apostilha de gestão em recursos materiais logística
138 pág.

apostilha de gestão em recursos materiais logística


DisciplinaAdministração113.271 materiais806.079 seguidores
Pré-visualização25 páginas
parte da extensão e complexidade do processo produtivo. Quanto maior for o 
ciclo de produção, maior o nível esperado de produtos em processo.
Produtos acabados
Os estoques de produtos acabados são formados por itens que já foram produzi-
dos, mas ainda não foram vendidos. Nas empresas que produzem por encomen-
da o estoque é muito baixo, tendendo a zero, pois teoricamente todos os itens já 
foram vendidos antes de serem produzidos. Já no caso das empresas que produ-
zem para estoque, onde os produtos são fabricados antes da venda, o nível de 
produtos acabados é determinado na maioria das vezes pela previsão de vendas.
Para adequar o estoque da empresa ao nível de demanda exigido, deve haver 
uma grande harmonia entre a programação da produção e a gestão de esto-
ques e o departamento de vendas, para que a produção forneça uma quanti-
dade suficiente de produtos acabados para satisfazer as previsões de vendas 
sem criar estoques em excesso.
49Unidade 3
Gestão de Recursos Materiais
Um fator importante quanto aos produtos acabados é o seu grau de liquidez. 
Uma empresa que vende um produto de consumo popular pode estar mais 
segura se mantiver níveis altos de estoques do que outra que produz produtos 
relativamente especializados. Quanto mais líquidos e menos sujeitos a obsoles-
cência forem os produtos acabados de uma empresa, maiores serão os níveis de 
estoque que ela poderá suportar.
Peças de manutenção
As peças de manutenção são tão importantes quanto a matéria-prima, pois a 
interrupção da produção por um equipamento ocioso pode levar ao adiamento 
de um prazo de entrega ao cliente ou a perda ocasional da encomenda quando 
não do cliente. Assim atualmente as empresas tem dado uma maior atenção às 
peças de reposição.
Conflitos interdepartamentais
Uma das principais dificuldades dentro da gestão/controle de estoque está em 
buscar conciliar da melhor maneira possível os diferentes objetivos de cada 
departamento da empresa, sem prejudicar sua operacionalidade.
50
Exemplo
 
Tabela 1: Impacto do estoque de matéria-prima alta nos setores da empresa
Matéria-prima
(Alto estoque)
DEPTO. DE COMPRAS
Desconto sobre as quanti-
dades a serem compradas.
DEPTO. FINANCEIRO
Capital investido.
Perda financeira.
Matéria-prima
(Alto estoque)
DEPTO. PRODUÇÃO
Nenhum risco de falta de 
material.
DEPTO. FINANCEIRO
Maior custo de armazena-
gem e perdas por obsoles-
cência.
Matéria-prima
(Alto estoque)
DEPTO. VENDAS
Entregas rápidas, boa ima-
gem, melhores vendas.
DEPTO. FINANCEIRO
Capital investido.
Maior custo de armazena-
gem.
Dica
Portanto, a gestão dos estoques não deve se preocupar apenas com o 
fluxo diário de materiais entre vendas e compras, mas com a relação 
lógica entre cada integrante desse fluxo, trazendo uma mudança na 
forma tradicional de encarar o estoque.
Deficiências no controle de estoque
Segundo Neushel e Fueler (1993), as deficiências do controle de estoque nor-
malmente são mostradas por reclamações contra sintomas específicos, entre os 
quais podem-se citar:
51Unidade 3
Gestão de Recursos Materiais
 ‡ Periódicas e grandes dilatações dos prazos de entregas para os produtos 
acabados e dos tempos de reposição de matéria \u2013prima.
 ‡ Quantidades maiores de estoque, enquanto a produção permanece constante.
 ‡ Elevação do número de cancelamento de pedidos ou mesmo devoluções de 
produtos acabados.
 ‡ Variação excessiva da quantidade a ser produzida.
 ‡ Produção parada frequentemente por falta de material.
 ‡ Falta de espaço para armazenamento.
 ‡ Baixa rotação de estoques.
Todas essas deficiências devem chamar a atenção da empresa para que ela rea-
valie a sua política estoques, pois todas elas resultam numa perda de capital.
Nesta aula, você aprendeu o que é o controle de estoque, os objetivos da gestão 
e controle de estoque e os princípios básicos para o controle de estoques. Na 
próxima aula, você vai aprender o que é política de estoque, grau de atendimento, 
dimensionamento de estoques, previsão de estoques e os fatores que podem alte-
rar o comportamento do consumo, além de maneiras de se estimar o consumo. 
Aula 2: 
Políticas de estoque5
Nesta aula, você vai aprender o que é política de estoque, grau de atendimento, 
dimensionamento de estoques, previsão de estoques e os fatores que podem al-
terar o comportamento do consumo, além de maneiras de se estimar o consumo.
A política de estoque visa a estabelecer certos padrões que sirvam de guias aos 
programadores e controladores e também de critérios para medir a performance do 
departamento de gestão de estoques.
Veja, a seguir, quais são esses padrões e critérios:
5 O conteúdo abordado nesta aula foi parcialmente extraído do site: www.eps.ufsc.br/labs/grad/dis-
ciplinas/GerenciaDeMateirais/99.1/GestaoDeEstoques.doc
52
 ‡ Definir metas da empresa quanto ao tempo de entrega dos produtos ao cliente.
 ‡ Definir o número de depósitos e/ou almoxarifes e da lista de materiais a 
serem estocados neles.
 ‡ Definir o nível de flutuação dos estoques para atender uma alto ou baixa nas vendas.
 ‡ Definir o grau de especulação dos estoques a ser utilizado.
 ‡ Definir a rotatividade dos estoques.
Pergunta
Você sabe o que é grau de atendimento?
Existe uma relação entre o capital investido e a previsão de consumo, indicada 
como grau de atendimento (em %), que indica quanto da parcela de consumo ou 
das vendas deverá ser fornecida pelo almoxarifado. Por exemplo: se quisermos ter 
um grau de atendimento de 95% e temos um consumo ou venda mensal de 600 
unidades, devemos ter disponíveis para fornecimento 570 unidades (600 x 0.95 ).
Gráfico 1: Grau de atendimento resulta da relação entre capital investido e previsão de consumo 
Dimensionamento de estoques
Manter estoques significa assumir alguns riscos: capital imobilizado, obsoles-
cência, deterioração. Nos últimos vinte anos, a filosofia just-in-time6 vem com-
batendo todos os desperdícios nas empresas, principalmente estes gerados pela 
existência de estoques. Mas, em alguns casos, não há como escapar deles.
6 Fonte: http://www.apostilasgratuitas.info/component/content/article/62-administracao/123-apos-
tila-de-curso-de-administracao
53Unidade 3
Gestão de Recursos Materiais
Dica
Just-in-time é um sistema de administração da produção que determina 
que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora 
exata. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques 
e os custos decorrentes. (KOHLER, 2008)
A oportunidade, no momento certo para o suprimento de materiais, influi no 
tamanho dos estoques. Assim, suprir antes do momento oportuno acarretará, em 
regra, estoques altos, acima das necessidades imediatas da organização. Por outro 
lado, a providência do suprimento após esse momento poderá levar a falta do ma-
terial necessário ao atendimento de determinada necessidade da administração.
Do mesmo modo, o tamanho do lote de compra acarreta as mesmas consequ-
ências: quantidades além do necessário representam inversões em estoques 
ociosos, assim como, quantidades aquém do necessário podem levar à insufici-
ência de estoque, o que é prejudicial à eficiência operacional da organização.
Estes dois eventos, tempo oportuno e quantidade necessária, acarretam, se 
mal planejados, além de custos financeiros indesejáveis, lucros cessantes, fato-
res esses decorrentes de quaisquer das situações assinaladas. Da mesma forma, 
a obtenção de material sem os atributos da qualidade requerida para o uso a 
que se destina acarreta custos financeiros maiores, retenções ociosas de capital 
e oportunidades de lucro não realizadas. Isso porque materiais, nessas condi-
ções, podem implicar paradas de máquinas, defeitos na fabricação ou no servi-
ço, inutilização de material, compras adicionais etc.
O principal problema de um dimensionamento de estoques reside na relação entre:
 
capital investido ------------------- disponibilidade de estoques
custos incorridos ------------------- consumo ou demanda
 
A otimização