A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
204 pág.
teorias_da_aprendizagem_online

Pré-visualização | Página 25 de 50

qual muitas vezes adquire o 
peso do envolvimento possessivo. Muitas vezes ótimos professores não conseguem 
ensinar seus próprios filhos devido a grande paixão que sentem um pelo outro, o 
que faz com que não direcione e não organize o aprendizado.
O afeto, desse modo, vai muito além de dar beijinho, elogiar e acarinhar. 
Muitas vezes o afeto é demonstrado de forma contrária: quando o professor é 
severo. Se ele é justo e chama a atenção de forma respeitosa, o aluno passa a 
admirá-lo e busca não decepcioná-lo. 
Um dos pontos importantes em todo o processo de ensino-aprendizagem é 
que o aluno compreenda o quanto o professor se compromete e se importa com 
ele. A criança precisa acreditar em si para melhorar a imagem que ela tem dela 
mesma. Dessa forma, quando há incentivo, as pessoas se sentem capazes e essa 
capacidade deve ser estimulada a todo o momento.
A Educação, quando trata do lado emocional, é considerada importantíssima, 
pois melhora a motivação e a socialização e faz do indivíduo um ser capaz de 
reconhecer seus erros e acertos.
Teorias da Aprendizagem
78
Assim, é preciso dar espaço para que a criança tenha seus próprios 
sentimentos, sem por isso ser julgada, ajudando a expressá-los de maneira 
socialmente aceitável. Não é errado nem feio sentir raiva. O que pode ser reprovado 
é a expressão inadequada da raiva, como bater em alguém. 
Como sabemos, a emoção é essencial ao indivíduo e a afetividade é o 
combustível das ações provocadas pelas emoções. 
Relação professor–aluno na sala de aula
É de responsabilidade da escola democrática dar condições para os alunos 
continuarem estudando e aprendendo durante toda a vida, valorizando o respeito 
pelos companheiros, a solidariedade, a capacidade de participação em atividades 
coletivas, bem como acreditar nas transformações da sociedade, fazendo 
com que suas ações e palavras tenham sentido, tendo também consciência da 
importância do sentimento de coletividade onde todos se preocupam com o bem 
de cada um e de todos.
Dessa forma, cabe ao professor, como parte integrante da escola, ter a 
responsabilidade e o compromisso com o aluno, dando apoio para que este se torne 
um cidadão participativo na sociedade como um todo. Libâneo (1994, p. 251), nos 
diz que a característica mais importante da atividade profissional do professor é a 
mediação entre o aluno e a sociedade. 
Segundo o autor, o professor prepara o aluno para que este possa fazer 
uma relação do que já conhece (sua origem) com o que virá a conhecer (o que 
o meio tem a lhe oferecer). Para tanto, o professor precisa colocar o aluno como 
centro em todo o processo de elaboração das suas aulas e ter consciência da sua 
responsabilidade educativa, considerando o aluno desde o planejamento até o 
momento de avaliação da aprendizagem.
Fora do círculo familiar, a escola é o primeiro agente socializador e, 
para que ela ofereça todas as condições necessárias para que a criança se sinta 
segura e protegida, é necessária a presença de um educador consciente do seu 
profissionalismo. É preciso que o professor tenha consciência de que ao entrar na 
escola pela primeira vez, a criança tem a necessidade de ser bem recebida, pois 
é nesse momento que há um rompimento com sua vida familiar, dando início a 
um novo momento. 
Para que esse momento inicial se dê de forma tranqüila, o professor precisa 
perceber algumas coisas que a criança gosta, ou melhor, que a criança traz de seu 
meio original e aproveitar tais características para estimular a aprendizagem. Isto 
torna o professor mais próximo de seus alunos.
Porém, na maioria das vezes, a criança percebe quando o professor gosta dela 
e acaba por tirar proveito dessa situação. O professor deve mostrar que gostar não 
significa fazer todas as vontades, mas agir com paciência, dedicação e afeto para 
que o aprendizado se torne muito mais prazeroso e efetivo. Até porque, quando há 
autoritarismo, o desinteresse pelo aprendizado acaba sendo inevitável.
A teoria de Henri Wallon
79
Em muitos momentos de hostilidade dos alunos, o professor acaba cometendo 
atitudes equivocadas. É preciso manter a calma, dialogar com o aluno e tentar 
perceber o que está acontecendo. O professor, ao demonstrar por meio de muita 
paciência seu interesse em ajudar a resolver a situação, se torna parte essencial de 
um bom relacionamento entre professor e aluno.
Outra questão muito importante no processo de ensino-aprendizagem é 
nunca, em hipótese alguma, rotular o aluno, dizendo que ele é “terrível”, “muito 
bagunceiro”. Esse tipo de definição pessoal é internalizado pelo aluno, e leva a 
acreditar que ele é assim e pronto. O professor é parte principal no processo de 
construção da auto-estima do aluno e rótulos só farão retardar e dificultar um 
processo significativo de construção. Aceitar as diferenças, respeitar e valorizar 
sem discriminar e comparar, ajuda para que se tenha um desenvolvimento 
afetivo valoroso. 
De acordo com Saltini (1997, p. 91),
a serenidade e a paciência do educador, mesmo em situações difíceis faz parte da paz que 
a criança necessita. Observar a ansiedade, a perda de controle e a instabilidade de humor, 
vai assegurar à criança ser o continente de seus próprios conflitos e raivas, sem explodir, 
elaborando-os sozinha ou em conjunto com o educador. A serenidade faz parte do conjunto 
de sensações e percepções que garantem a elaboração de nossas raivas e conflitos. Ela 
conduz ao conhecimento de si mesmo, tanto do educador quanto da criança. 
Assim temos que o professor precisa ter consciência de que suas atitudes 
são fundamentais para que se tenha um bom trabalho e que a partir de atitudes de 
respeito, ele consiga contagiar todos os alunos e esses, por sua vez, se conscientizem 
de que as emoções são sentimentos importantes, que fazem parte do cotidiano 
escolar, mas que precisam ser mediadas de alguma maneira.
De acordo com Libâneo (1994, p. 249), o trabalho docente é organizado 
levando-se em conta aspectos cognitivos e afetivos. A relação entre professores 
e alunos faz parte dos objetivos do processo de ensino. Essa relação não se 
restringe à transmissão e assimilação, pois leva em conta o conjunto, promovendo 
a valorização do outro. 
Segundo o mesmo autor, no trabalho docente deve-se levar em consideração 
dois aspectos:
 o cognoscitivo – as formas de comunicação dos conteúdos escolares e as 
tarefas indicadas aos alunos; e
 o socioemocional – as relações pessoais entre o professor e o aluno e as 
normas disciplinares indispensáveis ao trabalho docente.
Aspectos cognoscitivos da interação
Os aspectos cognoscitivos estão presentes no momento de ensinar e de 
aprender, na transmissão e na assimilação de conhecimento. Ou seja, cabe ao 
professor, em suas aulas, ter em vista tarefas cognoscitivas para os alunos como 
objetivo da aula, conteúdos, exercícios. Quanto aos alunos, eles têm um nível de 
conhecimento e potencialidades cognoscitivas determinados de acordo com o 
Teorias da Aprendizagem
80
desenvolvimento mental, idade e experiência de vida. Assim, o trabalho docente 
se dá por uma via de mão-dupla entre as tarefas propostas pelo professor e o nível 
de preparo dos alunos para resolverem as tarefas.
Para que a interação entre os dois grupos seja feita de forma inteligível, é 
preciso que o professor transmita os conteúdos de forma clara e compreensível, 
formule perguntas que o aluno possa entender. Ficando claro que não se espera total 
entendimento entre o professor e o aluno, devido a outros fatores pedagógicos.
O professor, desta forma, é visto como aquele que ouve, dá atenção, 
responde às questões dos alunos, se preocupa com seu modo de expressar e com o 
modo como o aluno se expressa. Por meio das opiniões, dos questionamentos dos 
alunos, das respostas, das dificuldades e da assimilação dos conteúdos ao longo da 
disciplina é