Economia Regional e Urbana
410 pág.

Economia Regional e Urbana

Disciplina:Economia Regional e Urbana49 materiais215 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Montevideo, Uuguay, 2007.
(CD-ROM).

CARLEIAL, L; MEZZA, M. L; NEVES, L. Firmas-rede na indústria automo-
tiva brasileira: características gerais da relação com fornecedores, dos modelos de
logística e dos mecanismos de coordenação. In: ENCONTRO NACIONAL DA
SEP- SOCIEDADE DE ECONOMIA POLÍTICA. Anais... SEP, 2006.

CARLEIAL, L.; CRUZ, B. Estratégia de desenvolvimento regional, política
pública negociada e novas institucionalidades. Boletim Regional, Urbano e Am-
biental, Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), n. 3, 2009.

COOKE, P. et al. (Eds.). Regional innovation systems: the role of governances
in a globalized world. United Kingdom: UCL Press, 1998.

COOKE, P. et al. Regional innovation systems: institutional and organizational
dimensions. Research Policy, 1997.

COOKE, P.; URANGA, M.; ETXEBARRIA. Regional innovation systems: in-
stitutional and organizational dimensions. Research Policy, n. 26, p. 475-491,
1997b.

DOCKÈS, P.; ROSIER, B. Long waves: the dialectic of innovations and con-
flicts. In: KLEINKNECHT, A. et al. (Eds.). New findings in long-wave re-
search. London: Macmillan. New York: St. Martin’s, p. 301-315, 2002.

DOSI, G. Sources, procedures and microeconomic effects of innovation. Journal
of Economic Literature, v. 26, n. 3, p. 1120-1171, 1988.

DOSI, G. et al. (Eds.). Technical change and economic tehory. Londres: Print-
er Publishers, 1988.

______. Technical change and industrial transformation: the theory and an
application to the semiconductor industry. London: MacMillan, 1984.

FAGERBERG, J. Convergence or divergence? The impact of technology on
“why growth rates differ”. Journal of Evolutionary Economics, v. 5, n. 3, p.
269-284, 1995.

Economia regional e urbana138

FREEMAN, C. Innovation, changes of techno-economic paradigm and biologi-
cal analogies in economics. Revue Économique, v. 2, p. 211-232, 1991.

______. The economics of technical change: critical survey. Cambridge journal
of economics, n. 18, p. 463-514, 1994.

______. The national system of innovation in historical perspective. Cambridge
Journal of Economics, n. 19, p. 5-24, 1995.

______. Technology policy and economic performance: lessons from Japan.
Londres: Printer Publishers, 1987.

HIRSCHMAN, A. O. Estratégia do desenvolvimento econômico. Rio de Ja-
neiro: Fundo de Cultura, 1961.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Comuni-
cado da presidência. Brasília: Ipea, n. 71, dez. 2010.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E
SOCIAL (IPARDES). Identificação, caracterização, construção de tipologia e
apoio na formulação de políticas para os arranjos produtivos locais (AOLs)
no estado do Paraná – Diretrizes para políticas de apoio aos APLs. Relatório.
Curitiba, 2006.

KLEINKNECHT, A. Is Labour Market Flexibility Harmful to Innovation?
Cambridge Journal of Economics, v. 22, n. 3, p. 387-96, 1998.

KLEINKNECHT, A. et al. (Eds.). New findings in long-wave research. Lon-
don: Macmillan; New York: St. Martin’s, p. 301-315, 1992.

LIST, F. Sistema nacional de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LUNDVALL, B. A. Innovation as an interactive process: from user-producer in-
teraction to the National System of Innovation. In: DOI, G. et al. (Eds.). Techni-
cal change and economic theory. Londres: Pinter publishers, p. 348-69, 1988.

______. Explainning interfirm cooperation and innovation: limits of the transac-
tioncost approach. In: GRABHER, G. (Ed.). The embedded firm: on the socio-
economics of industrial networks. London/New York: Routledge, 1992.

______. National system of innovation: towards a theory of innovation and
interactive learning. Londres: Pinter Publishers, 2002.

MARTIN, R.; SUNLEY, P. Deconstructing clusters: chaotic concept or policy
panacea? In: REGIONAL STUDIES ASSOCIATION CONFERENCE ON
REGIONALISING THE KNOWLEDGE ECONOMY. Anais... London, 21
Nov. 2001.

Nelson,R(1996) The sources of Economics Growth. Cambridge, MA; Har-
vard University Press.”

A contribuição Neosschumpeteriana e o desenvolvimento regional 139

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic
change. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

PAVITT, K. What we know about the strategic management of technology. Cali-
fornia management review, v. 32, n. 4, p. 3-26, 1990.

PEREZ, C. Microeletronics, long waves and world structural change: new per-
spectives for developing countries. World Development, v. 13, n. 3, p. 441-463,
1985.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo:
Abril Cultural, 1982. 169 p. (Série Os Economistas).

______.Capitalism, socialism and democracy. Londres: George Allen & Un-
win, 1984.

SIMON, H. Rational decision making in business organization. American Eco-
nomic Review, v. 69, p. 493-513, Sept. 1979.

VEIGA, J. E. A convergência entre evolucionismo e regulacionismo. Revista de
Economia Política, v. 20, n. 2, p. 141-156, abr./jun. 2009.

CAPíTULO 5

umA brEvE iNCurSÃo Em ASPECToS rEgioNAiS
dA NovA gEogrAFiA ECoNômiCA∗2

Bruno de Oliveira Cruz

1 iNTroduÇÃo

No final da década de 1980, com avanços na modelagem incorporando pressupostos
de concorrência imperfeita e sua extensão para estudos realizados no campo da
economia internacional, começa a surgir uma literatura que passa a analisar
a distribuição no espaço das atividades econômicas. Este ramo da economia,
denominado Nova Geografia Econômica (NGE), entrou, nas últimas duas décadas,
por um período bastante profícuo e produtivo, com diversos resultados e pesquisas
de fôlego. Vários livros e artigos-síntese são lançados, e esta linha de pesquisa
obtém reconhecimento externo, culminando com o prêmio Nobel concedido a
Paul Krugman por sua contribuição à teoria da localização e a publicação pelo
Banco Mundial do Relatório Mundial de Desenvolvimento intitulado A Geografia
Econômica em Transformação, fortemente embasado em conclusões dos modelos
da Nova Geografia Econômica.13 A importância da pesquisa realizada e a crescente
influência sobre os decisores de política aumentou interesse tanto de economistas
de outras áreas como formuladores de política sobre esta Nova Geografia
Econômica. Mas, de fato, quais as principais contribuições e inovações desta linha
de pesquisa? Quais os principais pressupostos que a fundamentam e quais seriam as

* Agradeço o auxílio de Pedro Henrique Albuquerque na elaboração de mapas, Franklin Gamboa nas discussões dos
modelos da NGE e do Teorema da Impossibilidade Espacial, em especial no modelo de Starrett e aos demais colegas
da diretoria de estudos regionais, urbanos e ambientais, que participaram de debates e discussões ao longo do ano de
2009 e 2010. Obviamente que todos os erros e as omissões são de responsabilidade do autor.
1. Em dezembro de 2008, em seminário organizado pelo Ipea, Ministério da Integração Nacional e União Europeia,
denominado Congresso Internacional de Gestão de Políticas Regionais no Mercosul e na União Europeia, houve o
lançamento desse relatório. Está no prelo o lançamento dos resultados desse congresso.

Economia regional e urbana142

críticas a esta abordagem? Ainda que existam diversas revisões de literatura sobre
o tema,22 este capítulo faz uma breve apresentação de algumas contribuições
existentes na literatura –, com um enfoque para a escala regional –, e também
levanta pistas sobre o eventual impacto desta produção internacional sobre a
pesquisa regional no Brasil.

Para se compreender os pilares da NGE, Brakman, Garretsen e Marrewijk
(2003, p. 37) destacam que:

Na nossa visão, a economia geográfica pode ser entendida como uma nova geografia
econômica na medida em que combina “insights” espaciais bem estabelecidos da
economia regional e urbana com uma abordagem de equilíbrio geral da corrente
principal da teoria econômica. Ela tenta portanto colocar mais teoria