Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed.  ALMG
50 pág.

Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed. ALMG


DisciplinaProcesso Legislativo197 materiais752 seguidores
Pré-visualização50 páginas
educação;

II \u2013 assegurar a destinação de seu patrimônio a outra escola comunitária,
filantrópica ou confessional, ou ao poder público, no caso de encerramento de
suas atividades;

III \u2013 for declarada de utilidade pública por lei. (Qual é a entidade: o centro
educativo ou a associação autônoma?)

d) para obter imperatividade:
 usar o futuro do presente do indicativo e o presente do indicativo:\u2022	
Exemplos:

Art. 1º \u2013 O Estado promoverá a assistência integral à saúde reprodutiva da
mulher e do homem, mediante a adoção de ações médicas e educativas.

nnn

Art. 2º \u2013 O Regime Próprio de Previdência Social assegura os benefícios
previdenciários previstos nesta lei complementar aos segurados e a seus
dependentes.

preferir as formas v\u2022	 erbais às nominais:
Exemplos:

Cabe à Mesa designar os membros da comissão (e não \u201ca designação\u201d).
É vedado restringir o acesso ... (e não \u201ca restrição\u201d).

preferir os verbos significativos aos de ligação:\u2022	

Exemplo:

Aplica-se ... (e não \u201cé aplicável\u201d).

preferir as formas verbais às constituídas de verbo e substantivo:\u2022	
Exemplo:

Requerer, pagar, nomear (e não \u201cfazer requerimento\u201d, \u201cfazer pagamento\u201d,
\u201cfazer nomeação\u201d).

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 56 27/3/2013 13:10:01

 O
 PRO

CESSO
 LEg

ISLATIvO
57

evitar o uso meramente\u2022	 enfático de termos ou expressões:

Exemplos:

Art. 5º \u2013 O regulamento da Medalha de Mérito Profissional será aprovado
no prazo (máximo) de sessenta dias contados da data da publicação desta lei.

Art. 7º \u2013 O Grupo de Trabalho apresentará relatório contendo as sugestões
relativas aos objetivos definidos no art. 2º (impreterivelmente) no prazo de
sessenta dias contados da data da publicação desta lei.

nnn

Art. 2º \u2013 (...)
§ 2º \u2013 O Plano Estadual de Parcerias Público-Privadas e os projetos, contratos,

aditamentos e prorrogações contratuais a ele vinculados serão (obrigatoriamente)
submetidos a consulta pública.

Sabe-se que a lei é sempre imperativa. A imperatividade é
um traço genérico da lei e informa tanto as normas que
estabelecem uma obrigação quanto aquelas que instituem uma
faculdade ou uma diretriz. O uso de palavras ou expressões que
querem dar ênfase a uma obrigação \u2013 como necessariamente,
impreterivelmente ou obrigatoriamente \u2013 pode ter um efeito
indesejado: ao reforçar o sentido de obrigatoriedade de um
comando, enfraquece o de outro comando que não se exprimiu
no mesmo tom enfático.

Uso dos verbos dever e poder

O sentido imperativo de um enunciado legal é dado, quase sempre, pelo uso
do verbo no futuro do presente do indicativo ou no presente do indicativo.

Exemplo:

Art. 207 \u2013 O poder público garante a todos o pleno exercício dos direitos
culturais, para o que incentivará, valorizará e difundirá as manifestações culturais
da comunidade mineira. (Constituição do Estado)

A locução verbal que tem como auxiliar o verbo \u201cdever\u201d, apesar de
também servir para exprimir obrigatoriedade, não é indicada para textos
legais, por ser menos direta e concisa e mais sujeita a ambiguidades. Assim,
por exemplo, no enunciado do art. 207 da Constituição do Estado, não seria
recomendável dizer \u201cO poder público deve garantir\u201d no lugar de \u201cO poder
público garante\u201d, nem \u201cdeve incentivar, valorizar e difundir\u201d onde se diz
\u201cincentivará, valorizará e difundirá\u201d.

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 57 27/3/2013 13:10:01

M
A

N
U

A
L

 D
E

 R
ED

A
Ç

Ã
O

 P
A

RL
A

M
EN

TA
R

58
Entretanto, há algumas situações em que o verbo \u201cdever\u201d parece ser mais

adequado. São aquelas em que o comando expresso pelo verbo, sem perder
o sentido de obrigatoriedade, apresenta-se, no contexto geral do enunciado,
como um requisito a ser necessariamente cumprido para a consecução de
um objetivo mais amplo, explícito ou subentendido no artigo, e geralmente
estabelecido como uma faculdade para o destinatário da norma.

Exemplos:

Art. ... \u2013 O recurso deverá ser protocolado (e não será protocolado) no prazo de
três dias contados da data da publicação da decisão. (Apresentar o recurso é uma
faculdade.)

nnn

Art. ... \u2013 Para usufruir dos benefícios concedidos por esta lei, o produtor rural
deverá cadastrar-se (e não cadastrar-se-á) no órgão competente até o dia 30 de
janeiro do exercício fiscal subsequente ao da realização da transação. (Cadastrar-se é
uma opção do produtor rural.)

O verbo \u201cpoder\u201d é empregado, na maior parte das vezes, para indicar uma
faculdade ou uma possibilidade. O fato de exprimir possibilidade não retira
do comando o caráter imperativo, já que a opção é, também ela, uma norma.

Exemplos:

Art. 10 \u2013 (...)
§ 2° \u2013 O Estado poderá legislar sobre matéria da competência privativa da União,

quando permitido em lei complementar federal. (Constituição do Estado)
nnn

Art. 53 \u2013 A Assembleia Legislativa se reunirá, em sessão ordinária, na Capital
do Estado, independentemente de convocação, de primeiro de fevereiro a dezoito de
julho e de primeiro de agosto a vinte de dezembro de cada ano.

(...)
§ 4° \u2013 Por motivo de conveniência pública e deliberação da maioria de seus

membros, poderá a Assembleia Legislativa reunir-se, temporariamente, em qualquer
cidade do Estado. (Constituição do Estado)

Singular e plural

Na lei, dá-se preferência ao singular, que é mais conciso e, na maioria
das vezes, tem efeito generalizante, fazendo com que a norma se dirija
individualmente a cada um dos integrantes de um universo aberto.

Exemplo:

Art. ... \u2013 Será promovido o servidor que obtiver mais de 60% (sessenta por
cento) dos pontos distribuídos em avaliação de desempenho.

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 58 27/3/2013 13:10:01

 O
 PRO

CESSO
 LEg

ISLATIvO
59

A forma plural é mais sujeita a ambiguidade e imprecisão, mas pode mostrar-
se recomendável quando a norma tem uma aplicação concreta dentro de um
universo definido de destinatários (uma classe, um segmento, um grupo).

Exemplos:

Art. 7º \u2013 (...)
§ 1º \u2013 Os valores constantes nesta lei, inclusive em seu Anexo III, serão

reajustados na mesma data e pelo mesmo índice aplicado ao reajuste dos valores
expressos em reais na Lei Federal nº 10.165, de 27 de dezembro de 2000.

nnn

Art. 2º \u2013 Ficam reconhecidos como praticados por motivos políticos, e não
por falta de decoro parlamentar, os atos de cassação contidos na resolução a
que se refere o art. 1º.

nnn

Art. 19 \u2013 Na hora do início da reunião, aferida pelo relógio do Plenário, os
membros da Mesa da Assembleia e os demais deputados ocuparão seus lugares.
(Regimento Interno da Assembleia)

Estrangeirismos

O uso de termos ou expressões em língua estrangeira nos textos legais só
é admitido em casos excepcionais, quando a expressão for de uso consagrado
e não tiver correspondente em português. Isso ocorre geralmente com
alguns termos em latim (ad hoc, habeas corpus, per capita, caput e causa mortis).

O fenômeno da globalização tem ensejado a utilização de termos
estrangeiros que não encontram equivalentes na língua portuguesa, como
videogame, shopping center, outdoor, pot pourri, que devem ser grafados em itálico.

Coerência e coesão

A ideia de coerência está relacionada, no texto da lei, com o grau de
integração semântica que as normas nela contidas conseguem alcançar. Um
texto legal é considerado coerente quando possui uma unidade de sentido
que favorece sua compreensão, a aceitação de sua lógica e sua aplicação,
fazendo reduzir o risco de interpretações divergentes e contraditórias.

É sobretudo nas relações entre os preceitos que a coerência do texto legal
se estabelece, tanto internamente, entre os dispositivos da própria lei, quanto
externamente, na integração deles com os vários elementos, normativos ou
não, que compõem a linguagem e o ordenamento jurídicos: os preceitos
contidos em outras