Redes 3ed Morimoto completo
204 pág.

Redes 3ed Morimoto completo


DisciplinaRedes de Computadores20.474 materiais257.758 seguidores
Pré-visualização50 páginas
para as placas de rede. Os
poucos que se aventuram a usá-las atualmente normalmente as utilizam em modo de
compatibilidade, usando drivers MS-DOS antigos.
 
Atualmente as redes Arcnet estão em vias de extinção, você dificilmente encontrará placas Arcnet
à venda e mesmo que as consiga, enfrentará uma via sacra atrás de drivers para conseguir fazê-
las funcionar.
 
Apesar de suas limitações, o funcionamento de rede Arcnet é bem interessante por causa de sua
flexibilidade. Como a velocidade de transmissão dos dados é bem mais baixa, é possível usar
cabos coaxiais de até 600 metros, ou cabos UTP de até 120 metros. Por serem bastante simples,
os hubs Arcnet também são baratos. 
 
O funcionamento lógico de uma rede Arcnet também se baseia num pacote de Token, a diferença
é que ao invés do pacote ficar circulando pela rede, é eleita uma estação controladora da rede,
que envia o pacote de Token para uma estação de cada vez. 
 
Não há nenhum motivo especial para uma estação ser escolhida como controladora, geralmente é
escolhida a estação com o endereço de nó formado por um número mais baixo.
43
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Apesar de completamente obsoletas, muitos dos conceitos usados nas redes Arcnet foram usados
para estabelecer os padrões atuais de rede. 
Novas tecnologias de rede
As redes Ethernet são extremamente acessíveis, com placas de rede que chegam a custar 30 ou
35 reais, hubs de menos de 100 reais e cabos de rede com preços simplesmente irrisórios. A
velocidade também é muito boa: 100 megabits são suficientes para quase todo tipo de aplicação,
com exceção de redes muito congestionadas ou servidores de arquivos de alto desempenho. 
Excluindo apenas as limitações em termos de flexibilidade, já que ainda é preciso sair passando
cabos de rede pela casa, as redes Ethernet têm hoje um custo-benefício simplesmente imbatível. 
Mas, atualmente, as opções de redes vão muito além das redes Ethernet. Padrões de redes sem
fio como o IEEE 802.11b e o IEEE 802.11atrazem uma comodidade e facilidade de instalação
atrativa principalmente em ambientes onde predominam os notebooks e portáteis em geral. O
bluetooth é mais um padrão de rede sem fio que promete servir como complemento para as
demais arquiteturas, permitindo interligar em rede pequenos aparelhos, como Palms, câmeras
digitais, celulares, etc. Isso sem falar nos padrões Home PNA e HomePlug Powerline, que utilizam
como mídia as extensões telefônicas e tomadas elétricas que todos temos em casa, facilitando a
instalação da rede.
Além destes padrões, destinados ao mercado doméstico, temos padrões de rede muito mais
rápidos que as redes Fast-Ethernet (100 megabits), destinadas principalmente a interligar
servidores de arquivos de alto desempenho. 
Claro, você não pode deixar de conhecer em primeira mão todas estas tecnologias. Vamos então
analisar as características de cada opção:
 
IEEE 802.11b
Esta é a tecnologia de rede sem fio mais difundida atualmente e a que tem maiores chances de
tornar-se padrão nos próximos um ou dois anos, passando a rivalizar com as redes Ethernet que
já estão tão bem estabelecidas.
A topologia das redes 802.11b é semelhante a das redes de par trançado, com um Hub central. A
diferença no caso é que simplesmente não existem os fios ;-) Existem tanto placas PC-Card, que
podem ser utilizadas em notebooks e em alguns handhelds, quanto placas para micros de mesa. 
Não existe mistério na instalação das placas. Basta deixar que o Windows detecte o novo
hardware e fornecer os drivers da placa, ou executar o utilitário de configuração. O Windows XP
possui drivers para algumas placas, facilitando a tarefa. As placas 802.11b são detectadas como
placas Ethernet, apenas uma forma que os fabricantes encontraram para facilitar a
compatibilidade com os vários sistemas operacionais. 
44
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Existem muitos casos de fabricantes que optaram por produzir apenas placas PC-Card
(presumindo que a maior parte das vendas seria feita para usuários de notebooks) e que oferecem
como complemento um adaptador opcional que pode ser usado para encaixar os cartões em
micros de mesa. Lembre-se que o padrão PC-Card dos notebooks e o barramento PCI dos
desktops são muito semelhantes, por isso basta um adaptador simples. 
O Hub é chamado de ponto de acesso e tem a mesma função que desempenha nas redes
Ethernet: retransmitir os pacotes de dados, de forma que todos os micros da rede os recebam. 
 Placa de rede 802.11b
 
Ponto de acesso
Não existe limite no número de estações que podem ser conectadas a cada ponto de acesso mas,
assim como nas redes Ethernet, a velocidade da rede decai conforme aumenta o número de
estações, já que apenas uma pode transmitir de cada vez. 
A maior arma do 802.11b contra as redes cabeadas é a versatilidade. O simples fato de poder
interligar os PCs sem precisar passar cabos pelas paredes já é o suficiente para convencer
algumas pessoas, mas existem mais alguns recursos interessantes que podem ser explorados. 
Sem dúvidas, a possibilidade mais interessante é a mobilidade para os portáteis. Tanto os
notebooks quanto handhelds e as futuras webpads podem ser movidos livremente dentro da área
coberta pelos pontos de acesso sem que seja perdido o acesso à rede. 
Esta possibilidade lhe dará alguma mobilidade dentro de casa para levar o notebook para onde
quiser, sem perder o acesso à Web, mas é ainda mais interessante para empresas e escolas. No
caso das empresas a rede permitiria que os funcionários pudessem se deslocar pela empresa sem
perder a conectividade com a rede e bastaria entrar pela porta para que o notebook
45
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
automaticamente se conectasse à rede e sincronizasse os dados necessários. No caso das escolas
a principal utilidade seria fornecer acesso à Web aos alunos. Esta já é uma realidade em algumas
universidades e pode tornar-se algo muito comum dentro dos próximos anos.
Vamos então às especificações e aos recursos desta arquitetura.
A velocidade das redes 802.11b é de 11 megabits, comparável à das redes Ethernet de 10
megabits, mas muito atrás da velocidade das redes de 100 megabits. Estes 11 megabits não são
adequados para redes com um tráfego muito pesado, mas são mais do que suficientes para
compartilhar o acesso à web, trocar pequenos arquivos, jogar games multiplayer, etc. Note que os
11 megabits são a taxa bruta de transmissão de dados, que incluem modulação, códigos de
correção de erro, retransmissões de pacotes, etc., como em outras arquiteturas de rede. A
velocidade real de conexão fica em torno de 6 megabits, o suficiente para transmitir arquivos a
750 KB/s, uma velocidade real semelhante à das redes Ethernet de 10 megabits. 
Mas, existe a possibilidade de combinar o melhor dos dois mundos, conectando um ponto de
acesso 802.11b a uma rede Ethernet já existente. No ponto de acesso da foto acima você pode
notar que existe um conector RJ-45:
Isto adiciona uma grande versatilidade à rede e permite diminuir os custos. Você pode interligar
os PCs através de cabos de par trançado e placas Ethernet que são baratos e usar as placas
802.11b apenas nos notebooks e aparelhos onde for necessário ter mobilidade. Não existe
mistério aqui, basta conectar o ponto de acesso ao Hub usando um cabo de par trançado comum
para interligar as duas redes. O próprio Hub 802.11b passará a trabalhar como um switch,
gerenciando o tráfego entre as duas redes. 
O alcance do sinal varia entre 15 e 100 metros, dependendo da quantidade de obstáculos entre o
ponto de acesso e cada uma das placas. Paredes, portas e até mesmo pessoas atrapalham a
propagação do sinal. Numa construção com muitas paredes, ou paredes muito grossas, o alcance
pode se aproximar dos 15 metros mínimos,