. Disponível em: <http://serv-bib.fcfar.
unesp.br/seer/index.php/alimentos/article/view/250/244>. Acesso em: 23 jan. 2012.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA OBESIDADE E DA SÍNDROME METABÓ-
LICA. Diretrizes brasileiras de Obesidade 2009/2010/ABESO. 3. ed. Itapevi, AC Farma-
cêutica, 2009. Disponível em: <http://www.abeso.org.br/pdf/diretrizes_brasileiras_obesi-
dade_2009_2010_1.pdf>.Acesso em: 23 jan. 2012. 
BERTIN, Renata L. et al. Estado nutricional, hábitos alimentares e conhecimentos de nutrição 
em escolares. Rev. paul. pediatr., São Paulo, v. 28, n. 3, p. 303-308, 2010.Disponível em: 
<http://www.scielo.br/pdf/rpp/v28n3/08.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2012. 
BIZZO, Maria L.G.; LEDER, Lidia. Educação nutricional nos parâmetros curriculares 
nacionais para o ensino fundamental. Rev. Nutr., Campinas, v. 18, n. 5, p. 661-
667, set./ out. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-
-52732005000500009&script=sci_arttext>. Acesso em: 25 jan. 2012.
BUNDRED, Peter; KITCHINER, Denise; BUCHAN, Iain. Prevalence of overweight and obe-
se children between 1989 and 1998: population based series of cross sectional studies. 
British Medical Journal- BMJ, London, v. 322, n. 7282, p. 1-4, fev. 2001. Disponível 
em: <http://www.bmj.com/highwire/filestream/324360/field_highwire_article_pdf/0.pdf>. 
Acesso em: 23 jan. 2012.
BUSS, Paulo M. Promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de Governo em 
Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 15, 
n. 2, p. 177-85, 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v15s2/1299.pdf>.
Acesso em: 23 jan. 2012.
COSTA, M. C. O; SOUZA, R. P. de. Adolescência: aspectos clínicos e psicossociais. Porto 
Alegre: Ed. Artmed, 2002. Cap. 6.
Manual.indb 43 3/7/2012 16:14:26
44
CUPPARI, Liliam. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. 2. ed. Barueri: Manole, 
2005. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_condutas_do-
enca_falciforme.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2012.
DUARTE, Antonio C.; CASTELLANI, Fabrizzio R. Semiologia nutricional. Rio de Janeiro: 
Axcel Books do Brasil, 2002.
FREEDMAN, David. S. et al. Relation of circumferences and skinfold thicknesses to lipid 
and insulin concentrations in children and adolescents: the Bogalusa Heart Study. Ameri-
can Journal of Clinical Nutrition - Am J Clin Nutr, Rockville Pike, v. 69, n. 2, p. 308-317, 
fev. 1999. Disponível em: <http://www.ajcn.org/content/69/2/308.full>.Acesso em: 23 
jan. 2012. 
FRISANCHO, A. Robert. Anthropometric Standards for the assessment of growth and nu-
tritional status. Ann. Arbor: University of Michigan Press, 1990.
GARCIA, C. M.; VIEIRA, L. P.; FERREIRA, M. F. S. Avaliação do estado nutricional e 
necessidades energéticas. In: ISOSAKI, Mitsui.; CARDOSO, Elizabete. (Org.) Manual de 
Dietoterapia & Avaliação Nutricional do serviço de nutrição e dietética do Instituto do Co-
ração \u2013 HCFMUSP. São Paulo: Atheneu, 2004.
GOMES, Fabio da S.; ANJOS, Luis A. dos; VASCONCELLOS, Maurício L. de. Associação 
entre o estado nutricional antropométrico e a situação sócio-econômica de adolescentes 
em Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 11, 
p. 2446-2454, nov. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n11/14.
pdf>. Acesso em: 23 jan. 2012.
HEALD, F. P.; GONG, E. L. Diet, nutrition and adolescence. In: SHILLS, Maurice E. et al. 
(Org.) Modern nutrition in health and disease. 9. ed. Baltimore: Lippincott Williams & 
Wilkin, 1999. p. 857 \u2013 867.
INSTITUTE OF MEDICINE. FOOD AND NUTRITION BOARD. Dietary Reference Intakes 
for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Fatty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids. 
Washington: The National Academies Press, 2002. Disponível em: <http://www.nap.edu/
openbook.php?record_id=10490&page=R1>. Acesso em: 25 jan. 2011.
KRAUSE, Marie V.; MAHAN, L. Kathleen; ESCOTT-STUMP, Sylvia. Alimentos, nutrição e 
dietoterapia. 11. ed. São Paulo, SP: Roca, 2005.
LACERDA, Elisa A.M. et al. (Coord.) Práticas de nutrição pediátrica. São Paulo: Ed. Athe-
neu, 2002. 
LOPES, Antonio C. Tratado de clínica médica. São Paulo: Roca, 2006. p. 3570-3597. v. 2.
LOURENÇO, Ana M; TAQUETTE,