A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
Apostila de Avaliacao de Impacto Ambiental[1]

Pré-visualização | Página 7 de 11

do meio ambiente utiliza conhecimentos de várias disciplinas como:
química, geologia, climatologia, hidrologia, topografia, pedologia, biologia,
ecologia, estudos paisagísticos, sociologia, economia, etc.
O estudo de impacto deve ser mais que uma simples descrição do meio ambiente,
deve implicar numa visão realmente interdisciplinar e não unicamente
pluridisciplinar.
Ex.: Uma modificação no nível das águas subterrâneas (hidrologia subterrânea),
pode modificar a natureza dos solos (pedologia), o que modificará a vegetação ou a
agricultura e assim por diante.
Abordagens Possíveis para se Identificar e Estimar os Impactos
• Consideração global do meio natural a partir da utilização total dos conhecimentos
científicos, ou a análise do meio natural em função de seus aspectos mais
significativos suscetíveis de serem modificados;
31
• Pesquisa dos impactos através de métodos de investigação sistemática para se
identificar a totalidade dos impactos possíveis.
10 - MÉTODOS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE EFEITOS E IMPACTOS
10.1 - CONSULTA AOS EXPERTS
Alguns experts são reunidos em função de suas competências. Os resultados destas
consultas enfatizam certos tipos de impactos, dependendo da formação dos consultores.
Esta abordagem não é considerada muito metódica: alguns impactos serão tratados em
detalhes, enquanto outros serão relegados a um plano inferior.
Este método não permite um julgamento pela ausência de homogeneidade.
Esta abordagem pode contudo se justificar pelo fato de que os impactos realmente
significativos, associados às principais categorias do projeto, são de uma certa forma
relativamente bem identificados.
Ex.: Caso dos impactos sobre a paisagem e agricultura provocados pela construção de
uma auto-estrada em uma região plana.
10.2 - CHECK-LIST
São listas de controle exaustivos estabelecidas de maneira específica para cada tipo de
projeto, a partir dos quais identificam-se os impactos provocados.
Um aspecto negativo deste procedimento é a possibilidade do analista ignorar fatores
importantes que não constem na lista.
Check-list são classificados em dois tipos:
1) Qualitativas - Indicam os domínios e os efeitos a examinar. Constituem uma
espécie de sumário de estudos de impactos, ou seja, questionários.
2) Quantitativos - São na realidade, modelos de estudo de impacto estandartizados.
Existem ábacos, coeficientes e fórmulas que permitem o cálculo direto e imediato dos
impactos, conhecendo-se as suas características.
Este tipo de estudo é muito usado nos EUA nos pré-estudos de impactos.
32
NATUREZA DOS IMPACTOS PROVÁVEIS
Adversos Benéficos
ITENS Curta/Longa
Duração
Reversível/
Irreversível
Local/
Extenso
Curta/Longa
Duração
Significante/
Insignificante
Ecologia
Pesca
Agricultura
Sedimentação
Erosão
Eutrofização
Terremotos
Formação de
"fog"
Vetor/doença
(ex.: malária)
Efeitos a
jusante
Paisagem
Atividade
econômica
Turismo
Recreação
Deslocamento
de pessoas
Sítios
arqueológicos
ILUSTRAÇÃO DE CHECK-LIST
33
EXEMPLO DE CHECK-LIST
A. FATORES CORRESPONDENTES AO IMPACTO BIOGEOFÍSICO
1. Contaminação Atmosférica
 Fatores Quantitativos:
Partículas Sólidas; Gases; Vapores; Aerossóis; Substâncias Tóxicas;
Qualidade; Alteração do Microclima; Outros.
2. Contaminação das Águas (Águas Continentais, Superficiais e
Subterrâneas, e Marítimas)
 Fatores Quantitativos:
 Caudal; Variações de Fluxo
 Fatores Qualitativos:
a) Físicos
Temperatura; Turbidez; Densidade; Sólidos Dissolvidos e em
Suspensão; Aspectos Organolépticos (Cor, Odor, Sabor)
b) Químicos Inorgânicos
Oxigênio; pH (Hidrogênio); Nitrogênio; Fósforo; Metais Alcalino-
ferrosos; Enxofre; Halogênicos; Carbono Inorgânico; Sílico; Metais
Pesados
c) Químicos Orgânicos
Biodegradáveis: Hidratos de Carbono, Graxas e Proteínas
Não Biodegradáveis: Pesticidas, Detergentes, Hidrocarbonetos e
Produtos Petroquímicos Persistentes
d) Biológicos
 Organismos Patogênicos; Organismos Eutrofizantes; DBO; Outros
3. Solo
Precipitação; Deposição; Sedimentação; Contaminação por Resíduos
Sólidos, Líquidos ou Gasosos; Alteração do Revestimento Vegetal; Outros
4. Substâncias Radioativas
5. Ruído
6. Recursos Naturais
Vegetação Natural: Flora; Exploração Vegetal; Uso Agrícola do Solo e p/
Pastagem; Recursos Minerais; Espaços Destinados a Usos Recreativos;
Paisagem; Meio Aquático: Recursos Pesqueiros
7. Fatores Biológicos
Fauna: Inventário de Biótopos e Biocenoses e suas Correlações; Fauna:
Inventário de Espécies Características; Flora: Inventário de Espécies
Características e Vegetação Natural; Espécies em Perigo; Diversidade de
Espécies; Estabilidade do Ecossistema.
34
B. FATORES CORRESPONDENTES AO IMPACTO SOCIO-ECONÔMICO
1. Território
Uso Inadequado do Território e dos Recursos Naturais
Modificações no Uso do Território
Alternativas de Uso para o Território e os Recursos Naturais
Expropriações dos Terrenos
2. Alteração da Paisagem
Destruição ou Alteração da Paisagem
Destruição de Sistemas Naturais
3. Aspectos Humanos e Socio-Culturais
Padrões Culturais
Destruição ou Alteração da Qualidade de Vida em Termos de Aspectos
Culturais, Históricos, etc.
Moléstias Decorrentes de Congestionamento Urbano e de Tráfego
Alteração dos Sistemas ou Estilo de Vida
Tendências de Variações Demográficas
Locais Históricos e Artísticos que podem ser Afetados
4. Aspectos Econômicos
Estabilidade Econômica Regional
Renda e Gastos para o Setor Público
Consumo e Renda Per Capita
Empregos que podem ser Gerados na Fase de Construção do Projeto
Empregos Fixos Durante o Funcionamento do Projeto
Incremento Econômico de Atividades Comerciais, Serviços, etc., Durante
a Construção e Funcionamento do Projeto
Moradias
Infra-estrutura de Transportes
Infra-estrutura Sanitária
Serviços Comunitários e Equipamentos Urbanos
Outros
35
Matriz de Leopold
-----------------------------------------------------------------------------------------------------
RELAÇÃO DAS AÇÕES
A. Modificação do Regime
a Introdução de flora ou fauna
exótica
b Controles biológicos
c Modificação do habitat
d Alteração da cobertura terrestre
e Alteração da hidrologia de lençóis
freáticos
f Alteração da drenagem
g Controle do rio e modificação do
fluxo
h Canalização
i Irrigação
j Modificação do clima
k Queimadas
l Superfície ou pavimentação
m Ruído e vibração
B. Transformação do Território e
Construção
a Urbanização
b Sítios industriais e edifícios
c Aeroportos
d Rodovias e pontes
e Estradas e trilhas
f Estradas de ferro
g Cabos e elevadores
h Linhas de transmissão, dutos e
corredores
i Barreiras, inclusive cercas
j Dragagem e reforço de canais
k Revestimento de canais
l Canais
m Barragens e represas
n Terminais marítimos, marinas e
ancoradouros
o Estruturas off-shore
p Estruturas recreativas
q Dinamitação e perfuração
r Desmonte e enchimento
s Túneis e estruturas subterrâneas
C. Extração de Recursos
a Dinamitação e perfuração
b Escavações superficiais
c Escavações subterrâneas
d Perfuração de poço e remoção de
fluido
e Dragagem
f Exploração florestal
g Pesca comercial e caça
D. Processamento
a Agricultura
b Criação de gado e pastagem
c Lavoura de alimentos
d Produção de laticínios
e Geração de energia
f Processamento mineral
g Indústria metalúrgica
h Indústria química
i Indústria têxtil
j Automóveis e aviões
k Refinarias
l Alimentação
m Serrarias
n Papel e celulose
o Armazenamento de produtos
E. Alteração do Terreno
a Controle de erosão e cultivo em
tabuleiros
b Controle de resíduos e
fechamento de minas
c Reabilitação de minas abertas
d Paisagem
e Dragagem de portos
f Aterros e drenagem
F. Recursos Renováveis
a Reflorestamento
b Gerenciamento e controle da vida
de animais selvagens
c Recarga no lençol freático