Michal Kalecki - Teoria da dinamica economica
194 pág.

Michal Kalecki - Teoria da dinamica economica

Disciplina:Macroeconomia3.626 materiais84.935 seguidores
Pré-visualização46 páginas
OS ECONOMISTAS

MICHAL KALECKI

TEORIA DA DINÂMICA ECONÔMICA

ENSAIO SOBRE AS MUDANÇAS CÍCLICAS E A
LONGO PRAZO DA ECONOMIA CAPITALISTA

Apresentação de Jorge Miglioli
Tradução de Paulo de Almeida

Fundador
VICTOR CIVITA

(1907 - 1990)

Editora Nova Cultural Ltda.

Copyright © desta edição 1977, Círculo do Livro Ltda.

Rua Paes Leme, 524 - 10º andar
CEP 05424-010 - São Paulo - SP

Título original:
Theory of Economic Dynamics - An Essay on Ciclical and

Long-Run Changes in Capitalist Economy

Texto publicado sob licença de George Allen & Unwin,
Londres (Teoria da Dinâmica Econômica)

Direitos exclusivos sobre as Apresentações de autoria de
Jorge Miglioli, Mário Luiz Possas e Tamás Szmrecsányi,

Editora Nova Cultural Ltda.

Direitos exclusivos sobre as traduções deste volume:
Círculo do Livro Ltda.

Impressão e acabamento:
DONNELLEY COCHRANE GRÁFICA E EDITORA BRASIL LTDA.

DIVISÃO CÍRCULO - FONE: (55 11) 4191-4633

ISBN 85-351-0918-8

APRESENTAÇÃO

1) Advertência

A Teoria da Dinâmica Econômica é a principal obra de Michal
Kalecki a respeito das economias capitalistas e constitui leitura indis-
pensável para quem deseja aprofundar seus conhecimentos sobre essas
economias. Foi originalmente publicada em inglês em 1954 e, com al-
guns acréscimos e correções, em 1965. Já apareceu em várias outras
línguas: italiano e espanhol (em 1956), polonês e japonês (1958), francês
e alemão (1966), grego (1980) e em sueco (1975) grande parte dela foi
incluída numa seleção de textos de Kalecki. A tradução para a língua
portuguesa foi publicada pela Abril Cultural, na série “Os Pensadores”,
em 1976.

Para o leitor que não conhece os trabalhos de Kalecki e, folheando
o presente livro, surpreenda-se com sua formulação matemática, talvez
seja conveniente começar com o seguinte aviso dado pelo autor, no
Prefácio à edição japonesa da obra: “Este livro está cheio de equações,
dados estatísticos, diagramas etc. Ao leitor isso pode provocar a errada
impressão de que o tema central seja a aplicação da Matemática e da
Estatística à pesquisa econômica. Mas não se trata disso, absoluta-
mente. As equações matemáticas são usadas apenas para condensar
o curso do raciocínio e dar-lhe maior precisão. Os dados estatísticos
servem para demonstrar que os resultados teóricos não contradizem
os fatos e que, portanto, esses resultados fornecem explicação fidedigna
dos fenômenos pesquisados”.1

Em outras palavras, o livro não constitui um simples tratamento
matemático de concepções econômicas estabelecidas. Ele compreende,

5

1 Incluído em KALECKI, Michal. Dziela. v. II, p. 214. Por iniciativa da Academia Polonesa
de Ciências e com excelente trabalho editorial de Jerzy Osiatynski, estão sendo publicadas
em polonês as obras completas de Kalecki, sob o título geral de Dziela (Obras) e divididas
em cinco volumes: 1) Capitalismo: Conjuntura e Emprego; 2) Capitalismo: Dinâmica Eco-
nômica; 3) Socialismo; 4) Países em Desenvolvimento; 5) Análises Econômicas. Até 1981
somente os dois primeiros volumes tinham sido publicados.

na verdade, um conjunto de pesquisas originais acerca da dinâmica
das economias capitalistas, aí empregando-se a Matemática como lin-
guagem e a Estatística como instrumento de verificação empírica das
conclusões teóricas.

Feita essa advertência, vamos falar um pouco do autor antes de
abordarmos o conteúdo do livro em questão.

2) Biografia e Obras2

Michal Kalecki nasceu em Lodz, em 22 de junho de 1899. Estudou
na Escola Politécnica de Varsóvia e depois na de Gdanski, mas não
chegou a graduar-se. Seu primeiro título acadêmico ele o obteve aos
57 anos de idade, quando, já internacionalmente reconhecido, o governo
polonês o nomeou professor universitário; e em 1964 a Universidade
de Varsóvia lhe conferiu o título de doutor honoris causa.

Foi um autodidata. Em sua formação como economista, recebeu
profunda influência das obras de Marx e de outros autores marxistas.

Seu primeiro emprego como economista foi no Instituto de Pes-
quisa de Conjuntura e Preços, de Varsóvia, em 1927. Em 1935, quando
já tinha publicado seu estudo inovador em teoria dos ciclos econômicos,
viajou para a Suécia com uma bolsa de estudos. No ano seguinte mu-
dou-se para a Inglaterra, onde trabalhou na Escola de Economia de
Londres e depois na Universidade de Cambridge (1937/39) e no Instituto
de Estatística da Universidade de Oxford (1940/45).

Terminada a Segunda Guerra Mundial, Kalecki prestou serviços
durante algum tempo para a Organização Internacional do Trabalho
e para o Governo polonês. Daí foi para o departamento econômico do
Secretariado da ONU, onde ficou até 1954.

Retornando à Polônia, ocupou diversos cargos: diretor de pesqui-
sas no departamento de ciências econômicas da Academia Polonesa de
Ciências (1955/56), presidente da Comissão de Planejamento de Longo
Prazo (1957/60), vice-presidente do Conselho Econômico do Estado
(1957/63), e também, ao longo de todo esse tempo (isto é, de 1956 a
1969), professor na Escola Central de Planificação e Estatística.

Kalecki morreu em Varsóvia no dia 17 de abril de 1970.

Os trabalhos de Kalecki podem ser separados em três grupos:
sobre as economias capitalistas desenvolvidas, sobre as economias sub-

OS ECONOMISTAS

6

2 Para mais informações sobre a biografia e as obras de Kalecki, os seguintes trabalhos
podem ser consultados: MIGLIOLI, Jorge (org.). Kalecki. “Coleção Grandes Cientistas
Sociais”. S. Paulo. Editora Ática, 1980; KOWALIK, Tadeus. “Biography of Michal Kalecki”.
In: Problems of Economic Dynamics and Planning — Essays in Honour of Michal Kalecki.
Varsóvia, Polish Scientific Publishers, 1964; FEIWEL, George. The Intelectual Capital of
Michal Kalecki. Knoxville. The University of Tennessee Press, 1975; os vários artigos de
Oxford Bulletin of Economics and Statistics, fevereiro de 1977, número especial dedicado
a Kalecki. O livro de Feiwel contém a bibliografia completa de Kalecki.

desenvolvidas e sobre as economias socialistas. Ele escreveu também
acerca de outros temas (por exemplo: questões de política, estatística,
matemática teórica, metodologia econômica etc.), mas suas principais
contribuições intelectuais estão contidas nos trabalhos anteriormente
referidos.

Seus primeiros escritos (1927/32) sobre as economias capitalistas
abordam problemas de produção e comercialização (aí incluindo o caso
de cartéis internacionais) de mercadorias específicas, e depois algumas
questões de caráter mais geral. A grande crise econômica de 1929/33
exerceu uma influência decisiva sobre as preocupações teóricas de Ka-
lecki. Em 1933 ele publicou “Esboço de uma Teoria do Ciclo Econômico”,
que se tornou um dos seus trabalhos mais famosos, e dessa época até
o fim de sua vida ele se empenhou em estudar os problemas da dinâmica
(flutuações cíclicas e mudanças de longo prazo) das economias capita-
listas. Depois voltaremos a esse assunto.

Na primeira metade da década de 1950, ao trabalhar no Secre-
tariado da ONU, Kalecki passou a ter contato com países subdesen-
volvidos e a interessar-se por seus problemas econômicos. Como resul-
tado, elaborou vários estudos, tanto práticos como teóricos.3 Os pri-
meiros incluem relatório sobre os problemas econômicos de Israel, ob-
servações sobre o terceiro plano econômico da Índia, plano qüinqüenal
(1961/65) de Cuba; os estudos teóricos se referem a problemas de de-
semprego, ajuda econômica internacional, desenvolvimento econômico.
Dentre esses últimos estudos, o mais importante se intitula “O Pro-
blema do Financiamento do Desenvolvimento Econômico”, publicado
originalmente no México em 1954 e que teve grande influência na
formação do pensamento estruturalista da CEPAL.

Voltando para a Polônia em 1955, no ano seguinte Kalecki se
viu no meio das manifestações políticas que derrubaram o governo
stalinista de então e criaram, no país, um ambiente democrático fa-
vorável ao