Curso de Português Jurídico.pdf
150 pág.

Curso de Português Jurídico.pdf


DisciplinaEst Sup Lin Portuguesa I5 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
também, aos termos distanciados do fecho:
Nesses Termos,
P.Deferimento.
Como opção aos que pretendem fugir da polêmica, há os que empregam o
pronome relativo:
Termos em que
P.Deferimento.
Outras observações são oportunas, ao se comentar a estrutura do requerimento
simples:
1. Há entre os profissionais do Direito da atualidade o costume de colocar
minúsculas no fecho; além de evitar a abreviatura do verbo pedir:
198 Curso de PortuguêsJurídico \u2022 Damião/Henriques
Nota: Na esfera extrajudicial,é o requerente quem assina o documento.
Modelo 1: Requerimento Simples Extrajudicial
Nestes termos,
pede deferimento.
2. Também, já se faz freqüente a simplificação da fórmula:
Pede deferimento.
3. São usadas, como variantes, as abreviaturas E. (espera) e A. (aguarda).
4. Não é recomendável o fecho formulado em período gramatical: Nestes
termos, pede deferimento.
5. É totalmente inadequada a fórmula empregada, raríssimas vezes, na
redação comercial:
N.T.
P. D.
6. Demais, é de se lembrar que a ocupação espacial do papel sulfite é
aquela já apontada quando da procuração, recomendando-se trazer
o requerimento datilografado, com bom aspecto visual, fita preferen-
cialmente preta, espaço dois no texto e ocupando o vocativo todo o
espaço entre as margens.
7. O requerimento simples pode ser direto, mas também, formulado com
linguagem formal.
8,0 emProc ./04.
~
SILASPEIXOTO
OAB-SP .
Modelo 2: Requerimento Simples Judicial
a) Isto posto, requer .
b) Isso posto, requer .
c) Posto isto, requer .
d) Posto isso, requer .
e) Pelo exposto, requer ...
Bom é de apontar, além da discussão do pronome demonstrativo já aventada
no estudo da procuração que em relação aos itens "c" e "d", muitos juristas, ao
contrário do costume cristalizado nas peças jurídicas, defendem a posição do parti-
3,Ocm
Teoria e Prática 199
EXCELENTÍSSIMOSENHORDOUTORJUIZ DEDIREITODA1ª VARA
CÍVELDACOMARCADESÃOJOSÉ DORIOPRETO- SÃOPAULO.
6.2.2 Estrutura do requerimento complexo
Cuida-se de pedido articulado, distribuindo a narrativa dos fatos e argumentos
em parágrafos gráficos.
É tipo de requerimento - judicial ou extrajudicial- para casos em que o pedido
não é manso e pacífico ou não se encontra apoiado cabalmente em norma legal
ou administrativa.
A estrutura é a mesma do requerimento simples, havendo entre a narrativa
dos fatos e o fecho, uma frase de transisão, reiterativa do pedido com as va-
riantes seguintes:
8,0 em
3,0 em \u2022 'ÀRI MIRANDA,devidamente qualificado nos 1,5 em
I. , autos supracitados, comparece perante VOSSAEXCELÊNCIA,por intermé---
dia de seu bastante procurador que abaixo subscreve, a fim de requerer
a juntada do incluso rol de testemunhas.
São José do Rio Preto, 1º de maio de 2007.
",I
São Paulo, 18 de abril de 2007.
3,0 em
t 1 S rm JÚLIONEVES
~
Uma. Sr. Gerente de Recursos Humanos da Alegria Brinquedos Ltda.
1
8,0 em
8,0 em
\u2022JÚLIO NEVES, Gerente de Vendas, compa- 1,5 em
rece perante V.Sa. com o fim de solicitar-lhe, respeitosamente, abono-----.
de faltas dos dias 15, 16 e 17 do corrente mês, por motivos de saúde,
conforme incluso atestado médico.
Termos em que
P.Deferimento.
3,0 em
200 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
Obs.: Deve-se empregar espaço duplo entre linhas e espaçamento maior entre parágrafos gráficos.
8,0 em
4,0 em
Modelo de Requerimento Extrajudicial Complexo
3,0 em
lImo. Sr.Gerente de Recursos Humanos da Alegria Brinquedos Ltda.
8,0 em
:JÚLIONEVES, Chefe do Departamento de
Vendas, comparece perante V.Sa. a fim de expor e solicitar o que segue:
O Requerente foi convidado para proferir
palestra no "Simpósio Nacional de Vendas", ocorrido em Curitiba, nos
dias 15 e 16 do mês de janeiro (doc. 1).
20
Considerando que o evento contribui não só----:-'
para a vida curricular do Requerente, mas também ao prestígio da em-
presa, o convite foi aceito, razão por que das ausências nos dias acima
mencionados.
Também, a palestra proferida pelo Requerente
mereceu elogiosda imprensa local,justificando plenamente a sua presença
no evento (doc. 2).
Posto isso, requer de V. Sa. abono das faltas e
demais benefícios trabalhistas.
Termos em que
P. Deferimento.
São Paulo, 2 de fevereiro de 2007.
JÚLIONEVES
11,5 em
'li
1.
Teoria e Prática 201
cípio passado no início do período, seguindo a posição dele nas orações reduzidas.
Também, o item "e" não é exclusivo dentre as variações que procuram escapar das
dificuldades trazidas pelo emprego do particípio passado, sendo escolhido para
figurar o elenco acima por ser a variante mais conhecida.
Algumas considerações sobre o modelo de requerimento extrajudicial com-
plexo:
1Q O Requerente deve fazer a narrativa cronológica dos fatos - dos mais
remotos aos mais próximos - colocando-os de forma objetiva e precisa, de
sorte a demonstrar relação de causa/efeito entre eles e o pedido (critério
de substanciação).
2Q Entre os tópicos articulados do pedido deve haver espaço maior daque-
le utilizado nos parágrafos gráficos que expõem os fatos e solicitam os
pedidos.
3Q Querendo, podem ser numerados os parágrafos gráficos.
4.2 O pedido deve ser instruído por documentos que o comprovem, nu-
merados de acordo com a seqüência da narrativa e indicados de forma
abreviada - doc. 1, doc. 2 e assim por diante.
5Q Se houver necessidade de expor o pedido em mais de uma folha de papel
sulfite, não há o redator colocar na segunda lauda apenas o fecho ou a
data. Deve programar-se de forma a constar ali ao menos a última linha
do parágrafo de transição entre a narrativa dos fatos e o fecho.
6.3 REQUERIMENTO E PETIÇÃO INICIAL
A Petição Inicial ou Exordial é um requerimento complexo, porque de forma
articulada é solicitado o pedido, que dá início à atividade jurisdicional do Estado
para tutela de um direito.
Conforme ministra a melhor doutrina, a Petição Ini~ial é a concretude do direi-
to geral e abstrato de agir, com o intuito de formular ao juiz uma pretensão em face
de um sujeito passivo. Desta sorte, a Inicial contém um pedido e um requerimento;
este último, além das provas, destina-se a citar o réu para tomar conhecimento da
ação contra ele ajuizada. Ao tempo das Ordenações, bom é recordar, o pedido e
o requerimento se formulavam separadamente, como atos distintos. Em primeiro
lugar, requeria-se a citação do réu, chamada a peça Inicial. Depois, a peça escrita
contendo a pretensão do autor e o pedido contra ou em face do réu, conhecida
como libelo. Em 1850,já se facultava ao autor reunir os dois atos num só, vigendo
hoje a imperativa necessidade de formulação do pedido e citação do requerido em
peça única e redigida de forma articulada, denominada Petição Inicial.
202 Curso dePortuguês Jurídico \u2022 Damião/Henriques
Ademais disso, o vocábulo libelo é empregado, em nossos dias, mais especi-
ficamente para indicar a tese acusatória a ser sustentada pelo Ministério Público
perante o Tribunal do Júri, nos crimes dolosos contra a vida.
6.3.1 Petição inicial: aspectos lingüísticos e estruturais
Reza o Código de Processo Civil:
'~t. 22 Nenhum juiz prestará a tutela jurisdicional, senão quando a parte ou
interessado a requerer, nos casos e formas legais."
Do enunciado verifica-se ser a forma uma estrutura única (singular) para aten-
der os diversos casos (plural), devendo respeitar a Inicial os requisitos externos e
internos exigidos pelo art. 282, CPC, a saber:
lºVocativo
Indicação do juiz ou tribunal a que se dirige. É o cabeçalho ou endereço da
petição, não sendo o juiz indicado pelo nome, mas em razão de seu cargo. Havendo
diversas varas, deixar-se-á um espaço em branco a ser preenchido pelo distribui-
dor, que dirá a qual deles tocará o efeito: este será competente para conhecer do
pedido. Alerte-se, porém, ao fato de certas competências, sentido amplo, já serem
previamente determinadas