Direito do Trabalho I
19 pág.

Direito do Trabalho I


DisciplinaDireito do Trabalho I27.396 materiais481.984 seguidores
Pré-visualização9 páginas
Dia 08/08/13
Direito do trabalho I
Direito Individual do trabalho
 Fontes do direito do trabalho \u2013 fonte: origem. Fenômeno que dá origem ao direito do trabalho. Nasce de um conjunto de fatores sociais, econômicos e até religiosos. 
Classificação das fontes
Fontes materiais: conjunto de fatores que dão origem às suas normas, regras. Fatores sociais, políticos, econômicos. 
Fontes formais: exteriorização do direito do trabalho. É o que dá forma ao direito do trabalho. A Lei é a fonte do direito do Trabalho.
- heterônomas: se relacionam ao próprio objeto de sua criação. CF, emendas, leis complementares, leis ordinárias, sentenças normativas, jurisprudência e princípios gerais do direito. 
- autônomas: não se relacionam ao objeto de sua criação. Podem criar novas regras. ex.: contrato de trabalho. 
Desde que a lei esteja sendo respeitada.
1.1.2) Hierarquia das fontes. Não há hierarquia. Prevalece a norma mais favorável.
1.2) Princípios de direito do trabalho
1.2.1) Princípio da proteção: 
Desdobra-se em:
-indubio pro misero: pouco importa se é autor ou réu na ação. A lei é decretada em favor do empregado. Na dúvida em favor do trabalhador. Interpretação da lei. Só em caso de dúvida quanto à legislação e nunca à decisão de um juiz, por acaso.
Sinopse: Na verdade, o princípio do in dubio pro operário não deve ser traduzido somente como \u201cna dúvida, para o operário\u201d e sim \u201cna dúvida, em favor do vínculo empregatício\u201d.
- aplicação da norma mais favorável: não há hierarquia de normas. Aplica-se a mais favorável, independente de hierarquia. Art. 620 CLT.
Na dúvida de qual é a mais favorável: 
teoria do conglobamento \u2013
Teoria da acumulação \u2013 
Teoria do conglobamento mitigado - \u2013
- condição mais benéfica: 
1.2.2) Princípio da irrenunciabilidade de direitos: 
1.2.3) Princípio da continuidade da relação de emprego: 
1.2.4) Princípio da primazia realidade:
1.2.5) Princípio da inalterabilidade contratual lesiva: 
1.2.6) Princípio da intangibilidade salarial: 
Dia 15/08/2013
1.3 \u2013 Relação de trabalho e relação de emprego
1.3.1 \u2013 Noções gerais
1.3.2 \u2013 Relação de trabalho autônomo: 
Características:
1.3.3 \u2013 Relação de trabalho avulso (Lei 12023/2009): requisito pessoalidade não está presente.
Características: 
Partes: trabalhador avulso, tomador e sindicato ou Órgão gestor de mão de obra (OGMO).
O tomador não contrata o avulso diretamente. O tomador contacta o sindicato, que vai a regulamentação do serviço a ser executado, é quem organiza, coordena, os trabalhadores avulsos, ou seja, faz a intermediação da mão de obra. O avulso não precisa ser sindicalizado, ou seja, não há vinculo nenhum com o sindicato. 
Em caso de acidente de trabalho, o tomador não tem responsabilidade, pois não é empregador.
O avulso pode prestar serviço com habitualidade; o eventual não.
O avulso possui todos os direitos na legislação como se fosse empregado comum (vinculo empregatício).
Exemplo: trabalhador prontuário e movimentador de carro. 
1.3.4 \u2013 Relação de trabalho eventual: a principal diferença com o trabalhador empregado é a habitualidade.
Faz jus apenas ao preço do serviço executado, o que foi combinado.
Exemplos: pintor, jardineiro.
1.3.5. \u2013 Relação de trabalho institucional: o que une as partes não é um contrato, mas sim um estatuto. Vinculo institucional.
1.3.6 \u2013 Trabalho voluntário: principal requisito é a onerosidade. Regulado pela Lei 9608/98 (art. 1º). É prestado a título gratuito. Não recebe salário, contra prestação pelo serviço prestado, porque está na essência do trabalho voluntario não ser cobrado; não é contrato; não é uma relação mercantil, é uma relação de ajuda; o vinculo se dá por motivos pessoais.
1.3.7 \u2013 Estágio: o que vincula as partes? Interesse educacional, aprendizagem. Não há vinculo contratual. Crescimento profissional. Ato educativo e supervisionado. Pode ser oneroso ou gratuito.
1.3.8 \u2013 Relação de emprego
Regime estatutário e celetista
Estatutário: administração pública direta
Celetista: empresas públicas, fundações públicas e sociedades de economia mista (banco do Brasil, correio).
Regime estatutário (direitos / deveres)
Lei municipal, estadual, federal.
Estabilidade
Aposentadoria integral
Férias, gratificações, licenças.
Pode aproveitar direitos da CLT (como FGTS)
Regime celetista
Não há estabilidade
FGTS
Aviso prévio
13º salário
Férias
INSS
Estágio (Lei 11.788/2008)
Os estagiários X empregadores acordam os serviços através do termo de compromisso.
Características:
Ato educativo, supervisionado.
Frequência à instituição de ensino superior, educação profissionalizante (ens. Médio) e últimos anos do ensino fundamental.
Sujeitos da relação
Estagiário (educando), instituição de ensino e parte concedente (agentes de integração): deve haver a presença dos três sujeitos, se não entra como vinculo empregatício.
Parte concedente: pessoa física (profissionais liberais), jurídica, adm. Publica.
Requisitos essenciais para não haver vínculo empregatício:
Matriculada e frequentando o curso
Termo de compromisso celebrado entre as três partes;
Compatibilidade de funções
Requisitos:
Jornada: 4 horas diárias / 20 semanais ou 6 horas diárias / 30 semanais.
Duração do contrato: 2 anos, prazo máximo. Art. 15, da lei.
Bolsa auxílio: quando o estagio não faz parte da grade curricular, quando é opcional, é denominado de estagio não obrigatório, tem necessidade de ser oneroso. Quando tem na grade curricular, ou seja, é obrigatório, não há necessidade de ser oneroso.
Recesso: tem direito a um recesso que deve coincidir com as férias escolares. 30 dias. Recebe. Caso oneroso.
Auxilio transporte: tem direito
Seguro: tem direito de seguro de vida.
Dia 22/08/2013
1.4 \u2013 Requisitos caraterizadores da relação de emprego
Trabalho por pessoa física
Pessoalidade: o trabalho deve ser prestado pessoalmente pelo trabalhador. Infungível. \u201cIntuitu personae\u201d. Personalíssimo.
Sinopse: Em razão do caráter personalíssimo da relação empregatícia (intuitu personae), o trabalhador não poderá fazer-se substituir por outrem em sua prestação. A capacidade produtiva, qualidades e aptidões que lhe são inerentes, bem como a confiança (fidúcia) do tomador, constituem fundamentos essenciais da contratação.
Não eventualidade: habitualidade. Frequente, costumeiro, rotina, continuo, permanente.
Sinopse: Elemento de difícil definição, também chamado de habitualidade, a não eventualidade deve sempre levar em conta a frequência com que o empregado executa seu trabalho em relação ao número de dias em que este poderia ser exigido.
Analisar também se a atividade se insere na cadeia produtiva da empresa; se tem relações com fins sociais da empresa. Se ela não se inserir e não tiver relações sociais com a empresa, é eventual.
Onerosidade
Sinopse: A definição de onerosidade, para fins trabalhistas, também deve ganhar um contorno muito mais abrangente que para os outros ramos do Direito. Derivação de \u201cônus\u201d, ela se fará presente sempre que o tomador dos serviços se comprometer ao cumprimento de uma obrigação, seja de pagar (dinheiro ou utilidade), de dar, de fazer ou de não fazer.
Subordinação: é o poder que o empregador tem de dar ordens ao empregado. 
Poder delitivo: controle de ligações, e-mails.
Poder hierárquico: significa que o empregado está sujeito as ordens do empregador; que o empregado deve se submeter às determinações do empregador.
Poder disciplinar (poder punitivo): o empregador pode punir o empregado caso haja erros. Aplicações de advertências, dispensas.
Poder fiscalizatório / ou controle: empregador tem poder de fiscalizar o serviço do empregado.
Sinopse: o trabalhador cumpre as ordens que lhe são dirigidas pelo empregador em respeito ao contrato de trabalho celebrado e para que possa reivindicar a contraprestação pecuniária, bem como todos os direitos trabalhistas que o instrumento normativo e a lei lhe conferem, pois, afinal, nem sempre possui condição econômica inferior ou busca aperfeiçoar