Indígenas do Brasil
264 pág.

Indígenas do Brasil


DisciplinaHistória dos Povos Indígenas e Afro-descendentes2.086 materiais9.674 seguidores
Pré-visualização50 páginas
que levam para o posto de saúde/hospital mais próximo 
(59%), os homens sinalizam recorrer a chás, ervas, rezas e pajés (41%). Os mais 
velhos \u2013 42% dos com 60 anos e mais, também apontam os chás e ervas. En-
quanto os que recorrem à Funasa (5%) não se destacam em qualquer segmento.
Aquelas/es que estão inseridos no mercado formal de trabalho (20% dos 
que compõe a PEA \u2013 68% da amostra indígena nos centros urbanos) levam 
para o hospital (66%); utilizam-se de ervas (29%), procuram profi ssionais 
capacitados a lidar com indígenas (10%), procuram a Funasa (11%). Os 
que estão inseridos no mercado informal de trabalho (137, portanto 34% da 
composição da PEA entre os entrevistados) referem: posto de saúde/hospital 
(50%); chás, ervas, pajé (41%), profi ssionais de saúde capacitados (19%), Fu-
nasa 3%, Unifesp/Ambulatório do Índio (1%) CASAI (1%).
Quanto ao que é mais importante para a saúde dos índios da cidade:
\u2022 21% responderam que ter acesso rápido a consultas e exames médicos
\u2022 21% apontam que agentes de saúde indígena 
\u2022 17% acesso a tratamento a base de ervas e plantas medicinais
\u2022 13% o acesso a medicamentos gratuitos disponíveis nos postos de saúde 
que atendem indígenas nas cidades
\u2022 11% ser respeitada as tradições indígenas como parto natural; assim como 
às crenças religiosas; 
\u2022 3% ser respeitado os hábitos alimentares indígenas (quando do parto).
Quando apontados como múltiplos, os fatores considerados como mais im-
portante para a saúde são:
\u2022 57% agentes de Saúde Locais, indígenas
\u2022 53% medicamentos gratuitos e disponíveis nos postos de saúde
Saúde da população indígena 167
\u2022 51% acesso rápido a consultas e exames médicos para os indígenas nas 
cidades
\u2022 36% respeito as crenças e tradições religiosas indígenas nas cidades
\u2022 33% tratamento a base de ervas e plantas medicinais
\u2022 22% respeito a hábitos alimentares diferenciados dos indígenas nas cidades
\u2022 20% parto natural, conforme as tradições indígenas nas cidades
\u2022 16% respeito a hábitos diferentes.
A grande maioria (92%) dos indígenas urbanos conhece ou já ouviu falar da 
Funasa. Quanto maior a idade e a escolaridade maior é o conhecimento da 
existência da Funasa.
\u2022 49% tem uma avaliação positiva da Funasa
\u2022 18% acham que a Funasa é ótima
\u2022 32% avaliam como boa a atuação da Funasa
\u2022 29% dizem que o trabalho da Funasa é regular
\u2022 18% avaliam negativamente o trabalho da Funasa.
Os que fazem uma avaliação positiva, 32% dizem que é boa e 18% dizem 
que a atuação é ótima. As donas de casa são as que mais avaliam como ótima 
a sua atuação (28%). Dentre aqueles que fazem uma avaliação negativa, 13% 
dizem que a atuação da Funasa é péssima e 5% afi rmam que é ruim. Os de-
sempregados e os estudantes são os que mais avaliam como péssima a atuação 
da Funasa (27% e 24%, respectivamente).
Na a opinião dos indígenas entrevistados em contexto urbano, dentre as áreas 
sugeridas, os governos deveriam atuar para garantir os direitos indígenas em:
1o Lugar
Estimulada e única
%
Soma das menções
Estimulada e múltipla
%
TOTAL (402)
Regularização das terras 48 56
Educação 14 29
Saúde 8 27
Mercado de Trabalho 7 21
168 Indígenas no Brasil
1o Lugar
Estimulada e única
%
Soma das menções
Estimulada e múltipla
%
Justiça 6 14
Geração de renda 4 14
Preservação da Cultura 4 21
Assistência social 4 11
Todas 4 4
Outras 1 1
Em contexto completamente distinto (porque local e bem anterior) do 
dessa recente pesquisa da Fundação Perseu Abramo, tivemos a oportunidade 
de uma aproximação com a realidade de um grupo indígena (Guajajara) re-
cém-\u201curbanizado\u201d no sudoeste do Maranhão, que corrobora várias de suas 
indicações e conclusões (Varga, 2002):
Em setembro de 1996, o Centro de Orientação e Apoio Sorológico da SES-
-MA em Imperatriz (SES-MA/COAS-Imperatriz) notifi cava o primeiro caso 
de AIDS em paciente indígena, no Maranhão: Guajajara, masculino, 22 anos, 
procedente da TI Arariboia, já apresentando quadro clínico bastante grave.
A notícia deste caso desencadeou uma série de ações, a partir da iniciati-
va da então Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão/Programa de DST/
AIDS (SES-MA/Programa de DST/AIDS), que procurou a assessoria e a co-
operação de docente da UFMA18, com o objetivo de diagnosticar a dimensão 
do problema, identifi car as comunidades mais vulnerabilizadas e as estratégias 
mais adequadas para organizar um programa de atenção às DSTs, voltado es-
pecifi camente a elas. Também colaboraram, na época, a Funasa/Distrito Sani-
tário de Imperatriz (Funasa/DS-Imperatriz), a Fundação Nacional do Índio/
Administração Executiva Regional de Imperatriz (Funai/AER-Imperatriz) e o 
Conselho Indigenista Missionário do Maranhão (CIMI-MA).
Assim, de 19 a 20 de outubro de 1996 realizava-se, na sede do muni-
cípio de Amarante do Maranhão, o \u201cCurso de introdução às DSTs para os 
18 Fomos procurados pela Coordenação da SES-MA/Programa de DST/AIDS, na condição de 
médico sanitarista e antropólogo, docente e pesquisador da UFMA (do Mestrado em Saúde 
e Ambiente e do Departamento de Sociologia e Antropologia), com experiência em políticas 
e programas de saúde voltados a comunidades indígenas.
Saúde da população indígena 169
agentes indígenas de saúde da região tocantina\u201d, seguido de uma investigação 
epidemiológica acerca desse caso de AIDS (em campo, nas aldeias Guajajara 
da Terra Indígena Arariboia, 21 a 22 de outubro de 1996)19, consistindo na 
entrevista e orientação do paciente com AIDS, na identifi cação, localização, 
entrevista e orientação de seus parceiros sexuais e familiares, e em consultas 
(abordagem sindrômica) realizadas junto às comunidades visitadas.
As informações colhidas levaram-nos à conclusão de que a transmissão 
deu-se por via sexual, em intercursos com profi ssionais do sexo de Imperatriz; 
o doente, além de proveniente da TI Arariboia, residia já por mais de 5 anos 
no bairro Vila Santa Rosa, na área urbana da sede do município de Amarante 
(o que tornava a comunidade de Vila Santa Rosa num dos focos de atenção), 
e seus parceiros dispersaram-se por outras comunidades indígenas da região, 
inclusive na TI Morro Branco, e nas periferias de Grajaú e Imperatriz. 
Nesse processo, a UFMA comprometeu-se em realizar, em cooperação 
com a Funai/AER-Imperatriz, um censo sobre os índios que residiam em 
Amarante. De 13 a 18 de maio de 1998, em cooperação com a Funai/AER-
-Imperatriz, realizamos investigação epidemiológica acerca desse segundo caso 
de AIDS, junto à comunidade Guajajara do bairro Santa Rosa, consistindo na 
identifi cação, localização, entrevista e orientação de seus familiares20.
Em junho de 1998, em cooperação com a Funai/AER-Imperatriz, realiza-
mos o \u201cCenso da população indígena residente na Vila Santa Rosa, município 
de Amarante do Maranhão\u201d21. Este censo consistiu na realização de entrevistas 
estruturadas (segundo formulários individuais, por nós elaborados, contendo 
questões fechadas e semiabertas) com membros de todas as famílias indígenas 
encontradas na Vila Santa Rosa, entre 15 e 19 de junho de 1998. Foram pre-
enchidos um total 67 formulários, entre residentes de 15 habitações. A análise 
do consolidado das informações coletadas levou-nos ao seguinte diagnóstico:
1. a grande maioria (95,52%) desta população instalara-se na cidade no iní-
cio da década de 1990;
19 Cf. Varga 1996-7.
20 Varga, 2002.
21 Varga e Garcez, 1998.
170 Indígenas no Brasil
2. nela predominava, numericamente, a população infantil e adolescente, de 
0 a 19 anos (70,14%);
3. suas procedências mais frequentes era de aldeias jurisdicionadas ao PIN 
Arariboia (50,75%) e ao PIN Canudal (31,34%), correspondentes às re-
giões da TI Arariboia onde a atividade madeireira foi intensa (anos 1980);
4. entre os motivos da mudança dessas pessoas para Amarante, predomina-
ram os relacionados à busca