secagemmadeira
119 pág.

secagemmadeira

Disciplina:Secagem da Madeira10 materiais229 seguidores
Pré-visualização22 páginas
esta representada a fórmula da

umidade.

( )%100
MS

MSMUTU ×−=

Onde:

TU = Teor de umidade da amostra (%);

MU = Massa Úmida da amostra (g);

MS = Massa seca da amostra (g).

O número de amostras a serem retiradas depende da situação local, mas deve

ser representativo do lote. É fundamental que sejam retiradas as amostras a uma

distância de pelo menos 30cm dos topos, para evitar erros na determinação.

A determinação da umidade é muito importante na secagem da madeira pois

ela irá definir o momento da mudança de fase no programa de secagem da madeira.

Ela é utilizada para definir o peso das amostras de controle.

A principal desvantagem do método de determinação da umidade em estufa é

o grande período de tempo necessário para obter o peso constante das amostras (20

a 60 horas, dependendo do tamanho da amostra) e que a peça deve ser parcialmente

destruída para obter as amostras. A determinação correta do teor de umidade inicial

é chave para a correta secagem da madeira. Existem outros aparelhos desenvolvidos

para determinar a umidade das amostras com maior velocidade (20 minutos). Tais

métodos utilizam lâmpada infravermelho e utilizam pequenas partículas como

amostra.

Prof. Dr. Ricardo Jorge Klitzke

32

3.2.4.2 Método por Aparelho Elétrico

Várias tecnologias permitem a estimativa do teor de umidade da madeira a

partir das suas propriedades elétricas. Os instrumentos mais tradicionais são os que

medem a resistência a passagem da corrente elétrica, sendo disponíveis no mercado

medidores que usam campos elétricos de alta freqüência.

Os sensores do tipo resistência usam sensores metálicos que são cravados na

madeira, enquanto que os medidores de alta freqüência usam sensores de contato.

As características da variação da resistência elétrica da madeira com a massa

específica e com a temperatura indicam a necessidade de correção para

temperaturas diferentes da qual o medidor foi calibrado.

Atualmente é comprovado que a conhecida escala de classificação existente

nos medidores mais antigos (madeiras leves, médias e pesadas), não é mais

apropriada. Uma vez que a madeira é um material isolante, a passagem da corrente

elétrica pela madeira irá depender mais da água contida no material (umidade) e da

presença de íons (composição química) do que da espessura da parede da fibra ou

quantidade de madeira (massa específica) propriamente dita, podendo ser

comprovado comparando a medida da umidade em um medidor elétrico para duas

madeiras de massa específica semelhante no Gráfico 02.

GRÁFICO 02 – COMPARAÇÃO ENTRE O TEOR DE UMIDADE REAL E O TEOR DE
 UMIDADE OBTIDA NO MEDIDOR ELÉTRICO

0

20

40

60

80

100

10 20 30 40 50 60 70
U midade Real (% )

M
ed

id
or

 E
lé

tr
ic

o
(%

)

C UMAR U IPÊ

Fonte Ivaldo Jankovisky - revista VETAS Ano III No2

Prof. Dr. Ricardo Jorge Klitzke

33

Os medidores elétricos utilizam agulhas que devem ser cravadas

paralelamente à direção das fibras, porque dependendo da espécie de madeira a

resistividade pode ser duas ou três vezes maior na direção normal às fibras. As

agulhas devem penetrar na madeira aproximadamente 1/3 da espessura da peça

devido a presença de gradientes de umidade na mesma, obtendo-se desta forma o

teor de umidade médio existente na madeira.

Os medidores dão resultados menos acurados que o método da estufa, porém

o teor de umidade pode ser determinado imediatamente. Normalmente, a escala dos

medidores oscila de 5 a 30% de umidade, porque acima do PSF a variação da

resistência é praticamente constante. na Figura 07, pode-se observar um medidor

elétrico utilizado para medir a umidade na industria.

FIGURA 07 – MEDIDOR ELÉTRICO UTILIZADO PAR MEDIR A UMIDADE DA MADERIA

3.3 FATORES INERENTES AO AMBIENTE DE SECAGEM

Tanto na secagem em estufa como na secagem ao ar livre a água é removida

da superfície da madeira por evaporação. A velocidade de evaporação é controlada

Prof. Dr. Ricardo Jorge Klitzke

34

pela temperatura, umidade relativa e pela velocidade do ar que passa pela pilha de

madeira. Para entender a mecânica do processo de secagem é necessário

familiarizar-se com as leis da evaporação e suas relações com os parâmetros de

controle.

3.3.1 TEMPERATURA

O calor é necessário para evaporar a umidade da madeira. Quanto mais alta a

temperatura do ar maior é a taxa de saída de umidade do interior da madeira para a

superfície. Fisicamente o calor é a fonte de energia da qual as moléculas de água

contidas na madeira adquirem energia cinética necessária para sua evaporação. A

velocidade de evaporação depende da quantidade de energia (calor) aplicada por

unidade de tempo e da capacidade do meio (ar) para absorver umidade da madeira.

No interior da peça de madeira também ocorre um incremento no coeficiente

de circulação das moléculas de água. Ex.: a 80OC a velocidade das moléculas de

água é cinco (5) vezes maior que a 25OC. Conclui-se, portanto que a temperatura é

um fator de aceleração da evaporação já que, quanto mais elevada a temperatura do

ambiente que cerca a madeira, mais intensa será a evaporação posto que o ar poderá

absorver mais umidade.

Em estufa a energia fornecida é por convecção, enquanto que na secagem ao

ar livre a energia é fornecida por radiação direta do sol, elevando a temperatura da

superfície da peça de madeira gerando defeitos (empenamentos e

rachaduras),devido o gradiente de umidade gerado e pela constante variação de

contração e inchamento da peça de madeira. É importante ressaltar que a

temperatura mais a umidade relativa do ar irão determinar o clima na estufa de

secagem e o equilíbrio do conteúdo de umidade da madeira.

O controle da temperatura para muitas espécies é o fator de maior influência

no processo de secagem. Madeiras medianas ou leves (coníferas) a temperatura

ideal para obter uma qualidade excelente da madeira fica em torno de 70 a 90OC.

Para uma qualidade regular pode chegar a uma temperatura de 120OC. Para madeira

de peso médio e pesadas a temperatura fica em torno de 60 a 80OC. Algumas

Prof. Dr. Ricardo Jorge Klitzke

35

espécies de folhosas sofrem descoloração com umidade relativa acima de 65% e

temperaturas acima de 60OC, devidas reações químicas ocorridas com a lignina e as

polioses. A temperatura é medida em estufa por meio de um termômetro de bulbo

seco (TBS), do psicrômetro em OC. a seguir será apresentada a transformação de

grau Fahrenheit em grau Centígrado:

)32F(
9
5C OO −×=

Onde:
oC – graus Celsius
oF – graus Fahrenhei

3.3.2 CARACTERÍSTICAS DO AR

O ar tem peso e, portanto, exerce uma pressão sobre a superfície terrestre. Se

pesar uma coluna de ar de um centímetro quadrado de seção que se estenda desde

da superfície da terra até o limite exterior da atmosfera, se encontraria um peso de

1033kg ou seja 1033kg/cm2 sobre a superfície da terra. Esta é uma pressão

equivalente a de uma coluna de 76cm de mercúrio (HG) ou de uma coluna de água

de 10,33m. O ar contém vários gases entre eles temos: Nitrogênio (N2), Oxigênio

(O2), e outros. Entre os outros gases temos o vapor d’água.

A pressão de vapor d’água em determinado ambiente, determina o

movimento da umidade e portanto a velocidade de secagem da madeira. Nem todas

as moléculas têm a mesma velocidade algumas se movem mais rápidas outras mais

lentas. Quando as moléculas com alta velocidade alcançam a superfície da madeira,

sua energia cinética alcançada lhe permite vencer a força de tração da molécula

escapando do líquido na forma de vapor. Retornando a forma líquida ao encontrar

com a superfície do líquido (condensação).
Carregar mais