Resumo macro 1
23 pág.

Resumo macro 1

Disciplina:Macroeconomia I273 materiais9.717 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Todas	
  as	
   informações	
  apresentadas	
  abaixo	
   foram	
  organizadas	
  a	
  partir	
  do	
   livro	
  Macroeconomia	
   (quinta	
   edição)	
   de	
   Olivier	
   Blanchard	
   e	
   das	
   aulas.	
   Porém	
   é	
  importante	
   ressaltar	
   que	
   essas	
   são	
  minhas	
   interpretações,	
   portanto	
   elas	
   estão	
  sujeitas	
  a	
  algum	
  equívoco.	
  	
  Desenvolvi	
   esse	
   resumo	
   para	
   auxiliar	
   no	
   estudo	
   da	
  matéria	
   e	
   não	
   acredito	
   de	
  forma	
   alguma	
   que	
   apenas	
   este	
   resumo	
   deva	
   ser	
   usado	
   para	
   os	
   estudos	
   de	
  Macroeconomia.	
  Várias	
   partes	
   do	
   que	
   escrevi	
   são	
   parecidas/iguais	
   com	
   as	
   explicações	
  encontradas	
   no	
   livro.	
   O	
   meu	
   intuito	
   é	
   apenas	
   o	
   de	
   simplificar	
   o	
   conteúdo,	
  apontando	
  no	
  texto	
  os	
  pontos	
  centrais	
  da	
  disciplina.	
  	
  	
   	
   	
   	
   	
   	
   	
   Daniel	
  Murta	
  Silva	
  	
   	
   	
   	
   	
   	
   	
   	
   (14/08/11)	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  

Glossário	
  (Cuidado:	
  Algumas	
  letras	
  são	
  usadas	
  com	
  mais	
  de	
  um	
  significado!)	
  Este	
  glossário	
  está	
  organizado	
  pela	
  ordem	
  em	
  que	
  as	
  letras	
  são	
  apresentadas	
  no	
  livro.	
  	
  Y	
  =	
  Renda	
  =	
  PIB	
  =	
  Produto	
  Y0	
  =	
  Renda	
  disponível	
  	
  -­‐>	
  Y0	
  =	
  Y	
  -­‐	
  T	
  	
  
π	
  =	
  Inflação	
  C	
  =	
  Consumo	
  I	
  =	
  Investimento	
  G	
  =	
  Gastos	
  do	
  Governo	
  X	
  =	
  Exportações	
  IM	
  =	
  Importações	
  Z	
  =	
  Demanda	
  por	
  bens	
  T	
  =	
  Tributos	
  =	
  Impostos	
  S	
  =	
  Poupança	
  M	
  =	
  Moeda	
  D	
  =	
  Depósitos	
  H	
  =	
  High	
  powered	
  Money	
  (Dinheiro	
  emitido	
  pelo	
  Banco	
  Central)	
  R	
  =	
  Reserva	
  Yt	
  =	
  PIB	
  real	
  $Yt	
  =	
  PIB	
  nominal	
  Yd	
  =	
  Renda	
  disponível	
  c1	
  =	
   Propensão	
   a	
   consumir	
   (o	
   quanto	
   um	
   dólar	
   adicional	
   na	
   Yd	
   aumenta	
   o	
   C)	
  0<c1≤1	
  c0	
   =	
  O	
   quanto	
   seria	
   consumido	
   se	
   Yd	
   fosse	
   zero.	
  Desloca	
   a	
   curva	
   para	
   cima	
   ou	
  para	
  baixo	
  i	
  =	
  Juros	
  Md	
  =	
  Demanda	
  por	
  moeda	
  CU	
  =	
  Papel-­‐moeda	
  c	
  =	
  Proporção	
  de	
  papel-­‐moeda	
  mantido	
  pelas	
  pessoas	
  θ	
  =	
  Percentual	
  de	
  reserva	
  do	
  banco	
  R	
  =	
  Reservas	
  bancarias	
  D	
  =	
  Montante	
  de	
  depósitos	
  a	
  vista	
  Hd	
  =	
  Demanda	
  por	
  moeda	
  do	
  Banco	
  Central	
  W	
  =	
  Salário	
  nominal	
  agregado	
  P	
  	
  =	
  Nível	
  de	
  preço.	
  Varia	
  de	
  acordo	
  com	
  a	
  inflação.	
  Pe	
  =	
  Nível	
  esperado	
  de	
  preços	
  z	
  =	
  Variável	
  abrangente	
  	
  u	
  =	
  Taxa	
  de	
  desemprego	
  (percentual)	
  L	
  =	
  Força	
  de	
  trabalho	
  N	
  =	
  Emprego	
  U	
  =	
  Desemprego	
  A	
  =	
  Produtividade	
  do	
  trabalho	
  μ	
  =	
  Markup	
  (margem)	
  	
  	
  	
  	
  

CAPÍTULO	
  2	
  
	
  
	
  PIB:	
  Produto	
  Interno	
  Bruto.	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Composto	
  por	
  Bens	
  e	
  Serviços	
  produzidos	
  dentro	
  da	
  fronteira	
  do	
  país.	
  	
  PIB	
  nominal	
  (Y):	
  Quantidade	
  de	
  bens	
  X	
  preços	
  correntes	
  PIB	
   real	
   ($Y):	
   Quantidade	
   de	
   bens	
   X	
   preços	
   fixos	
   (Deve	
   ser	
   escolhido	
   um	
   ano	
  base)	
  	
  O	
  PIB	
  real	
  desconta	
  automaticamente	
  a	
  inflação,	
  pois	
  não	
  considera	
  a	
  variação	
  de	
  preço	
  dos	
  bens	
  (preço	
  fixo).	
  	
  Produto	
  nacional	
  bruto:	
  O	
  que	
  é	
  produzido	
  com	
  fatores	
  nacionais.	
  Uma	
  empresa	
  alemã	
  no	
  Brasil	
  não	
  tem	
  sua	
  produção	
  contabilizada	
  no	
  PIB	
  brasileiro.	
  	
  Troca	
  de	
  propriedade	
  não	
  é	
  contabilizada	
  no	
  PIB.	
  Um	
  carro	
  que	
  foi	
  produzido	
  em	
  2004	
  e	
  revendido	
  em	
  2008	
  é	
  contado	
  apenas	
  no	
  PIB	
  de	
  2004.	
  	
  Inflação	
  (π):	
  “Elevação	
  sustentada	
  do	
  nível	
  geral	
  de	
  preços	
  	
  da	
  economia”,	
  ou	
  seja,	
  o	
  quanto	
  os	
  preços,	
  no	
  geral,	
  aumentaram.	
  Deflação:	
  Inverso	
  de	
  Inflação	
  	
  	
  Deflator	
  do	
  PIB:	
  	
   P! = PIB  nominalPIB  real = $Y!Y! 	
  	
  O	
   deflator	
   do	
   PIB	
   fornece	
   a	
   taxa	
   de	
   variação	
   à	
   qual	
   o	
   nível	
   geral	
   de	
   preços	
  aumenta	
  ao	
  longo	
  do	
  tempo,	
  em	
  outras	
  palavras,	
  inflação.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  

CAPÍTULO	
  3	
  	
  Variáveis	
  endógenas:	
  Dependem	
  de	
  outras	
  variáveis	
  do	
  modelo.	
  Variáveis	
  exógenas:	
  Valores	
  tomados	
  como	
  dados	
  (constantes).	
  	
  Fórmula	
  do	
  PIB:	
   Z	
  =	
  C	
  +	
  I	
  +	
  G	
  +	
  X	
  –	
  IM	
  (Demanda	
  por	
  bens	
  =	
  Consumo	
  +	
  Investimento	
  +	
  Gastos	
  do	
  Governo	
  +	
  Exportaçoes	
  +	
  Importações)	
  	
  Supondo	
  economia	
  fechada:	
   Z	
  =	
  C	
  +	
  I	
  +	
  G	
  (Demanda	
  por	
  bens	
  =	
  Consumo	
  +	
  Investimento	
  +	
  Gastos	
  do	
  Governo)	
  	
  O	
  principal	
  fator	
  que	
  influencia	
  o	
  consumo	
  (C)	
  é	
  a	
  renda	
  disponível	
  (Yd).	
  A	
  renda	
  disponível	
  é	
  o	
  que	
  resta	
  aos	
  consumidores	
  depois	
  destes	
  pagarem	
  os	
  impostos	
  e	
  receberem	
  transferências	
  do	
  governo.	
  Quanto	
  maior	
  a	
  Yd,	
  maior	
  o	
  C.	
   C	
  =	
  C(Yd)	
  	
  A	
  função	
  consumo	
  é	
  uma	
  relação	
  linear:	
  C	
  =	
  c0	
  +	
  c1Yd	
  	
  c0	
  =	
  O	
  quanto	
  seria	
  consumido	
  se	
  Yd	
  fosse	
  zero	
  c1	
  =	
  Propensão	
  a	
  consumir	
  (o	
  quanto	
  um	
  dólar	
  adicional	
  em	
  Yd	
  aumenta	
  o	
  C).	
  c1	
  é	
  sempre	
  positivo	
  e	
  menor	
  que	
  1.	
  Lembre-­‐se	
  que	
  a	
  declividade	
  dessa	
  reta	
  é	
  definida	
  por	
  c1,	
  sendo	
  sempre	
  menor	
  que	
  45o,	
  já	
  que	
  0<c1≤1.	
  (gráfico	
  no	
  livro	
  pg41)	
  	
  A	
  renda	
  disponível	
  (Yd)	
  pode	
  ser	
  definida	
  como:	
  Yd	
  =	
  Y	
  –	
  T	
  	
  Y	
  =	
  Renda	
  T	
  =	
  Impostos	
  –	
  transferências	
  	
  Substituindo	
  Yd	
  =	
  Y	
  –	
  T	
  em	
  C	
  =	
  c0	
  +	
  c1Yd	
  	
  obtemos:	
  C	
  =	
  c0	
  +	
  c1(Y	
  –	
  T)	
  	
  Com	
   essa	
   fórmula	
   deduzimos	
   que	
   uma	
   renda	
   (Y)	
   mais	
   elevada	
   aumenta	
   o	
  consumo,	
  porém	
  em	
  proporção	
  menor,	
   ou	
   seja,	
   o	
   aumento	
  de	
  uma	
  unidade	
  na	
  renda	
  (Y)	
  resulta	
  em	
  um	
  aumento	
  de	
  c1	
  no	
  consumo	
  (C).	
  	
  Voltando	
  a	
  fórmula	
  inicial	
  Z	
  =	
  C	
  +	
  I	
  +	
  G,	
  podemos	
  agora	
  reescreve-­‐la	
  como:	
  Z	
  =
Natalia Pessoa fez um comentário
  • resumo de macroeconomia
    0 aprovações
    Carregar mais