Direito a Liberdade Pessoal  - Presídio Miguel Castro Castro Vs. Peru
136 pág.

Direito a Liberdade Pessoal - Presídio Miguel Castro Castro Vs. Peru


DisciplinaDireito Internacional5.674 materiais45.437 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Juizado Penal Supraprovincial
197.69. Em 31 de maio de 2005, a Promotoria Especializada para Desaparecimentos Forçados, Execuções 
Extrajudiciais e Exumação de Fossas Clandestinas apresentou a denúncia penal N° 35-02 pelo Crime contra 
a Vida, o Corpo e a Saúde, Homicídio Quali\ufb01 cado, em detrimento de supostas vítimas falecidas deste caso, 
baseada em fatos ocorridos no Presídio Miguel Castro Castro entre 6 e 10 de maio de 1992.111
197.70. Em 16 de junho de 2005, o Segundo Juizado Penal Supraprovincial expediu o Auto de Abertura de Instrução 
do processo No 0045-2005, correspondente à investigação dos fatos suscitados no Presídio Castro Castro 
entre os dias 6 e 9 de maio de 1992, contra Juan Briones Dávila (ex-ministro do Interior), Adolfo Cuba e 
Escobedo (ex-diretor-geral da Polícia Nacional), Miguel Barriga Gallardo (General da Polícia Nacional do Peru), 
Teó\ufb01 lo Vásquez (Coronel da Polícia Nacional do Peru), Tenente-General Federico Gonzalo Hurtado Esquerre 
(ex-chefe do DINOES da Polícia Nacional do Peru), Coronel Jesús Artemio Konja Chacon (Comandante da 
Polícia Nacional do Peru em 1992), General Alfredo Vivanco Pinto (Coronel da Polícia Nacional do Peru), 
Coronel Jesús Manuel Pajuelo García (Subchefe da \u201cOperação Mudança 1\u201d), Comandante Jorge Luis 
Lamela Rodríguez, Major Félix Guilleromo Lizarraga Lazo, Coronel Estuardo Napoleón Mestanza Bautista 
e Major José Raúl Málaga Johnson por Crimes contra a Vida, o Corpo e a Saúde, Homicídio Quali\ufb01 cado \u2013 
Assassinato, e contra Gabino Marcelo Cajahuanca Parra (ex-diretor do Presídio Miguel Castro Castro) pelo 
crime de Omissão Imprópria de Homicídio Quali\ufb01 cado\u2013Assassinato, em detrimento de supostas vítimas 
falecidas deste caso. Além disso, contra cada um dos acusados foi expedido mandado de comparecimento 
restrito, e ordenou-se realizar determinadas diligências, tais como declarações de instrução dos acusados, 
declarações testemunhais e declarações preventivas dos familiares mais próximos das vítimas.112
197.71. Em 7 de novembro de 2005, o Segundo Juizado Penal Supraprovincial declarou complexo o processo No 
0045-2005, devido à quantidade de meios de prova pendentes de prática, a pluralidade de processados e 
agravados, o número de fatos matéria de instrução e a gravidade do delito matéria da investigação judicial. 
Também ordenou ampliar o prazo da instrução por seis meses, a \ufb01 m de que se realizassem determinadas 
diligências, tais como declaração de instrução de um processado, recebimento de declaração testemunhal 
de 45 pessoas e diligências de rati\ufb01 cação pericial e inspeção judicial.113
197.72. Em 16 de novembro de 2005, o Segundo Juizado Penal Supraprovincial revogou o mandado de 
comparecimento restrito e expediu Mandado de Detenção contra o senhor Federico Hurtado Esquerre, uma 
vez que esse acusado não se apresentou para prestar declaração.114
197.73. Em 25 de maio de 2006, o Segundo Juizado Penal Supraprovincial ampliou o processo penal pelo prazo de 
sessenta dias, para que se realizassem diligências.115
197.74. Durante a audiência pública realizada perante a Corte Interamericana em 26 e 27 de junho de 2006, o 
senhor Omar Antonio Pimentel Calle, Juiz do Segundo Juizado Penal Supraprovincial, que formalizou a 
investigação judicial no foro interno dos fatos matéria do presente caso, declarou quais foram as diligências 
realizadas: recebimento de 12 declarações de instrução de processados e de 106 declarações testemunhais 
de efetivos policiais e de internos que presenciaram os fatos; rati\ufb01 cação pericial por parte de oito médicos 
legistas signatários dos protocolos de necropsia dos internos assassinados com violência; rati\ufb01 cação 
pericial por parte de oito peritos em balística signatários dos laudos periciais de balística forense dos 
internos assassinados com violência; 15 diligências de confrontação entre os acusados, bem como entre 
estes e testemunhas; duas diligências de declarações preventivas de familiares de agravados, que foram 
os únicos que compareceram em pessoa à instância e se constituíram em parte civil; inspeção judicial no 
Presídio Miguel Castro Castro, que contou com a participação e presença dos processados, alguns internos 
testemunhas, médicos legistas e peritos; e reconhecimento de vítimas no âmbito da investigação preliminar. 
Além disso, salientou que vêm sendo realizadas ações destinadas a: localizar as armas apreendidas no 
111. Cf. denúncia apresentada pela Promotoria Especializada em Desaparecimentos Forçados, Execuções Extrajudiciais e Exumação de Fossas 
Clandestinas em 31 de maio de 2005 (expediente de anexos ao escrito de contestação da demanda, folha 5.303). 
112. Cf. auto de abertura de instrução expedido pelo Segundo Juizado Supraprovincial do Peru em 16 de junho de 2005 (expediente de anexos 
do escrito de contestação da demanda, folhas 5.373 a 5.477). 
113. Cf. auto de Declaração de Complexidade do Processo expedido pelo Segundo Juizado Supraprovincial do Peru em 7 de novembro de 2005 
(expediente de anexos do escrito de contestação da demanda, folha 5.479). 
114. Cf. declaração testemunhal prestada por Omar Antonio Pimentel Calle na audiência pública perante a Corte Interamericana, realizada em 
26 e 27 de junho de 2006; e escrito de alegações \ufb01 nais do Estado (expediente sobre mérito e eventuais reparações e custas, tomo IX, folha 
2.733). 
115. Cf. escrito de alegações \ufb01 nais do Estado (expediente sobre mérito e eventuais reparações e custas, tomo IX, folha 2.733). 
152
JURISPRUDÊNCIA DA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS
encerramento da \u201cOperação Mudança 1\u201d; estabelecer a localização dos projéteis de armas de fogo retirados 
dos corpos dos assassinados com violência, bem como os encontrados nas instalações dos pavilhões 1A e 
4B, na rotunda e no terreno da \u201cterra de ninguém\u201d, que permitirão a homologação para determinar a arma 
empregada; obter informação sobre o armamento destinado ao pessoal interveniente, bem como os nomes 
desse pessoal, inclusive o designado às diversas unidades policiais participantes da \u201coperação\u201d tais como 
DINOES, UDEX, SUAT e USE.116
197.75. Em 29 de agosto de 2006, o Segundo Juizado Penal Supraprovincial ordenou \u201cabrir instrução na via ordinária 
contra Alberto Fujimori Fujimori, como suposto autor do Crime contra a Vida, o Corpo e a Saúde, na modalidade 
de Homicídio Quali\ufb01 cado, em detrimento de [40 supostas vítimas falecidas neste caso]\u201d. Também decretou 
contra ele \u201ca medida de coação pessoal de DETENÇÃO, ordenando-se a imediata localização e captura em âmbito 
nacional e internacional\u201d, e se ordenou proceder ao embargo preventivo de bens móveis e imóveis e das contas 
bancárias. Finalmente, foi ordenada a realização de determinadas diligências como declarações testemunhais, 
protocolos de necropsias, laudos periciais e a coleta de informação sobre o pessoal que trabalhou no mês de 
maio no Presídio Castro Castro, bem como sobre os internos que nele se encontravam na época dos fatos.117
Custas e gastos
197.76. As supostas vítimas e seus representantes realizaram gestões e diligências e \ufb01 nanciaram os gastos relativos 
a sua tramitação perante o Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos.118
IX
A responsabilidade internacional do Estado no contexto do presente caso
198. Conforme se salientou (par. 148 supra), o reconhecimento de responsabilidade por parte do Estado constitui 
uma contribuição positiva para o desenvolvimento desse processo e a vigência dos princípios que inspiram a 
Convenção Americana.
199. Esse reconhecimento pode também ter grande relevância no âmbito interno, pois os fatos que o Estado 
reconhece no processo perante esta Corte, ou seja, mais de 14 anos depois de ocorridos, caracterizam-se por 
ser sumamente graves e por se tratar de ações realizadas de forma direta por agentes do Estado, que implicam, 
por conseguinte, graves violações dos direitos humanos protegidos pela Convenção Americana. Durante