Manual de procedimentos de água em vigilância em saúde ambiental.
286 pág.

Manual de procedimentos de água em vigilância em saúde ambiental.

Disciplina:Gestão de Recursos Hídricos163 materiais1.515 seguidores
Pré-visualização50 páginas
taria MS no 1.943/2001).

D) ESTADO NUTRICIONAL

O estado nutricional é provavelmente o indicador individual mais informa-
tivo da saúde global de uma população. Muitos autores têm sustentado sua im-
portância e propriedade em medir o resultado de projetos de abastecimento de
água e esgotamento sanitário em doenças diarréicas. Esse indicador apresenta
um potencial para adoção na avaliação epidemiológica de ações de saneamento.
Apesar de não existir um sistema de informação específico para obtenção direta
de dados relativos a esse indicador, podem-se obter dados a partir do Sistema
de Informação de Atenção Básica (Siab) e do Sistema de Informação de Vigilân-
cia Alimentar e Nutricional (Sisvan), pois ambos trabalham com o acompanha-
mento de grupos de risco como crianças menores de 2 anos, gestantes, crianças
desnutridas. Alternativamente, pode-se recorrer ao levantamento de dados di-
retamente na população, por meio de estudos epidemiológicos (inquéritos ou
demanda ambulatorial).

E) HELMINTOSES E PROTOzOOSES INTESTINAIS

As enteroparasitoses associadas a helmintos e protozoários são consideradas o
agravo mais comum em todo o mundo, ocorrendo de forma endêmica e cons-
tituindo importante problema de saúde pública em países em desenvolvimento
(MONTEIRO, 1986; WHO, 1987; MONTEIRO, 1995).

Dentre os agentes mais freqüentemente encontrados, destacam-se, no caso de
helmintos, Ascaris lumbricoides, Trichuris trichiura e ancilostomídeos e, no caso de
protozoários, Entamoeba histolytica e Giardia lamblia.

Apesar de as helmintoses estarem mais associadas aos excretas, sendo importan-
tes na avaliação da transmissão de doenças relacionadas à disposição inadequada
de águas residuárias, não se pode excluir a possibilidade de transmissão pela água
de consumo humano. De sua parte, as protozooses, apesar de também estarem
associadas aos excretas, são consideradas um dos importantes problemas relacio-
nados às águas de abastecimento, mesmo tratadas.

A construção de indicadores de morbi-mortalidade por helmintos ou protozoá-
rios intestinais é possível pelo levantamento de dados, diretos ou indiretos, relativos
a óbitos ou casos de doença a partir de vários sistemas de informação existentes,
como, por exemplo, Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), Sistema de In-
formações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), Sistema de Informações Ambulatoriais
do SUS (SIA/SUS) e Sistema de Informação de Atenção Básica (Siab).

Apesar de ainda não existir um sistema de informações que permita o fluxo
regular de dados laboratoriais, os responsáveis pela vigilância da qualidade da água
para consumo humano podem obter informações significativas sobre morbidade

Manual de procedimentos de vigilância em saúde ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano

133 Secretaria de Vigilância em Saúde

de helmintoses e protozooses avaliando os resultados de exames parasitológicos de
fezes realizados nos laboratórios de análises clínicas, públicos ou privados.

6.2 INDICADORES AMBIENTAIS

Os indicadores ambientais constituem um amplo grupo que facilita a caracte-
rização do estado do ambiente e a identificação de fatores de risco associados ao
fornecimento e ao consumo de água. Como exemplo poderiam ser citados:

• o uso e a ocupação do solo na bacia de captação de água;
• a existência de focos pontuais ou difusos de contaminação;
• atividades agropecuárias;
• atividades de garimpo;
• vetores de crescimento urbano;
• a contaminação do solo na bacia de captação de água;
• a qualidade da água dos mananciais de abastecimento;
• as condições de moradia e do peri-domicílio;
• a qualidade da água dos mananciais de abastecimento.

Os indicadores ambientais aqui referenciados têm como objetivo principal a
caracterização dos mananciais de abastecimento, entendendo que a qualidade da
água de consumo humano depende diretamente da qualidade da água do manan-
cial utilizado para captação e do tipo de tratamento empregado.

Os dados e as informações relacionados à construção desses indicadores podem
ser obtidos em relatórios emitidos pelo responsável pelo controle da qualidade da
água de sistemas ou soluções alternativas de abastecimento ou por investigações
conduzidas pelos responsáveis pela vigilância da qualidade da água para consumo
humano. É importante também que se estabeleçam parcerias entre o setor saúde e
os órgãos ambientais e de gestão de recursos hídricos.

Os diversos parâmetros (microbiológicos, físicos e químicos) que podem ser
pesquisados para caracterização da água bruta são discutidos no Capítulo 4. Cabe
aqui destacar que informações mais amplas sobre o manancial permitem compor
seu histórico e servem como subsídio para as análises a serem realizadas.

Dentre os indicadores ambientais enquadram-se os indicadores sanitários, os
quais estão relacionados à cobertura e à qualidade dos serviços de saneamento bá-
sico: abastecimento de água, coleta de esgotos, coleta de lixo e drenagem de águas
pluviais. No grupo de indicadores sanitários estão inseridos aqueles que podem
ser construídos com base no Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da
Água para Consumo Humano (Sisagua), além de outros que podem ser especifica-
mente construídos.

Manual de procedimentos de vigilância em saúde ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano

134 Secretaria de Vigilância em Saúde

INDICADORES SANITÁRIOS UTILIzADOS PELO SISAGUA

O Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo
Humano (Sisagua) foi estruturado visando a fornecer informações sobre o forneci-
mento e a qualidade da água para consumo humano proveniente dos sistemas, das
soluções alternativas coletivas e individuais de abastecimento. O Sisagua foi desen-
volvido para dar suporte específico às ações de vigilância da qualidade da água para
consumo humano, não devendo, entretanto, ser entendido como ferramenta única
e suficiente para o embasamento de suas atividades.

Na Tabela 6.1 são apresentados os indicadores, que podem ser obtidos por
meio do Sisagua. Para informações mais aprofundadas sobre a utilização do Sisa-
gua e obtenção dos indicadores, recomenda-se a consulta do Manual do Sisagua,
da SVS/MS.

Tabela 6.1 – Indicadores utilizados no Sisagua

GRUPO INDICADORES
Qualidade microbiológica
da água

Percentual das amostras com ausência de coliformes totais na rede de
distribuição

Percentual das amostras com ausência de coliformes termotolerantes na
rede de distribuição

Turbidez da água Turbidez da água – percentual das amostras com turbidez dentro dos padrões
em relação à Portaria MS no 518/2004/2000 (< 5 UT) na rede de distribuição

Nível de cloro residual Percentual das amostras com cloro residual livre dentro dos padrões em
relação à Portaria MS no 518/2004/2000 (> 0,2 mg/l) na rede de distribuição

Cobertura de
abastecimento de água

Percentual da população do município atendida com sistemas de abasteci-
mento de água

Tratamento de água Percentual da população do município atendida com sistemas de abasteci-
mento de água com tratamento

Desinfecção de água Percentual da população do município atendida com sistemas de abasteci-
mento de água com desinfecção

Consumo per capita Consumo médio per capita da população atendida por sistemas de abasteci-
mento de água no município

Regularidade Percentual da população do município atendida com sistemas de abasteci-
mento de água com intermitência

FONTE: Adaptado de Costa (2002)

OUTROS INDICADORES SANITÁRIOS

Além dos indicadores obtidos por meio do Sisagua, os responsáveis pela vigilância
da qualidade da água para consumo humano podem utilizar outros indicadores sani-
tários, tais como: cobertura de esgotamento sanitário, cobertura de limpeza urbana,
cobertura por banheiros ou sanitários. Informações referentes a alguns desses indi-
cadores podem ser obtidas em base de dados como os disponibilizados pelo IBGE,

Manual de procedimentos de vigilância em saúde ambiental relacionada à qualidade da água para consumo humano

135