Indígenas do Brasil
264 pág.

Indígenas do Brasil


DisciplinaHistória dos Povos Indígenas e Afro-descendentes2.086 materiais9.674 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Conselho Indigenista Missionário (CIMI), 
mestrado em Saúde e Ambiente, Universidade Federal do Maranhão (MSA/UFMA), 2006. 
Nota pública sobre a IV Conferência Nacional de Saúde Indígena. São Luís, 2006.
Azevedo MM. Censos demográfi cos e \u201cos índios\u201d: Difi culdades para reconhecer e contar. In: 
Ricardo CA, organizador. Povos Indígenas no Brasil 1996/2000. São Paulo: Instituto Socio-
ambiental; 2000. p.79-83.
Azevedo MM. Povos indígenas na América Latina estão em processo de crescimento. In: Ri-
cardo CA, Ricardo F, organizadores. Povos indígenas no Brasil, 2001/2005. São Paulo: 
 Instituto Socioambiental; 2006. p 55-58.
Azevedo, MM; Ricardo, F (2002). Censo do IBGE revela contingente \u201cindígena\u201d pouco conhe-
cido. Notícias Socioambientais, 13/5/2002. Publicação eletrônica, acessada no site: www.
socioambiental.org/website/noticinoticia.asp?File=Indios\2002-05-10-11-05.html.
I Conferência Nacional de Proteção à Saúde do Índio, 1986. Relatório Final. - Brasília: Minis-
tério da Saúde.
174 Indígenas no Brasil
II Conferência Nacional de Saúde para os Povos Indígenas, 1993. Relatório Final. São Paulo: 
SES-SP/CADAIS (mimeo).
III Conferência Nacional de Saúde Indígena, 2001. Relatório Final. Brasília: FUNASA/DESAI 
(mimeo).
FUNASA. Fundação Nacional de Saúde. Relatório de Gestão FUNASA 2003-2005. Brasília: 
FUNASA; 2005.
Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística, 1998. Síntese dos indicadores sociais. Rio de 
Janeiro: IBGE.1998. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro: IBGE. 
2002. Censo Demográfi co 2000 \u2013 Resultados da Amostra \u2013 Tabela 2.1.1 \u2013 população resi-
dente, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação. (publicação 
eletrônica, disponível no site www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/pri-
meiros_resultados_amostra/grandes_regioes/pdf/tabela_2_1_1.pdf ).
Mendes, EV (org.). A organização da saúde no nível local. São Paulo: Hucitec, 1998.
Mendes, EV, organizador. Distrito Sanitário \u2013 o processo social de mudança das práticas sani-
tárias do Sistema Único de Saúde. São Paulo-Rio de Janeiro: Hucitec-ABRASCO, 1999.
Ministério Público Federal/ Procuradoria da República no Distrito Federal. Procedimento Pre-
paratório no 1.16.000.003155/2011-43. Brasília: Ministério Público Federal/ Procuradoria 
da República no Distrito Federal, 2011.
Oliveira, Roberto Cardoso de, 1968. Urbanização e tribalismo \u2013 a integração dos índios Terena 
numa sociedade de classes. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
Pagliaro H, Azevedo MM, Santos RV. Demografi a dos Povos Indígenas no Brasil: um panora-
ma crítico. In: Pagliaro H, Azevedo MM, Santos RV, organizadores. Demografi a dos Povos 
Indígenas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz-ABEP; 2005. p.11-32.
Santos, LP. Falhas na seleção de recursos humanos para os DSEIs, realizada pela SPDM, http://
mail.uol.com.br/main/message/database_on_line=true&folder=INBOX&link_security 
=0&show_layout=yes&uid=MTIzNDg3. Acesso em 19 em novembro de 2011.
Souza LG, Santos RV, Coimbra Jr. CEA. Estrutura etária, natalidade e mortalidade do povo 
indígena Xavante de Mato Grosso, Amazônia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 2010; 15 
(Supl. 1): 1465-1473.
Varga, István D., 2002. Pelas fronteiras e trincheiras do indigenismo e do sanitarismo: a atenção 
às DST em comunidades indígenas, no contexto das políticas e práticas indigenistas e de 
saúde, na Pré-Amazônia. São Paulo: USP/Faculdade de Saúde Pública (tese de doutorado 
\u2013 mimeo).
______. Dos medicamentos aos índios \u201cgenéricos\u201d: problemas e desafi os legados, pelo governo 
Fernando Henrique Cardoso, aos campos das políticas indigenista e de saúde para os povos 
indígenas no Brasil. VII Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, 2003, Brasília. Ciência & 
Saúde Coletiva, 2003; v. 8, supl. 2, p. 98.
______. Dos medicamentos aos índios \u201cgenéricos\u201d: os campos da política indigenista e de 
saúde para os povos indígenas, no Brasil, frente ao Censo Demográfi co de 2000. Revista de 
Direito Sanitário, 2003; 4(2); 32-45.
______. Secretaria Especial de Atenção à Saúde Indígena: desafi os. Boletim do Instituto de 
Saúde, 2010; 12, 167-171.
Saúde da população indígena 175
______. Acolhimento e acesso ao diagnóstico e tratamento do HIV/Aids para a população ne-
gra, no Maranhão e em São Paulo. In Campos ACM, Almeida CR, Aoki FH organizadores. 
Saúde da população negra HIV/AIDS: pesquisas e práticas. Campinas: Arte Escrita; 2011. 
p. 89-100.
______; Adorno, Rubens de Camargo Ferreira, 2001. Terceirizando a indianidade? - sobre a 
política nacional de saúde para os povos indígenas, aos \u201c500 anos\u201d. Revista de Direito Sani-
tário, v. 2, n. 1, p. 9-26. São Paulo: Núcleo de Pesquisas de Direito Sanitário.
______; Garcez, Jeovany, 1998. Censo da população indígena residente na Vila Santa Rosa, 
município de Amarante do Maranhão. Imperatriz: Projeto de atenção às DST para comu-
nidades indígenas do Maranhão - UFMA/CCS/MSA, FUNAI/AER-Imperatriz (mimeo).
______, Viana RL. Distrito Sanitário Especial Indígena do Maranhão: crônicas de um desastre 
anunciado. Revista de Direito Sanitário, 2009; 9(3): 133-149.
Sobre os autores
Antonio Carlos de Souza Lima é antropólogo, professor associado do Depar-
tamento de Antropologia do Museu Nacional (UFRJ), é um dos coordenadores 
do Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (LA-
CED); bolsista de produtividade em pesquisa (CNPq) e Cientistas do Nosso 
Estado (Faperj), tem trabalhado sobre políticas indigenistas e indigenismo no 
Brasil, dentro do campo mais amplo de estudos sobre antropologia do Estado.
Cynthia Franceska Cardoso é mestre em Antropologia pela Pontifície Uni-
versidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e assistente social da Prefeitura de 
Iguape (SP). 
Lucia Helena Rangel é professora do Departamento de Antropologia e do 
Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifície Universidade 
Católica de São Paulo (PUC-SP).
Luciana Galante é mestre em Antropologia pela Pontifície Universidade Ca-
tólica de São Paulo (PUC-SP) e professora de Biologia da Rede Pública de 
Ensino do Estado de São Paulo.
Márcio Meira foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) É gra-
duado em Língua e Literatura Francesa pela Aliança Francesa/Universidade 
178 Indígenas no Brasil
de Nancy e em História pela Universidade Federal do Pará (UFPA). É mestre 
em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 
Atuou na demarcação das terras indígenas do alto e médio rio Negro (Amazo-
nas) na década de 1990.
Marcos Terena é fundador do primeiro movimento indígena brasileiro, fi lho 
e conselheiro do Povo Terena do Mato Grosso do Sul, membro da Cátedra 
Indígena Itinerante e escritor indígena.
Sergio Ricardo Rodrigues Castilho é antropólogo, professor do Depar-
tamento de Metodologia e Sociologia da Universidade Federal Fluminense 
(UFF).
Spensy Pimentel é doutorando em Antropologia Social na Universidade de 
São Paulo (USP), onde também é pesquisador do Centro de Estudos Ame-
ríndios desde 2008, com lideranças e política entre os Guarani-Kaiowá de 
Mato Grosso do Sul. Há 15 anos, como jornalista e pesquisador, acompanha 
a situação desse grupo indígena. 
Verena Glass é jornalista e pesquisadora da ONG Repórter Brasil, e assessora 
do Movimento Xingu Vivo para Sempre.
István van Deursen Varga é graduado em Medicina pela Universidade Fe-
deral de São Paulo, mestre em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela 
Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutor em Saúde Pública pela mesma 
universidade. Foi coordenador da Comissão Executiva e presidente da II Con-
ferência Nacional de Saúde para os Povos Indígenas (1993) e coordenador do 
Curso de Especialização em Saúde da Mulher Negra. Tem formação e experi-
ência profi ssional no campo da Saúde Coletiva.
Luís Eduardo Batista possui mestrado e doutorado