Roteiro para Elaboração de Relatório
6 pág.

Roteiro para Elaboração de Relatório

Disciplina:Química Geral Experimental619 materiais9.457 seguidores
Pré-visualização2 páginas
�PAGE �

ANTES, DURANTE E ÁPOS O EXPERIMENTO

	Não se entra num laboratório sem um objetivo específico, portanto é necessária uma preparação prévia ao laboratório: O que vou fazer? Com que objetivo? Quais os princípios químicos envolvidos nesta atividade?

	Durante a realização dos experimentos são necessárias anotações dos fenômenos observados, das massas e volumes utilizados, do tempo decorrido, das condições iniciais e finais do sistema. Um caderno deve ser usado especialmente para o laboratório. Este caderno de laboratório possibilitará uma descrição precisa das atividades de laboratório. Não confie em sua memória, tudo deve ser anotado.

	Após o experimento vem o trabalho de compilação das etapas anteriores através de um relatório. O relatório é um modo de comunicação escrita de cunho científico sobre o trabalho laboratorial realizado.

Pré-Laboratório

1.	Estude os conceitos teóricos envolvidos, leia com atenção o roteiro da prática e tire todas as dúvidas.

Obtenha as propriedades químicas, físicas e toxicológicas dos reagentes a serem utilizados. Site VETEC química.

Pós-Laboratório

1.	Lave todo o material logo após o término da experiência, pois conhecendo a natureza do resíduo pode-se usar o processo adequado de limpeza.

2.	Guarde todo o equipamento e vidraria. Guarde todos os frascos de reagentes, não os deixe nas bancadas ou capelas. Desligue todos os aparelhos e lâmpadas e feche as torneiras de gás.

REGRAS GERAIS DO LABORATÓRIO

OS ALUNOS DEVERÃO SEGUIR AS SEGUINTES REGRAS DE CONDUTA.
Não é permitido comer ou fumar no laboratório.

É obrigatório o uso de jaleco, calça comprida e sapato fechado. Óculos de segurança e ou luvas serão exigidos em situações especiais no laboratório, de acordo com instruções do professor.

Materiais mochilas e outros pertences pessoais devem ser colocados em locais especificados pelo professor no laboratório. No caso de cadernos ou livros, estes devem se limitar aos que serão usados na aula.

Caso ocorra quebra de material ou dano a equipamentos durante a realização do experimento o fato deverá ser comunicado de imediato ao professor. A reposição de material quebrado será avaliada caso a caso, juntamente com o professor.

 No caso da necessidade de material ou equipamento extra, o mesmo deverá ser solicitado ao professor e devolvido limpo logo após sua utilização.

 Após o experimento, o material usado deve ser cuidadosamente limpo e reposto nos respectivos armários.

 Os reagentes e equipamentos devem ser utilizados com cuidado e devolvidos ao local apropriado, imediatamente após o uso. Qualquer equipamento extra só pode ser utilizado com a aprovação do professor. Atenção para a voltagem dos equipamentos antes de ligá-los à rede.

 Tenha muito cuidado no uso das balanças e limpe imediatamente qualquer derramamento de reagentes. Em caso de dúvida sobre algum reagente ou equipamento, consulte o professor.

Sob as capelas existem frascos para o descarte de solventes e outros resíduos líquidos. Nunca descarte nada na pia.

DESCARTE DE REJEITOS (RESÍDUOS)

Até há pouco tempo, os laboratórios descartavam seus rejeitos (resíduos) sem os cuidados necessários; solventes voláteis eram evaporados (lançados para a atmosfera), sólidos eram descarregados em lixo comum e, líquidos e soluções, eram descartados na pia. Essas práticas não são recomendadas e, atualmente, existe uma preocupação maior no descarte de rejeitos químicos. Existem regras estabelecidas para o descarte de rejeitos, especialmente os perigosos; no entanto, muitas vezes são difíceis e de custo elevado para serem implementadas. Assim, na prática, procura-se, sempre que possível, minimizar a quantidade de resíduos perigosos gerados nos laboratórios de ensino.

Alguns procedimentos são adotados nesse sentido, como por exemplo:
a) Redução da escala (quantidade de sustância) de produtos químicos usados nos experimentos;

b) Substituição de reagentes perigosos por outros menos perigosos;

c) Conversão dos resíduos para uma forma menos perigosa através de reação química, antes do descarte;

d) Redução dos volumes a serem descartados (concentrando as soluções ou separando os componentes perigosos por precipitação);

e) Recuperação dos reagentes para novamente serem utilizados.

Instruções para descarte dos resíduos são fornecidas junto com as experiências. Quando os resíduos gerados na experiência não forem perigosos, poderão ser descartados na pia de acordo com as seguintes instruções:

1) Soluções que podem ser jogadas na pia devem ser antes diluídas com água, ou jogar a solução vagarosamente acompanhada de água corrente;

2) Sais solúveis podem ser descartados como descrito em 1.

3) Pequenas quantidades de solventes orgânicos solúveis em água (ex: metanol ou acetona) podem ser diluídos antes de serem jogados na pia.

Grandes quantidades desses solventes, ou outros que sejam voláteis, não devem ser descartados dessa maneira. No caso, tentar recuperá-los.

4) Soluções ácidas e básicas devem ter seu pH ajustado na faixa de 2 a 11 antes de serem descartadas. Em caso de pequenos volumes dessas soluções (por exemplo, 10 mL ou pouco mais), essas podem ser diluídas e descartadas.

5) Em caso de dúvida, perguntar ao professor como proceder o descarte.

NORMAS DE ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO

O relatório de atividades deve em primeiro lugar, retratar o que foi realmente realizado no experimento, sendo de fundamental importância a apresentação de um documento bem ordenado e de fácil manuseio. Além disso, deve ser o mais sucinto possível e descrever as atividades experimentais realizadas, a base teórica dessas atividades, os resultados obtidos e sua discussão, além da citação da bibliografia consultada.

O relatório deve ser redigido de uma forma clara, precisa e lógica. Redija sempre de forma impessoal, utilizando-se a voz passiva no tempo passado. Ex. a massa das amostras sólidas foi determinada utilizando-se uma balança.

Devem ser evitados expressões informais ou termos que não sejam estritamente técnicos (Não utilize em hipótese alguma adjetivo possessivo, como por exemplo, minha reação, meu banho, meu qualquer coisa). É bastante recomendável, efetuar uma revisão do relatório para retirar termos redundantes, clarificar pontos obscuros e retificar erros no original.

Uma atenção especial deve ser dada aos termos técnicos, resultados, fórmulas e expressões matemáticas. As ilustrações (tabelas, fórmulas, gráficos) deverão vir na seqüência mais adequada ao entendimento do texto e seus títulos e legendas devem constar imediatamente abaixo.

Tabela: Exemplo	

Tabela 1.Algumas características dos estados da matéria

	Estado da matéria
	Compressibilidade
	Fluidez ou rigidez 
	Densidade relativa

	Gasoso
	Alta
	fluido
	baixa

	Líquido
	muito baixa
	fluido
	alta

	Sólido
	muito baixa
	rígido
	alta

Gráfico: é a maneira de detectar visualmente como varia uma quantidade (y) a medida que uma segunda quantidade (x) também varia; é imprescindível o uso de papel milimetrado para construção de um gráfico.

Eixos:

Horizontal (abcissa) - representa a variável independente; é aquela cujo valor é controlado pelo experimentador;

Vertical (ordenada)- representa a variável dependente; cujo valor é medido experimentalmente.

Escolha das escalas - suficientemente expandida de modo a ocupar a maior porção do papel (não é necessário começar a escala no zero, sim num valor um pouco abaixo do valor mínimo medido)

Símbolos das grandezas- devem-se indicar junto aos eixos os símbolos das grandezas correspondentes divididos por suas respectivas unidades;

Título ou legenda- indicam o que representa o gráfico;

Valores das escalas- devem-se marcar os valores da escala em cada eixo de forma clara;

Pontos- devem-se usar círculos, quadrados, etc. para indicar cada ponto de cada curva;

Traço- a curva deve ser traçada de modo a representar a tendência média dos pontos.

Relatórios