Caderno_Didtico_de_Farmacologia_Geral.pdf
121 pág.

Caderno_Didtico_de_Farmacologia_Geral.pdf


DisciplinaFarmacologia Veterinária I805 materiais4.888 seguidores
Pré-visualização39 páginas
midríase. A pressão 
intraocular pode se reduzir por uma ação vasoconstrictora local que diminui a produção 
de humor aquoso. 
 
2 
 61
Farmacologia Geral Veterinária 
Efeitos cardíacos. No coração predominam os adrenoceptores 1 mas adrenoceptores 
e 2 também estão presentes. A adrenalina causa: 
aumento da força de contração (efeito inotrópico positivo) 
aumento da freqüência (efeito cronotrópico positivo) 
aumento do débito 
aumento da excitabilidade 
aumento da automaticidade 
aumento potencial para arritmias 
diminuição da eficiência (maior consumo de oxigênio) 
 
Efeitos metabólicos 
A concentração sangüínea de glicose, ácidos graxos e ácido lático aumentam quando os 
adrenoceptores do fígado, músculo esquelético e tecido adiposo são estimulados. 
Alguns dos efeitos da adrenalina na concentração de glicose são secundários (inibição da 
secreção de insulina via ativação de adrenoceptores 2 e estimulação da secreção de 
glucagônio via ativação de receptores 2). 
 
Noradrenalina provoca todos os efeitos produzidos pela adrenalina que são mediados via 
adrenoceptores 1 , 2 e 1 com as seguintes exceções: 
 Em doses similares, a noradrenalina aumenta a pressão sangüínea média mais do 
que a adrenalina porque não é capaz de relaxar os vasos sangüíneos esqueléticos 
via adrenoceptores 2. 
 A ativação de baroreceptores e o reflexo vagal ocorrem com doses menores de 
noradrenalina do que com adrenalina. Este reflexo pode ser forte o suficiente para 
diminuir o débito cardíaco apesar da ativação direta de receptores 1 cardíacos. 
 
Dopamina não apresenta efeitos simpaticomiméticos importantes. A liberação de 
noradrenalina dos terminais nervosos pós-ganglionares simpáticos pela dopamina 
contribui para seus efeitos farmacológicos. 
Ativação de receptores D1 causa vasodilatação nos vasos mesentéricos e renais em 
taxas de infusão baixa. Natriurese e diurese resultam do aumento da taxa de filtração 
glomerular e do fluxo sangüíneo renal. 
Ativação de receptores D2 no SNC diminui a pressão sangüínea e a freqüência 
cardiaca, provoca vasodilatação nos leitos vasculares renais e mesentérico. É improvável 
que os receptores D2 do SNC seja ativados quando se infunde dopamina porque ela não 
atravessa a barreira sangue-cérebro. 
Ativação de receptores 1, que ocorre com concentrações um pouco mais elevadas, 
produz efeito inotrópico positivo no coração. 
Ativação de receptores 1 provoca vasoconstricção, contudo concentrações muito altas 
são necessárias para produzir este efeito. 
 
Usos terapêuticos 
Adrenalina 
 Reversão de parada cardíaca 
 A adrenalina é usada para tratar reações de hipersensibilidade e choque 
anafilático caracterizados por broncoespasmo e hipotensão. 
 Adrenalina reduz o fluxo sangüíneo cutâneo o que a torna útil para prolongar o 
efeito anestésico local. 
 Aplicada tópicamente, pode ser usada para controlar hemorragias localizadas. 
 
 62
Farmacologia Geral Veterinária 
 
Noradrenalina pode ser usada para corrigir a hipotensão induzida por anestesia 
espinhal. 
 
Dopamina pode ser usada para tratar: 
 choque cardiogênico 
 choque séptico 
 insuficiência cardíaca aguda (geralmente como terapêutica de apoio). 
Efeitos adversos 
Adrenalina. Tremor, tensão, ansiedade, medo, intranqüilidade, cefaléia pulsátil, 
hemorragia cerebral, vertigem, palidez, dificuldade respiratória, taquicardia e arritmias 
cardíacas (especialmente em pacientes hipertreoideos) 
Noradrenalina. Os efeitos adversos são similares aos da adrenalina, menos 
pronunciados e menso freqüentes. Adicionalmente o extravasamento de uma injeção 
intravenosa pode causar necrose e \u201cressecamento\u201d no local por causa da intensa 
vasoconstricção. 
Dopamina. Os efeitos adversos incluem náuseas, vômitos, taquicarida, dor anginosa, 
arritmias, cefaléias, hipertensão e vasconstrição durante a infusão do medicamento. 
 
Isoproterenol 
O isoproterenol, um potente agonista de adrenoceptores não seletivo, aumenta os 
níveis tissulares de adenosina monofosfato cíclico (AMPc) pois os receptores 1 e 2 
ativam a adenilil ciclase. O isoproterenol tem baixa afinidade pelos adrenoceptores . 
 
O isoproterenol é facilmente absorvido por via parenteral ou como um aerosol. 
 
Efeitos farmacológicos 
A infusão intravenosa produz redução na resistência periférica total. 
Aumento do débito cardíaco, devido ao aumento na contratilidade e freqüência cardíaca 
(ativação de receptores 1). Os tecidos que possuem adrenoceptores 2 (músculo liso, 
brônquico e gastrintestinal) são relaxados. 
 
Usos terapêuticos 
 Constrição brônquica aguda 
 Bloqueio antrioventricular (A-V) completo 
Efeitos adversos 
Taquicardia, cefaléia, ruborização da pele e arritmias (como resultado da estimulação 
generalizada do tecido cardíaco) 
 
Dobutamina 
Mecanismo de ação. A dobutamina ativa adrenoceptores e . 
A dobutamina não é absorvida por via oral e é administrada por infusão intravenosa. A 
meia-vida é curta. A dobutamina produz efeitos inotrópicos que são maiores do que os 
efeitos cronotrópicos. Aumenta o débito cardíaco por aumentar a contratilidade cardíaca 
e o volume sistólico. 
 
Usos terapêuticos A dobutamina é usada para tratamento de curta duração da 
insuficiência cardíaca. 
 
Efeitos adversos 
 63
Farmacologia Geral Veterinária 
A dobutamina pode aumentar o uso de oxigênio e, por isso, deve ser usada com cuidado 
após infarte do miocardio para evitar o aumento do tamanho do infarto. Pode produzir 
arritmias. Outros efeitos adversos - pode incluir os descritos para adrenalina. 
 
 
Terbutalina é um agonista de ação direta sobre receptores 2 usado como 
broncodilatador. É o broncodilatador de escolha para animais com doença cardíaca, 
hipertireoidismo ou hipertensão, contudo deve ser administrado com cautela porque 
doses altas podem estimula receptores 1. 
 
Clembuterol é um agonista 2. único broncodilatador aprovado para uso em cavalos. 
Usado para tratar doença pulmonar obstrutiva crônica nesta espécie. Usado também 
como tocolítico. 
 
Salbutamol, salmeterol, metaproterenol e ritodrina. Atuam seletivamente nos 
receptores 2, e produzem broncodilatação e relaxamento do útero grávido. Altas doses 
podem causar taquicardia. Uso:alívio do broncoespasmo e retardar parto prematuro. 
 
Fenilefrina 
Mecanismo de ação. A fenilefrina é um agonista de receptores 1 direto. Em doses 
altas também apresenta alguma propriedade estimulante -adrenérgica. 
A fenilefrina aumenta a pressão sangüínea (primariamente por vasoconstricção). 
Usos terapêuticos 
 A fenilefrina tem vantagens sobre a adrenalina como vasopressor nas situações 
onde a estimulação cardíaca é indesejável, como durante a anestesia geral com 
halotano. 
 A fenilefrina é usado como descongestionante nasal tópico. 
 É usada em oftalmologia como agente midriático . 
 Combinado com anestésicos locais, prolongando a ação anestésica. 
Efeitos adversos 
A fenilefrina pode provocar bradicardia reflexa quando administrada por via intravenosa. 
Hipertensão, pode ocorrer principalmente em pacientes hipertensos, hipertireoideos ou 
geriátricos. Irritação nasal e congestão rebote podem ocorrer após uso nasal de longa 
duração. 
 
Xilazina 
Agonista 2, tem propriedades analgésica, sedativa e relaxante muscular de ação central. 
Uso terapêutico 
 analgésico, tranquilizante 
Efeitos adversos 
Hipoxemia em ovinos, cavalos machos relaxamento e exposição do pênis, redução níveis 
de insulina no gato, cavalo, gado e cães, aborto ou parto prematuro em bovinos se for 
administrado no último trimestre de gestação. 
 
Efedrina 
Mecanismo de ação. A efedrina é um agente de ação mista (tem ações diretas e 
indiretas) contudo sua ação primária é indireta. Assim uma parte significativa da sua ação 
resulta da liberação de noradrenalina do terminal nervoso adrenérgico.