A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
115 pág.
Apostila salinização - Professor Nildo dias

Pré-visualização | Página 8 de 28

de saturação ou água, raramente excede 2 mmolc L-1. Por outro lado, o total de 
cálcio e magnésio será baixo na presença de carbonato e a soma de cálcio e magnésio nunca 
é alta na presença de concentração elevada de íons bicarbonato. 
 
5.1.5 Cálcio e sulfato em extrato de solo - água e o conteúdo de gesso no solo 
 
A solubilidade do gesso em temperatura normal é aproximadamente igual a 28 
mmolc L-1 em água destilada. Em soluções muito salinas esta solubilidade pode ser maior 
que 50 mmolc L-1. O efeito dos íons comuns, ou seja, o excesso de cálcio ou sulfato, pode 
diminuir a solubilidade em até 20 mmolc L-1. Portanto, o extrato de um solo não gesífero 
pode conter mais de 30 mmolc L-1 de cálcio, enquanto um solo gesífero pode conter uma 
concentração de cálcio até de 28 mmolc L-1. Deste modo, solos cujo conteúdo de cálcio e 
magnésio no extrato de saturação é maior que 20 mmolc L-1, deverão ser verificados seu 
conteúdo relativo do gesso. A solubilidade do gesso aumenta na presença de NaCl, mas 
diminui na presença de CaCl2 ou Na2SO4 (íons comuns). Na presença de NaHCO3 diminui 
por causa da formação de Ca(HCO3)2. 
 
5.1.6 pH e carbonatos de metais alcalinos terrosos 
 
O pH do extrato de saturação de um solo calcário é, invariavelmente, maior que 
7,0 e, em geral, menor que 7,5. 
 
 
 Prevenção, Manejo e Recuperação dos Solos Afetados por Sais 
35 
5.1.7 pH e gesso 
 
É raro o pH de um solo gessífero saturado exceder a 8,2, independente do valor da 
PST. 
 
5.1.8 pH e PST 
 
Se o pH da pasta de saturação é maior que 8,5, indica sempre uma PST maior que 
15 e a presença de metais alcalinos terrosos. 
 
5.2 Conversão de resultados de análises químicas 
 
5.2.1 Unidades 
 
5.2.1.1 Transformação de meq L-1 ou mmolc L-1 para mg L-1 ou ppm 
 
 ( ) 11 −− =× LmgEqgramaeEquivalentLmmolc (19) 
em que: 
Eq = Peso Atômico, peso iônico ou peso molecular/valência. 
Exemplo: 
 
 
 
Eq (Mg) = 24/2 = 12, logo 
2,59 x 12 = mg L-1 
mg L-1 = 31,08 
Então, 2,59 mmolc L-1 de Mg equivalem a 31,08 mg L-1 de Mg 
 
5.2.1.2 Transformação de cmolc kg-1 para ppm ou mg kg-1 
 
10.
L mgou -11
×
=
−
EqP
ppmkgcmolc (20) 
 
A quantos mg L-1 equivalem 2,59 mmolc L-1 de Mg? 
 
 Prevenção, Manejo e Recuperação dos Solos Afetados por Sais 
36 
Exemplo: 
 
 
 
0,3 = ppm/(39,1 x 10) 
ppm = 117,3 
Então, 0,3 cmolc kg-1 de K equivalem a 117,3 ppm ou mg kg-1 de K. 
 
5.2.1.3 Transformação de meq L-1 ou mmolc L-1 na formas solúveis para meq 
(100 g)-1 ou cmolc kg-1 
 
( )
1000
)%(100.
1
1 SolodoSaturaçãodemeqLgeqm ×=
−
−
 (21) 
Exemplo: 
 
 
 
 
meq (100 g)-1 = (18,5 x 25)/1000 
meq (100 g)-1 = 0,46 
Então, 18,5 meq L-1 de Na equivalem a 0,46 meq (100 g)-1 ou cmolc kg-1. 
 
 
 
 
5.2.1.4 Transformação de resultados: fator de multiplicação 
 
Unidade µmho cm-1 mmho cm-1 µS cm-1 dS m-1 
µmho cm-1 1 10-3 1 10-3 
Mmho cm-1 103 1 103 1 
µS cm-1 1 10-3 1 10-3 
dS m-1 103 1 103 1 
 
A quantos ppm eqüivalem 0,3 cmolc kg-1 de K? 
 A quantos meq (100 g)-1 equivalem 18,5 meq L-1 de Na em um solo que apresenta 
porcentagem de saturação igual a 25? 
 
 Prevenção, Manejo e Recuperação dos Solos Afetados por Sais 
37 
5.2.1.5 Sistema internacional (SI) de unidades 
 
Atual (SI) Fator 
% g kg-1, g dm-3 e g L-1 10 
Cppm, µg mL-1, g m-3 mg kg-1, mg dm-3, mg L-1 1 
meq (100 cm3)-1 mmolc dm-3 10 
meq (100 g)-1 mmolc kg-1 10 
meq (100 cm3)-1 cmolc dm-3 1 
meq (100 g)-1 cmolc kg-1 1 
meq L-1 mmolc L-1 1 
t (tonelada) Mg (mega grama) 1 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Prevenção, Manejo e Recuperação dos Solos Afetados por Sais 
38 
6 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO À PRESENÇA DE SAIS 
 
Solos são considerados salinos quando contêm concentração de sais solúveis em 
quantidades elevadas para interferir com o crescimento da maior parte das espécies 
cultivadas; entretanto, não é uma quantidade fixa de sais, pois depende da espécie da 
planta, da textura e capacidade do solo e da composição de sais presentes na solução. Deste 
modo, o critério para classificação dos solos afetados por sais é arbitrário, existindo várias 
classificações, sendo que cada uma delas apresenta vantagens e desvantagens. 
As quatro classificações para solos afetados por sais mais importantes são a russa, 
a francesa, a americana e a da FAO, mas a classificação mais simples e mais prática tem 
sido a americana. 
Esta classificação foi proposta pelo Laboratório de Salinidade dos Estados Unidos 
(Richards, 1954) e se baseia nos efeitos da salinidade sobre as plantas e do sódio trocável 
sobre as propriedades do solo, expressos em termos de CEes e PST, respectivamente, 
classificando os solos em três categorias: salina, sódica e salina - sódica (Tabela 8). Nesta 
classificação, o valor estabelecido da CEes para distinguir solos salinos dos não salinos, é 
fixado em 4 dS m-1; entretanto, pode-se encontrar plantas sensíveis aos sais que, por sua 
vez, são passíveis de serem afetados em solos que apresentam CEes entre 2 e 4 dS m-1, 
razão por que o Comitê de Terminologia da Sociedade Americana de Ciência do Solo, 
baixou o limite da CEes de 4 dS m-1 para 2 dS m-1, fazendo a distinção entre solos salinos e 
não-salinos e, ainda, recomendou a substituição da PST pela RAS (Glossary of Soil Science 
Terms, 1997). Embora sejam classificados como sódicos os solos com PST > 15, vários 
resultados de estudos, publicados na literatura, têm mostrado efeitos do sódio sobre a 
estrutura do solo, mesmo em níveis inferiores, sendo mais adequado considerar-se sódico 
os solos com PST > 7 (Pizarro, 1978). 
 
Tabela 8 Classificação dos solos afetados por sais (Richards, 1954) 
Classificação CEes (dS m-1 à 25 ºC) PST (%) pHps 
Solos sem problemas de sais < 4 < 15 < 8,5 
Solos salinos > 4 < 15 < 8,5 
Solos salino-sódicos > 4 > 15 ≤ 8,5 
Solos sódicos < 4 > 15 ≥ 8,5 
 
 Prevenção, Manejo e Recuperação dos Solos Afetados por Sais 
39 
EXERCÍCIO 3 
 
“VERIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE QUÍMICA DOS SOLOS 
AFETADOS POR SAIS” 
 
“CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO À PRESENÇA DE SAIS” 
 
a) Uma análise de solo apresenta os seguintes resultados: pH = 9,2; CEes = 2,4 dS m-1; Na, 
Ca, Mg e K trocáveis, respectivamente, igual a 0,3; 0,8; 0,5 e 0,1 cmolc kg-1 e Na+, Ca++, 
Mg++ e K+ solúveis, respectivamente, iguais a 20; 2,0; 1,5; e 0,5 mmolc L-1, Cl-, HCO3-, 
CO3-- e SO4--, respectivamente, iguais a 15; 4,2; 3,2 e 2,3 mmolc L-1. 
Pede-se: 
a.1) Verificar se os dados da análise estão coerentes 
a.2) Expressar o valor de Na, Ca, Mg e K em termos de mg L-1 
a.3) Classificar o solo quanto à presença de sais, de acordo com os critérios propostos 
pelo Laboratório de Salinidade dos Estados Unidos 
a.4) Calcular a RAS, RST (considere KG = 0,014) e a PST verdadeira e a estimada pela 
RST 
 
b) Quais os parâmetros utilizados para se classificar o solo quanto aos riscos de salinidade e 
sodicidade? 
 
c) Dê a relação entre as seguintes unidades que expressam salinidade: 
c.1) dS m-1 e mmho cm-1 
c.2) dS m-1 e µmho cm-1 
c.3) dS m-1 e µS cm-1 
c.4) dS m-1 e mg L-1 
c.5) mg L-1 e ppm 
c.6) dS m-1 e meq L-1 
c.7) meq L-1 e mmolc L-1 
c.8) g L-1 e mg L-1

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.