Aprender Antropologia
172 pág.

Aprender Antropologia

Disciplina:Antropologia3.976 materiais41.921 seguidores
Pré-visualização46 páginas
monocultural. E no entanto,
para que o pro´prio empreendimento que caracteriza ”nossa disciplina, na˜o
apenas como experieˆncia e como aventura, mas como cieˆncia, seja poss´ıvel,
algo desse pensamento ocidental tera´ sido utilizado como mediador e como
instrumento: na˜o uma cultura (a nossa) que serviria de referencial absoluto
e daria sentido a fenoˆmenos que inicialmente na˜o tinham, e sim um me´todo,
ocidental, e´ claro, pela sua origem histo´rica e cultural, mas que subverte a
racionalidade ocidental.5

5Seria ta˜o absurdo dizer que a antropologia, que nasceu no Ocidente, e´ indefectivel-
mente ocidentalo-ceˆntrica, como dizer que a psicana´lise, que nasceu em Viena, e´ espec´ıfica
e exclusivamente vienense. Se a antropologia e´ ”filha do colonialismo”, ”nada seria mais
falso”, como escreve Le´vi-Strauss (1973), ”do que considera´-la como a u´ltima reencarnac¸a˜o
do esp´ırito colonial”.

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Highlight

Andre Sobrinho
Highlight

160CAPI´TULO 19. AS TENSO˜ES CONSTITUTIVAS DA PRA´TICA ANTROPOLO´GICA:

Dito isso, a lo´gica das condutas e das insttiuic¸o˜es que o etno´logo procura evi-
denciar tambe´m na˜o se confunde com os sistemas de interpretac¸o˜es auto´ctones,
com os modelos conscientes, ”feitos em casa”(Le´vi-Strauss), com os geˆneros
que sa˜o classificac¸o˜es ind´ıgenas expl´ıcitas. Sistemas de interpretac¸o˜es auto´ctones,
modelos conscientes e geˆneros sa˜o frequ¨entemente deformac¸o˜es e raciona-
lizac¸o˜es de estruturas inconscientes (que fornecem no entanto possibilidades
de acesso a estas u´ltimas), e este e´ o n´ıvel de inteligibilidade que a antropo-
logia pretende alcanc¸ar: na˜o o consciente, mas o inconsciente em sua relac¸a˜o
com o consciente, o tipo em sua relac¸a˜o com o geˆnero, etc.

Concluiremos essas reflexo˜es com as observac¸o˜es seguintes. As pra´ticas simbo´licas
e os discursos vividos (que podem ser sistematizados em qualquer lugar, pois
cada sociedade tem seus pro´prios teo´ricos) na˜o sa˜o interpretados pela antro-
pologia segundo a maneira como seus atores sociais os vivem, nem segundo
a maneira com a qual os observadores os percebem. Isso na˜o significa que o
antropo´logo seja o homem de nenhum lugar, e que a antropologia seja uma
metalinguagem. O conhecimento antropolo´gico surge do encontro, na˜o ape-
nas de dois discursos expl´ıcitos, mas de dois inconscientes em espelho, que
espelham uma imagem deformada. E´ o discurso sobre a diferenc¸a (e sobre
minha diferenc¸a) baseado em uma pra´tica da diferenc¸a que trabalha sobre os
limites e as fronteiras.

Tomemos o exemplo de uma conduta que na˜o e´ minha, como a feitic¸aria, e
que pertence seja a uma ”matriz prima´ria”de uma sociedade outra, seja a um
segmento marginal de uma sociedade minha. Seu significado antropolo´gico
so´ pode ser apreendido relacionando-a aquilo que para minha sociedade tem
um sentido, ou aquilo que a pra´tica e a lo´gica da feitic¸aria dizem por si mes-
mas, nos gestos e discursos dos interessados, mas na sua junc¸a˜o e na sua
intersecc¸a˜o.

Nesse caso espec´ıfico, a realidade, para o antropo´logo, constitui-se do con-
fronto de dois discursos interpretativos que se juntam, e constituem, o pri-
meiro, a realidade normalizante do discurso ”erudito”(do psiquiatra, do pa-
dre, do professor prima´rio. . .), o segundo, a realidade alucinada e desviante,
mas que e´ tambe´m a expressa˜o de uma realidade social. A antropologia,
portanto, so´ comec¸a a adquirir um estatuto cient´ıfico partir do momento em
que integra, para analisa´-lo, esse envolvimento do pesquisador (ao mesmo
tempo psicoafetivo e so´cio-histo´rico) a`s voltas com a diferenc¸a.

Resumiremos da seguinte forma essa ambigu¨idade e essa tensa˜o (que atua
evidentemente muito mais no estudo dos sistemas de representac¸o˜es e valo-

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Highlight

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Underline

Andre Sobrinho
Highlight

19.3. O CONCRETO E O ABSTRATO 161

res do que da cultura material). Na˜o posso ser ao mesmo tempo eu mesmo e
um outro, e no entanto, para ser totalmente eu, eu devo tambe´m sair de mim
a fim de apreender uma figura recalcada, mas poss´ıvel- de mim. Na˜o posso
situar-me simultaneamente dentro e fora de minha sociedade, e no entanto,
para compreender minha sociedade no que nunca diz de si pro´pria por que
na˜o o percebe, devo fazer a experieˆncia de uma descentrac¸a˜o radical.

Finalmente essa atividade continua interrogando-me na pro´pria atividade
pela qual contribuo a fabrica´-la como objeto cient´ıfico.

* * *

A separac¸a˜o teolo´gica, filoso´fica, e depois cient´ıfica, do homem e da natu-
reza (especialmente os animais, mas tambe´m nossa animalidade), do homem
e de seu semelhante, a separac¸a˜o do sujeito e do objeto, do sens´ıvel e do
intelig´ıvel, constituem os termos de uma tensa˜o que, a meu ver, na˜o admite
resoluc¸a˜o em uma unidade superior como em Hegel. Esses termos, a na˜o ser
em uma soluc¸a˜o fisiolo´gica, formam uma complementaridade conflitual, mas
na˜o uma ”diale´tica”, conceito para o qual se apela (na verdade, cada vez me-
nos) quando se procura uma receita, uma tre´gua poss´ıvel, e que tem, como
diz Jean Grenier, ”uma virtude ma´gica infal´ıvel”. Sa˜o as diferentes dosagens
realizadas, as diferentes combinac¸o˜es obtidas entre uma compreensa˜o ”por
dentro”e uma compreensa˜o ”por fora”, entre a alteridade e a identidade, a
diferenc¸a e a unidade, a subjetividade e a objetividade (mas tambe´m a sin-
cronia e a diacronia, a estrutura e o evento) que comandam o pluralismo
antropolo´gico, mas tambe´m as incompreenso˜es, ou mesmo as discordaˆncias
entre antropo´logos. Se, por exemplo, minimizo a alteridade cultural, arrisco-
me a realizar uma atividade de descodificac¸a˜o, isto e´, de transcric¸a˜o de um
discurso em outro. Mas ao superestimar essa alteridade (ponto de vista do
culturalismo), torno totalmente imposs´ıvel e impensa´vel aquilo que precisa-
mente fundamenta o projeto antropolo´gico: a comunicac¸a˜o dos seres e das
culturas.

A aposta da antropologia e´ precisamente a de viver esse movimento ininter-
rupto. Na˜o pretendo pessoalmente teˆ-lo conseguido profissionalmente. Digo
apenas que tentei essa experieˆncia. Esse empreendimento, por mais exigente
e cheio de armadilhas que seja, na˜o tem nada de imposs´ıvel. Roger Bastide
entendeu de dentro o que chamava de ”pensamento obscuro e confuso”dos
s´ımbolos, e, mais que qualquer um, empenhou-se no pensamento ”claro e
distinto”dos conceitos. Totalmente integrado ao candomble´ brasileiro, ele foi
totalmente antropo´logo.

Andre Sobrinho
Underline

162CAPI´TULO 19. AS TENSO˜ES CONSTITUTIVAS DA PRA´TICA ANTROPOLO´GICA:

A fixac¸a˜o sobre um po´lo em detrimento de outro, a rejeic¸a˜o dessas tenso˜es
que constituem contradic¸o˜es estimuladoras, as soluc¸o˜es de meio-termo e de
compromisso levam inelutavelmente a acabar com a especificidade de nossa
disciplina – que ocupa um lugar todo particular nas cieˆncias humanas – e
a todas as espe´cies de desvios ideolo´gicos. Demonstram a recusa ou a im-
possibilidade de enfrentar as dificuldades (que sa˜o tambe´m chances a ser
aproveitadas e exploradas) inerentes a` pra´ticas da antropologia.

Fortaleza (Brasil), setembro de 1984 Lyon, abril de 1985

Cap´ıtulo 20

Sobre o autor:

Franc¸ois Laplantine e´ professor de Etnologia na Universidade de Lyon II. E´
autor de A Etnopsiquiatria (E´ditions Universitaires, 1973), As Treˆs Vozes do
Imagina´rio: o mecanismo, a possessa˜o e a utopia (E´ditions Universitaires,
1974), A Cultura do Psiou O Desmoronamento dos Mitos (Privat, 1975),
A Filosofia e a Violeˆncia (Presses Universitaires de France, 1976), Doenc¸as
Mentais e Terapeˆuticas Tradicionais na A´frica Negra (E´ditions Universitaires,
1976), A Medicina Popular na Franc¸a Rural Hoje (E´ditions Universitaires,
1978), Um Vidente na Cidade: estudo antropolo´gico do gabinete de consul-
tas de um vidente contemporaˆneo (E´ditions Payot,