Curso de Português Jurídico.pdf
150 pág.

Curso de Português Jurídico.pdf


DisciplinaEst Sup Lin Portuguesa I5 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Capi-
tal de São Paulo, conferindo-lhe amplos e irrestritos poderes para praticar
todos os atos necessários para o fiel cumprimento deste instrumento de
Mandato, expressamente para ajustar prazos e alugueres, aprovar fiador,
receber e dar quitação, substabelecer, inclusive.
São Paulo, 2 de fevereiro de 2007.
1. A palavra Procuração deve vir no centro da folha, não se exigindo escre-
ver Procuração Ad Negotia. Para evitar que o vocábulo fique diminuto
no papel, as letras devem ser espaçadas umas das outras. P R O C u
RAÇÃO.
2. Os espaços são os mencionados no gráfico.
3. A partitura silábica deve ser gramatical. O sistema americano não é
adotado na técnica jurídica, esclarecendo: é forma utilizada em corres-
pondências comerciais, sem obedecer ao margeamento.
4. Não se separam os números dos documentos pessoais.
3,0 ou
4,Ocm
Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
3,0 em
~
1... nomeia e constitui bastante seus procuradores (advérbio mo-
dificador dos verbos). (suficientemente)
~
2 ... nomeia e constitui seus bastantes procuradores (adjetivo espe-
cificador do substantivo). (suficientes)
7. Os poderes especiais são estipulados de acordo com a natureza do ne-
gócio e a extensão dos poderes.
8. O substabelecimento só é possível se expresso estiver o poder na pro-
curação. A regência do verbo substabelecer é: substabelecer em alguém
os poderes conferidos.
9. Não é exclusiva a forma do modelo, porque o estilo é de cada qual,
e. g., Por este instrumento particular e na melhor forma de direito,
MAURÍCIO LOPES, brasileiro, casado, ...
la. Não é bom estilo a forma: Eu, MAURÍCIO LOPES, brasileiro, ... nomeio
e constituo ... , porque é a pessoa capaz de direitos e obrigações que
outorga procuração.
11. É obrigatória a presença dos verbos nomear (indicar) e constituir (tornar
o indicado procurador).
12. As formas verbais são constitui/constituem, não sendo gramatical cons-
titue, como se encontra em alguns modelos.
13. É bastante usual, na atualidade, a estrutura esquemática:
Teoria e Prática 191
6.1.2 Procuração Ad Judicia
Essa fórmula é direta, mas não expressa a formalidade que há de ser
cultivada no discurso jurídico, sendo mais empregada em repartições
públicas ou relações empresariais.
Obs.: os poderes serão conferidos, consoante a intenção do mandante em
outorga ampla ou restrita. Também, será pública quando a lei assim determinar, e.
g., transcrição de escritura pública. Quando particular, o papel usado é o almaço,
não devendo haver emendas ou rasuras, sem espaços ou linhas em branco.
Coerente com sua filosofia de expurgar do Código Civil matérias de nature-
za processual, o art. 692 apenas faz referência à Procuração Ad Judicia, subor-
dinando-a à legislação processual, operando-se as regras do Mandato, estabelecidas
no Código Civil, apenas supletivamente.
Consoante a regra do art. 36 do Código de Processo Civil (CPC), só o advo-
gado legalmente habilitado, salvo os casos em que se permite postular em causa
própria, pode procurar em juízo. Necessária se faz a procuração, sem a qual não
será o advogado habilitado (regularmente inscrito na Ordem dos Advogados e
sem impeditivos) admitido como procurador judicial, art. 37, CPC. Obrigatória
é a cláusula Ad Judicia para o foro em geral, devendo estar expressos os poderes
especiais enumerados no art. 38, CPC. Não há exigibilidade de colocar todos os
poderes especiais elencados pelo legislador; dentre eles, serão registrados os
pretendidos pelo outorgante, ou então todos eles e mais o substabelecimento se
assim for a vontade do mandante. Além desses, pode o mandante outorgar poderes
especiais para cada ação, consoante as necessidades da espécie.
Bom é lembrar que as condições para ser mandante são as mesmas tanto para
a Procuração Ad Judicia, quanto para a Procuração Ad Negotia, vale ressaltar:
1. O mandante pode ser toda pessoa natural ou jurídica.
2. Os maiores e emancipados, no gozo de sua capacidade civil, assinam os
documentos sem restrições.
3. Os relativamente incapazes são assistidos, assinando junto com seus
representantes legais.
4. Os absolutamente incapazes são representados e, assim, só seus repre-
sentantes legais assinam a procuração.
5. Embora não conste da lei, a Procuração Ad Judicia dos menores impú-
beres e púberes há de ser pública.
Quanto ao mandatário, já foi dito que só o advogado poderá ser procurador na
esfera judicial. No mundo negociaI, admite-se o mandatário menor, entre dezesseis
e dezoito anos incompletos, não podendo, entretanto, ressarcir-se o mandante de
J
1,5 e
PROCURAÇÃO
1 3,0 em
(dados)
(dados)
{
finalidade e extensão dos
poderes significando
objeto da procuração.
1,5 em
Outorgante:
Poderes:
Outorgado:
Local e data:
Assinatura do outorgante
190
3,0 em
192 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
prejuízos por ele causados, salvo se o relativamente incapaz praticou o dano, nos
termos do art. 666, cc.
6.1.3 Outras modalidades: Caução de Rato e Apud Acta
Merece cuidado especial o disposto no art. 37 do CPC, que permite ao advo-
gado ingressar em juízo para intentar ação ou contestá-la, em casos reputados
urgentes, sem o instrumento do mandato.
Trata-se de modalidade de Procuração Ad Judicia por instrumento público,
conhecida por "Caução de Rato". Em rigor, não é procuração, por requerer a
apresentação do instrumento do mandato, em quinze dias, prorrogável o prazo
até outros quinze dias, por despacho do juiz.
Caução significa garantia; rato, ratificação. O advogado assina termo, compro-
missando-se a apresentar a procuração, sob pena de serem havidos como inexis-
tentes os atos por ele praticados, respondendo ainda pelos prejuízos causados.
O requerimento é simples; dirigido ao juízo competente ou da causa e deve in-
dicar o motivo dopedido, seguindo os espaços indicados no gráfico de fls. 162.
A "Caução de Rato" não se confunde com outra modalidade pública de procu-
ração adjudicia chamada Apud Acta, não prevista em lei, mas aceita pelo costume.
Apud significa ao pé, dentro, junto de. É a outorga dos poderes do mandato judicial
no cartório da vara na qual corre o processo, na presença de duas testemunhas que
a assinam, juntamente com o outorgante, sendo lavrada pelo escrivão que funcio-
na na causa. Admite, ainda, a nomeação do procurador perante o juiz oficiante,
dispensadas as testemunhas. Equipara-se à procuração judicial por instrumento
público, dispensando a entrega de outra procuração, pois ela é o próprio instru-
mento do mandato, diferindo assim da "Caução de Rato". Também, enquanto a
regra do art. 37 possibilita a atuação do advogado não só para oferecer Resposta
do Réu, quanto para intentar ação, a Apud Acta só se presta para ilidir a Inicial.
Não há confundir a Apud Acta com a Procuração Ad Hoc que, por ata, indica
substituto ocasional para um ato processual.
Teoria e Prática 193
Modelo de Petição da Caução de Rato
3,0 em
EXCELENTÍSSIMOSENHORJUIZ DEDIREITODA VARACÍVELDA
COMARCADEGUARATINGUETÁ,SÃOPAULO. --
8,0 em
8,0 em
\u2022 'jÚLIO DIAS, advogado inscrito na OAB, nº
............. , com escritório na Rua Rodrigues Alves, 57, requer seja admitido
a representar MANOELDIAS,brasileiro, casado, comerciante, RG ,
CPE , residente e domiciliado na Rua Conselheiro Crispiniano, 153,
4,0 em nos termos do art. 37 do Código de Processo Civil, para, em nome dele, 2,0
\u2022 requisitar vistoria "ad perpetuam rei memoriam", esclarecendo que o re--
presentado se encontra ausente do país, havendo a urgência na solicitação
do pedido, comprometendo-se o Requerente a, mediante termo de caução,
apresentar, no prazo por Vossa Excelência fixado, o competente instru-
mento de mandato, em forma regular, ratificando todos os seus atos.
Termos em que
P.Deferimento.
Guaratinguetá, 20 de abril de 2007.
JÚLIO DIAS
OAB/SP...
11,5 em
6.1.4 O substabelecimento