Curso de Português Jurídico.pdf
150 pág.

Curso de Português Jurídico.pdf


DisciplinaEst Sup Lin Portuguesa I5 materiais30 seguidores
Pré-visualização50 páginas
para si ou
para outrem, coisa móvel alheia mediante grave ameaça ou violência, depois de
reduzir a resistência da pessoa); mútuo (art. 586, CC - empréstimo oneroso de
coisas fungíveis); comodato (art. 579, CC - empréstimo gratuito de coisas não
fungíveis) .
São unívocas, ainda, palavras pertencentes ao jargão do profissional do Direi-
to, e. g.: ab-rogar (revogar totalmente uma lei); derrogar (revogar parcialme'nte
uma lei); ob-rogar (contrapor uma lei a outra); repristinar (revogar uma lei re-
vogadora).
Bom de lembrar que a repristinação não é automática, pois não se restaura por
ter a lei revogadora perdido a vigência nos termos do art. 2º, ~ 3º, da LICC.
Pode-se dizer, assim, que a univocidade representa os termos técnicos do
vocabulário especializado.
Equívocos: são os vocábulos plurissignificantes, possuindo mais de um sen-
tido e sendo identificados no contexto.
d) cessão: ato de ceder
sessão: reunião
seção: repartição
e) cela: cubículo, prisão
sela: arreio
f) estático: firme, imóvel
extático: admirado, pasmado
g) laço: nó
lasso: frouxo, gasto, cansado
h) tacha: pequeno prego, labéu, mancha
taxa: imposto, tributo, percentagem
2.4 POLISSEMIA E HOMONÍMIA
a) acender: alumiar, pôr fogo
ascender: subir
b) acento: tom de voz, sinal gráfico
assento: lugar de sentar-se
c) caçar: apanhar animais ou aves
cassar: anular
Vocabulário 47
A polissemia, como se viu, é a multiplicidade significativa de um mesmo signi-
ficante, e. g., pena. Casos há, também, em que a polissemia se encontra na palavra
encarregada de representar um campo: Câmara por Câmara dos Deputados.
Segundo Dubois (1978, p. 326), "homonímia é a identidade fônica (homo-
fonia) ou a identidade gráfica (homografia) de dois morfemas que não têm o
mesmo sentido, de modo geral" .
Como exemplos de homônimos homófonos, têm-se:
Quando anteriormente foi lembrada a univocidade das palavras furto e roubo,
bom é esclarecer, agora, serem elas análogas em relação ao tipo crimes contra o
patrimônio.
"Ninguém se apodera da língua e dela faz uso exclusivo", afirma com elo-
qüência Ronaldo Caldeira Xavier (1991, p. 12). Se a assertiva é verdadeira, também
o é o fato de a precisão vocabular contribuir para a eficiência do ato comunicativo
jurídico.
Faz-se mister atentar para o uso correto de tais formas: "consertou (sic) a gra-
vata num gesto automático, antes de começar a palestrar sobre ecologia" (Folha
de S. Paulo, 10-4-92, p. 4).
r
(dissolução pela vontade
dos contraentes)
(dissolução por lesão do
contrato)
apreender judicialmente bem em litígio.
privar alguém de sua liberdade de
locomoção.
exercer fasCÍniosobre alguém para
benefício próprio .
manter conjunção carnal com mulher vir-
gem, menor de dezoito anos e maior de ca-
torze, aproveitando-se de sua inexperiência
ou justificável confiança.
<~:~,:~(dissolução de umcontrato, acordo,ato jurídico)
Exemplos:
<DireitoProcessual:Seqüestrar Direito Penal:
Curso de Ponuguês Jurídico \u2022 Damião/Hcnriques
/ Linguagem usual:
seduZir~
Direito Penal:
Resolução
46
o profissional do Direito deve empreender bastante esforço semântico ao
usar as palavras plurissignificativas. Para tanto, não deve empregar acepções que
não pertençam ao jargão jurídico, ou, se o forem, mas tiverem natureza equívoca,
devem ser acompanhadas de especificadores que resguardem o sentido preten-
dido .
Análogos: são os que, não possuindo étimo comum, pertencem a uma mes-
ma família ideológica, sendo sinônimos, apesar de distinções semânticas porque
a sinonímia perfeita inexiste.
Exemplos:
\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022ie
I \u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022\u2022 \u2022 A V~ja-se que palavras análogas são comumente conhecidas como palavras
Slnonlmas.
\u2022 Todavia, as palavras não têm exatamente o mesmo sentido, podendo ser agru-
\u2022 padas por um ponto em comum, mantendo suas significações específicas.
\u2022 No exemplo citado, o vocábulo resolução é ponto comum (gênero) das palavras
resilição e rescisão.
\u2022 No entanto, resolução é palavra equívoca, com diversos significados, enquantoI. resilição e rescisão são palavras unÍvocas.
\u2022 I\u2022 &
Vocabulário 49
exemplos de homonímia, provenientes de duas ou mais palavras lati-
nas:
O réu foi conduzido sob vara.
O juiz da 5ª Vara Criminal é severo.
Esta vara é pesada.
Comprei uma vara de porcos.
Casos há em que pode ocorrer a ambigüidade como no exemplo: foi assassi-
nado no banco. Nas páginas humorísticas provoca-se ambigüidade: &quot;O criminoso
não deixou boa impressão no local do crime.&quot;
São extremamente polissêmicas palavras como cabeça, olho, linha etc.; o
termo latino res-rei (da quinta declinação) pode, segundo o contexto, significar:
coisa, feito, negócio, assunto, questão, demanda, império, governo, ofício, parte,
herança, patrimônio, modo, ocasião, fazenda, riqueza, Utilidade, interesse etc.
2. Divergência semântica: dois ou mais significados da mesma palavra se-
param-se de forma tal, que acaba por ocorrer plena ruptura entre eles,
e. g.:
a) escudo (arma defensiva)
b) escudo (moeda)
Difícil se torna precisar, nestes casos, a homonímia, diferenciando-a da
polissemia. Os registros ocorrem em razão de os estudiosos da língua
acompanharem a história das palavras. Mesmo assim, muitas decisões
são arbitrárias.
3. Influência estrangeira: os empréstimos, ao se adaptarem ao sistema fo-
nético da língua, para serem incorporados, acabam por coincidir com
palavras já existentes, e. g., manga (parte do vestuário), do latim manica
(séc. XIII) e manga (fruta) do malaio (séc. XVI). Na opinião de Coutinho
(1974, p. 209), os homônimos provenientes de línguas diferentes também
são considerados convergentes.
No tocante à polissemia descarta-se, em geral, a possibilidade de problemas de
compreensão ou ambigüidades pelo contexto; é o que se percebe nos exemplos:
O juiz mandou relaxar a prisão.
O guarda não pode relaxar a vigilância.
Convém relaxar o corpo ao dormir.
Não se deve relaxar a consciência.
~
~ sagrado: S. Pedro
são ~ sadio: homem são
são: eles são
sanctu~
sanu --------~
sunt
r
f
&quot;Concertou o chapéu na cabeça.&quot; (M. de Assis)
A homófona conserto = reparo, enquanto concerto significa acordo, espetáculo,
arrumação.
Exemplos de homônimos homógrafos:
1. Assentar
a) O réu assentou na ponta da cadeira.
b) &quot;a respeito desse conhecimento presumido assentou ajurisprudên-
cia a seguinte orientação ...&quot; (W de Barros Monteiro)
c) José assentou praça.
d) Ele assentou a cabeça.
e) O exército assentou acampamento em Itatiba.
2. Decadência
a) Escreveu-se um livro sobre a decadência de Roma.
b) No caso, não houve decadência da queixa.
c) A partir de certa idade, começa a decadência da vida.
3. Diligência
a) Realizou-se diligência para a elucidação do crime.
b) O aluno estuda Direito Penal com diligência.
c) O filme de John Ford &quot;No tempo das diligências&quot; é ótimo.
Além desses casos de homonímia total, pode ocorrer homonímia parcial,
v. g.:
Ulmann indica três fontes para a homonímia:
1. Convergência fonética: duas ou mais palavras, por meio de mudanças
fonéticas, coincidem no significante. Na língua portuguesa, ricos são os
48 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
a. Olho o gato com olho carinhoso.
b. Começo o livro no começo da minha vida.
c. A estrela francesa estrela este filme.
Poderá perguntar-se o leitor: em que polissem ia e homonímia se diferem?
Na verdade, em ambos os fenômenos lingüísticQs há um significante para vários
significados. Na polissem ia, o emissor alarga as acepções de uma única palavra,
enquanto na homonímia, ele distingue várias palavras, e. g.:
vão = substantivo
vão = adjetivo
vão = verbo
50 Curso de Português Jurídico \u2022 Damião/Henriques
A polissemia é corrente na linguagem jurídica; vale citar, a propósito, Wa-
shington de Barros Monteiro (Direito das obrigações, 1976, p. 4): &quot;Muitos são,
portanto, suas acepções utilizando-se o