Redes 3ed Morimoto completo
204 pág.

Redes 3ed Morimoto completo


DisciplinaRedes de Computadores20.570 materiais259.006 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Z maiúsculos) para salvar o arquivo e sair. Para sair sem salvar pressione Esc e digite \u201c:q!\u201d 
 vi
Você voltará imediatamente para o terminal. Verifique se está tudo ok com o arquivo digitando
cat nome_do_arquivo.
Desligando 
Assim como no Windows, você precisa desligar o sistema corretamente para evitar perda de
arquivos. Além da opção disponível na Interface gráfica, você pode desligar o sistema através de
um terminal, usando um dos comandos abaixo:
reboot - Reinicia o micro.
halt \u2013 Desliga o micro.
shutdown -h now \u2013 Também serve para desligar o sistema. Você pode substituir o now (agora)
por um tempo em minutos que o sistema esperará antes de desligar, usando o argumento \u201c+\u201d
como em shutdown -h +60. Você pode ainda especificar o tempo no formato hh:mm como em
shutdown -h +06:00 (para desligar às 6:00 da manhã). É útil se você tem o hábito de deixar o
micro ligado durante a madrugada baixando arquivos. 
Ctrl+Alt+Del - Este é uma atalho de teclado, que dependendo da distribuição desliga ou apenas
reinicia o sistema. 
Configurando o Servidor
Com o sistema instalado, chegamos finalmente à configuração dos servidores. Abordarei aqui três
ferramentas, o Samba, NFS e o Apache.
O Samba é o que ganhou mais atenção, pois permite interligar máquinas Linux a uma rede
163
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Windows já existente, com a possibilidade de substituir ou trabalhar em conjunto com servidores
Windows NT ou 2000, ou ainda trabalhar como uma estação Windows 98, apenas compartilhando
arquivos e impressoras.
O NFS é um modo fácil e eficiente de compartilhar arquivos entre máquinas Linux e o Apache é
simplesmente o servidor Web mais usado no mundo. 
Para instalar estas ferramentas é necessário marcar as opções \u201cWeb/FTP\u201d,
\u201cMail/Groupware/News\u201d, \u201cNetwork Computer Server\u201d e também \u201cDatabase Server\u201d se
você deseja oferecer acesso a banco de dados através do Apache. Os pacotes também podem ser
instalados através do Mandrake Control Center, no utilitário \u201cSoftware Manager\u201d.
Caso você tenha optado por marcar os pacotes durante a instalação do Mandrake, você receberá
um aviso logo no final da instalação, chamando sua atenção para o fato de que alguns servidores
estão ativos na máquina, o que pode representar um risco de segurança, etc. e dando a opção de
desativa-los.
Caso você tenha desativado os serviços na instalação, você poderá ativá-los depois através do
Mandrake Control Center, na seção: Sistema > Serviços. 
Nos próximos tópicos estudaremos como é possível transformar sua máquina Linux num poderoso
servidor de arquivos, impressoras, NFS, Web e FTP, capaz de se integrar a uma rede de máquinas
Windows, a outras máquinas rodando Windows, ou mesmo como combinar máquinas Windows e
Linux na mesma rede, aproveitando todo o potencial de ambos os sistemas. 
Samba
O Samba pode ser configurado através do Swat, um utilitário de configuração via Web,
semelhante ao encontrado em alguns roteadores. Para acessa-lo basta abrir o Konqueror ou outro
Browser disponível e acessar o endereço http://localhost:901 basta fornecer a senha de root
para acessar. 
Antes de mais nada você deverá criar logins para todos os usuários que forem acessar o servidor.
Você pode fazer isso através do Iniciar > Configuration > Other > UserDrake. Os logins e senhas
devem ser os mesmos que os usuários irão utilizar para se logar no Windows. Um detalhe
importante é que na configuração de rede das máquinas Windows (Painel de controle > Redes)
você deve marcar a opção de login como \u201cLogin do Windows\u201d e não como \u201cCliente para redes
Microsoft\u201d que é o default. 
Falta agora apenas configurar o Samba para se integrar à rede e compartilhar as pastas
desejadas.
Ao abrir o Swat você verá um menu como o do screenshot abaixo, com vários links para a
documentação disponível sobre o Samba, que você pode consultar para se aprofundar no sistema.
Na parte de cima estão os links para as sessões da configuração, que é o que nos interessa:
164
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Acesse primeiro a seção Password, onde você deverá cadastrar todos os usuários que terão
acesso às pastas compartilhadas através do Samba, os mesmos que anteriormente cadastrou no
UserDrake. Não apenas o Samba, mas vários outros programas servidores exigem que os usuários
também estejam cadastrados no sistema, uma questão de segurança. Basta escrever o nome e
senha do usuário e clicar no botão add new user. 
165
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Em seguida, acesse a seção \u201cGlobals\u201d, que engloba todas as configurações de rede e de acesso: 
166
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Nas opções Workgroup e NetBios name você deve colocar o nome do computador e o grupo de
trabalho a que ele pertence, como faria numa máquina Windows. 
Na seção security coloque a opção Security como \u201cUser\u201d, o que permitirá definir quais usuários
terão acesso ao sistema. A opção Encrypt Password também é importantíssima e deve ser
configurada de acordo com a versão do Windows que rodar nas máquinas clientes. O Windows 95
original não suporta encriptação de senhas, por isso só poderá se conectar ao servidor caso a
opção seja configurada com o valor \u201cNo\u201d. Porém, o Windows 95 OSR/2, Windows 98/SE/ME,
Windows NT, Windows 2000 e Windows XP utilizam senhas encriptadas, por isso ao utilizar
máquinas com qualquer um destes sistemas, que é o mais provável, a opção deve ser configurada
como \u201cYes\u201d.
A opção Hosts Allow deve incluir os endereços IP todos os computadores que terão permissão
para acessar o servidor. Se quiser que todos os PCs da rede tenham acesso, basta escrever
apenas a primeira parte do endereço IP, como em 192.168.0., onde todos os endereços dentro do
escopo serão permitidos. 
A opção Hosts Deny por sua vez permite especificar máquinas dentro do escopo configurados na
opção Hosts Allow que não terão permissão para acessar o servidor, as exceções à regra. Por
exemplo, se você configurou a opção acima como 192.168.0., mas deseja bloquear o acesso do PC
192.168.0.7, basta incluí-lo aqui. Se quiser incluir várias máquinas basta separar os endereços
por espaços. 
Na seção Browse Options, a opção OS Level permite especificar qual chance o servidor Linux terá
de ser o master browser do domínio. No nosso caso é desejável que ele seja o master browser
pois ele está concentrando todos os recursos acessados pelas estações. Sendo assim configure
esta opção com um valor alto, 100 por exemplo, para que ele sempre ganhe as eleições. O default
dessa opção é 20, que faz com que ele perca para qualquer máquina Windows NT, Windows 2000
ou Windows XP. Para completar, deixe a opção Local Master como \u201cYes\u201d e as opções Preferred
Master e Domain Master como \u201cAuto\u201d. 
Abaixo, deixe a opção Wins Support ativada (Yes). A opção Wins Server deve ser deixada em
branco, a menos que exista na rede algum servidor Wins. Como no seu caso o único servidor é a
máquina Linux, você pode configurar as máquinas Windows para utilizá-la como servidor Wins,
para isto basta colocar o seu endereço IP no campo \u201cServidor Wins\u201d na configuração de rede das
estações. 
Terminando, pressione o botão Commit Changes no topo da tela para que as alterações entrem
em vigor. 
Finalmente, você deve configurar as pastas a serem compartilhadas com as estações, através da
seção Shares:
167
Guia completo de Redes - Carlos E. Morimoto http://www.guiadohardware.net 
Cada usuário que cadastrou no sistema já possui um diretório home criado. Estas pastas ficam
dentro do diretório /home e podem ser usadas para guardar arquivos pessoais, já que a menos
que seja estabelecido o contrário, um usuário não terá acesso à pasta pessoal do outro. Além dos
diretórios home você pode compartilhar mais pastas de uso geral.