Processo Penal I
12 pág.

Processo Penal I

Disciplina:Direito Processual Penal I1.671 materiais41.722 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Conforme a gravidade da nova pena, em tese, exigem-se os seguintes procedimentos:

a) Se a nova pena for igual ou menor - baixa-se o processo a fim de que a defesa, no prazo de 08 dias, fale e produza provas, podendo ser ouvidas até 3 testemunhas. Não pode o réu acusado de crime doloso, ser condenado por culpa em sentido estrito sem que ele saiba ou possa defender-se do cuidado objetivo que por ele não foi, de acordo a sentença, observado (qual a imprudência, negligência ou imperícia que cometeu (art. 384, caput).

b) Se a nova pena for maior (reformatio in pejus) - baixa-se os autos ao MP para que haja, no prazo de 03 dias, o aditamento da denúncia ou queixa (apenas da ação privada subsidiária), seguindo-se de vistas à defesa no prazo de 03 dias para que fale, produza provas e requeira a ouvida de até 3 testemunhas. Se o MP não aditar, juiz encaminha os autos ao PGJ, e a 2ª instância não pode realizar a reformatio in pejus (art. 384, caput e § único, e súmula 453 do STF).

12. Aplicação dos arts. 383 e 384, único do CPP.

1) "Emendatio Libelli" (art. 383) - denúncia descreve perfeitamente um fato típico, contudo, dá-lhe qualificação legal diversa.

2) "Mutatio Libelli" (art. 384, § único) – reconhece a possibilidade de nova definição jurídica em face de prova de circunstâncias elementares nos autos.

princípio da correlação - a sentença deve estar vinculada a denúncia ou queixa, não podendo o juiz julgar por fato que o réu não foi acusado (extra, ultra ou citra petita - fora, além ou aquém) ou de modalidade mais grave (in pejus). É a própria vinculação do juiz aos fatos arrolados na denúncia ou na queixa, com vistas a assegurar a imutabilidade da acusação. A sua infringência é causa de nulidade da sentença.

princípio da livre dicção do direito - o juiz, que conhece o direito, dá ao fato a capitulação que entenda cabível, pois, o réu se defende do fato e não da capitulação que é dada a este.

	SINTESE - RECLASSIFICAÇÃO DO DELITO

	Princípio da Correlação
	Atos do Juiz

	EMENDATIO LIBELLI

(art. 383)

Erro na classificação do Delito na denúncia ou queixa

(Busca-se a correção da acusação em obediência ao princípio Jura Novit Curia)
	Correção da Acusação

	MUTATIO LIBELLI

(art. 384, caput)

Circunstância elementar nova = pena igual ou menor.

(Altera a capitulação do delito pelos seus elementos essenciais do tipo)
	Mudança da Acusação

Baixa os autos para a defesa se manifestar em 8 dias.

	MUTATIO LIBELLI

(art. 384, § único)

Circunstância elementar nova = pena agravada.

(Altera a capitulação do delito pelos seus elementos essenciais do tipo)
	Mudança da Acusação

Baixa os autos para aditamento da peça inicial (MP em 3 dias), e a posteriori à defesa para falar em 3 dias.

Embargos declaratórios

Conceito: são recursos, embora se processe "inaudita altera pares", ou seja, sem a audiência da parte contrária; por analogia ao art. 538, §3º CPC, suspendem o prazo para recurso. Deve ser interposto quando há obscuridade, ambigüidade, contradição ou omissão.

Não há suspeição dos prazos se os embargos são rejeitados por intempestividade, embora se estes forem conhecidos se constata a suspensão do prazo em relação a todo o julgado (analogia do art. 538 do CPC).

As partes devem ser intimadas da publicação para contagem do prazo para recurso. Intimados réu e defensor, o prazo começa a contar da última realizada.

BIBLIOGRAFIA

BRASIL. Código de processo penal. 3. ed., rev., atual. e amp. São Paulo: RT, 2001, p. 391-394 (art. 373-393).

CAPEZ, Fernando. Curso de processo penal. 6. ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2001, p. 359-373.

JESUS, Damásio E. de. Código de processo penal anotado. 11. ed. atual. e aum., São Paulo: Saraiva, 1994, p. 234-260.

MARQUES, José Frederico. Elementos de direito processual penal. Campinas: Booksseller, 1998, V. III, p. 25-76.

MALCHER, José Lisboa da Gama. Manual de processo penal. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1999, p. 499-513.

MEHMERI, Adilson. Manual universitário de processo penal. São Paulo: Saraiva, 1996, p. 223-231.

MIRABETE, Júlio Fabbrini. Processo penal. 2. ed., rev. e atual. São Paulo: Atlas, 1992, p. 445-468.

________. Código de processo penal interpretado: referência doutrinárias, indicações legais, resenha jurisprudenciais. 2. ed. atual. São Paulo: Atlas, 1994, p. 432-463.

NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Curso completo de processo penal. 7. ed. rev., amp. e atual. São Paulo: Saraiva, 1993, p. 276-291.

RANGEL, Paulo Lúcio. Manual de processo penal. 4. ed., rev., amp. e atual. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001, p. 335-337.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Código de processo penal comentado. São Paulo: Saraiva, 1996, v. II, p. 561-578.

_______. Manual de processo penal. São Paulo: Saraiva, 2001, p. 545-561.

TRISTÃO, Adauto Dias. Sentença criminal: prática de aplicação de pena e medida de segurança. 5. ed. rev., atual. e amp. Belo Horizonte: Del Rey, 2001, p. 27-173.

Ex. Furto (art. 155)  Roubo (art. 157)

Ex. Roubo (art. 157)  Furto (art. 155)

Ex. Furto (art. 155)  Roubo (art. 157)