Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed.  ALMG
50 pág.

Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed. ALMG


DisciplinaProcesso Legislativo197 materiais753 seguidores
Pré-visualização50 páginas
renda nas regiões

produtoras.
Art. 3° \u2013 A política estadual de desenvolvimento sustentado da cadeia

produtiva do algodão observará as seguintes diretrizes:
I \u2013 integração das ações públicas e privadas para o setor;
II \u2013 busca do aumento da produtividade e da melhoria da qualidade do

algodão produzido no Estado;
III \u2013 criação de um programa de incentivo fiscal que leve em conta,

principalmente, a produtividade, a qualidade e os aspectos ambientais da
cultura do algodão;

IV \u2013 estímulo à adoção da cotonicultura pela agricultura familiar;
V \u2013 incentivo à pesquisa, à melhoria tecnológica, à assistência técnica

e à extensão rural, principalmente quanto às técnicas de manejo agrícola
e de desenvolvimento e utilização de sementes selecionadas, adequadas às
diferentes regiões do Estado;

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 77 27/3/2013 13:10:01

M
A

N
U

A
L

 D
E

 R
ED

A
Ç

Ã
O

 P
A

RL
A

M
EN

TA
R

78
VI \u2013 respeito à legislação ambiental, com a adoção de medidas de con-

trole da poluição e da contaminação do meio ambiente;
VII \u2013 apoio e incentivo à organização da produção e do produtor rural.
Art. 4° \u2013 Compete ao Poder Executivo, na administração e na gerência

dos programas criados para efetivação da política de que trata esta lei:
I \u2013 promover a articulação dos setores envolvidos na cadeia produtiva do

algodão;
II \u2013 destinar recursos para a melhoria tecnológica do algodão produzido no

Estado;
III \u2013 prestar assistência técnica aos agricultores no que se refere à sua

organização e capacitação para a produção e aos aspectos gerenciais e de
comercialização;

IV \u2013 identificar áreas propícias ao cultivo do algodão;

V \u2013 criar mecanismos de incentivo da cotonicultura na agricultura familiar;
VI \u2013 estabelecer parâmetros de classificação e padronização das fibras de

algodão na esfera de competência do Estado;
VII \u2013 exercer a inspeção e a fiscalização fitossanitária, com ênfase na

erradicação do bicudo-do-algodoeiro.
Art. 5° \u2013 São fontes de recursos para os programas criados para

efetivação da política de que trata esta lei:
I \u2013 dotações consignadas no orçamento do Estado;
II \u2013 recursos provenientes de fundos estaduais, especialmente os do

Fundo Estadual de Desenvolvimento Rural \u2013 Funderur \u2013, do Fundo de
Fomento e Desenvolvimento Socioeconômico do Estado de Minas Gerais \u2013
Fundese \u2013 e do Fundo de Incentivo à Industrialização \u2013 Find;

III \u2013 financiamentos externos e internos;

IV \u2013 recursos provenientes de outras fontes.
Art. 6° \u2013 No planejamento e na execução das ações de que trata esta

lei, será assegurada a participação de representantes dos setores produtivo e
agroindustrial do algodão.

Art. 7° \u2013 O setor industrial fará jus à desoneração tributária relativa
ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre
Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de
Comunicações \u2013 ICMS \u2013, de que trata a Lei n° 14.366, de 19 de julho de
2002, a partir do vencimento do prazo fixado nessa lei, desde que cumpridas as
seguintes condições:

I \u2013 participação, por meio de sua representação estadual, na implemen-

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 78 27/3/2013 13:10:01

 O
 PRO

CESSO
 LEg

ISLATIvO
79

tação dos programas de incentivo e desenvolvimento da cultura do algodão
criados em decorrência do disposto nesta lei;

II \u2013 destinação de percentual do valor desonerado do ICMS para
incentivar o cultivo, a pesquisa e a comercialização do algodão produzido
no Estado, bem como a organização dos produtores e a divulgação da
cotonicultura mineira no País ou no exterior, garantindo-se ao produtor
a remuneração de até 9% (nove por cento) sobre o preço de mercado, nos
termos do regulamento desta lei;

III \u2013 priorização das regiões mineiras que tradicionalmente mantêm ou
mantiveram a cultura do algodão;

IV \u2013 industrialização do algodão no Estado;
V \u2013 compromisso de aquisição prioritária do algodão produzido no

Estado, portador de certificado de origem e qualidade emitido por entidade
credenciada pelo Poder Executivo, nos termos do regulamento desta lei.

Art. 8° \u2013 O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de noventa
dias contados da data de sua publicação.

Art. 9° \u2013 Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Sala das Reuniões, ... de ... de ... .

Deputado ...

Justificação: O cultivo do algodão em Minas Gerais, nos últimos anos,
encontra-se em processo de declínio acentuado. Tal fato pode ser constatado
pela drástica redução da área plantada no Estado, a qual representa hoje em
torno de 25% da existente na década de 1980. Além de enormes prejuízos
para a economia estadual, a decadência da cotonicultura mineira traz graves
implicações sociais, uma vez que a atividade é grande empregadora de
mão de obra tanto na produção primária como nas demais fases da cadeia
agroindustrial.

Tal situação não se justifica, pois o Estado possui todas as condições
físicas, geográficas, climáticas e agrícolas favoráveis à produção de algodão,
em condições competitivas com qualquer região do Brasil. Além disso, é
reconhecida a competência do parque industrial têxtil mineiro, um dos maiores,
mais tradicionais e eficientes do País.

É evidente, portanto, a necessidade da adoção, pelo poder público, de uma

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 79 27/3/2013 13:10:01

M
A

N
U

A
L

 D
E

 R
ED

A
Ç

Ã
O

 P
A

RL
A

M
EN

TA
R

80
política específi ca para o desenvolvimento da cotonicultura mineira, de
modo a possibilitar a retomada da atividade por intermédio de ações que
promovam a integração das instituições públicas e privadas que atuam no
agronegócio do algodão.

O projeto que ora apresentamos é fruto de inúmeras discussões com
os diversos segmentos que integram a cadeia agroindustrial do algodão
\u2013 agricultores, usinas de benefi ciamento, indústrias têxteis e órgãos
públicos ligados ao setor. Pretende-se, dessa forma, dotar o Estado de
um instrumento legal que possibilite a implementação de política pública
voltada para o incentivo de uma atividade com enorme potencial de
geração de emprego e renda, o que se revela de extrema relevância para o
desenvolvimento socioeconômico de Minas Gerais.

novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 80 27/3/2013 13:10:01

 O
 PRO

CESSO
 LEg

ISLATIvO
81

Modelo 3

PROJETO DE LEI N° .../...

Determina o reconhecimento das aulas
ministradas em curso pré-vestibular popular,
comunitário ou similar como atividade de
estágio, nos termos que menciona.

A Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais decreta:

Art. 1° \u2013 As aulas ministradas em curso pré-vestibular popular,
comunitário ou similar por estudante de instituição de ensino superior
vinculada ao sistema estadual de ensino serão reconhecidas como atividade
de estágio, respeitadas as diretrizes curriculares nacionais dos cursos de
graduação e os limites fixados pelas instituições de ensino.

Art. 2° \u2013 Para os fins do disposto nesta lei, considera-se curso pré-
vestibular popular, comunitário ou similar aquele destinado a pessoas de
baixa renda ou integrantes de populações historicamente discriminadas.

Art. 3° \u2013 São condições para o reconhecimento do estágio, além das
previstas nas normas aplicáveis e das definidas pela instituição de ensino:

I \u2013 que o curso pré-vestibular em que é exercida a atividade de estágio
comprove regularidade de funcionamento e mantenha no currículo aulas de
cultura e cidadania;

II \u2013 que haja afinidade entre a disciplina lecionada e o curso em que o
estagiário está matriculado;

III \u2013 que a atividade de estágio seja supervisionada e avaliada, sistemática
e permanentemente, por docente da unidade de ensino superior em que o