7S - RE - Processo Civil - Recursos
20 pág.

7S - RE - Processo Civil - Recursos

Disciplina:Processo Civil6.707 materiais53.120 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Recurso Extraordinário quando ainda tivermos possibilidade de outro recurso como apelação, agravo, embargos infringentes etc.

STF, Súmula nº 281 - 13/12/1963 - Súmula da Jurisprudência Predominante do Supremo Tribunal Federal - Anexo ao Regimento Interno. Edição: Imprensa Nacional, 1964, p. 128.

Admissibilidade - Recurso Extraordinário - Cabimento - Justiça de Origem - Recurso Ordinário da Decisão Impugnada

 É inadmissível o recurso extraordinário, quando couber, na justiça de origem, recurso ordinário da decisão impugnada.

	1.3 Órgão a quo:

	O Recurso Extraordinário é cabível contra decisões proferidas por qualquer órgão jurisdicional, incluindo os juízes de Primeira Instância, os Tribunais Superiores e as Turmas ou colégios Recursais dos Juizados Especiais.

STF Súmula nº 640 - 24/09/2003 - DJ de 9/10/2003, p. 2; DJ de 10/10/2003, p. 2; DJ de 13/10/2003, p. 2.

Cabimento - Recurso Extraordinário - Decisão de Juiz de Primeiro Grau - Causas de Alçada ou Turma Recursal de Juizado Especial Cível e Criminal

 É cabível recurso extraordinário contra decisão proferida por juiz de primeiro grau nas causas de alçada, ou por turma recursal de juizado especial cível e criminal.

	1.4 Matéria de direito:

	Só se analisa matéria de direito, não cabe, por sua vez, para tratar de matéria de fato.

	Portanto, não é possível Recurso Extraordinário para reexame de prova, pois esta é diferente de matéria probatória, que pode, sim, ser discutida desde que a matéria probatória seja matéria de direito.

	STF Súmula nº 279 - 13/12/1963 - Súmula da Jurisprudência Predominante do Supremo Tribunal Federal - Anexo ao Regimento Interno. Edição: Imprensa Nacional, 1964, p. 127.
Simples Reexame de Prova - Cabimento - Recurso Extraordinário
Para simples reexame de prova não cabe recurso extraordinário.

	1.5 Repercussão geral:

	Dois elementos formam a repercussão geral:

		a) Transcendência: a questão constitucional ultrapassa os interesses 	subjetivos da parte ou da causa, isso quer dizer que afeta um número considerável 	de pessoas, e;

		b) Relevância: a questão constitucional é relevante do ponto de vista 	econômico (ex.: matéria tributária); político (ex.: conflito de ICMS entre Estados); 	social (ex.: conflito de moradia, como desapropriação em função de alteração em 	Estatuto da Cidade) ou, também, jurídico (ex.: questão de direito adquirido).

		A repercussão geral pode ser presumida, que ocorre quando o acórdão a ser 	recorrido estar em contrariedade com súmula ou jurisprudência dominante do STF.

Art. 543-A. O Supremo Tribunal Federal, em decisão irrecorrível, não conhecerá do recurso extraordinário, quando a questão constitucional nele versada não oferecer repercussão geral, nos termos deste artigo.

 § 3o Haverá repercussão geral sempre que o recurso impugnar decisão contrária a súmula ou jurisprudência dominante do Tribunal

2. Pressupostos específicos:

	São as alíneas do inciso III do art. 102 da CF:

a) contrariar dispositivo desta Constituição;

b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal;

c) julgar válida lei ou ato de governo local contestado em face desta Constituição.

d) julgar válida lei local contestada em face de lei federal.

3. Regime de Multiplicidade em Recurso Extraordinário: CPC, art. 543-B.
	
	Segundo esse regime, o tribunal local (ou o próprio STF) seleciona um ou mais recursos extraordinários representativos de questão constitucional e remete-os ao STF. Os demais recursos permanecem sobrestados no tribunal local, aguardando o julgamento dos paradigmas.

	Negada pelo STF a repercussão geral, os recursos sobrestados são automaticamente inadmitidos. Julgado o extraordinário, o tribunal local deverá retratar-se ou declarar o prejuízo dos recursos, a depender da conformidade do acórdão ou do RE com a posição sufragada pelo Supremo. Apenas se o tribunal local mantiver a decisão conflitante com o paradigma é que o recurso extraordinário será remetido ao STF.

Bibliografia:

1. NERY JUNIOR, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de Processo Civil Comentado e Legislação Extravagante. 11.ed., São Paulo: RT, 2010.

2 .NEVES, Daniel Amorim Assumpção Neves. Manual de Direito Processual Civil. 2.ed., São Paulo: Método, 2010.

�PAGE �

�PAGE �167�