HUM 03 - O Sistema Internacional de Proteção
36 pág.

HUM 03 - O Sistema Internacional de Proteção


DisciplinaDireitos Humanos11.159 materiais44.052 seguidores
Pré-visualização18 páginas
Apostilas Concursos Jurídicos 
\uf8e9 Copyright 2005 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. – www.concursosjuridicos.com.br 
Uso exclusivo do assinante. É proibida a reprodução desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
1 
 
DDIIRREEIITTOOSS HHUUMMAANNOOSS 
 
0033 
 
OO SSiisstteemmaa 
IInntteerrnnaacciioonnaall ddee 
PPrrootteeççããoo 
 
 
 
 
 
 
 0033..11 –– AA IInntteerrnnaacciioonnaalliizzaaççããoo ddooss DDiirreeiittooss HHuummaannooss 
 
 
 DDiirreeiittoo IInntteerrnnaacciioonnaall ddooss DDiirreeiittooss HHuummaannooss 
 
Noções Iniciais: 
Os direitos humanos possuem um caráter universal que propicia, de certa forma, a necessidade de um 
sistema internacional de proteção. O Direito Internacional dos Direitos Humanos consiste em um 
sistema de normas, procedimentos e instituições internacionais desenvolvidos para implementar esta 
concepção e promover o respeito dos direitos humanos em todos os países, no âmbito mundial. 
Diversos tratados, convenções, declarações e recomendações internacionais têm acentuado esta 
característica de universalidade. 
 
As recomendações funcionam como uma sugestão aos Estados, de modo a orientar o seu direito 
interno. Não são ratificadas pelos Estados participantes, ao contrário do que ocorre com as 
convenções que são capazes de gerar obrigações. 
 
Movimento do Direito Internacional dos Direitos Humanos: 
O movimento do direito internacional dos direitos humanos é baseado na concepção de que toda 
nação tem a obrigação de respeitar os direitos humanos de seus cidadãos e de que todas as nações e a 
comunidade internacional têm o direito e a responsabilidade de protestar, se um Estado não cumprir 
suas obrigações. 
 
Origem: 
O Direito Humanitário, a Liga das Nações e a Organização Internacional do Trabalho situam-se 
como os primeiros marcos do processo de internacionalização dos Direitos Humanos. A partir da 
aprovação da Declaração Universal de 1948 e também da concepção contemporânea de direitos 
humanos por ela induzia, começa a se desenvolver o Direito Internacional dos Direitos Humanos, 
mediante a adoção de inúmeros tratados internacionais voltados à proteção de direitos fundamentais. 
 
 
 Apostilas Concursos Jurídicos 
\uf8e9 Copyright 2005 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. – www.concursosjuridicos.com.br 
Uso exclusivo do assinante. É proibida a reprodução desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
2 
 
Direito Humanitário: 
Componente dos direitos humanos da lei da guerra, aplicado na hipótese de guerra, no intuito de fixar 
limites à atuação do Estado e assegurar a observância de direitos fundamentais. 
 
Liga das Nações: 
Criada após a Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações tinha como finalidade promover a 
cooperação, paz e segurança internacional, condenando agressões externas contra a integridade 
territorial e independência política dos seus membros. 
 
Organização Internacional do Trabalho: 
Criada também após a Primeira Guerra Mundial, a OIT tinha por finalidade promover padrões 
internacionais de condições de trabalho e bem estar. 
 
 
 OOss SSiisstteemmaass ddee PPrrootteeççããoo ddooss DDiirreeiittooss HHuummaannooss 
 
O Sistema Internacional de Proteção: 
O Sistema Internacional tem alcance universal e possui fundamento jurídico nos acordos 
internacionais, como a Carta da ONU, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros 
documentos de conteúdo jurídico específico elaborados na esfera da Organização das Nações Unidas. 
 
O Direito Internacional Humanitário: 
O Direito Internacional Humanitário, com fundamento jurídico nas Convenções de Genebra, tem 
como objetivo a proteção dos indivíduos em situações de conflitos armados. 
 
Os Sistemas Regionais de Proteção: 
Surgidos na América, Europa e África, estes sistemas têm como objetivo garantir um controle mais 
efetivo dos direitos humanos a nível regional. 
 
 
 
 
 
 
 0033..22 –– OOss IInnssttrruummeennttooss IInntteerrnnaacciioonnaaiiss ddee PPrrootteeççããoo 
 
 
 AA CCaarrttaa ddaa OOrrggaanniizzaaççããoo ddaass NNaaççõõeess UUnniiddaass 
 
Noções Iniciais: 
Em 1945, passada a Segunda Guerra Mundial, cinqüenta e um países assinam a Carta Fundadora das 
Nações Unidas, em que se proclama “a fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e valor 
da pessoa humana”. A Carta da ONU é um importante documento deste século no tocante à matéria 
do reconhecimento e preservação dos direitos fundamentais do indivíduo do mundo pós-guerra, em 
que era preciso evitar que atrocidades ocorridas durante a guerra fossem feitas novamente, garantindo 
 
 Apostilas Concursos Jurídicos 
\uf8e9 Copyright 2005 – Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. – www.concursosjuridicos.com.br 
Uso exclusivo do assinante. É proibida a reprodução desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
3 
 
que as gerações vindouras não sofressem tais atrocidades. A Carta da ONU foi ratificada pelo Brasil, 
em 21 de setembro de 1945. 
 
A Carta da ONU tem natureza jurídica de tratado internacional. 
 
Conteúdo: 
A Carta possui no seu conteúdo as principais disposições com relação à manutenção da paz e 
segurança internacionais, dando prioridade ao estabelecimento das condições necessárias para a 
efetivação da justiça e o respeito às obrigações conseqüentes da assinatura dos tratados. A Carta tem 
como objetivos principais o respeito aos direitos e liberdades fundamentais do indivíduo, a 
manutenção da paz e a segurança internacional. A Carta também garante as condições necessárias ao 
progresso social e melhorias nas condições de vida. 
 
 
 AA DDeeccllaarraaççããoo UUnniivveerrssaall ddooss DDiirreeiittooss ddoo HHoommeemm 
 
Noções Iniciais: 
A evolução dos direitos chamados de primeira geração, as liberdades públicas, e os da segunda 
geração, os direitos sociais, encontram seu coroamento na Declaração Universal dos Direitos do 
Homem, promulgada pela Assembléia Geral da ONU em 1948. 
 
A Comissão dos Direitos Humanos: 
Após a elaboração da Carta da ONU, foi criada uma Comissão dos Direitos Humanos no início de 
1946 pela Sociedade das Nações com a incumbência de redigir um documento que seria uma Carta 
Internacional de Direitos do Homem. Esta Comissão, presidida por Eleanor Roosevelt, elaborou a 
Declaração Universal dos Direitos Humanos como ideal comum a atingir por todos os povos e todas 
as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente 
no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e 
liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu 
reconhecimento e a sua aplicação universal e efetivo, tanto entre as populações dos próprios Estados 
membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição. 
 
A Proclamação: 
A Declaração Universal dos Direitos do Homem foi adotada e proclamada pela Resolução nº 217-A 
da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 10 de Dezembro de 1948. Quarenta e oito Estados 
votaram a favor da Declaração, nenhum votou contra e houve oito abstenções. A Declaração 
Universal dos Direitos Humanos foi ratificada pelo Brasil no mesmo dia. 
 
A Declaração dos Direitos do Homem não tem a natureza jurídica de tratado. Trata-se de 
uma resolução da Organização das Nações Unidas, de caráter recomendativo. 
 
Conteúdo: 
A Declaração é formada por um preâmbulo e trinta artigos que enumeram os direitos humanos e 
liberdades fundamentais de que são titulares todos os homens e mulheres, de todo o mundo, sem 
qualquer discriminação. As duas primeiras gerações de Direitos Humanos recebem um 
reconhecimento oficial por parte dos países signatários da Declaração.