Apostila Joel
88 pág.

Apostila Joel


DisciplinaLei de Diretrizes e Base da Educação (ldb)155 materiais5.994 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ao uso adequado dos recursos didáticos para viabilizar a efetiva aprendizagem dos alunos.
a qualidade do ensino está associada ao trabalho do professor que utiliza a metodologia expositiva, que é mais acessível ao aluno, e cumpre com fidelidade os planos de aula.
a qualidade do processo de ensino e aprendizagem centrado no professor será assegurada pelo cumprimento dos conteúdos da grade curricular.
A concepção de que o professor tem responsabilidade somente em sala de aula é cada vez mais discutida, tendo em vista a mudança ou a adoção de práticas participativas. O professor é também responsável pela forma de organização e de gestão escolar. Nesse entendimento, para um trabalho significativo e participativo, o professor deve ter como prática educativa
a transmissão dos conteúdos previstos, a elaboração de planos de ensino e o trabalho com alunos em sala.
a docência, a atuação na organização e na gestão da escola e a produção de conhecimento pedagógico.
a organização escolar, a elaboração dos planos individuais de trabalho e o trabalho em sala de aula.
a metodologia expositiva, a prática diretiva em sala e o trabalho com alunos.
Na organização da escola, a construção coletiva do ambiente de trabalho deve ser uma conquista de equipe. Devem-se estabelecer objetivos e processos de decisão compartilhados, propiciar a participação ativa de professores, alunos e comunidade nas decisões da escola. Essa afirmação refere-se ao processo de
organização e gestão democrática da escola.
planejamento setorial da escola.
projeto de ensino-aprendizagem.
avaliação da escola e da aprendizagem escolar.
As diferentes concepções de formação de professores, apresentadas por Sacristán e Gómez (1998), compreendem quatro dimensões: acadêmica, técnica, prática e reflexão na prática para reconstrução social. Segundo a dimensão prática, o ensino é definido como
uma atividade crítica, uma prática ética cujos valores devem ser traduzidos em princípio de ação.
um processo de transmissão de conhecimentos e de aquisição da cultura pública que a humanidade acumulou.
uma ciência aplicada, com status e rigor característicos da perspectiva tradicional, herdados do positivismo.
uma atividade complexa que se desenvolve em cenários singulares, claramente determinados pelo contexto.
O ensino é a mobilização de vários saberes que formam uma espécie de reservatório no qual o professor se abastece para responder às exigências específicas das situações concretas de sala de aula (Gauthier, 1998). Um destes saberes se refere ao que é produzido pelos pesquisadores e cientistas nas diversas especialidades científicas e ao conhecimento por eles produzido a respeito do mundo.
Esse conhecimento é denominado saber
disciplinar.
pedagógico.
experiencial.
curricular.
A formação do docente firma-se na aquisição da investigação científica, seja disciplinar ou didática. É uma visão que não dá importância ao conhecimento pedagógico que não esteja relacionado à disciplina científica (Pérez Gómez, 1998). A afirmação trata claramente de uma proposta de formação de professores oriunda da perspectiva
técnica.
prática.
da reflexão na prática.
acadêmica.
Para Contreras (2002), a concepção da autonomia profissional docente depende do modelo de professor e das dimensões da sua profissionalidade. Na definição do professor intelectual crítico, a autonomia é vista como
status ou atributo, autoridade unilateral do especialista, não-ingerência, ilusória, pois depende de diretrizes técnicas e é insensível aos dilemas reais, e incapaz de resolver os problemas criativamente.
responsabilidade moral individual, considerando, porém, os diferentes pontos de vista. É o equilíbrio entre a independência de juízo e a responsabilidade social e a capacidade para resolver criativamente os problemas da prática educativa.
emancipação, que é a liberação profissional e social das opressões. É a superação das distorções ideológicas, é a consciência crítica e, também, um processo coletivo dirigido à transformação das condições institucionais e sociais do ensino.
domínio técnico dos métodos para alcançar os resultados previstos, não exigindo politização da prática, pois aceita as metas do sistema e a preocupação pela eficácia da eficiência.
O ensino visto como prática social humana, que possui uma dimensão moral e ética, nos leva a entender que o trabalho do professor não pode basear-se em prescrições externas. É o professor que assume o juízo e as decisões diante das situações da sala de aula (Lisita, 2006). Essa afirmação baseia-se no pressuposto da
racionalidade técnica.
racionalidade científica.
racionalidade reflexiva.
teoria construtivista.
O projeto político-pedagógico de uma instituição é uma forma de enfrentar a descrença e resgatar, nos educadores, o papel do planejamento. É também um posicionamento diante do que é importante para a comunidade escolar e o estabelecimento de formas de ação (Vasconcellos, 2006). De acordo com esta perspectiva, o projeto político-pedagógico é
o Methodos que visa ajudar a enfrentar os desafios do cotidiano da escola, de uma forma refletida, sistematizada, orgânica, científica e participativa, articulando as três dimensões: finalidade, realidade e mediação.
o planejamento dos níveis intermediários ou dos serviços no interior da escola. É equivalente ao projeto de ensino-aprendizagem, devendo, portanto, estar referido também ao projeto educativo da escola.
o plano de maior abrangência, correspondendo ao planejamento que é feito em nível nacional, estadual ou municipal. Incorpora e reflete as grandes políticas educacionais.
o plano didático de uma instituição, uma práxis determinada, o planejamento mais próximo da prática do professor e da sala de aula. É dividido em projeto de curso e plano de aula.
O projeto político - pedagógico possui três partes constituintes.
Essas partes denominam-se
marco referencial, diagnóstico e programação.
marco situacional, marco filosófico e operativo.
dimensão pedagógica, dimensão comunitária e dimensão administrativa.
linhas de ação, ações concretas e atividades permanentes.
Segundo Vasconcellos (2006), o planejamento participativo tem como perspectiva
o planejamento funcional ou normativo que enfatiza a racionalidade, busca a seqüência e a ordem lógicas e a especificação de comportamentos verificáveis.
a tarefa a ser desenvolvida na sala de aula, não havendo preocupação de formalização. O planejamento assemelha-se a um roteiro que deve ser seguido.
a intervenção para transformação do real, é fruto da resistência e da percepção de grupos de educadores que se recusam a fazer a reprodução do sistema.
o ensino não-diretivo, com ênfase na espontaneidade e na criatividade dos alunos. O planejamento deveria ser feito em torno de uma idéia geral e os passos seriam determinados de acordo com os interesses emergentes.
Segundo Vasconcellos (2006), os conteúdos previstos no planejamento de ensino podem atender a diferentes categorias. Os conteúdos que se referem a habilidades, hábitos e aptidões denominam-se conteúdos
conceituais.
procedimentais.
atitudinais.
avaliativos.
Vasconcellos (2006, p.155) afirma que \u201co trabalho de projetos é apreciado pelo fato de apresentar algumas superações da distorção a que chegou historicamente a pedagogia por temas\u201d. Nessa perspectiva, o trabalho de projetos é um caminho propício para uma prática
participativa.
integrada.
multidisciplinar.
interdisciplinar.
Segundo Vasconcellos (2006), uma das finalidades do projeto de ensino-aprendizagem, mais conhecido como plano de aula é:
organizar o currículo, racionalizando as experiências de aprendizagem, tendo em vista tornar a ação pedagógica mais eficaz.
ser elemento estruturante da identidade da instituição, mobilizando professores e funcionários, de forma espontânea.
ser elemento independente da