Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed.  ALMG
400 pág.

Manual de Redação Parlamentar 3ª Ed. ALMG


DisciplinaProcesso Legislativo206 materiais784 seguidores
Pré-visualização50 páginas
No fecho, deve-se usar \u201cSala de Reuniões da Mesa da Assembleia, ...\u201d.
Modelo 34
PARECER SOBRE O REQUERIMENTO Nº .../... 
Mesa da Assembleia
Relatório
Por intermédio da proposição em tela, o deputado ... requer ao presidente 
da Assembleia Legislativa seja encaminhado à Secretaria de Estado de 
Desenvolvimento Social, pedido de informações sobre o convênio que será 
assinado entre o Estado e o Município de Corinto com vistas à instalação do 
Centro Integrado de Atendimento à Criança, Adolescente e Família \u2013 Ciacaf 
\u2013, no local da antiga Escola Agrícola do município. 
O requerimento foi publicado no Diário do Legislativo de .../.../... e 
encaminhado à apreciação deste órgão colegiado, ao qual cumpre sobre ele 
emitir parecer, nos termos do art. 79, VIII, \u201cc\u201d, do Regimento Interno. 
Fundamentação
A apresentação do requerimento é motivada pelo interesse despertado 
na sociedade de Corinto por reportagem veiculada recentemente em 
jornal local. Segundo a matéria, a Escola Milton Campos, antiga Escola 
novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 160 27/3/2013 13:10:05
 O
 PRO
CESSO
 LEg
ISLATIvO
161
Agrícola, que atualmente integra o patrimônio do Estado, poderá voltar à 
responsabilidade do município com a assinatura de convênio. Situada a 
6km da sede urbana, a entidade, que no passado foi uma das unidades da 
Febem, será transformada no Centro Integrado de Atendimento à Criança, 
Adolescente e Família \u2013 Ciacaf \u2013, um projeto do governo estadual. 
No que concerne à iniciativa, a proposição encontra amparo no § 
2º do art. 54 da Constituição do Estado, que assegura à Assembleia 
Legislativa o poder de encaminhar pedido de informação, por meio de 
sua Mesa, a secretário de Estado. Segundo o mesmo dispositivo, a recusa, 
o não atendimento no prazo de 30 dias ou a prestação de informação falsa 
importam crime de responsabilidade. 
Consoante o relatado, a proposição não apresenta vício de iniciativa e 
confi gura legítimo exercício do controle, reservado constitucionalmente 
a este Parlamento, de atos ou omissões de órgãos do Poder Executivo na 
execução de política pública. No caso, as informações solicitadas são de 
grande interesse para a sociedade. 
Conclusão
Em face do exposto, opinamos pela aprovação do Requerimento nº .../... 
. 
Sala de Reuniões da Mesa da Assembleia, ... de ... de ... . 
 
, presidente
, relator
(demais membros da Mesa da Assembleia)
novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 161 27/3/2013 13:10:05
M
A
N
U
A
L 
 D
E 
 R
ED
A
Ç
Ã
O
 P
A
RL
A
M
EN
TA
R
162
Parecer sobre proposta de ação legislativa
Modelos 35 e 36
A proposta de ação legislativa é uma sugestão de adoção de medida de 
competência do Poder Legislativo formalmente encaminhada por entidade 
da sociedade civil à Comissão de Participação Popular da Assembleia.
Por ser de iniciativa popular, não se exige a observância dos padrões 
de textos ofi ciais; exige-se apenas que a proposta seja acompanhada dos 
documentos comprobatórios de constituição da entidade. A Comissão de 
Participação Popular emite parecer acolhendo ou rejeitando a proposta de 
ação legislativa. A estrutura e o conteúdo das diferentes partes do parecer 
são os mesmos dos demais pareceres de comissão.
No caso de acolhimento, a conclusão deve conter a proposição por meio 
da qual será formalizada a proposta \u2013 projeto de lei, emenda a projeto em 
tramitação (Modelo 35), requerimento (Modelo 36) \u2013 ou determinar outra 
medida a ser adotada.
Modelo 35
PARECER SOBRE A PROPOSTA DE AÇÃO LEGISLATIVA Nº .../...
Comissão de Participação Popular
Relatório
A Proposta de Ação Legislativa nº .../..., de autoria da Federação das 
Comunidades Quilombolas de Minas Gerais \u2013 N\u2019Golo \u2013, sugere a criação, 
no Plano Plurianual de Ação Governamental \u2013 PPAG \u2013 2008-2011, da ação 
denominada Atenção à Saúde das Comunidades Indígenas e Quilombolas, 
cuja fi nalidade é estruturar a atenção primária à saúde nas aldeias indígenas e 
comunidades quilombolas, garantindo-se a equidade e a qualidade do acesso 
dessas populações.
A proposta foi apresentada em audiência pública realizada pela Comissão 
de Participação Popular em .../.../..., em Belo Horizonte, com o propósito 
novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 162 27/3/2013 13:10:05
 O
 PRO
CESSO
 LEg
ISLATIvO
163
de colher sugestões para o aprimoramento do Projeto de Lei nº 3.808/2009, 
que dispõe sobre a revisão do PPAG 2008-2011.
Publicada no Diário do Legislativo de .../.../..., vem a proposta a esta 
comissão para receber parecer, nos termos do disposto no art. 102, XVI, 
\u201ca\u201d, do Regimento Interno.
Fundamentação
A proposta em análise visa incluir no Programa 706 \u2013 Atenção 
Assistencial à Saúde \u2013 do PPAG 2008-2011 ação com a finalidade de garantir 
atenção primária à saúde das comunidades indígenas e quilombolas. 
Cumpre destacar que a Ação 4468 \u2013 Atenção à Saúde das Comunidades 
Indígenas e Quilombolas \u2013 do PPAG 2008-2011, exercício de 2009, tem 
finalidade semelhante à proposta em comento e foi excluída do projeto de 
revisão do PPAG 2008-2011 para o exercício de 2010 por não haver previ-
são de sua execução nesse exercício. No entanto, entendemos que a restau-
ração da referida ação é oportuna pelas razões que a seguir apresentamos.
De acordo com o Decreto Federal nº 6.040, de 2007, que institui a 
Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades 
Tradicionais, esses grupos se caracterizam pela cultura diferenciada, com 
formas próprias de organização social. Além disso, ocupam territórios e 
usam recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, 
religiosa e econômica, embasados em conhecimentos, inovações e práticas 
gerados e transmitidos pela tradição.
No Brasil, existem várias comunidades tradicionais, como as ribeirinhas 
e as de quebradeiras de coco, seringueiros, castanheiros e as de indígenas 
e quilombolas. No território mineiro, somente as duas últimas podem ser 
reconhecidas como tradicionais.
Essas comunidades precisam de atenção especial do Estado em todas as 
áreas, pois as condições de vida da maioria de seus integrantes são próximas 
da miséria. O art. 3º do referido decreto estabelece a garantia do acesso 
dos povos e comunidades tradicionais a serviços de saúde de qualidade e 
adequados a suas características socioculturais, necessidades e demandas, 
com ênfase nas concepções e práticas da medicina tradicional, como um dos 
objetivos da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e 
Comunidades Tradicionais. 
Dadas as características peculiares dos povos indígenas e dos remanes-
centes de quilombos, algumas doenças são prevalentes nesses grupos devido 
a fatores genéticos ou a seu modo de vida. As doenças mais comuns nos 
novo Manual RP ed 3 NOVEMBRO 12 FINAL.indd 163 27/3/2013 13:10:05
M
A
N
U
A
L 
 D
E 
 R
ED
A
Ç
Ã
O
 P
A
RL
A
M
EN
TA
R
164
quilombos são diabetes, doença de Chagas, esquistossomose, anemia e ane-
mia falciforme. Já existem casos de DST-aids e outras às quais os programas 
brasileiros de saúde dão cobertura plena. Entre os índios, são frequentes os 
casos de doenças parasitárias, e até mesmo doenças comuns, como a gripe, 
podem ocasionar a morte, uma vez que eles não têm anticorpos para com-
bater a maioria dos agentes patogênicos.
Segundo dados do Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva 
\u2013 Cedefes \u2013, uma ONG mineira que pesquisa e estuda temas sociais e já 
tem várias publicações na área, havia, em Minas Gerais, até junho de 2007, 
435 comunidades quilombolas pré-identificadas e mais de 14.000 índios, 
representando aproximadamente 10 etnias. Sabemos que hoje muitas dessas 
comunidades já são atendidas pelo Programa Saúde da Família \u2013 PSF. Muito 
poucas, porém, contam com posto