Direito a Liberdade Pessoal  - Presídio Miguel Castro Castro Vs. Peru
136 pág.

Direito a Liberdade Pessoal - Presídio Miguel Castro Castro Vs. Peru


DisciplinaDireito Internacional5.674 materiais45.437 seguidores
Pré-visualização50 páginas
o referido anexo, em 31 de maio de 2006, o senhor 
Douglass Cassel solicitou à Comissão que, de acordo com o artigo 69 de seu Regulamento, e para os efeitos da 
audiência que se realizaria perante a Corte em 26 e 27 de junho de 2006, designasse a peticionária Sabina Astete 
como delegada da Comissão e os advogados Douglass Cassel e Sean O´Brien como delegados ou assistentes.
73. Em 8 de junho de 2006, a interveniente comum enviou cópia dos depoimentos escritos das testemunhas Michael 
Stephen Bronstein e Luis F. Jiménez (par. 65 supra). A Secretaria, seguindo instruções do Presidente, solicitou-lhe 
que remetesse o depoimento do senhor Michael Stephen Bronstein no idioma espanhol com a maior brevidade 
possível.
74. Em 9 de junho de 2006, a Secretaria, seguindo instruções do Presidente em consulta com os juízes, enviou 
nota à Comissão em relação aos escritos de 5 e 7 de junho de 2006 (par. 70 e 72 supra), na qual a informou de 
que a decisão sobre a composição de sua delegação para a audiência pública cabia à própria Comissão, já que 
se trata de uma situação claramente prevista e resolvida no artigo 69.2 de seu Regulamento, e o senhor Cassel 
invocou expressamente a norma aplicável a essa situação. Também se informou a Comissão de que a Corte não 
via inconveniente em que se atendesse, no presente caso, à disposição constante do Regulamento da Comissão, 
da forma que esta considerasse pertinente.
75. Em 9 de junho de 2006, a interveniente comum solicitou prorrogação para a apresentação dos depoimentos e 
perícias mediante declaração prestada perante notário público que ainda não haviam sido enviados ao Tribunal, 
em resposta ao disposto na resolução emitida pelo Presidente em 24 de maio de 2006 (par. 65 supra). Seguindo 
instruções do Presidente, concedeu-se a prorrogação até 16 de junho de 2006.
76. Em 9 de junho de 2006, a Comissão solicitou prorrogação para a apresentação do depoimento do senhor 
Wilfredo Pedraza mediante declaração prestada perante notário público, em resposta ao disposto na resolução 
emitida pelo Presidente em 24 de maio de 2006 (par. 65 supra). Seguindo instruções do Presidente, concedeu-se 
a prorrogação até 21 de junho de 2006.
77. Em 11 de junho de 2006, a interveniente comum enviou cópia do depoimento escrito da testemunha Osilia 
Ernestina Cruzatt viúva de Juárez (par. 65 supra).
78. Em 12 de junho de 2006, a interveniente comum apresentou um escrito e o respectivo anexo, mediante os quais 
manifestou \u201csua posição\u201d em relação ao pedido \u201cda senhora [Sabina] Astete e do [senhor] Douglass Cassel para 
serem designados delegados da Comissão Interamericana\u201d na audiência pública convocada no presente caso 
(par. 70 e 72 supra). A esse respeito, seguindo instruções do Presidente, foi ela informada de que seu escrito fora 
transmitido à Comissão, para os efeitos pertinentes.
79. Em 13 de junho de 2006, a interveniente comum enviou cópias dos depoimentos escritos das testemunhas Eva 
Sofía Challco Hurtado e Luz Liliana Peralta Saldarriaga (par. 65 supra).
80. Em 13 de junho de 2006, a Associação de Familiares de Presos Políticos Desaparecidos e Vítimas de Genocídio, 
em resposta à prova para melhor resolver solicitada pelo Presidente (par. 65 supra), remeteu cópia dos 
depoimentos escritos das testemunhas Nieves Miriam Rodríguez Peralta, Madelein Escolástica Valle Rivera e 
Alfredo Poccorpachi Vallejos. Também apresentou um disco compacto com a gravação desses depoimentos.
108
JURISPRUDÊNCIA DA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS
81. Em 13 de junho de 2006, o senhor César Mamani Valverde, em resposta ao pedido de prova para melhor resolver 
formulado pelo Presidente (par. 65 supra), enviou seu depoimento escrito.
82. Em 16 de junho de 2006, a interveniente comum remeteu cópia dos depoimentos escritos das senhoras Edith 
Adriana Tinta Junco de Feria (par. 65 supra) e Rubeth Feria Tinta. A respeito do depoimento desta última, salientou 
que \u201c[e]mbora [esse a]f\ufb01 davit não tenha sido oferecido [\u2026], se fez necessário, pois [a interveniente comum] 
achou difícil fazer perguntas à sua [\u2026] mãe\u201d, razão pela qual solicitou ao Tribunal que aceitasse esse depoimento 
\u201ccomo complement[ar]\u201d ao depoimento da senhora Edith Tinta. A Secretaria informou à interveniente comum 
que essa solicitação seria levada ao conhecimento da Corte para os efeitos pertinentes.
83. Em 17 de junho de 2006, a interveniente comum enviou cópia do depoimento da testemunha Raúl Basilio Gil 
Orihuela (par. 65 supra). Também solicitou prorrogação para a apresentação dos depoimentos dos senhores 
Rosario Falconí, Jesús Angel Julcarima, Gustavo Chávez Hun e Mercedes Villaverde mediante declaração 
prestada perante notário público, em resposta ao disposto na resolução emitida pelo Presidente em 24 de maio 
de 2006 (par. 65 supra). A Secretaria, seguindo instruções do Presidente, solicitou à representante que enviasse 
esses depoimentos com a brevidade possível.
84. Em 19 de junho de 2006, o perito Christopher Birkbeck remeteu seu depoimento escrito (par. 65 supra).
85. Em 20 de junho de 2006, a Comissão apresentou um escrito mediante o qual desistiu da apresentação do 
depoimento escrito do senhor Wilfredo Pedraza (par. 65 e 76 supra), uma vez que esse senhor informou a 
Comissão de que \u201capesar da prorrogação concedida pela [\u2026] Corte [\u2026], por limitações de tempo não lhe 
ser[ia] possível cumprir o solicitado\u201d. Nesse mesmo dia, a Comissão apresentou um escrito mediante o 
qual informou que \u201cnão t[inha] observações a fazer sobre os depoimentos dos senhores Michael Stephen 
Bronstein [par. 73 supra], Osilia Ernestina Cruzatt viúva de Juárez [par. 77 supra], Eva Sofía Challco Hurtado, 
Luz Liliana Peralta Saldarriaga, Nieves Miriam Rodríguez Peralta, Madelein Escolástica Valle Rivera, Alfredo 
Poccorpachi Vallejos e César Mamani Valverde\u201d (par. 79 supra). Além disso, nesse escrito apresentou 
observações sobre o depoimento do senhor Luis F. Jiménez (par. 73 supra) e, inter alia, solicitou à Corte 
\u201cincorporar ao acervo probatório unicamente os elementos do depoimento que cumpr[issem] o objetivo 
determinado pelo Tribunal\u201d.
86. Em 21 de junho de 2006, a interveniente comum apresentou um escrito mediante o qual enviou cópia dos laudos 
periciais da senhora Ana Deutsch e do senhor José Quiroga (par. 65 supra).
87. Em 24 de junho de 2006, a interveniente comum enviou cópia completa do depoimento escrito da testemunha 
Jesús Ángel Julcarima Antonio (par. 65 supra).
88. Em 25 de junho de 2006, a interveniente comum apresentou um escrito no qual formulou uma \u201cobjeção à 
participação do senhor Diego García-Sayán como juiz no presente caso\u201d, por considerar que haveria impedimento 
para isso. A interveniente declarou, inter alia, que o Juiz García-Sayán foi Ministro da Justiça e das Relações 
Exteriores do Peru, e como tal, teve \u201cresponsabilidade como funcionário pelas políticas e decisões do Estado 
peruano em relação à investigação ou falta de investigação dos fatos\u201d.
89. Em 25 de junho de 2006, o Peru apresentou um escrito mediante o qual manifestou sua \u201cobjeção\u201d à pretensão 
da interveniente comum (par. 88 supra).
90. Em 25 de junho de 2006, a Corte expediu uma resolução mediante a qual \u201cindefer[iu] por ser improcedente a 
objeção proposta pela interveniente comum [\u2026] a respeito da participação do Juiz Diego García-Sayán para o 
conhecimento do caso\u201d (par. 88 supra), e resolveu dar prosseguimento à tramitação do caso e realizar a audiência 
pública convocada. A Corte levou em consideração que a petição foi elaborada no dia anterior à realização da 
audiência pública e que não se apresentou prova alguma de que os fatos e argumentos expostos na solicitação 
fossem constitutivos de algum dos motivos dispostos no artigo 19 do Estatuto da Corte.
91. Em 26 de junho de 2006, o Juiz Diego García-Sayán apresentou um escrito mediante o qual se eximiu de conhecer 
o presente caso. Nesse escrito, o Juiz García-Sayán