Anotações da Aula de Legislação e Direito
24 pág.

Anotações da Aula de Legislação e Direito


DisciplinaDireito e Legislação425 materiais4.568 seguidores
Pré-visualização10 páginas
ébrito habitual são os bêbados.
\u2022
III - os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo;\u2022
IV - os pródigos. Os que gastam demais.\u2022
Parágrafo único. A capacidade dos índios será regulada por legislação especial.\u2022
Obs.: deverão ser assistidos/ anulabilidade do ato jurídico.\u2022
Defesas previstas em lei
1- Podem recuperar dívidas de jogo (814 CC)\u2022
2- Partilha em que haja incapaz não pode ser pactuada amigavelmente (2015 CC)\u2022
3- não corre prescrição contra os absolutamente incapazes. (198, I CC)\u2022
4- mútuo feito a um menor não pode ser reavido; Empréstimo, por exemplo.\u2022
5- beneficiam-se da representação e assistência.\u2022
Tutela e Curatela
Tutela \u2013 instituto de caráter assistencial que tem por finalidade substituir o poder familiar (protege o menor não 
emancipado e seus bens)
\u2022
Curatela \u2013 encargo público previsto em lei que é conferido a pessoas maiores, que por si só não estão em 
condições de realizar os atos da vida civil.
\u2022
Emancipação
Aquisição da capacidade plena antes dos 18 anos de idade:\u2022
1- por concessão dos pais ou de um deles na falta do outro (mínimo 16 anos);\u2022
2- por sentença do juiz (16 anos);\u2022
3- pelo casamento (16 anos) exige autorização dos pais;\u2022
4- por exercício de emprego público; colação de grau em curso superior, emprego com economia própria.\u2022
Bens
Conceito - São valores materiais ou imateriais que podem ser objeto de uma relação de direito Imóveis \u2013 são os 
que não podem ser removidos, sem a sua destruição:
- por natureza\u2022
- por acessão física\u2022
- por acessão intelectual\u2022
- por disposição legal
Móveis
São os bens que podem ser removidos sem a sua destruição.\u2022
- força própria (automóvel, cadeira, livro, jóia)\u2022
- força alheia (semoventes \u2013 bois, cavalos)\u2022
Obs.: navios e aeronaves são bens móveis, necessitam de registro especial e admitem hipoteca.\u2022
Bens Fungíveis \u2013 podem ser substituídos por outro do mesmo gênero, qualidade e quantidade.\u2022
Bens Infungíveis \u2013 são os que não podem ser substituídos por outro do mesmo gênero, qualidade e quantidade.\u2022
Fato jurídico Natural
Acontecimento que independe da vontade humana, que produz efeitos jurídicos, criando, modificando ou 
extinguindo direitos.
 Página 17 de Direito e Legislação 
extinguindo direitos.
Ordinário \u2013 nascimento, maioridade, decurso de prazo, usucapião, prescrição e decadência.
Extraordinário \u2013 caso fortuito (causa desconhecida) ou força maior (conhece a causa , fato da natureza)
Prescrição \u2013 é a perda do direito de ação, devido à inércia do titular de direito; Prazo que se tem para cobrar, 
pois, se demorar muito para se cobrar uma dívida.
\u2022
Decadência \u2013 é a perda do próprio direito.\u2022
Fato Jurídico humano
É o acontecimento que depende da vontade humana.\u2022
Voluntário ( ato jurídico \u2013 reconhecer um filho; negócio jurídico \u2013 contratos)\u2022
Involuntário \u2013 ato ilícito . O ato ilícito não é ato jurídico, pois este, tem que ser lícito.\u2022
Ineficácia do negócio jurídico
Ato inexistente \u2013 é o ato não idôneo para a produção de efeitos jurídicos;\u2022
Nulidade \u2013 lei impõe sanção devido à desobedecer ao que ela prescreve\u2022
Nulidade absoluta \u2013 ato não produz qualquer efeito por ofender princípios de ordem pública;\u2022
Nulidade relativa \u2013 o ato é anulável e enquanto não for anulado, prevalece. \u2022
Teoria sobre a responsabilidade
Responsabilidade objetiva \u2013 não se verifica a culpa do agente, só a existência do fato danoso e a relação de 
causalidade.
\u2022
Ex: responsabilidade do hoteleiro pelo furto de objetos de valores praticados por empregados contra hóspedes. 
Não que seja culpado, mas a responsabilidade é sua.
\u2022
Ex: art. 37, § 6º da CF \u2013 danos causados pela atividade administrativa. Não necessita provar a culpa de alguém,o 
fato ocorrido é suficiente.
\u2022
Teoria da Resp.Subjetiva
Haverá responsabilidade por indenização somente quando houver culpa do agente.
A culpa em sentido amplo abrange o dolo e a culpa em sentido estrito.\u2022
Dolo \u2013 o pleno conhecimento do mal e a intenção de o praticar.\u2022
Culpa \u2013 (sentido estrito) é a violação de um dever que o agente poderia conhecer e acatar.\u2022
É quando o responsável é o agente, e não a responsabilidade objetiva. É como se a responsabilidade fosse do 
médico, e não do hospital, do garçom e não do restaurante.
Adotada pelo nosso Cód.Civil
Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a 
outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
\u2022
Teoria da Responsabilidade Subjetiva\u2022
Indispensável : Conduta / Ocorrência de um dano e Nexo de causalidade\u2022
Obrigação
\u201cRelação jurídica de caráter transitória estabelecida entre devedor e credor, cujo objeto consiste numa prestação 
pessoal, econômica, positiva ou negativa, devida pelo primeiro ao segundo garantindo-lhe o adimplemento 
através de seu patrimônio\u201d 
\u2022
Fonte das obrigações
Contratos ( compra e venda, locação etc...)\u2022
 Página 18 de Direito e Legislação 
Contratos ( compra e venda, locação etc...)\u2022
Atos Ilícitos ( danos causados por acidentes de veículos etc...)\u2022
Ato unilateral de vontade (promessa de recompensa)\u2022
Classificação das obrigações
Obrigação Positiva de dar : coisa certa e coisa incerta\u2022
Obrigação Positiva de fazer : fungível e infungível\u2022
*Astreinte= penalidade imposta ao devedor.
Obrigação Negativa de não fazer : ex.: não poder colocar o nome no cadastro de devedor, quando alguém está 
num processo contra a loja dizendo que está sob juros abusivos, ou cobranças indevidas por exemplo. Tem uma 
obrigação negativa, ou seja, de não colocar(fazer) o nome.
Contrato
Acordo de duas ou mais vontades que visa à aquisição (criação), resguardo, transformação, modificação ou 
extinção de relações jurídicas de natureza patrimonial.
\u2022
Elementos: capacidade, consentimento, objeto lícito, possível, certo e economicamente apreciável e forma 
prescrita ou não defesa em lei.
\u2022
Princípios Fundamentais dos contratos
Autonomia da vontade (prevalece a vontade das partes);\u2022
Observância de normas de ordem pública;\u2022
Obrigatoriedade das convenções;\u2022
Relatividade dos efeitos do negócio jurídico.\u2022
 Página 19 de Direito e Legislação 
Escravidão
No passado, era a principal fonte de mão de obra. O momento era pré-jurídico - inexistência de 
norma na relação de trabalho. O trabalho não tinha valor, por isso não merecia ter uma legislação 
reguladora.
O aspecto marcante foi a SUBORDINAÇÃO, que hoje, com uma conceituação diferente, é um dos 
requisitos para a caracterização do empregado
Servidão
Após a escravidão as relações de trabalho passaram para o regime de servidão. Nessa época 
prevalecia o domínio da igreja. Como a escravidão já era mal vista pela sociedade e pela igreja, os 
senhores de propriedade tiveram que mudar a forma de exploração de terra (a mão de obra). 
Surgem as figuras dos servos ou vassalos. Os detentores de terra detinham o PODER, e também 
possuíam algo a oferecer, uma RECOMPENSA, como proteção e terras para os servos plantarem, 
morarem etc. Verifica-se, assim, mais um requisito da relação de emprego: a onerosidade, ou 
contraprestação dada pelo empregador.
Corporações de Ofício
Com o regime de servidão ocorre a evolução das cidades e do comércio, e também o crescimento 
dos artesãos. Nesse momento, o Estado começa a interferir nas relações de trabalho, com a 
criação de uma autorização para que os artesãos, que eram os mestres, pudessem ter 
empregados, na época chamados de companheiros. Estes não poderiam se tornar mestres, não 
por falta de conhecimento, mas porque não tinham autorização do Estado. Não existia a real 
liberdade. Cada corporação de ofício possuía seus mestres. Entretanto, aqui nasce o SALÁRIO, 
pago em moeda. E a figura do aprendiz, que era o chamado companheiro. 
Capitalismo
Neste momento a sociedade diz ao Estado para que se afaste das relações de trabalho, por que o 
homem quer ser o que quiser e não o que o Estado autorizar,