Curso de Português Jurídico.pdf
150 pág.

Curso de Português Jurídico.pdf


DisciplinaEst Sup Lin Portuguesa I5 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
legislador ora de uma ora de outra; aliás,
na linguagem jurídica, tornam-se freqüentes essas polissemias."
O já citado Ulmann (s. d., p. 331-346) analisa as cinco principais fontes da
polissemia:
1. Mudanças de aplicação
Ocorrem no contexto. Quando se diz que um rapaz é um gato desloca-se o
sentido do animal, aplicando na pessoa humana alguns atributos do felino.
2. Especialização em determinado meio social
A palavra pode mudar o sentido de acordo com o meio em que é produzido.
Veja-se a palavra ação: ação militar, ação comunitária, ação judicial etc.
A especialização pode ocorrer em um mesmo meio, e. g.: ação judicial penal,
ação judicial trabalhista.
3. Linguagem figurada
O caráter afetivo empresta novos significados às palavras. Veja o leitor a
palavra beijo. Não se ouve falar em "beijo da morte" (máfia), "beijo da fecun-
didade", "beijo cálido", "beijo frio"? É uma constante em Olavo Bilac a expressão
"beijos do sol".
4. Homônimos reinterpretados
São casos de desvio semântico entendido pelos autores como polissemia por
assumirem as palavras relações psicológicas diferentes.
Egrégio (ex grege): usava-se para designar a ovelha separada do rebanho; hoje,
fala-se em Egrégio Tribunal; hospício: passou de hospedaria para hospital e, daí,
para hospital de alienados; insolente: excessivo, fora do comum, cristalizou-se
como grosseiro; formidável: que causa medo (do latimformidare) e cujo sentido,
hoje, é excelente; escrúpulo: antes, pedrinhas da areia que perturbavam quando
entravam no sapato; hoje, perturbação da consciência.
s. Influência estrangeira
São empréstimos semânticos, acabando por o sentido importado abolir o antigo
ou conviver com ele, instalando-se a polissemia.
Ulmann (s. d., p. 342) oferece precioso exemplo. O termo francês parle-
ment, cujo significado original era "fala", "discurso" (do verbo parler = falar),
passou a designar um "tribunal judicial". Por influência do inglês parliament,
adquiriu o sentido de "assembléia legislativa". Mais recentemente, dezembro de
1992, encontra-se o termo cabendo, ainda, à ação judicativa.
Ir
[
Vocabulário 51
Com a palavra fortuna (destino, sorte) aconteceu-lhe adquirir o sentido de
riqueza por influência do francês (ANDRADE;HENRIQUES, 1992b, p. 37).
2.4.1 Usos da linguagem jurídica: algumas dificuldades
O profissional do Direito, conquanto a ciência jurídica busque a univocidade
em sua terminologia, convive com um sem-número de palavras polissêmicas.
Exemplo clássico é o termo Justiça que tanto exprime a vontade de dar a cada
um o que é seu, quanto significa as regras em lei previstas, e, ainda, o aparelha-
mento político-jurídico destinado à aplicação da norma do caso concreto.
O vocábulo Justiça (do latim Justitia) provém de ius, jus que, por sua vez,
é oriundo do sânscrito iu, cuja idéia expressava proteção, vínculo ou ordem. No
Direito Romano, o jus não se identificava com a lex (lei), mas estendeu-se ao vo-
cábulo direito em português, diritto em italiano, derecho em espanhol, droit em
francês e recht em alemão, contaminando o sentido da aplicação da lei, porque
ela busca o justo, tanto quanto o Direito procura pela Justiça.
Inadequados são, pois, adjetivos comumente empregados nos fechos das peças
processuais, e. g., lídima Justiça, porque só ocorre a aplicação da Justiça quando
se declaram direitos devidos ao titular e a punição de quem não os respeita, sendo
ela, desta sorte, sempre legítima.
Outro exemplo de polissemiajurídica é a palavra agravo (do latim aggravare)
com acepção de afrontar, ofender. Como corolário deste sentido, cabe desagravo
ao ofendido, reparando-lhe a injúria feita.
Na linguagem processual, porém, agravar é recurso interposto contra decisão
interlocutória ou mesmo definitiva (neste último caso, quando não se decidiu
sobre o mérito) que, por sua natureza, exige do agravante ser parte no feito. O
desagravo, na hipótese, indica que o recurso foi provido, com o desfazimento do
gravame praticado pelo juiz a quo.
Valem os exemplos:
a) A OAB desagravou o advogado Paulo Bernardes que, ao reclamar do
impedimento a ele imposto de assistir ao Interrogatório do Réu, em
causa patrocinada por um seu colega, recebeu do magistrado ordem de
prisão.
b) O réu agravou da decisão denegatória de pedido de acareação de teste-
munhas, formulado pela defesa na fase do art. 499 do CPp,em razão de
declarações contraditórias prejudiciais ao conhecimento da verdade.
A locução latina ex offtcio, quando modifica o substantivo recurso, significa que
o juiz, ele próprio, recorre da decisão por força da lei. No entanto, ao especificar
Vocabulário 53
féria
~ comerciantes
estipêndios
""'-: magistrados
Do I A flordo jardim morreu
A flordo jardim 0
A flordo jardim 0
A flordo jardim 0
honorários
""': advogados
salário
""': assalariados
o direitode usufruto0
O direitode usufruto0
O direitode usufruto0
O direitode usufrutoextinguiu-se
a) Separação judicial consensual ou litigiosa (põe termo aos deveres do
casamento); divórcio (põe fim ao próprio casamento). Veja-se, ainda,
que na separação judicial consensual há acordo entre as partes, ambas
Autoras da Petição Inicial, enquanto na litigiosa existe conflito, havendo
Autor (quem propõe a separação) e Réu (em face de quem há a pro-
positura da ação).
b) Casa (sentido genérico de habitação); residência (lugar de parada ou
permanência); domicl1io (sentido estrito, residência com animus perma-
nendi; lugar onde a pessoa responde pelos atos da vida civil).
c.
vencimentos
~ deputados
soldo
~soldados
Verifique o leitor que houve em todos os casos "equivalência de significação"
entre palavras. Perceba, no entanto, que não houve "identificação" completa.
Isto ocorre porque cada palavra se reveste de feição própria, apresenta um grau
de afetividade ou expressividade peculiar; ajusta-se desta ou daquela forma a
determinado conjunto, enfim, a palavra g::nha vida própria e assume tonalidade
própria.
Segundo Almeida Tôrres (1959, p. 35-36), a Rui Barbosa, repugnava-lhe o
uso de desvirginamento em lugar de defloramento; este lhe sabia a pudor, aquele
teria conotação de violência. O mesmo pudor levou, por certo, José de Alencar a
poetizar a perda da virgindade nos seguintes passos de "Iracema":
Tome-se outra série sinonímica: velho, anoso, antigo, arcaico, remoto; os
termos aplicam-se: velho ---7 homens; anoso ---7 árvores; antigo ---7 objetos;
arcaico ---7 termos; remoto ---7 épocas (Andrade e Henriques, 1992b:38).
Observe-se a diferença entre:
Em outra série sinonímica: soldo, féria, vencimentos, honorários e esti-
pêndios, os termos aplicar-se-ão:
r
I
A chamado círiopascalmorreu
A chamado círiopascal0
A chamado círiopascal0
A chamado círiopascalextinguiu-se
B.
morrer, falecer, expirar, extinguir-se
A. I O mendigomorreu
O mendigofaleceu
O mendigoexpirou
O mendigo0
52 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
o verbo processar, indica ter o juiz agido por interesse da Justiça, sem pedido ou
interposição das partes.
A polissemia pode ser, ainda, morfológica. Em sua acepção adverbial, a expres-
são bastante indica intensidade. Aplicada à Procuração, é o vestígio do particípio
presente do verbo bastar (o que basta, o que é necessário). Assim, outorgam-se
poderes bastantes ao procurador, ou seja, os poderes necessários ao cumprimen-
to do Mandato. Contaminado, foi, também, o substantivo procurador. Bastantes
procuradores são os que reúnem condições e qualidades para praticar os atos
necessários à validade do Mandato.
A homonímia há de merecer o mesmo exame acurado. Problemático seria
afirmar que houve a sessão de direitos ou que a seção do júri foi iniciada no ho-
rário designado.
A conclusão óbvia que se pode tirar dessas observações é que, se o mero
conhecimento dos conceitos jurídicos não é suficiente para a expressão do pensa-
mento, torna-se imperativo,