Norma6118-2003
225 pág.

Norma6118-2003

Disciplina:Materiais de Construção Civil II399 materiais7.607 seguidores
Pré-visualização50 páginas
em

as lineares, são dados a seguir:

⎯ τwRd = 0,30 fctd na flexão simples e na flexo-tração;
⎯ τwRd = 0,30 fctd (1 + 3 σcmd

(1 + 3 cmd / fck) 2

24.5.2.4 O valor da tensão de cisalhamento resistente de cálculo em lajes de concreto simples,
submetidas à flexão ou à flexo-tração, deve ser calculado por:

ctd

τTRd = 0,30 fctd ≤
Peças

ABNT NBR 6118:2003

182 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

24.5 nte de cálculo à punção, no contorno C ’ (19.5.2.6),
deve ser calculado por:

τRd = 0,30 fctd ≤ 1,0 MPa

24.5.3 Dimensionamento

 simples podem ter armadura de distribuição, que não deve ser considerada no cálculo
dos esforços resistentes, mas que pode ser considerada para diminuir o efeito da fissuração.

Elementos de concreto com armadura menor que a mínima devem ser dimensionados como de concreto

Deve ser atendido o disposto nas seções 6 e 7 sobre durabilidade.

No
seçã
ser considerada deve ser 5 cm menor que a real.

24.5

Utilizando as hipóteses de cálculo estabelecidas em 24.5.2, as deformações nas fibras extremas devem ser
limi

Com onfiguração de parábola-
retângulo, tanto na compressão como na tração. Deve ser considerada a fluência do concreto para os
carr

.2.6 O valor da tensão de cisalhamento resiste

As obras de concreto

simples. Isto não se aplica à armadura usada para transferir esforços a elementos de concreto simples.

cálculo de tensões devidas à flexão, flexão composta e esforços tangenciais, deve ser considerada a
o transversal total do elemento, exceto no caso de concreto lançado contra o solo, onde a altura total h a

.4 Tensões e deformações na flexão

24.5.4.1 Diagrama tensão-deformação do concreto

tadas por:

⎯ εc ≤ εc,lim = 0,0035;
⎯ εct ≤ εct,lim = 0,00035.
o simplificação, pode-se admitir que o diagrama tensão-deformação tem a c

egamentos de longa duração (figura 24.1).

Figura 24.1 - Diagrama de cálculo tensão-deformação do concreto com consideração da fluência

24.5.4.2 Limites das deformações médias

édias devem ser limitadas como segue: Da mesma forma, as deformações m

ABNT NBR 6118:2003

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 183

43 h da mais comprimida:
ε ≤ 0,002;

⎯ na tração, com pequena excentricidade, na fibra distante 0,43h da mais tracionada: εct ≤ 0,0002.

24.5.4.3 Tensões resistentes de cálculo

Como simplificação adicional, podem ser adotados valores constantes para as tensões resistentes de cálculo,
como segue:

a a região tracionada: σctRd = 0,85 fctd;
⎯ para a r

24.5.5 Tensões de cisalhamento

24.5.5.1 τ
τwd =

onde:

h é a altura total da seção transversal do elemento estrutural.

24.5.5.2 A tensão máxima de cisalhamento τwd deve ser calculada para a força cortante a uma distância h
da face do apoio. Para seções mais próximas do apoio, admite-se esse mesmo valor de força cortante.

24.5.5.3 do valor da força cortante nos apoios e a tensão
de cisalh

τwd ≤

24.5.6 T

As tensõ
efeitos a
estado múltiplo de tensão.

Nos elementos submetidos a torção e flexão simples ou composta, as tensões devem ser calculadas
separadamente para a torção (τTd) e para a força cortante (τwd), devendo obedecer às relações:

⎯ para torção: τTd ≤ τ d;
⎯ para força cortante: τwd ≤ τwRd;
⎯ τwd / τwRd + τTd / τTRd ≤ 1.

24.5.7 Cálculo de seções submetidas à compressão e à força cortante

24.5.7.1 Generalidades

São considerados os casos de seções comprimidas por força normal e seções sujeitas à compressão e à
força cortante atuando simultaneamente (força de compressão inclinada).

⎯ na compressão, com pequena excentricidade, na fibra distante 0,
c

⎯ par
egião comprimida: o diagrama linear de tensões com pico σcRd = 0,85 fcd.

As tensões de cisalhamento wd para seção retangular devem ser calculadas por (ver 24.5.2.3):

 (3 VSd) / (2 b h) ≤ τRd

No caso de lajes não pode ser feita a redução
amento deve ser (ver 24.5.2.4):

 τRd
orção

es provenientes da torção devem ser calculadas pelas fórmulas da teoria da elasticidade e seus
crescidos aos provenientes dos outros esforços solicitantes, a fim de serem examinados como

TR

para torção e força cortante:

ABNT NBR 6118:2003

184 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

24.5.7.2 eções comprimidas

Nas seções de elementos de concreto simples submetidas à força de compressão Nd, aplicada num ponto G,
com as excentricidades ex e ey em relação aos eixos x e y, respectivamente (ver figura 24.2), o cálculo deve
ser realizado aplicando-se essa força lte o mais desfavorável entre os dois
seguintes:

1x x xa y

 h máximas da seção.

Cálculo simplificado de s

no ponto G1(e1x, e1y) que resu

G (e + e , e ) ou

G1y (ex , ey + eya)

onde:

exa = 0,05 hx ≥ 2 cm;
eya = 0,05 hy ≥ 2 cm.

onde:

hx e y são as dimensões

Figura 24.2 - Seção flexo-comprimida

A te ão uniforme de tensões na seção eficaz triangular de
área A (ver figura 24.2), com baricentro no ponto de aplicação virtual G da força normal, considerando
inati

24.5

Em uma se pressão,
com suas irtual G1
e a área eficaz Ae conforme estabelecido em 24.5.7.2. As condições de segurança devem ser calculadas por:

σSd = NSd / Ae ≤ σcRd
τwd = VSd / Ae ≤ τwRd

nsão σd deve ser calculada adotando-se distribuiç
e 1

vo o resto da seção. A condição de segurança deve ser calculada por:

σSd = NSd / Ae ≤ σcRd = 0,85 fcd
.7.3 Cálculo simplificado de seções à compressão e à força cortante

ção de um elemento de concreto simples sobre a qual atua uma força inclinada de com
 componentes de cálculo NSd e VSd, aplicada no ponto G, calcula-se o ponto de aplicação v

= 0,85fcd

ABNT NBR 6118:2003

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 185

stabilidade global

deve se rificad estabi de glob

rede

P m ser dimensionados pela equação dada a
dentro do terço médio da espessura do

)2h

α = 0,8 quando existir alguma restrição contra rotação, no topo, na base ou em ambas as extremidades
do pilar-parede.

onde:

s de vínculo nos apoios.

O c pilar-parede a ser considerado para cada carga vertical concentrada no topo
não

entre cargas;

uatro vezes a espessura do pilar-parede.

A es

 comprimento vertical não apoiado;

⎯ 10 cm;
⎯ 15 cm no caso de pilares-pared apatas corridas.

evem ser previstas pelo menos duas barras de φ = 10 mm, que se
entrantes.

r al do conjunto e a junção entre os painéis.

o concreto simples para blocos sobre estacas.

A área da base de bloc s de fundação deve ser determinada a partir da tensão admissível do solo para
cargas não majoradas. A espessura média do bloco não deve ser menor do que 20 cm.

24.5.8 E

Em toda a estrutura

24.6 Elementos estruturais de concreto simples

r ve a a lida al.

24.6.1 Pilares-pa

ilares-parede de concreto simples de seção retangular pode
seguir, quando a resultante de todas as cargas de cálculo estiver
pilar-parede:

(1[63,0 ccdRdSd A f NN lα−=≤ ]32/
onde:

α = 1,0 quando não existirem restrições à rotação no topo e na base do pilar-parede;

l é a distância vertical entre apoios;

h é a altura total da seção transversal do pilar-parede;

α é o fator que define as condiçõe
omprimento horizontal do
 pode ultrapassar:

⎯ a distância de centro a centro
⎯ distância entre apoios acrescida de q
pessura do pilar-parede não pode ser menor do que:

⎯ 1/24 da altura total ou do

e paredes de fundações ou de s

Nas aberturas das portas ou janelas d
prolongam 50 cm a partir dos ângulos re

Deve se garantida a estabilidade glob

24.6.2 Blocos de fundação

Não deve ser usad

o

ABNT NBR 6118:2003

186 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

O d transversais deve ser feito pelo método dos estados limites. O momento
fletor majorado deve ser determinado na seção crítica, que pode ser considerada na face da coluna ou
pare

A força cortante majorada deve ser calculada para a seção crítica na face da coluna, pedestal ou parede, e
não

24.6.3 Pilares

Pilares de concreto simples devem ser calculados da mesma maneira que os pilares-parede (ver 24.6.1) e,
na ausência de de inércia da