Michal Kalecki - Teoria da dinamica economica
194 pág.

Michal Kalecki - Teoria da dinamica economica

Disciplina:Macroeconomia3.845 materiais85.768 seguidores
Pré-visualização46 páginas
bruta Total da poupança bruta

Assim, o total da poupança é igual à soma de investimento pri-
vado, saldo da balança comercial e déficit orçamentário, enquanto a
poupança dos capitalistas é igual, é claro, a essa soma menos a pou-
pança dos trabalhadores.

Se supusermos que tanto o comércio externo como o orçamento
do Governo são equilibrados, teremos que:

Poupança bruta = Investimento bruto

KALECKI

69

Se supusermos, ademais, que os trabalhadores não poupam, te-
remos que:

Poupança bruta dos capitalistas = Investimento bruto

Essa equação é equivalente a:

Lucros líquidos = Investimento bruto + Consumo dos capitalistas

porque pode ser obtida a partir da equação anterior, deduzindo-se o
consumo dos capitalistas de ambos os membros.

Devemos salientar que a igualdade entre poupança e investimento
mais saldo da balança comercial, mais déficit orçamentário no caso
geral — ou só investimento no caso especial — será válida em todas
as circunstâncias. Particularmente, ela será independente do nível da
taxa de juros, que a teoria econômica costumava considerar o fator de
equilíbrio entre a procura e a oferta de capital novo. Dentro da con-
cepção presente, o investimento, uma vez realizado, automaticamente
fornece poupança necessária para financiá-lo. De fato, em nosso modelo
simplificado, os lucros em um dado período constituem o resultado
direto do consumo dos capitalistas e do investimento naquele período.
Se o investimento aumenta em um certo valor, a poupança a partir
dos lucros é pro tanto maior.

Coloquemos a coisa de forma mais concreta: se alguns capita-
listas aumentam seu investimento usando para esse fim sua reserva
líquida, os lucros dos outros capitalistas se elevarão pro tanto e
dessa forma as reservas líquidas investidas passarão às mãos destes
últimos. Se o investimento adicional for financiado por crédito ban-
cário, o dispêndio das quantias em questão fará com que idênticas
quantias de lucros poupados se acumulem sob a forma de depósitos
bancários. Os capitalistas investidores poderão, dessa maneira, emi-
tir títulos de crédito no mesmo valor e dessa forma saldar os em-
préstimos bancários assumidos.

Uma conseqüência importante do que se acha exposto acima é
que a taxa de juros não pode ser determinada pela demanda e pela
oferta de capital novo porque o investimento é “autofinanciado”. Os
fatores que determinam o nível da taxa de juros são expostos na Parte
Terceira.

O efeito do saldo da balança comercial e do
déficit orçamentário

No raciocínio que se segue, iremos freqüentemente supor o equi-
líbrio tanto do orçamento governamental como do comércio externo,
além de uma poupança dos trabalhadores igual a zero. Isso nos pos-
sibilitará basear nossa argumentação na igualdade entre lucros depois

OS ECONOMISTAS

70

da dedução dos impostos e a soma do investimento bruto e o consumo
dos capitalistas. Seria útil, contudo, dizer alguma coisa agora sobre o
significado da influência do saldo da balança comercial e do déficit
orçamentário sobre os lucros.

De acordo com a fórmula estabelecida acima, os lucros são iguais
ao investimento mais o saldo da balança comercial, mais o déficit or-
çamentário, menos a poupança dos trabalhadores, mais o consumo dos
capitalistas. Conclui-se diretamente daí que um acréscimo do saldo da
balança comercial elevará os lucros pro tanto, desde que os demais
componentes não se alterem. (O mecanismo aí operante é o mesmo
que foi descrito na página 66). O valor de um incremento da produção
do setor de exportações será explicado pelo aumento dos lucros e sa-
lários daquele setor. Os salários, contudo, serão gastos na compra de
bens de consumo. Desse modo, a produção de bens de consumo para
os trabalhadores se expandirá até o ponto em que os lucros auferidos
dessa produção aumentarem na medida dos salários adicionais do setor
de exportação.37

Conclui-se diretamente do que foi dito acima que o saldo da ba-
lança comercial permite o aumento dos lucros acima do nível que seria
determinado pelo investimento e pelo consumo dos capitalistas. É desse
ponto de vista que se poderia considerar a luta pelos mercados externos.
Os capitalistas de um país que conseguem dominar os mercados ex-
ternos até então detidos por outros países conseguem aumentar seus
lucros às expensas dos capitalistas dos outros países, que perderam
esses mercados. Da mesma forma, uma metrópole colonialista pode
conseguir um saldo positivo em sua balança comercial através de in-
vestimentos em seus territórios dependentes.38

Um déficit orçamentário tem efeito semelhante ao de um saldo
positivo na balança comercial. Ele também permite um aumento dos
lucros acima do nível determinado pelo investimento privado e pelo
consumo dos capitalistas. Em um certo sentido, o déficit orçamentário
pode ser considerado um saldo positivo da balança comercial artificial.
Apresentando saldo positivo em sua balança comercial, um país recebe
mais por suas exportações do que paga por suas importações. No caso
do déficit orçamentário, o setor privado da economia recebe mais através

KALECKI

71

37 Se a produção de bens de consumo para os trabalhadores não dispõe de capacidade ociosa,
os preços desses bens irão subir até o ponto em que os lucros auferidos dessa produção
aumentem na medida dos salários adicionais do setor de exportação (ver nota 36 deste
capítulo).

38 Os empréstimos ao exterior de dado país não têm que ser ligados à exportação de bens
desse país. Se um país A empresta a outro país B, este último pode gastar o dinheiro do
empréstimo no país C, que poderá aumentar pro tanto seu estoque de ouro e sua reserva
de divisas. Nesse caso, o empréstimo ao exterior feito pelo país A irá provocar um saldo
positivo na balança comercial do país C acompanhado de um acúmulo de ouro ou de divisas
naquele país. No caso de dependência colonial, isso é difícil acontecer, isto é, a quantia
investida será normalmente gasta na metrópole.

dos gastos do Governo do que paga em impostos. A existência de um
saldo positivo na balança comercial significa um aumento do valor
devido pelos países estrangeiros ao país considerado. A existência de
um déficit orçamentário significa um aumento do valor devido pelo
setor público ao setor privado da economia. Esses dois excedentes da
receita sobre as despesas geram lucros da mesma forma.

O que foi dito acima demonstra claramente a significância dos
mercados “externos” (inclusive os que são criados pelos déficits orça-
mentários) para uma economia capitalista. Sem esses mercados, os
lucros são condicionados pela capacidade dos capitalistas de consumir
ou de empreender o investimento de capital. O saldo da balança co-
mercial e o déficit orçamentário é que permitem aos capitalistas auferir
lucros sobre e acima de suas próprias compras de bens de serviços.

A ligação entre os lucros “externos” e o imperialismo é óbvia.
A luta pela divisão dos mercados externos existentes e a expansão
dos impérios coloniais, que propicia novas oportunidades para a ex-
portação de capital ligada à exportação de bens, pode ser vista como
um esforço para se obter um saldo positivo na balança comercial,
a fonte clássica de lucros “externos”. Os armamentos e as guerras,
em geral financiados pelos déficits orçamentários, são também uma
fonte dessa espécie de lucros.

OS ECONOMISTAS

72

4
Os Lucros e o Investimento

Os lucros e o investimento dentro de suposições
simplificadoras

Apontamos acima (p. 66) que o investimento e o consumo dos
capitalistas são determinados por decisões originais no passado. Os
determinantes das decisões quanto a investimento, que são de caráter
bastante complexo, são tratados no capítulo 9. Aqui iremos tratar da
determinação do consumo dos capitalistas.

Podemos fazer a seguinte suposição, que é plausível enquanto
primeira aproximação, sobre o consumo “real” dos capitalistas em um
ano dado, Ct: de que