Tuberculose PARTE I
53 pág.

Tuberculose PARTE I


DisciplinaEnfermagem em Doenças Transmissíveis14 materiais221 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Tuberculose e o 
Programa Nacional de Controle 
da Tuberculose (PNCT) 
 
 
 
Cadeia do Processo Infeccioso 
1. Características do Agente 
Agente Etiológico - Mycobacterium tuberculosis 
Robert Koch \u2013 1882 
Não formador de esporos/Não encapsulado 
Sem flagelos (imóvel) 
Conteúdo lipídico na parede celular \u2013 indução da formação de 
granuloma 
Parasito intracelular facultativo \u2013 sobrevive e se multiplica no 
interior de células fagocitárias 
Podem ficar em estado de dormência por longos períodos 
Não produz toxinas 
Aeróbia estrita (precisa de O2 crescer e multiplicar) 
Geração longa 14 a 20 h 
Sensível a ação de calor e radiação ultravioleta = sensível a luz 
solar 
Resistente a dessecação e ao ambiente escuro \u2013 podem sobreviver 
por anos no ambiente externo 
 
 
 
Qual o órgão que a 
tuberculose acomete? 
Órgãos mais frequentemente 
acometidos pela tuberculose doença 
2. Modo de transmissão 
FOCO 
(+++) 
CONTATO 
Partículas 
levitantes 
Partículas 
maiores 
Partículas 
infectantes 
O processo de transmissão do bacilo 
Partículas: 
Levitantes com grumos de bacilos 
Maiores se depositam no solo 
Ressecadas - Gotículas-núcleo 
Raios solares 
infra-vermelhos 
e ultra-violetas 
matam os bacilos Foco ou 
Caso Index 
Contato 
Aspiração de partículas 
levitantes. 
Aspiração e eliminação de partículas grumosas 
 Eliminação de grumos com muitos 
 bacilos pelo sistema muco-ciliar. 
Gotículas 
núcleo 
Implante alveolar de partículas infectantes 
Nidação 
alveolar 
Quem pode transmitir a 
tuberculose ? 
 Somente pessoas doentes com tuberculose pulmonar e 
laríngea transmitem a doença. 
DOENTE 
BACILÍFERO 
CONTATO 
2. Modo de transmissão (cont.) 
Fala / Espirro /Tosse 
Somente o núcleo das gotículas em suspensão (núcleos 
de Wells) com diâmetro de até 5 micra que podem 
atingem os brônquios e alvéolos (1 a 2 bacilos) 
Não há transmissão por roupas, lençóis, copos e outros 
objetos, pois os bacilos dificilmente se dispersarão em 
aerossóis. 
transmissão depende da capacidade da fonte produzir 
gotículas-núcleos (1 a 250/h) , no sarampo 5.000/h 
> convivência > possibilidade de infecção (tempo 
necessário para uma infecção bem sucedida 100 e 200h) 
 
Todos que entram em contato 
com a tuberculose ficam 
doentes? 
Quando uma pessoa contaminada: 
\u2022fala, as gotículas com a bactéria podem 
alcançar até 1,5m de distância 
\u2022tosse, as gotículas com a bactéria chegam 
até 5,5m 
\uf076Tuberculose infecção: 
indivíduo que entrou em contato com o 
Bacilo de Koch mas não desenvolveu a 
doença pela ação de sua resistência 
natural e pode responder positivamente 
ao teste tuberculínico. 
Estima-se que 90% permanecerão 
infectados para o resto da vida. 
 
\uf076Tuberculose doença: 
manifestação clínica da doença, que pode 
ser próxima ou muitos anos após o 
contato com o bacilo. 
 
HISTÓRIA NATURAL 
Exposição 
Infecção 
Não 
infecção 
Permanece 
infectado 
Permanece 
infectado 
TB 
1ária 
5 % 
Não bloqueia o 
 complexo primário 
TB 
pós- 1ária 
5 % 
Reativação ou 
Re-infecção 
90 % 
Slyde CVE/Divisão de TB 
Prováveis situações que favorecem 
o aparecimento da TB pós-primária 
 Via endógena (Reativação) 
-Queda da imunidade local facilitando a multiplicação bacilar 
-Queda da imunidade sistêmica TB (disseminada ou 
extrapulmonar) 
 Via exógena (Reinfecção) 
- Queda imunitária com nova exposição a bacilos 
-Exposição a uma carga excessiva de bacilo(contato íntimo 
e persistente) 
Adoecimento 
Bacilos aspirados alvéolo pulmonar 
fagocitose pelos macrófagos 
parte dos bacilos fica viva 
produção de ácidos pelos macrófagos - BAAR (não morre) 
 dos bacilos - morte do macrófago- libera lisossoma- 
destruição do tecido - reação inflamatória inespecífica -
granuloma - cancro de inoculação. 
Disseminação linfática (foco de Ghon) 
Secundariamente sanguínea podendo levar a formas 
extrapulmonares da tuberculose 
Bacilemia normalmente inaparente 
 
 
 
Adoecimento 
Até surgimento da imunidade específica- bacilos 
multiplicam - migram para foco inflamatório inicial 
macrófagos - fagocitose dos bacilos - retorno à corrente 
sangüínea - várias partes do corpo. 
No pulmão o reimplante = zonas superiores demanda 
de O2 e perfusão 
como quantidade de bacilos pequenas se houver defesas 
a doença não se desenvolve. 
 
3. Fonte de Infecção 
Qualquer indivíduos capaz de transmitir o 
bacilo da tuberculose 
\uf076Bacilífero (B+) \u2013 BK positivo 
\uf076Não bacilífero (B-) \u2013 podendo o escarro ser 
positivo a cultura (C+) ou negativo (C) 
 
Durante 1 ano uma fonte de infecção 
 pode infectar 10 a 15 pessoas 
CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS 
ASSOCIADAS A TUBERCULOSE 
Desnutrição 
alimentar 
Etilismo e 
outros vícios 
Infecções 
associadas 
Difícil acesso 
a Saúde 
Serviços de 
Saúde precários 
Habitação 
ruim/inexistente 
Famílias 
numerosas 
Aglomeração 
humana 
Educação 
precária 
Renda familiar 
baixa 
\uf0a7 População indígena: 4 vezes 
\uf0a7 Pessoas vivendo com HIV: 30 vezes 
\uf0a7 População em liberdade privada: 40 
vezes 
\uf0a7 População em situação de rua: 60 vezes 
 
 
 
Há populações mais vulneráveis que a população em geral, 
que são um grande desafio para o Programa de Controle da 
Tuberculose: 
Fonte: M.Saúde, outubro.2008 
Tuberculose e co-morbidades por tipo de população 
Cidade de São Paulo, 2010 
Fonte: TBWEB de 05/07/2012 
SRF = Sem Residência Fixa (caso em situação de rua) 
0,0
10,0
20,0
30,0
40,0
50,0
60,0
P
er
ce
nt
.
HIV(+) 11,4 55,2 19,4 2,3 5,0
Alcoolismo 12,6 37,2 3,1 2,6 20,0
Diabetes 5,4 2,0 0,9 1,5 10,0
Drogadição 7,9 23,2 13,2 0,3 5,0
Mental 1,2 1,2 0,4 0,0 0,0
MSP SRF Detento Imigrante Indígena
Associação AIDS/TB 
HIV é o > fator de risco para TB 
HIV + risco 7 a 10 % adoecer/ano 
Não infectados risco 10 % 
adoecer/toda vida (0,3%/ano) 
 
 
4. Meio ambiente 
Fatores que contribuem para probabilidade 
das partículas infectantes serem inaladas 
Correntes de ar densidade das 
partículas 
Luz ultravioleta destroe o bacilo 
Más condições de vida da população 
5. Período de incubação 
variável até anos 
6. Período de transmissibilidade 
Período que o doente elimina bacilos \u2013 após 
a quimioterapia a eliminação de bacilos 
viáveis até 15 dias 
7. Epidemiologia 
\uf0a7 Mundo (2011) 
8,8 milhões casos novos/ano 
(CI 128 casos/100 mil hab) 
1,1 milhões óbitos 
\uf0a7 Brasil (2011) 
73.778 casos novos (CI 36/100 mil hab) 
4.603 óbitos ano (CM TB 2,4/100 mil hab) 
\uf0a7 Estado de São Paulo (2010) 
15 700 mil casos novos (CI 39/100 mil hab) 
851 óbitos (CM TB 2,1/100 mil hab) 
\uf0a7 Município de São Paulo (2010) 
 5.733 casos novos (CI 53,2/100 mil hab) 
 310 óbitos (CM TB 2,8/ 100 mil hab) 
Fonte: WHO, 2011(1) 
TUBERCULOSE: Incidência no Mundo \u2013 2010 
Coeficiente de Incidência 
de Tuberculose 
 Brasil \u2013 1993, 1998, 
2003 e 2008. 
Fonte: Chaves, 2011 
Coeficiente de Incidência de Tuberculose 
Estado de São Paulo 
0 a 35 
35,1 a 60 
60,1 a 100 
100,1 a 150 
150,1 a 250 
 
Óbitos e Coeficientes de mortalidade por 
tuberculose no Estado de S. Paulo, 2000 a 2010 
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
Óbitos 1602 1319 1158 1120 1053 928 970 921 910 922 851
Coef. de mortalidade 4,3 3,5 3,0 2,9 2,7 2,3 2,4 2,1 2,2 2,2