Curso de Português Jurídico.pdf
150 pág.

Curso de Português Jurídico.pdf


DisciplinaEst Sup Lin Portuguesa I5 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
As rimas do samba não são 'I love you'.
E esse negócio de 'alô', 'alô boy', 'alô, Johnny'
só pode ser conversa de telefone."
(Apud MÁXIMO;DIDIER, 1990, p. 243)
com naturalidade. Hoje, não há mais clima para os antigos caçadores de estran-
geirismos, cacófatos e outros que tais.
Algumas palavras estrangeiras não têm correspondentes adequados e hão de
ser usadas; ninguém pensaria em substituir outdoor por cartazão.
É praxe colocar estas formas entre aspas ou em negrito ou itálico. E o que se
dá com palavras de uso na Administração, Economia ou, mesmo, Direito Comer-
cial e Tributário como marketing, open (market), over (night), trading, leasing e
outras.
Há formas estrangeiras com correspondentes vernáculas; dar-se-á, então, pre-
ferência às nossas palavras, a não ser que haja alguma razão de ordem estilística
ou outra que justifique a forma alienígena.
A tendência brasileira de copiar tudo o que é estrangeiro facilita a intromissão
de vocábulos de fora; ontem era o francês, hoje, o inglês.
Na verdade, a influência inglesa remonta aos anos 30, graças, de modo es-
pecial, ao cinema norte-americano, fato este que não escapou à atenção de Noel
Rosa.
-
68 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques Vocabulário 69
2.11 CAMPOS SEMÂNTICOSE CAMPOS LÉXICOS
Ainda consoante Mattoso Câmara Jr., campos léxicos são famílias de palavras
ou palavras cognatas, a saber, palavras que constituem um grupo de derivação
incluindo-se a composição prefixaI. Como exemplos:
Uma das maiores contribuições de Saussure foi a de mostrar que a palavra
não é uma unidade semântica isolada. Ao procurar relações de aproximação
(sinonímia) e de oposição (antonímia), abriu ele caminho para os estudos da
semântica estrutural, notadamente entre lingüistas da Alemanha e da Suíça, a
partir das décadas de vinte e trinta, trazendo a idéia de ligação significativa de
certos conjuntos de signos lingüísticos, e. g., grupos de animais domésticos - cão,
cavalo, gato, boi, que possuem em comum certos atributos (animais, irracionais,
vertebrados, quadrúpedes, domésticos etc.), colocando-os, assim, em um mesmo
campo semântico.
A esta associação de conceitos, Dubois (1978, p. 366) chama de campo se-
mântico em termos de polissem ia. Não alcança, porém, a aceitação da maioria
dos lingüistas, estes concordes com Mattoso Câmara Jr., entendendo que campos
semânticos constituem "famílias ideológicas".
Compreendido o sentido de campos semânticos ou campos nocionais, cumpre
verificar que cada unidade-membro da família ideológica possui suas particulari-
dades, vale esclarecer, traços mínimos de significação que a distingue das demais.
Quando se diz canino, eqüino, felino, bovino, não se está colocando os signos em
um mesmo campo semântico, pois as especificações referem-se a: cada signo, iso-
ladamente. As palavras unem-se em torno de uma palavra primitiva e a derivação
constitui as "famílias etimológicas".
Veja-se:
Há várias palavras latinas estreitamente ligadas ao campo jurídico, embora
tenham sofrido alteração de classe gramatical; é o que acontece, v. g., com:
\u2022 Déficit (superávit): formas latinas substantivadas; hoje aparecem acentua-
das e com a desinência indicativa do plural, sinal de que já se consideram
incorporadas ao português.
\u2022 Alibi: advérbio latino (em outro lugar) usado como substantivo em
português; é a prova de que o acusado se encontrava em outro lugar no
momento do crime. Aparece com e sem acento.
\u2022 Grátis: advérbio latino corrente em português; continua como advérbio.
Também aparece acentuado e como adjetivo, v. g., amostra grátis.
\u2022 Exequatur: forma verbal latina substantivada; é o subjuntivo de exequor-
exsecutus sum-exsequi; literalmente significa "cumpra-se, execute-se". É
a autorização de ordem para que se executem determinados atos.
\u2022 Quorum (quórum): genitivo plural do pronome relativo latino - qui-quae-
quod - substantivado com o sentido de "número legal".
\u2022 Habeas corpus: palavra composta da 2ª pessoa do singular do presente
do subjuntivo do verbo habere (habeas) e do substantivo corpus (corpo).
Trata-se do instituto de garantia contra a violência ou constrangimento
na liberdade de locomoção. A propósito, o humorista Fraga (1976, p.
198) escreveu:
"O mais triste das prisões políticas é que quando o advogado consegue o
'habeas corpus' para o seu cliente, já não há mais corpo."
Obs.: Ocorre aparecer esta expressão (e outras) separadas por hífen; não
é boa grafia, pois em latim não havia hífen.
Urge lembrar que o Habeas Corpus é uma ordem, e o verbo habeas, em-
bora no subjuntivo, tem força de imperativo. Consoante a lição de Ernout
e Thomas (1953, p. 234), a ordem exprime-se, em latim, no imperativo
ou subjuntivo.
\u2022 Laudo: forma verbal latina (laudo: eu louvo) substantivada com o sentido
de sentença ou parecer dos árbitros e parecer ou relatório de peritos. É
o parecer do louvado ou árbitro.
\u2022 Nascituro: particípio futuro do verbo nascor, natus sum, nasci, substan-
tivado na acepção de pessoa virtual, em germe, homem in spem.
Nota: Há de se lembrar o uso freqüente na língua portuguesa do gerun-
divo latino em expressões como: crime nefando; argumento despi-
ciendo; expressão vitanda e em inúmeras palavras (doutorando,
venerando, colendo, memorando, subtraendo, minuendo, multi-
plicando etc.).
No Direito, vêem-se extraditando, interditando, usucapiendo, prestações vin-
cendas, exeqüenda etc.
Campo semântico
Indústria
fábrica
operário
empresário
máquina
torno
metalúrgico
têxtil
mão-de-obra
empresarial
salário
sindicato
Campo léxico
Operário
operacional
operariado
operacionalizar
operador
operar
operante
operacionismo
operativo
operoso
operosidade
,
70 Curso de Ponuguês Jurídico \u2022 Damião/Henriques
\u2022 Do latim fiscus-i (cesto de vime, cesto para dinheiro e, daí, dinheiro
público): fisco, fiscal, fiscalista, fiscalizar, confiscar, confiscação, confis-
catório, confiscativo, confiscável.
\u2022 Do latim pecus-oris (rebanho, gado, objeto de troca em tempos anti-
gos): pecuária, pecuário, pecuniário, pecúlio, peculiar, peculato, pecu-
latório, peculador, pegureiro.
\u2022 Do latim torquere (torqueo, torquis, torsus sum, torsum ou tortum):
torto, tortura, torturar, tortuoso, tormento, tórculo, torção, contorção,
distorção, extorsão, contorcer, distorcer, extorquir, retorquir, retorcer,
retorção.
\u2022 Do latim loqui (loquor; locutus sum): loquaz, eloqüência, colóquio, so-
lilóquio, locutor, locução, elocução, alocução, alocutário, interlocutor,
perlocutário.
\u2022 Do latim cursare (freqüentativo de currere - correr): acorrer, concorrer,
decorrer, discorrer, escorrer, intercorrer, recorrer, socorrer, transcorrer,
curso, concurso, decurso, discurso, incurso, incursão, excursão, recurso,
transcurso, socorro.
\u2022 Do latim puer-i: puerícia, pueril, puericultura, puérpera, puerperal, pue-
rilidade, puerpério, puerilizar.
\u2022 Do latim trahere (traho-trahis-traxi-tractum): atração, abstração, contra-
ção, extração, detração, retrair, contrair, subtrair.
2.12 DIFICULDADES DO VOCABULÁRIO NA LINGUAGEM
JURÍDICA
Dificuldades vocabulares a serem superadas pelo usuário da língua portu-
guesa sempre as houve e inúmeras, constituindo sérios obstáculos para a comu-
nicação humana. Selecionar a palavra exata na transmissão de uma idéia, rela-
cionar vocábulos com correção na estrutura frasal e fazer uso morfológico ade-
quado nas combinações sintáticas são tarefas de irrefutável importância a quem
deseja expressar-se satisfatoriamente.
Diante disso, elencar erros comuns na linguagem dos jovens estudantes ou
dos esforçados profissionais do Direito torna-se missão espinhosa por não serem
poucos os casos a merecer cuidadoso exame.
Não é desiderato nosso, porém, inventariá-los de forma rigorosa. Antes, es-
peramos alertar sobre a necessidade de uma busca incansável às informações das
boas gramáticas e dos respeitados dicionários, para um